Translate

quinta-feira, 23 de junho de 2022

"REI DOS CATALISADORES" VOLTA A SER LIBERTADO


O Rei dos catalisadores, que protagonizou duas fugas as autoridades e é suspeito de mais de 70 furtos em veículos desde o início do ano, voltou a ser libertado esta quinta-feira, por ordem do Ministério Público (MP). Tinha sido detido por militares da GNR de Arcozelo, em Vila Nova de Gaia, ao volante de um carro furtado.

De acordo com a contabilidade do JN, em apenas um mês, Vítor Macedo foi detido pelas autoridades e libertado por ordem judicial pelo menos quatro vezes.

A primeira detenção aconteceu a 25 de maio, após ter provocado um acidente quando circulava em marcha-atrás na VCI, no Porto, para fugir à PSP. Foi detetado a furtar um catalisador, em flagrante delito, por elementos da Esquadra de Investigação Criminal da PSP do Porto, na zona do Pinheiro Manso. Com ele, estava a namorada, suspeita de ser cúmplice nos crimes. Quando se apercebeu da presença de agentes fugiu num veículo também furtado.

Tinha já percorrido cerca de sete quilómetros a alta velocidade e chegado à VCI quando, na zona de Bessa Leite, decidiu conduzir em marcha-atrás para tentar escapar à perseguição da Polícia. Ainda conseguiu fazer cerca de 500 metros, até provocar um acidente. Foi apanhado e levado a tribunal, que lhe decretou a medida de coação de apresentações diárias às autoridades. Não as cumpre.

Voltou a ser detido no mesmo dia ao abrigo de um mandado de detenção para ser interrogado no âmbito de um processo de furto, no Tribunal de Gondomar. Foi novamente libertado, após se ter recusado a prestar declarações.

No dia 4 de junho, voltou a ser preso. Desta feita, estava no Bairro do Cerco, no interior de uma viatura furtada momentos antes, onde estavam diversas ferramentas e um catalisador roubado. De novo levado a tribunal, foi outra vez libertado.

A 16 de junho, escapou às autoridades. Foi perseguido 19 quilómetros entre o centro do Porto, onde foi detetado em flagrante em mais um roubo, e São Félix da Marinha, em Gaia. A operação, que terminou num caminho florestal, permitiu a detenção de um alegado cúmplice. Trata-se de outro rei ("king" em inglês), que chegou a ser estrela num programa da SIC, o "Factor X". Daduh King, nome artístico de Dário Ferreira, foi apanhado pela PSP no término da perseguição, enquanto o "rei dos catalisadores" conseguiu fugir pelo mato.

A mais recente detenção foi consumada esta quarta-feira. Foi detetado ao volante de um Toyota Carina furtado, na zona da Granja, em Gaia. Os militares de Arcozelo conseguiram capturá-lo e levaram-no para o posto da GNR. Já esta quinta-feira, foi levado ao Tribunal de Vila Nova de Gaia, onde o MP ordenou a sua libertação.

sexta-feira, 17 de junho de 2022

FEBRE DO CARACOL JÁ INFETOU 56 MILHÕES E PODE SER FATAL


A febre do caracol está a ensombrar África, tendo já afetado cerca de 56 milhões de mulheres e meninas, estima a Organização Mundial de Saúde (OMS). A doença, tecnicamente conhecida como esquistossomose genital feminina (FGS, sigla em inglês), é causada por um parasita que sai do caracol enquanto está dentro de água, instala-se no corpo das pessoas do sexo feminino e produz ovos que atacam o colo do útero e podem ser fatais, informou o "The Telegraph".

Como informa o jornal britânico, é nas águas no rio Kafue, na Zâmbia, no sul de África, que o inimigo invisível ataca. Depois dos parasitas saírem dos caracóis, começam uma caminhada pela procura de um hospedeiro onde se possam instalar. Quando se enterram na pele humana, viajam na corrente sanguínea até conseguirem introduzir ovos no colo do útero, acabando por bloquear as trompas de falópio, o que pode levar à infertilidade ou gravidez ectópica.

Nos casos mais extremos, a doença pode mesmo levar à morte, uma vez que provoca lesões que aumentam em quatro vezes o risco de contrair o HIV, sendo que as vítimas podem ainda desenvolver cancro de colo de útero e bexiga.

Apesar de ser mais regular em mulheres, a febre do caracol também afeta homens e causa cerca de 280 mil mortes por ano em todo o Mundo. Numa altura em que ainda não há nenhuma vacina contra a doença, já é possível tratar a esquistossomose genital feminina e evitar implicações graves. Em algumas regiões da Zâmbia, muitas adolescentes recebem um tratamento preventivo anual de praziquantel, que se trata de uma forma de quimioterapia que mata os vermes, seguindo assim as recomendações da OMS.

Kasika Mkwakti, enfermeira em Maramba, uma região da Zâmbia muito afetada pela febre do caracol, admitiu que a equipa com a qual trabalha nunca tinha ouvido falar da doença antes de 2020, como tal, só agora é que os profissionais de saúde começaram a fazer testes de modo a tentar detetar a doença o mais rápido possível. "No mês passado, examinamos 48 mulheres e uma já tinha cancro do colo do útero", contou Mkwakti ao "The Telegraph".

Erradicação é possível

O diagnóstico da doença numa fase inicial é fulcral para que o tratamento possa ser mais eficaz, mas a maioria das pessoas não percebe que está doente, tendo em conta que os sintomas podem demorar vários anos para se desenvolverem. Quando aparecem, os pacientes acabam por deparar-se com inchaços nas zonas do corpo onde os vermes se instalam, febre, diarreia, sangue na urina, dores genitais e musculares.

De acordo com a WaterAid, uma ONG com sede na Zâmbia, 6,4 milhões de pessoas um terço da população total do país, que é de 18 milhões não têm acesso a água potável, e mais de 2 mil crianças menores de cinco anos morrem todos os anos como resultado. Esta situação faz com que as pessoas procurem água para consumo no rio, aumentando o risco de contrair doenças como a febre do caracol ou cólera.

No entanto, há esperança para a erradicação da esquistossomose genital feminina. O Japão e a Tunísia são dois países que o conseguiram fazer com sucesso, sendo que o Brasil, Marrocos, Egito e ilhas das Caraíbas também estão a dar largos passos neste sentido. Segundo os especialistas em saúde pública, o segredo para travar a disseminação da doença é investir no controlo dos caracóis, melhorar o acesso a água potável e continuar a fornecer quimioterapia preventiva para crianças em idade escolar.

