Translate

sábado, 17 de abril de 2021

EXTRADITADO PARA CABO VERDE HOMEM QUE MATOU AGENTE DA PSP EM 2005 NA AMADORA


O cidadão cabo-verdiano cumpriu em Portugal 17 dos 23 anos de prisão a que tinha sido condenado pelo homicídio de Irineu Diniz.

O homem que matou um agente da PSP em 2005 no bairro da Cova da Moura foi extraditado para Cabo Verde após cumprir 17 anos de prisão, informou este sábado o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF).

Em comunicado, o SEF explica que o homem foi extraditado na sexta-feira num voo do Aeroporto Internacional de Lisboa com destino à Cidade da Praia, capital de Cabo Verde, de onde é natural.

O cidadão cabo-verdiano cumpriu em Portugal 17 dos 23 anos de prisão a que tinha sido condenado pelo homicídio do agente da PSP Irineu Diniz, ocorrido em 2005 no bairro da Cova da Moura, no concelho da Amadora, em Lisboa.

Na sequência desta extradição, que foi acompanhada por inspetores da recém-criada Unidade de Terceira Linha da Direção de Fronteiras de Lisboa, o homem ficará impedido de entrar em todo o espaço Schengen durante os próximos 10 anos.

O agente Irineu Jesus Gil Diniz, solteiro, de 33 anos, foi atingido mortalmente por vários disparos de arma automática e de caçadeira quando seguia num carro patrulha da PSP que circulava na madrugada de 17 de Fevereiro de 2005 no bairro da Cova da Moura.

O tiroteio causou ainda ferimentos ligeiros ao agente da PSP Nuno Miguel Saramago.

COVID-19 NO BRASIL: AUTORIZADA IMPORTAÇÃO DIRETA DOS MEDICAMENTOS PARA INTUBAÇÃO


Congresso deu início a uma comissão parlamentar de inquérito para investigar atos e omissões do Governo de Bolsonaro durante a pandemia.

No Brasil, utentes e profissionais de saúde já vivem o drama da falta de medicamentos usados na intubação de casos graves covid-19. Os hospitais estão no limite da ocupação em quase todos os estados.

Os profissionais de saúde que já tinham de escolher quem vai ocupar as poucas camas disponíveis, vivem agora uma nova angustia: os stocks de medicamentos usados para intubar utentes graves – como sedativos, bloqueadores neuromusculares e anestésicos – estão muito baixos.

Na falta dos fármacos, os utentes têm de ser contidos de forma mecânica, ou seja, amarrados aos leitos. Um pesadelo para quem precisa de tratamento, mas também para as equipas que têm testemunhado situações dramáticas.

Perante a situação de crise, a Agência brasileira de Vigilância Sanitária autorizou a importação direta dos medicamentos para entubação. O Ministério da Saúde já tinha centralizado a compra e a distribuição dos produtos, agora repassou para os governantes a responsabilidade de repor os stocks. Mais um embate entre o Governo Federal e os estados.

Um estudo, publicado esta semana pela prestigiada revista Science, responsabiliza o que chama de má gestão do Governo brasileiro pelos elevados números de mortes por covid-19 registados no país. A organização de Médicos Sem Fronteiras definiu a situação no Brasil como “catástrofe humanitária”.

O Congresso deu inicio a uma comissão parlamentar de inquérito que vai investigar atos e omissões do Governo de Bolsonaro durante a pandemia.

COSTA RECUSA RESPONDER A SÓCRATES E FALA NOS "BONS EXEMPLOS"


O primeiro-ministro, António Costa, recusou este sábado responder às críticas feitas pelo antigo chefe de Governo socialista José Sócrates e salientou que se deve ter presentes "os bons exemplos", como o da judoca Telma Monteiro.

Falando aos jornalistas em Lisboa, à margem da condecoração da judoca Telma Monteiro com a medalha de Honra ao Mérito Desportivo, o primeiro-ministro foi questionado se queria responder às acusações do antigo primeiro-ministro e ex-líder socialista José Sócrates, que em resposta ao dirigente socialista Fernando Medina acusou o seu "mandante" na liderança do PS de "profunda canalhice".

Com o presidente da Câmara Municipal de Lisboa a seu lado, António Costa não quis responder a Sócrates, tendo dito apenas: "Hoje estamos a falar da Telma Monteiro, que é o que conta, são os bons exemplos que devemos ter presentes, que devemos seguir e que nos devem guiar".

"Foi a Telma Monteiro que me trouxe aqui, foi o judo português que me trouxe aqui, e é sobre o judo português e a Telma Monteiro que eu quero falar", acrescentou.