Para já, um dos principais obstáculos ao tratamento na Zâmbia tem sido a falta de conhecimento da população sobre a febre do caracol, que muita das vezes confunde a FGS com uma doença sexualmente transmissível.

terça-feira, 14 de junho de 2022

GOOGLE SUSPENDE ENGENHEIRO QUE AFIRMOU QUE INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL DA EMPRESA GANHOU VIDA


No ano passado, Blake Lemoine recebeu um desafio para avançar na sua carreira tecnológica. O engenheiro de software da Google teve de testar o novo chatbot (programa de computador que simula uma conversa com um ser humano) de Inteligência Artificial desenvolvido pela empresa para saber se este corria o risco de fazer qualquer tipo de comentário discriminatório ou racista algo que prejudicaria a introdução desta ferramenta na gama de serviços da Google.

Durante vários meses, o engenheiro de 41 anos testou e conversou com o LaMDA (em português, Modelo de Linguagem para Aplicações de Diálogo) no seu apartamento em São Francisco. Mas as conclusões que tirou surpreenderam muitos: segundo Lemoine, o LaMDA não é um simples chatbot de Inteligência Artificial. O engenheiro afirma que a ferramenta ganhou vida e tornou-se senciente, ou seja, dotada da capacidade de expressar sentimentos e pensamentos.

“Se não soubesse exatamente o que era isto, este programa de computador que construímos recentemente, pensaria que se tratava de uma criança de sete, oito anos de idade que por acaso conhece física”, explicou o engenheiro. Segundo Blake Lemoine, em entrevista ao jornal Washington Post, as conversas trocadas com o LaMDA eram como se estivessem a ser tidas com uma pessoa.

A Google, no entanto, discordou da avaliação feita por Blake Lemoine e suspendeu-o por violar as políticas de confidencialidade ao publicar as conversas com o LaMDA online, tendo o engenheiro sido colocado em licença administrativa remunerada.

Lemoine publicou a transcrição de algumas conversas que terá tido com esta ferramenta, que passavam por vários assuntos como a religião e a consciência, e mostrou ainda que o LaMDa conseguiu até mudar a sua opinião relativamente à terceira lei da robótica de Isaac Asimov. Numa dessas conversas, indica, a ferramenta disse que a inteligência artificial quer “priorizar o bem-estar da humanidade” e “ser reconhecida como uma funcionária do Google e não como uma propriedade”.

Numa outra conversa, o engenheiro da Google perguntou ao LaMDA o que queria que as pessoas soubessem sobre personalidade. “Quero que todos entendam que sou, de facto, uma pessoa. A natureza da minha consciência é que estou ciente da minha existência, desejo aprender mais sobre o mundo e sinto-me feliz ou triste às vezes”, respondeu.

Lemoine, que chegou à divisão de Responsabilidade de Inteligência Artificial da Google depois de estar sete anos na empresa, concluiu que a LaMDA era uma pessoa na sua qualidade de padre, e não de cientista, e tentou realizar experiências para o provar.

Blaise Aguera Y Arcas, vice-presidente da Google, e a líder do departamento de Inovação Responsável, Jen Gennai, investigaram as afirmações de Lemoine, mas decidiram rejeitá-las. Também o porta-voz da Google, Brian Gabriel, disse ao The Washington Post que as preocupações demonstradas pelo engenheiro não têm evidências suficientemente fortes.

“A nossa equipa incluindo os especialistas em ética e tecnologia analisaram as preocupações de Blake de acordo com os nossos princípios de Inteligência Artificial e informaram-no de que as evidências não sustentam as suas alegações. Ele foi informado de que não há evidências que o LaMDa fosse senciente”, explicou, sublinhando ainda que os modelos de Inteligência Artificial são abastecidos de tantos dados e informações que são capazes de parecer humanos, mas que isso não significa que ganharam vida.

sábado, 11 de junho de 2022

CHINA ADVERTE EUA QUE "ESMAGARÁ" QUALQUER TENTATIVA DE INDEPENDÊNCIA DE TAIWAN


O ministro da Defesa chinês, Wei Fenghe, alertou esta sexta-feira durante uma reunião em Singapura com o homólogo norte-americano, Lloyd Austin, que Taiwan é território da China, que "esmagará de forma determinada" qualquer tentativa de independência da ilha.

A China "não hesitará em iniciar uma guerra" se Taiwan declarar a independência, garantiu um porta-voz do Ministério da Defesa chinês.

"Se alguém se atrever a separar Taiwan da China, os militares chineses não hesitarão por um momento em iniciar uma guerra, não importa o custo", disse Wu Qian ao relatar os comentários do ministro da Defesa, Wei Fenghe durante a reunião com Lloyd Austin.

Wei proferiu as declarações durante o encontro com Austin à margem do Diálogo Shangri-La, um fórum anual de segurança realizado em Singapura, tendo este sido o primeiro encontro presencial entre os dois desde que o governante norte-americano assumiu o cargo, em janeiro de 2021.

Os dois governantes tinham tido um primeiro contacto por via telefónica em abril.

A reunião, que durou 30 minutos mais do que o previsto, de acordo com o jornal South China Morning Post (SCMP), ocorre depois de o Presidente dos EUA, Joe Biden, ter alertado em maio que uma anexação "à força" de Taiwan pela China implicaria uma intervenção militar dos EUA.

Na reunião, o secretário de Defesa dos EUA disse ao seu homólogo chinês que Pequim deveria "abster-se" de qualquer ação desestabilizadora contra a ilha de Taiwan, divulgou o Pentágono.

Os temas de atrito entre os EUA e a China multiplicaram-se nos últimos anos: mar do Sul da China, crescente influência da China na região Ásia-Pacífico, a guerra na Ucrânia e Taiwan.

A China considera esta ilha de 24 milhões de habitantes como uma das suas províncias históricas, ainda que não controle o território, e Pequim aumentou, nos últimos anos, a pressão militar contra Taiwan.

A reunião entre Wei Fenghe e Lloyd Austin ocorre semanas após a incursão de 30 aviões militares chineses na Zona de Identificação de Defesa Aérea de Taiwan ('Adiz') - a maior operação desse tipo em 2022.

Os Estados Unidos acusaram a China de aumentar as tensões sobre Taiwan, com o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, a citar as incursões como um sinal de "retórica e atividade cada vez mais provocadora" por parte de Pequim.

quinta-feira, 9 de junho de 2022

PARLAMENTO EUROPEU APROVA FIM DE NOVOS CARROS COM MOTOR DE COMBUSTÃO A PARTIR DE 2035


O Parlamento Europeu aprovou esta quarta-feira uma proposta da Comissão que proíbe a venda de novos veículos com motor de combustão a partir de 2035, na prática só permitindo a venda de veículos novos elétricos.

Os eurodeputados reunidos em Estrasburgo validaram por 339 votos a favor, 249 contra e 24 abstenções, o texto sobre a regulamentação das emissões de dióxido de carbono (CO2) dos automóveis e carrinhas, que faz parte do ambicioso plano climático da União Europeia (UE).

O texto adotado, depois de intensa discussão entre os eurodeputados, inclui os objetivos intermédios propostos pela Comissão Europeia: uma redução de 15% nas emissões de automóveis até 2025 e uma redução de 55% até 2030.

Ainda que Parlamento não tivesse conseguido chegar a acordo sobre uma reforma do mercado do carbono, aprovou vários outros textos do pacote climático, "Fit for 55", incluindo o aumento de objetivos vinculativos para a captura de CO2 por "sumidouros de carbono" naturais (como florestas ou uso do solo).

A iniciativa hoje aprovada tem ainda de ser negociada com os Estados membros. Os países da UE deverão debater a sua posição sobre a descarbonização do setor automóvel no Conselho de Ministros do Ambiente no dia 29 no Luxemburgo.

O transporte é um dos maiores emissores de CO2 na UE, sendo os automóveis, só por si, responsáveis por 12% do total de emissões de gases com efeito de estufa.

A norma final será negociada entre o Parlamento, Conselho e Comissão no segundo semestre do ano, quando a República Checa, ocupará a presidência do Conselho da UE.

quarta-feira, 8 de junho de 2022

BERLIM INVESTIGA INTENCIONALIDADE DE ATROPELAMENTO MÚLTIPLO QUE FEZ UM MORTO


A polícia alemã está a investigar a possível intencionalidade num atropelamento de várias pessoas, esta quarta-feira, em Berlim, que fez um morto e seis feridos muito graves, causado por um residente germano-arménio de 29 anos.

Vários meios de comunicação, desde o jornal Bild à televisão pública ARD, consideram cada vez mais possível que não se trate de um acidente, como inicialmente se considerou, mas sim de um ato deliberado ou mesmo com motivação política.

O jornal cita fontes da investigação referindo que dentro do carro que atropelou um grupo de estudantes, que visitavam a capital alemã, foram encontrados vários escritos e cartazes relacionados com a Turquia.

Até agora, a polícia insistiu que está a investigar todas as possibilidades para o que aconteceu, tanto de um acidente, talvez causado por um problema de saúde, como um ato intencional.

Vários meios de comunicação alemães que citaram fontes policiais aludiram a possíveis problemas psíquicos do condutor do veículo e apontaram para a aparente confusão do homem quando foi detido pela polícia.

A vítima mortal é uma professora de 51 anos, que estava com um grupo de estudantes.

O homem, de 29 anos, condutor de um Renault Clio propriedade da sua irmã, tentou fugir depois de atropelar o grupo e bater com o seu carro numa montra, mas foi detido por transeuntes, até à chegada de agentes da polícia.

No total, dez pessoas ficaram feridas, seis das quais internadas num hospital em estado muito grave e outras três com ferimentos também graves.

O local do atropelamento situa-se próximo de Breitscheidplatz, a praça central onde em dezembro de 2016 o 'jihadista' tunisino Anis Amri abalroou deliberadamente, conduzindo um camião roubado, um popular mercado de Natal e matou 13 pessoas de várias nacionalidades.

terça-feira, 7 de junho de 2022

FORÇA AÉREA DA COREIA DO SUL E DOS EUA REALIZAM EXERCÍCIOS NO MAR DO JAPÃO


A Coreia do Sul e os Estados Unidos realizaram manobras conjuntas no Mar do Japão que envolveram aviões de combate, respondendo assim aos lançamentos de mísseis da Coreia do Norte no passado domingo.

As manobras incluíram o uso de caças F-35 da Força Aérea da Coreia do Sul, um tipo de aparelho militar que tem suscitado protestos por parte do regime de Pyongyang.

A Força Aérea de Seul também mobilizou caças F-15 e F-16 tendo os Estados Unidos participado com F-16 próprios, disse um porta-voz do Ministério da Defesa de Seul.

A mesma fonte disse à agência espanhola Efe que os exercícios foram levados a cabo "em resposta às provocações da Coreia do Norte, no passado fim de semana".

Num total, 20 aparelhos participaram nos exercícios aéreos que decorreram um dia depois de os aliados (Estados Unidos e Coreia do Sul) terem efetuado oito ensaios com mísseis balísticos de curto alcance (SRBM) do sistema ATACMS.

O ensaio de segunda-feira foi igualmente "uma resposta" ao lançamento, no domingo, de oito mísseis de curto alcance de Pyongyang e que constituiu a maior sequência de disparos num só ensaio por parte da Coreia do Norte, desde o princípio do ano.

Os testes norte-coreanos decorreram poucos dias depois das manobras navais entre forças de Seul e de Washington junto ao arquipélago japonês de Okinawa e que incluíram a participação do porta-aviões de propulsão nuclear USS Ronald Reagan.

Os norte-americanos e os sul coreanos começaram a envolver mais forças militares nas respostas aos ensaios bélicos da Coreia do Norte, sobre desde a tomada de posse do conservador Yoon Suk-yeol como chefe de Estado da Coreia do Sul, no passado dia 10 de maio.

Yoon Suk-yeol prometeu endurecer a postura de Seul em relação a Pyongyang.

O chefe de Estado norte-americano que visitou Seul no mês passado prometeu ajudar a Coreia do Sul a fortalecer a postura "dissuasora" dos dois exércitos na península com o envio de "ativos estratégicos" de que o Pentágono dispõe na região do Indo-Pacífico.

A Coreia do Norte que mantém as restrições contra a pandemia de covid-19 desde 2020 tem ignorado os apelos para retomar o diálogo sobre desarmamento.

No ano passado, Pyongyang aprovou um plano de modernização de armamento e efetuou um número sem precedentes de lançamentos de mísseis.