Na quarta-feira, em entrevista à TVI, o antigo primeiro-ministro José Sócrates atribuiu as críticas que lhe foram feitas pelo dirigente socialista Fernando Medina ao seu "mandante" na liderança do PS, que acusou de "profunda canalhice" e de "ajustar contas com a sua covardia moral".

José Sócrates fez estas acusações em entrevista à TVI, sem nunca mencionar o nome do secretário-geral do PS e primeiro-ministro, António Costa, quando confrontado com declarações do presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, na terça-feira, no seu espaço de comentário também na TVI.

No dia anterior, Fernando Medina considerou que o facto de José Sócrates ter sido pronunciado por crimes de branqueamento de capitais e de falsificação de documentos pelo Tribunal Central de Instrução Criminal é inaceitável do ponto de vista ético e corrói a vida democrática.

O primeiro-ministro tem recusado comentar o desenvolvimento do processo judicial Operação Marquês. No dia em que foi conhecida a decisão instrutória, na semana passada, António Costa disse apenas que já respondeu há seis anos e que agora nada tinha a acrescentar.

José Sócrates, inicialmente acusado de 31 ilícitos, vai a julgamento por três crimes de branqueamento de capitais e três de falsificação de documentos, os mesmos pelos quais Carlos Santos Silva está pronunciado.

Dos 28 arguidos do processo, foram pronunciados apenas cinco, tendo sido ilibados, entre outros, Zeinal Bava e Henrique Granadeiro, o empresário Helder Bataglia e o ex-administrador do Grupo Lena Joaquim Barroca.

sexta-feira, 16 de abril de 2021

VIDEOS: GOOGLE EARTH MOSTRA A EVOLUÇÃO DA TERRA NOS ÚLTIMOS 37 ANOS


O Google Earth, no ano em que comemora o seu 16.º aniversário, anunciou a maior atualização desde 2017. Agora, num recurso designado "Timelapse", é possível observar imagens que ilustram a mudança da Terra ao longo de várias décadas devido às alterações climáticas e ao comportamento humano.

A ferramenta, que resulta de uma colaboração entre a gigante de Mountain View, a Agência Espacial Europeia, a NASA, Comissão Europeia e o United States Geological Survey, contém 24 milhões de fotos de satélite captadas de 1984 a 2020 numa experiência interativa em 4D.

De acordo com o Google, para concluir este novo recurso, foram precisas, ao todo, mais de dois milhões de horas de processamento para conseguir encaixar 20 petabytes "num único mosaico de vídeo" de 4,4 terapixels, o equivalente a 530 mil vídeos em resolução 4K. "Até onde sabemos, o timelapse no Google Earth é o maior vídeo do planeta, do nosso planeta", revelou o Google.

É de recordar que, principalmente na última metade do século, o nosso planeta foi alvo de várias mudanças climáticas - mais do que em qualquer outro momento da história humana. Contudo, segundo a empresa, esta nova funcionalidade não permite ver apenas problemas, "mas também soluções, bem como fenómenos naturais incrivelmente belos que se desenvolvem ao longo de décadas".

Para explorar o Timelapse no Google Earth, apenas necessita de aceder ao site e utilizar a barra de pesquisa para escolher qual parte do planeta deseja ver. Além disso, a empresa oferece ainda outra funcionalidade - a plataforma de storytelling, Voyager, para viagens interativas guiadas. Também foram carregados mais de 800 vídeos Timelapse em 2D e 3D para uso público.

Em colaboração com os seus parceiros, a empresa pretende atualizar a nova funcionalidade do Google Earth anualmente durante os próximos 10 anos. A esperança é que o Timelapse inspire os cidadãos a agir: "Esperamos que esta perspetiva do planeta dê origem a debates, incentive à descoberta e mude pontos de vista sobre alguns dos nossos maiores problemas globais", pode ler-se no comunicado divulgado pela empresa.


TAP RETOMA ESTA SEXTA-FEIRA VOOS PARA BRASIL E REINO UNIDO


A TAP retoma esta sexta-feira a sua operação para o Brasil e Reino Unido, após o levantamento das restrições face à covid-19, prevendo operar, este mês, 40 voos semanais para os dois países.

"Com o levantamento da suspensão dos voos com origem ou destino no Brasil e no Reino Unido, a TAP retoma a sua operação a partir desta sexta-feira, garantindo a mobilidade aérea entre Portugal e os dois países", anunciou, em comunicado, a companhia aérea portuguesa.

A TAP prevê operar, este mês, 25 voos semanais para o Brasil, nomeadamente, para Brasília (dois), Belo Horizonte (dois), Fortaleza (três), Rio de Janeiro (seis, um dos quais com partida do Porto), São Paulo (seis), Recife (dois), Recife/Maceió (dois) e Salvador (dois).