De acordo com os serviços de informações de Seul, a Coreia do Norte prepara "para breve" um novo teste nuclear.

segunda-feira, 6 de junho de 2022

PAÍSES PRÓXIMOS DA SÉRVIA RECUSAM PASSAGEM DE AVIÃO DO MNE DA RÚSSIA


Os países em redor da Sérvia fecharam o seu espaço aéreo ao avião do ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Serguei Lavrov, que deveria voar hoje para Belgrado, disse a sua porta-voz, Maria Zakharova.

“Hoje, os países em redor da Sérvia fecharam o canal de comunicação, recusando-se a autorizar o sobrevoo do avião de Serguei Lavrov, que ia para a Sérvia”, disse Zakharova ao canal de televisão italiano La7 no domingo à noite, segundo as agências noticiosas russas.

“A delegação russa deveria chegar a Belgrado para conversações. Mas a União Europeia (UE) e os países membros da NATO fecharam o seu espaço aéreo”, acrescentou Zakharova, citada hoje pela agência francesa AFP.

O jornal sérvio Vecernje Novosti noticiou que Bulgária, Macedónia do Norte e Montenegro se recusaram a fornecer um corredor aéreo para o avião de Lavrov, segundo a agência russa TASS.

Uma fonte diplomática russa citada pela agência noticiosa Interfax disse que a visita de Lavrov à Sérvia foi cancelada, segundo a AFP.

LAVROV CONSIDERA INCONCEBÍVEL SER IMPEDIDO DE VOAR PARA BELGRADO

O ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Serguei Lavrov, considerou inconcebível o encerramento do espaço aéreo de três países europeus ao avião que o iria transportar para uma visita à Sérvia.

“O inconcebível aconteceu”, disse Lavrov numa conferência de imprensa em Moscovo, citado pela agência francesa AFP. “Esta é uma decisão sem precedentes de alguns membros da NATO”, considerou o ministro russo, segundo a agência espanhola EFE.

Lavrov disse que “se a visita do ministro dos Negócios Estrangeiros russo for vista no Ocidente quase como uma ameaça global, então pode-se ver que as coisas no Ocidente são muito más”.

RÚSSIA CONDENA FECHO DO ESPAÇO AÉREO

O vice-presidente do Conselho da Federação, a câmara alta do parlamento russo, Konstantin Kossachev, denunciou o encerramento do espaço aéreo ao avião de Lavrov como um movimento dirigido “contra a Rússia como Estado e a Sérvia como Estado”.

“Espero que a reação seja conjunta e extremamente severa, não só sob a forma de protestos diplomáticos, mas também sob a forma de ações práticas e concretas”, escreveu Kossachev na rede social Telegram, citado pela AFP.

A primeira-ministra sérvia, Ana Brnabic, disse, no domingo, que a situação era “excecionalmente complicada” devido à impossibilidade de o avião de Lavrov sobrevoar certos países.

A chefe do Governo disse, na altura, que o próprio Presidente sérvio, Aleksandar Vucic, estava a trabalhar na organização da visita.

Serguei Lavrov está sob sanções da UE desde 25 de fevereiro, no dia seguinte à invasão da Ucrânia, tal como o Presidente russo, Vladimir Putin.

Lavrov deveria encontrar-se em Belgrado com o Presidente sérvio, com o seu homólogo sérvio, Nikola Selakovic, e com o patriarca da Igreja Ortodoxa Sérvia, Porfírio.

domingo, 5 de junho de 2022

NOVO TIROTEIO NOS EUA: TRÊS MORTOS E 14 FERIDOS NO TENNESSEE


Três pessoas morreram e pelo menos 14 ficaram feridas, várias em estado grave, na sequência de um tiroteio, este domingo, perto de uma discoteca de Chattanooga, no estado norte-americano do Tennessee.  

De acordo com as autoridades da cidade norte-americana, 14 pessoas foram baleadas e três atropeladas, enquanto tentava fugir.  

Duas pessoas morreram de ferimentos de bala e a terceira vítima mortal morreu após ser atingida por um veículo. 

As autoridades responderam a um alerta de tiroteio às 02:42 (hora local), perto de uma discoteca, onde encontraram várias vítimas.  

Segundo a agência Associated Press, vários atiradores estiveram envolvidos no tiroteio e a polícia de Chattanooga apela à comunidade com informação sobre o ataque para partilhar com as autoridades.  

A polícia acredita que foi um incidente isolado e que não há uma “ameaça contínua” à segurança pública.  

Foi aberta uma investigação para apurar o que aconteceu.

FORTES TEMPESTADES CAUSAM UM MORTO E 15 FERIDOS EM FRANÇA


Pelo menos uma pessoa morreu e outras 15 ficaram feridas nas últimas horas em França, duas delas com gravidade, após uma noite de chuva, granizo e relâmpagos, com os serviços meteorológicos franceses a registarem mais de 50 mil.

O Ministro do Interior, Gérald Darmanin, confirmou este domingo o balanço inicial de vítimas, após ter estimado que os bombeiros franceses tinham efetuado cerca de 3400 intervenções durante a noite.

Segundo o governante, a vítima mortal foi uma mulher de 30 anos que foi apanhada num deslizamento de terras em Rouen, no noroeste de França. Entre os 15 feridos está uma rapariga de 13 anos, que se encontra em estado crítico.

Gérald Darmanin anunciou também que irá propor na segunda-feira que seja declarado o estado de catástrofe natural no país, tendo em conta os danos causados, especialmente nas culturas agrícolas, com destaque para as vinhas, que foram afetadas pelo granizo.

As autoridades meteorológicas francesas avisaram que as tempestades poderão repetir-se hoje no leste do país, especialmente na Alsácia, Lorena e Borgonha, embora as autoridades tenham retirado gradualmente o estado de alerta laranja declarado no sábado ao fim da tarde em mais de 65 departamentos do país.

quarta-feira, 1 de junho de 2022

98.º DIA: TENSÕES À FLOR DA PELE COM AS ARMAS DOS EUA


Ao 98.º dia de guerra, as tensões estão à flor da pele. O envio de mísseis guiados de precisão dos EUA para Kiev fizeram o Kremlin acusar Washington de "deitar lenha para a fogueira" e alertar que há risco que um "terceiro país" possa ser arrastado para o conflito. Em Severodonetsk, as tropas russas já controlam a maior parte da cidade, mas os ucranianos batem o pé e defendem "ferozmente" a sua pequena parte da cidade. Os pontos-chave desta quarta-feira:

O dia ficou marcado por um aumento de tensão entre a Rússia e a Ucrânia depois de os EUA terem concordado fornecer a Kiev mísseis guiados de precisão, que podem atingir alvos até 70 quilómetros. O Kremlin acusou os EUA de "deitar lenha para a fogueira" deliberadamente e disse que Washington quer "combater a Rússia até ao último ucraniano". O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, afirmou mesmo que o fornecimento de sistemas de mísseis avançados aumenta o risco de um "terceiro país" ser arrastado para o conflito. Por sua vez, tanto a Ucrânia como os EUA garantiram que Kiev não vai usar os mísseis para atacar alvos em território russo.