Já para o Reino Unido espera operar 15 voos semanais para Londres Hearthrow.

A transportadora lembrou ainda que os passageiros, com exceção de crianças com menos de 24 meses, estão obrigados a apresentar, à chegada ao território nacional, um comprovativo de realização de teste RT-PCR à covid-19 com resultado negativo, realizado nas 72 horas anteriores ao embarque.

Por sua vez, os passageiros provenientes do Brasil têm que cumprir um isolamento profilático de 14 dias no domicílio ou em local indicado pelas autoridades de saúde.

Os voos com origem ou destino no Brasil e Reino Unido vão ser permitidos a partir hoje para viagens essenciais, mantendo-se as medidas restritivas do tráfego aéreo devido à pandemia, anunciou hoje o Ministério da Administração Interna (MAI).

"No contexto da situação epidemiológica provocada pelo vírus SARS-CoV-2, o Governo decidiu prolongar, durante o período de estado de emergência que hoje se inicia, as medidas restritivas do tráfego aéreo", precisou, em comunicado, o MAI, sublinhando que "é levantada a suspensão dos voos com origem ou destino no Brasil e no Reino Unido, apenas para viagens essenciais", situação que já acontecia com os voos provenientes de países terceiros".

O Ministério tutelado por Eduardo Cabrita refere que os passageiros dos voos originários da África do Sul, Brasil ou dos países com uma taxa de incidência de covid-19 igual ou superior a 500 casos por 100 000 habitantes têm de cumprir, após a entrada em Portugal continental, um período de isolamento profilático de 14 dias, no domicílio ou em local indicado pelas autoridades de saúde.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.987.891 mortos no mundo, resultantes de mais de 139 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 16.937 pessoas dos 829.911 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

PRESIDENTE DA PFIZER ADMITE QUE SERÁ NECESSÁRIA UMA TERCEIRA DOSE DA VACINA


O presidente da farmacêutica Pfizer, uma das produtoras de vacinas para a covid-19, Albert Bourla, admitiu que as pessoas vacinadas possam vir a precisar de uma terceira inoculação, seis meses após a primeira toma.

Alberto Bourla admite, ainda, que será necessário vacinar a população todos os anos contra o vírus da SARS-CoV-2, que provoca a covid-19.

"Um cenário provável é de que precisaremos de uma terceira dose da vacina, algures entre os seis e os doze meses após a primeira toma e, daí em diante, uma revacinação anual", disse Alberto Bourla, em entrevista à cadeia norte-americana de televisão CNBC.

"Tudo isto tem de ser confirmado", sublinhou Bourla, admitindo que "as variantes da covid-19 vão desemprenhar um papel-chave" no processo.

"É extremamente importante proteger as pessoas mais vulneráveis ao vírus", acrescentou Bourla na mesma entrevista.

O CEO da Pfizer não especificou se falava apenas da vacina da empresa que dirige ou se a terceira toma é extensível à vacina da AstraZeneca, por exemplo, que também é dada em duas doses.

Em fevereiro, Alex Gorsky, presidente da Johnson & Johnson, outra das empresas a produzir uma vacina contra a covid-19, admitia também que a vacinação contra o vírus da SARS-CoV-2 teria de ser anual.

Atualmente, estão aprovadas quatro vacinas na UE: Comirnaty (nome comercial da vacina Pfizer/BioNTech), Moderna, Vaxzevria (novo nome da vacina da AstraZeneca) e Janssen.

A Comissão Europeia anunciou, na quarta-feira, a aquisição adicional de 50 milhões de doses de vacinas da BioNTech/Pfizer, elevando para 250 milhões o total para entrega neste segundo trimestre, após problemas com o fármaco da Johnson & Johnson, que, à semelhança do da AstraZeneca, revelou alguns casos de coágulos em pessoas vacinadas.

CIENTISTAS INVENTARAM O BRANCO MAIS BRANCO E MAIS FRIO


Investigadores criaram uma tinta que dizem refletir 98,1% da luz do sol e enviar o calor infravermelho para longe da superfície que com ela seja pintada, tornando-a mais fria do que o ar circundante.

Voltamos ao velho debate sobre o branco mais branco, capaz de melhor afastar o calor nos dias quentes. O método de pintar edifícios de branco para refletir a luz solar e torná-los mais frios é comum em muitas partes do mundo, incluindo, por exemplo, no sul de Portugal (veja-se o exemplo do Alentejo e do Algarve).

Agora, surge a promessa de uma tinta branca que, dizem os criadores, "é mais branca do que a neve virgem" e mais fria do que as atuais, refletindo 98,1% da luz do sol. Pintar prédios com este produto, que chega ao mercado nos próximos dois anos, pode reduzir a necessidade de ar condicionado, diminuir o uso de combustíveis fósseis e ajudar a combater o problema das ilhas de calor urbanas, que é uma preocupação crescente tendo em conta o aumento global das temperaturas.

Os benefícios são apontados por investigadores da Universidade de Purdue, no Estado norte-americano do Indiana. "Se olharmos para a poupança energética e capacidade de arrefecimento que esta tinta pode fornecer, é realmente entusiasmante", descreveu Xiulin Ruan, docente de Engenharia Mecânica e líder do estudo, cujos resultados foram publicados na revista "ACS Applied Materials & Interfaces".

A tinta branca atualmente no mercado reflete entre 80 a 90% da luz do sol, mas fica mais quente, não mais fria, ao absorver a luz ultravioleta. Esta nova tinta reflete tanto quanto esfria, dizem os criadores, que começaram por analisar 100 materiais diferentes, antes de reduzi-los a apenas 10 e, seis anos depois, a um - sulfato de bário, usado para fazer papel fotográfico e cosméticos. Uma alta concentração de partículas desse composto químico em tamanhos diferentes cria melhores resultados reflexivos, concluíram os investigadores, que, em vez de usarem um determinado tamanho de partícula, usaram vários, melhorando os resultados.

Os testes mostraram que, ao ar livre, a tinta torna as superfícies mais frias do que o ar noturno. E mesmo durante o calor do meio-dia, revelou-se eficaz, reduzindo as temperaturas da superfície para oito graus abaixo da temperatura do ar - o que faz da tinta não só a mais branca, como também a mais fria, asseguram os criadores. "O que a nossa tinta faz não é apenas remover o calor, mas também remetê-lo para longe, ajudando a reduzir o efeito de ilha de calor", nota Ruan.

quinta-feira, 15 de abril de 2021

VACINA PORTUGUESA COM RESULTADOS PROMISSORES NOS ENSAIOS PRÉ-CLINICOS EM ANIMAIS


Os ensaios pré-clínicos, em animais, da vacina portuguesa contra o novo coronavírus, que está a ser desenvolvida na Immunethep, em Cantanhede, distrito de Coimbra, revelam resultados promissores na capacidade de produção de anticorpos específicos.

Em comunicado enviado à agência Lusa, a biotecnológica Immunethep prevê iniciar nos próximos meses os ensaios clínicos em humanos da vacina SILBA, que tem a particularidade de ser administrada por via intranasal.

Pedro Madureira, cofundador e diretor científico da Immunethep, salienta que, "através destes ensaios clínicos, foi possível confirmar a capacidade de os anticorpos produzidos neutralizarem a propagação do vírus em culturas de células 'in vitro'".

"Os dados obtidos até ao momento são muito promissores e indicadores do potencial desta vacina, uma vez que, através dos dados que se conhecem das vacinas já existentes, anticorpos contra este domínio RBD da proteína Spike, estão associados a uma proteção contra a covid-19", afirma Bruno Santos, cofundador e diretor executivo da Immunethep.

Segundo o responsável, trata-se de "excelentes indicadores para os ensaios de eficácia em curso que se tenciona terminar no final de maio, dando lugar aos ensaios clínicos em humanos".

A vacina em desenvolvimento pela Immunethep atua na prevenção da covid-19 e utiliza o vírus inativado, que "reduz muito a probabilidade de haver novas variantes do vírus SARS-CoV-2 que escapem à vacina".

O comunicado frisa que o facto de a vacina ser de administração intranasal "permite maximizar a imunidade ao nível das mucosas pulmonares, canal preferencial de entrada do vírus no organismo".

"A Immunethep mantém uma parceria com a PNUVAX, fabricante global de vacinas no Canadá e continua a desenvolver esforços para a concretização do investimento necessário por parte das entidades governamentais portuguesas para poder avançar rapidamente para os ensaios clínicos em humanos no segundo semestre do ano, como planeado", refere.

Desde a sua fundação, em 2014, que a Immunethep se tem dedicado ao desenvolvimento de imunoterapias, principalmente contra infeções bacterianas multirresistentes, contando atualmente com 10 colaboradores.

OITO DEPUTADOS INVESTIGADOS POR MORADAS FALSAS


O Parlamento levantou a imunidade de oito deputados para responderem perante o Ministério Público por alegada comunicação de moradas falsas. Um desses deputados, a bloquista Sandra Cunha, renunciou ao mandato, esta quinta-feira.