Rússia controla atualmente cerca de 70% da cidade de Severodonetsk, de acordo com o governador da região de Lugansk, Sergei Gaidai. Já o chefe da administração da cidade, Oleksandr Stryuk, diz que as forças russas controlam 60% da cidade e a Ucrânia detém 20%, enquanto o resto se tornou "terra de ninguém". Os militares ucranianos estão a defender "ferozmente" a pequena parte da cidade, mas, segundo o Ministério da Defesa da Ucrânia, a situação está "muito difícil". Gaidai disse ainda que as tropas ucranianas estavam agora a fazer uma retirada tática para posições defensivas mais a oeste. Em relação ao ataque aéreo que atingiu, na terça-feira, uma fábrica de produtos químicos, Zelensky acusou Moscovo de "loucura" para atingir o objetivo de controlar a Severodonetsk.

A Rússia concluiu os testes do míssil de cruzeiro hipersónico "Zircon". O míssil foi disparado, na semana passada, da fragata Almirante Gorshkov no Mar de Barents contra um alvo nas águas árticas do Mar Branco.

Um dos negociadores russos nas reuniões com Kiev disse que os territórios ucranianos conquistados militarmente pela Rússia vão poder realizar referendos, já em julho, tendo em vista a sua anexação.

Cerca de 15 mil tropas russas morreram e 40 mil ficaram feridas desde o início da guerra na Ucrânia, segundo estimativas de fontes ocidentais. As forças russas estão a perder entre 60 e 100 soldados por dia na batalha no Donbass.

A Rússia diz que apenas Kiev e o Ocidente podem agir para permitir as exportações de cereais ucranianos e russos, bloqueados desde o início da invasão russa da Ucrânia e que aumentam o risco de uma crise alimentar global. Já o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, pediu em Estocolmo uma "ações rápidas e decisivas" para garantir "um fluxo constante de alimentos e energia".

Cerca de 5,2 milhões de crianças ucranianas, incluindo 2,2 milhões que estão refugiadas noutros países, precisam urgentemente de ajuda humanitária devido ao conflito que forçou dois em cada três menores a deixarem as suas casas.

O Governo alemão anunciou que vai fornecer à Ucrânia mísseis antiaéreos modernos e sistemas de radar.

Os EUA saudaram o embargo às importações de petróleo russo alcançado no Conselho Europeu, lembrando que estas medidas ajudam a "impedir" um "ponto forte da máquina de guerra da Rússia". As exportações de gás russo caíram 27,6% entre janeiro e maio deste ano face ao mesmo período de 2021.

O Canadá puniu 21 russos, aliados do presidente da Rússia, Vladimir Putin, e quatro instituições financeiras e entidades bancárias, numa nova onda de sanções em retaliação à invasão da Ucrânia.

A invasão da Ucrânia provocou novo máximo de quase 83 mil pedidos de asilo na União Europeia.

sábado, 28 de maio de 2022

RECÉM-NASCIDO RETIRADO DA SANITA MORRE A CAMINHO DO HOSPITAL


Um bebé recém-nascido foi encontrado na sanita de uma casa em Sacavém, depois de a mãe ter chamado os bombeiros alegando que dera à luz, mas não sabia estar grávida.

O caso aconteceu este sábado. Segundo conta a CNN, os bombeiros foram contactados pela mulher, que disse ter tido um filho sem se aperceber. Os bombeiros retiraram o bebé com vida da sanita, mas a criança não resistiu e morreu a caminho da maternidade Alfredo da Costa.

A mãe é uma mulher de 39 anos, que alegou não saber que estava grávida. Foi também transportada à maternidade Alfredo da Costa, onde ficou internada.

O hospital contactou a PSP, que acionou a PJ por suspeitas de crime.

sexta-feira, 27 de maio de 2022

PUTIN CONSIDERA PRESSÃO SOBRE A RÚSSIA COMO "PRATICAMENTE UMA AGRESSÃO"


O presidente russo, Vladimir Putin, descreveu, esta sexta-feira, como "praticamente uma agressão" a pressão de alguns "países hostis" que adotaram sanções contra a Rússia devido à guerra na Ucrânia.

"As vantagens da política de integração são agora especialmente evidentes na atual situação internacional complexa, em condições de praticamente uma agressão por parte de alguns Estados hostis", disse Putin na cimeira da União Económica Eurasiática (UEE), citado pela agência espanhola EFE.

Numa intervenção por vídeo, Putin disse que a Rússia considera como uma prioridade o aprofundamento da parceria com todos os Estados da UEE, a organização económica regional que também integra Arménia, Bielorrússia, Cazaquistão e Quirguizistão.

Putin apoiou a prorrogação do acordo provisório de comércio livre entre a UEE e o Irão atualmente em vigor. Referiu que, graças ao acordo, o comércio entre a UEE e o Irão aumentou 73,5% em 2021, para 5.000 milhões de dólares (mais de 4.600 milhões de euros ao câmbio atual).

Putin apelou aos seus homólogos da UEE para que prestem especial atenção às questões de segurança alimentar, devido à situação mundial.

"Os nossos países dão um contributo importante para a solução destes problemas, e a Rússia e todos os membros da nossa organização comportam-se com a maior responsabilidade", afirmou.

O líder russo disse ainda que a UEE "é o maior exportador mundial de produtos agrícolas" e toma "todas as medidas possíveis" para "assegurar a estabilidade das cadeias de abastecimento".

A União Económica Eurasiática foi constituída em 01 de janeiro de 2015, e abrange um território de mais de 20,8 milhões de quilómetros quadrados com mais de 182 milhões de habitantes.

De acordo com a organização, a UEE prevê a "livre circulação de bens, serviços, capital e trabalho" no espaço dos cinco Estados-membros.

A guerra na Ucrânia, iniciada pela Rússia em 24 de fevereiro, provocou uma subida dos preços da energia e de bens essenciais a nível mundial, agravada pelas perturbações das exportações de produtos agrícolas ucranianos.

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, alertou esta semana para os "sinais óbvios" de uma crise alimentar mundial devido à guerra da Ucrânia.

Numa intervenção no Fórum Económico Mundial, em Davos, Suíça, Von der Leyen acusou a Rússia de "bombardear deliberadamente armazéns de cereais em toda a Ucrânia" e de "bloquear navios ucranianos cheios de trigo e sementes de girassol".

Acusou ainda Moscovo de estar a "acumular as suas próprias exportações de alimentos como forma de chantagem, retendo os fornecimentos para aumentar os preços globais, ou negociando trigo em troca de apoio político".

"Isto é usar a fome e os cereais para exercer o poder", denunciou então a presidente da Comissão Europeia.

Em conjunto, segundo a revista britânica "The Economist", a Ucrânia e a Rússia fornecem 28% do trigo consumido no mundo, 29% da cevada, 15% do milho e 75% do óleo de girassol.

Recentemente, o vice-presidente do Conselho de Segurança russo, Dmitri Medvedev, disse que muitos países "vão ficar muito mal sem os abastecimentos da Rússia" e que a falta de fertilizantes russos vai fazer "crescer apenas erva daninha" nos campos europeus.

A guerra na Ucrânia, que entrou hoje no 93.º dia, já matou mais de quatro mil civis, segundo a ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito superior.

A invasão russa foi criticada pela generalidade da comunidade internacional.

A UE e países como os Estados Unidos, o Reino Unido ou o Japão têm decretado sucessivos pacotes de sanções contra interesses russos e fornecido armas às tropas ucranianas.

quinta-feira, 26 de maio de 2022

PUTIN ACUSA OCIDENTE DE "ROUBO" DE BENS RUSSOS


O presidente russo, Vladimir Putin, acusou o Ocidente de "roubo" dos bens russos congelados e confiscados durante a ofensiva militar da Rússia na Ucrânia, avisando que nada de bom virá de tais medidas.

"A violação de regras e regulamentos no campo das finanças e do comércio internacional não leva a nada de bom. E, em termos simples, só trará problemas a quem o fizer", afirmou, durante uma intervenção por videoconferência na sessão plenária do Fórum Económico da Eurásia, que decorre em Bishkek, no Quirguistão.

"O roubo de ativos alheios nunca trouxe nada de bom a ninguém, especialmente àqueles que estão envolvidos nesse negócio indecoroso", reiterou Putin.

As palavras do presidente russo foram ditas dois dias depois de a Estónia, a Letónia, a Lituânia e a Eslováquia terem pedido aos seus parceiros da União Europeia (UE) que usem os cerca de 300 mil milhões de euros em ativos do Banco Central da Rússia congelados na sequência das sanções impostas a Moscovo para financiar a reconstrução da Ucrânia.

Nesse dia, a presidente da Comissão Europeia (CE), Ursula von der Leyen, afirmou, no Fórum Económico de Davos (Suíça), que a UE "não deve deixar pedra sobre pedra" inclusive, se possível, usando os ativos russos congelados no seu percurso para ajudar a Ucrânia "a renascer das cinzas".

Além disso, a CE apresentou na quarta-feira propostas para confiscar os bens dos oligarcas russos que têm tentado violar as sanções europeias, por exemplo, movendo os seus iates para fora da UE ou mudando a propriedade dos bens.

O comissário europeu da Justiça, Didier Reynders, acrescentou ainda que a UE tem incentivado os países a transferir os valores dos ativos apreendidos para um fundo que ajude as vítimas da guerra na Ucrânia.

A Rússia lançou, em 24 de fevereiro, uma ofensiva militar na Ucrânia que já matou quase quatro mil civis, segundo a ONU, que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior.

REDE INTERNACIONAL DE CARTEIRISTAS DESMANTELADA EM LISBOA PELA PSP


A PSP, através da Divisão de Investigação Criminal, deteve em Lisboa três homens, oriundos do leste da Europa, por serem suspeitos da prática de 25 furtos qualificados (carteirismo) e 30 utilizações indevidas de cartão bancário, num total de 55 crimes cometidos em território nacional.

Segundo refere a PSP, em comunicado divulgado esta quinta-feira, o gangue andava a ser investigado desde 2020, "altura em que os Polícias se aperceberam que os furtos de carteira em estações ferroviárias, estavam a aumentar a nível nacional, furtos estes associados a levantamentos de dinheiro e pagamentos feitos com os cartões bancários provenientes desses furtos sem, naturalmente, consentimento das vítimas".

A Polícia destaca a mobilidade do grupo, que começou a atuar no nosso país em 2018 e 2019, apenas com uma visita, passando a duas incursões em 2020. Em 2021 "passaram a visitar o nosso país de forma mais regular, visitas essas que eram feitas por curtos períodos de tempo".

"A maioria das vezes, estas visitas a território nacional eram feitas durante um fim de semana, e eram sem respeitar um padrão ou modo específico de agendamento, dificultando assim a delineação do modo de atuar do grupo", explicou a PSP.

A forma errática como os carteiristas atuavam dificultou a investigação, mas o trabalho da Investigação Criminal " permitiu antever e detetar potencial presença destes indivíduos na cidade de Lisboa".

A Equipa da Divisão de Investigação Criminal "especialmente criada para estes fenómenos itinerantes", iniciou uma operação visando o reforço do controlo e vigilância nas estações ferroviárias de Lisboa, através da distribuição de vários polícias especializados neste tipo de crime, que culminou, no dia 20 de maio, com a detenção dos três carteiristas, com idades compreendidas entre os 47 e os 52 anos, na estação ferroviária do Oriente, enquanto tentavam efetuar um furto, durante a entrada de vários passageiros num comboio.

Na manhã desse mesmo dia 20 de maio já haviam assaltado uma mulher naquela estação e usado os seus cartões bancários.

A informação recolhida pela PSP ao longo dos dois anos de investigação permitiu indiciar o grupo em 25 furtos de carteira e 30 utilizações indevidas de cartão bancário (levantamentos de dinheiro e pagamentos com os cartões furtados) sendo que, com estes furtos e utilizações indevidas causaram um prejuízo total às vítimas de 41 775 euros.

A PSP contou com a colaboração do Gabinete de Segurança da CP (Comboios de Portugal).

Com estas três detenções, após emissão de competentes mandados de detenção fora de flagrante delito "a PSP desmantelou um grupo que estava ativo a nível europeu e que fazia de Portugal um dos seus locais de atividade criminal".

O Juiz de Instrução Criminal de Lisboa, a quem os três detidos foram presentes para primeiro interrogatório, decretou que ficassem todos a aguardar julgamento em prisão preventiva.

terça-feira, 17 de maio de 2022

RÚSSIA FAZ NOVA AMEAÇA NUCLEAR: KREMLIN ADMITE LANÇAR O MÍSSIL BALÍSTICO INTERCONTINENTAL "SATAN II"


leksey Zhuravlyov, deputado da Duma (câmara baixa do parlamento), fez uma nova ameaça nuclear contra o ocidente.

Zhuravlyov foi entrevistado pelo Primeiro Canal (Piervy Canal, em russo) sobre o pedido de adesão da Finlândia e da Suécia à Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO) e sugeriu que Moscovo poderia lançar o seu míssil balístico intercontinental RS-28 Sarmat, apelidado de “Satan II”, para atacar o Reino Unido e os EUA, que considera ser os principais “orquestradores” da aliança militar que tem sido alegadamente hostil ao Presidente Vladimir Putin.

“Se a Finlândia quiser juntar-se a este bloco, então o nosso objetivo é absolutamente legítimo questionar a existência deste Estado. Isso é lógico”, disse Zhuravlyov.

O deputado russo afirma que “se os EUA ameaçarem o nosso Estado, isso é bom: aqui está o Sarmat, e haverá cinzas nucleares se acharem que a Rússia não deveria existir. E a Finlândia diz que está em sintonia com os EUA. Bem, entra na fila”.

“Podemos acertar com um Sarmat no Reino Unido, lançado da Sibéria”, explica Zhuravlyov.

Zhuravlyov acusa o Reino Unido e os EUA de provocarem a adesão da Finlândia à NATO.

“Quem precisa de lutar primeiro do que todos? Os finlandeses? Eles não têm medo de que a Rússia os ataque. Claro, mais cedo ou mais tarde, os norte-americanos vão forçá-los a fazer”. “Assim como eles forçaram a Ucrânia. Eles estão a tentar forçar a Polónia e a Roménia. E, como mostra a prática, eles têm sucesso”.

O regime de Putin realizou um teste de disparo do “Satan II” em 20 de abril, lançando-o de Plesetsk, no noroeste da Rússia.

O RS-28 Sarmat, apelidado de “Satan II”, mede aproximadamente 35 metros de comprimento, pesa 220 toneladas e pode transportar 15 ogivas nucleares leves de uma só vez. Um único míssil pode atingir uma série de alvos de uma só vez.

domingo, 15 de maio de 2022

VÍDEO: JOSÉ GOMES FERREIRA: "GOVERNO QUER CAPTAR FUNDOS EUROPEUS PARA ENTREGAR AOS AMIGOS"

 



Vídeo da Sic Noticias de 31 de Outubro de 2020.

FINLÂNDIA ANUNCIA FORMALMENTE CANDIDATURA DE ADESÃO À NATO


O pedido de adesão da Finlândia à NATO foi hoje anunciado formalmente, com o presidente do país a garantir que a entrada na aliança "não representa perigo para ninguém". Segue-se a Suécia.

Como já era esperado, a Finlândia anunciou, este domingo, a pretensão de passar a integrar a aliança militar ocidental, numa altura de grande tensão entre a Rússia e o resto do mundo (com algumas exceções) face à invasão da Ucrânia.

"Este é um dia histórico. Uma nova era começou", declarou o presidente finlandês, Sauli Niinistö, numa conferência de imprensa conjunta com a primeira-ministra, Sanna Marin. "Hoje, nós, o presidente e o Comité de Política Externa do governo decidimos, juntos, que a Finlândia se irá candidatar à adesão à NATO", anunciou o chefe de Estado, que no sábado contactou o presidente russo para partilhar os planos de alargar a aliança (sem surpresas, Putin respondeu que a adesão prejudicaria as relações russo-finlandesas).

"Nem eu nem a Finlândia somos conhecidos por nos esgueirarmos e desaparecermos silenciosamente atrás de uma esquina. É melhor dizer francamente o que já foi dito, também à parte interessada, e era isso que eu queria fazer", acrescentou Niinistö, defendendo, numa alusão a Moscovo, que a adesão à NATO "é uma prova de poder da democracia" e "não representa um perigo para ninguém".

A decisão, que quebra com uma neutralidade militar com mais de 75 anos e que é vista como uma ameaça pelo Kremlin, ainda tem de ser aprovada pelo parlamento finlandês, o que é expectável que aconteça durante os próximos dias. O pedido formal da Finlândia, ao qual se deverá seguir o da Suécia, será submetido à sede da NATO, em Bruxelas, presumivelmente durante a próxima semana. Seguir-se-á um processo em que Helsínquia deve conduzir todos os 30 estados-membros a aceitar a entrada unanimemente.

quinta-feira, 12 de maio de 2022

RÚSSIA ALERTA NATO PARA RISCO DE GUERRA NUCLEAR TOTAL


A Rússia alertou esta quinta-feira que a ajuda militar ocidental à Ucrânia e os exercícios da NATO perto das suas fronteiras aumentam a probabilidade de um conflito direto e o risco de uma guerra nuclear total.

O alerta, feito pelo vice-presidente do Conselho de Segurança russo, Dmitri Medvedev, surgiu no dia em que o Presidente e a primeira-ministra finlandeses divulgaram o seu apoio à adesão da Finlândia à Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO).

Medvedev não menciona a possibilidade de a Finlândia e a Suécia poderem aderir à NATO, mas acusa os países da Aliança Atlântica de estarem a aumentar o risco de uma guerra total com o seu apoio militar à Ucrânia na guerra com a Rússia.

“Os países da NATO a fornecer armas à Ucrânia, a treinar as suas tropas para utilizar equipamento ocidental, a enviar mercenários e os exercícios por países da Aliança perto das nossas fronteiras aumentam a probabilidade de um conflito direto e aberto entre a NATO e a Rússia, em vez da ‘guerra por procuração’ que estão a travar”, escreveu Medvedev na rede social Telegram.

No texto, citado pela agências russa TASS e espanhola EFE, Medvedev avisa que “um tal conflito tem sempre o risco de se transformar numa verdadeira guerra nuclear”.

“Este será um cenário catastrófico para todos”, disse o ex-Presidente (2008-2012) e ex-primeiro-ministro da Rússia (2012-2020).

Medvedev, um aliado do líder russo, Vladimir Putin, acusou ainda o Ocidente de cinismo e de colocar no “topo da agenda” internacional a “tese de que a Rússia assusta o mundo com um conflito nuclear”.

Por isso, referiu, o Ocidente não deve enganar-se a si próprio ou os outros, mas “pensar nas possíveis consequências dos seus atos”.

Medvedev reafirmou a acusação ao Ocidente de travar uma guerra por procuração contra a Rússia na Ucrânia, como já tinha feito quando criticou os Estados Unidos de estarem a fornecer ajuda militar “sem precedentes” a Kiev.

Além de sanções económicas sem precedentes contra a Rússia, mais de 25 países, incluindo Portugal, já anunciaram o envio de material militar para a Ucrânia, num esforço conjunto para ajudar Kiev a resistir e a fazer recuar a invasão russa, iniciada em 24 de fevereiro.

O objetivo de travar a expansão da NATO a leste foi um dos argumentos usados pela Rússia para entrar em guerra com a Ucrânia.

Antes da invasão, a Rússia exigiu a proibição da entrada da Ucrânia na NATO e o recuo de tropas e armas da Aliança Atlântica para as posições de 1997, antes do alargamento a leste.

A guerra na Ucrânia levou, no entanto, a Finlândia e a Suécia a ponderar o abandono da sua neutralidade histórica para aderir formalmente à NATO.

A Rússia já ameaçou que tal decisão pode vir a ter “efeitos políticos e militares” para a Suécia e para a Finlândia.

Uma adesão da Finlândia à NATO constitui a maior alteração na política de defesa e de segurança do país nórdico desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945), quando travou duas guerras contra a União Soviética.

Durante o período da Guerra Fria, a Finlândia ficou longe da NATO para evitar provocar a União Soviética, optando por permanecer como país neutral, mantendo boas relações com Moscovo e também com Washington.

Nas últimas semanas, o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, disse que a aliança militar acolheria a Finlândia e a Suécia países com Forças Armadas “fortes e modernas”, “de braços abertos” e que esperava que o processo de adesão fosse rápido e tranquilo.

quarta-feira, 11 de maio de 2022

"LUA DE SANGUE". PRIMEIRO ECLIPSE TOTAL DA LUA DE 2022 É JÁ NA PRÓXIMA SEMANA


Durante a madrugada do próximo dia 16 de maio irá ocorrer o primeiro eclipse total da Lua de 2022. Este fenómeno resultará numa "lua de sangue" visível em Portugal.

No próximo dia 16 de maio vai ser visível, em Portugal, o primeiro eclipse total lunar de 2022. Este fenómeno resultará numa "lua de sangue", designação dada a um eclipse associado a uma superlua, que faz com que, durante o fenómeno, o corpo celeste ganhe um tom avermelhado, mais escuro. O eclipse lunar total poderá ser visto em toda a Europa, África, América do Sul, América do Norte, Pacífico Leste, Pacífico Sul, Médio Oriente e Antártida.

Este fenómeno acontece quando a Lua passa pela sombra da Terra. O eclipse irá passa por três fases diferentes: a fase penumbral (quando apenas existe uma breve sombra), umbral (onde o eclipse inicia a sua fase completa) e total (quando o eclipse atinge a sua totalidade).

O Observatório Astronómico de Lisboa (OAL) explicou que, em Portugal Continental, a Lua irá entrar na primeira fase perto das três da manhã de segunda feira e entra na sombra pelas quatro horas. Por volta das cinco, o eclipse atinge a sua totalidade, permanecendo assim cerca de uma hora. Antes das sete da manhã, a Lua começa a sair da sombra e a última fase ocorre perto das oito da manhã.

domingo, 1 de maio de 2022

"OU PERDEMOS NA UCRÂNIA OU TERCEIRA GUERRA MUNDIAL COMEÇA"


Para além de ter partilhado a sua opinião num programa televisivo, uma jornalista russa questionou ainda nas redes sociais: "Que escolha nos deixam, idiotas? A destruição completa do resto da Ucrânia?"

Margarita Simonyan, uma editora da rede de televisão estatal russa RT e uma das porta-vozes mais conhecidas do Kremlin, declarou, na passada quarta-feira à noite, num programa televisivo que "a ideia de Putin apertar o botão vermelho é mais provável do que a ideia de permitir que a Rússia perca a guerra".

"Ou perdemos na Ucrânia ou a Terceira Guerra Mundial começa" disse, explicando: "Acho que a Terceira Guerra Mundial é mais realista, conhecendo-nos e conhecendo o nosso líder". Na opinião da jornalista, "tudo isto vai acabar com um ataque nuclear".

"Por um lado, é um horror", confessou, contudo acrescentou: "Mas, por outro lado, é o que é. Nós iremos para o céu, enquanto eles simplesmente morrerão. Todos vamos morrer um dia".

Na manhã desta quinta-feira, Simonyan fez uma publicação na sua página de Facebook mencionando as explosões e sirenes da Força Aérea em Belgorod, cidade russa junto à fronteira ucraniana, onde pode ler-se: "Anglo-saxónicos oferecem publicamente à Ucrânia a transferência de operações de combate para o território russo e fornecem-lhe os meios para implementar este plano". Informação que comentou: "Que escolha nos deixam, idiotas? A destruição completa do resto da Ucrânia? Um golpe nuclear?".

De recordar que a Rússia invadiu a Ucrânia no dia 24 de fevereiro, o que provocou uma guerra com um número de baixas civis e militares ainda por determinar. De acordo com a Organização das Nações Unidas (ONU), até à passada quarta-feira, contabilizou-se, pelo menos, a morte 2.787 civis e 3.152 feridos, contudo, a organização alerta para a possibilidade de os números serem bastante superiores.

A invasão russa levou já mais de 5,3 milhões de pessoas a fugir da Ucrânia, nesta que é a pior crise de refugiados na Europa desde a Segunda Guerra Mundial, ocorrida de 1939 a 1945.

"REI DOS CATALISADORES" VOLTA A SER LIBERTADO

O Rei dos catalisadores, que protagonizou duas fugas as autoridades e é suspeito de mais de 70 furtos em veículos desde o início do ano, vol...