Oito deputados estão a ser investigados pelo Ministério Público por alegada comunicação de moradas falsas: três são do PSD (Carla Barros, Firmino Marques e Pedro Roque), três do PS (Elza Pais, Fernando Anastácio e Nuno Sá), um do CDS-PP (João Almeida) e uma do Bloco de Esquerda (Sandra Cunha).

O levantamento da imunidade parlamentar para que possam responder perante a Justiça já foi aprovado pela Comissão de Transparência, a pedido do Ministério Público. Na sequência disso, a deputada bloquista Sandra Cunha pediu, esta quinta-feira, a renúncia ao mandato.

"A minha constituição como arguida leva-me a pedir a renúncia ao meu mandato de deputada à Assembleia da República. Por motivos pessoais, porque pretendo defender o meu bom nome com total liberdade, e por motivos políticos, porque não quero que a continuidade em funções durante a minha defesa possa ser usada como arma de arremesso contra o Bloco de Esquerda", assumiu, numa publicação nas redes sociais.

A deputada bloquista também confirma que foi o Ministério Público que pediu o levantamento da sua imunidade parlamentar. "Para ser constituída arguida na sequência da identificação de discrepâncias nas moradas que indiquei ao Parlamento entre 2017 e 2018, discrepâncias que esclareci oportunamente, quando as corrigi", especifica ainda.

Em causa, o facto de Sandra Cunha, eleita pelo círculo de Setúbal, ter declarado que residia entre Sesimbra e Almada, usando, respectivamente, a sua morada e a dos pais. Como o valor de deslocação que o Parlamento lhe pagava pela morada de Sesimbra era o triplo do que se pagava pela de Almada, a deputada incorre num crime de peculato, punido com uma pena de prisão entre três e oito anos e multa até 150 dias.

Sandra Cunha vai ser substituída por Diana Santos, de 36 anos, psicóloga clínica de profissão que é também ativista pelos direitos humanos e civis das pessoas com deficiência. Foi presidente da Associação Centro de Vida Independente e membro do Movimento (D)eficientes Indignados. É formada pela Faculdade de Psicologia da Universidade de Lisboa, pós-graduada em doenças metabólicas e comportamento alimentar pela Faculdade de Medicina de Lisboa e especialista em sexualidade clínica e terapia de casal pelo Instituto Português de Psicologia.

Entretanto, também o deputado centrista João Almeida pronunciou-se, considerando que a acusação do Ministério Público "resulta de erros grosseiros da investigação, chega a ser surreal nos alegados factos que me imputa e atenta gravemente contra o meu bom nome e contra a transparência e rigor que sempre coloquei no exercício de funções públicas".

É que, segundo o deputado do CDS-PP, foi acusado de residir em Carcavelos com o seu agregado familiar, quando aquela seria a residência do seu irmão.

OS CONSELHOS QUE DESCONFINAM, OS QUE PARAM E OS QUE RECUAM



A generalidade do país vai avançar já na próxima segunda-feira com a terceira fase do desconfinamento, que inclui, entre outras medidas, o regresso das aulas presenciais no ensino secundário e do público aos cinemas e teatros. Mas há 11 concelhos com medidas diferentes: sete que mantêm as regras atuais e quatro que recuam para as medidas da primeira fase. Há ainda 13 concelhos que têm de "estar atentos" à evolução da pandemia nos próximos 15 dias. As escolas que estão abertas continuarão abertas e as que estão ainda fechadas vão reabrir em todos os concelhos do país.

OS CONCELHOS QUE RECUAM

Quatro concelhos acima dos 240 casos por 100 mil habitantes têm um retrocesso no desconfinamento:

Moura
Odemira
Portimão
Rio Maior

Encerramento de:
Esplanadas
Lojas até 200 m2 com porta para a rua;
Ginásios;
Museus, monumentos, palácios, galerias de arte e similares.

Proibição de:
Feiras e mercados não alimentares;
Modalidades desportivas de baixo risco;

Permite-se o funcionamento de:
Comércio ao postigo;
Comércio automóvel e mediação imobiliário;
Salões de cabeleireiros, manicures e similares, após marcação prévia;
Estabelecimentos de comércio de livros e suportes musicais;
Parques, jardins, espaços verdes e espaços de lazer;
Bibliotecas e arquivos;
Ensino secundário e ensino superior regressam ao modo presencial.

OS CONCELHOS QUE MANTÊM

Sete concelhos com mais de 120 casos por 100 mil habitantes não podem passar para a fase seguinte de desconfinamento e mantêm as regras em vigor:

Alandroal
Albufeira
Beja
Carregal do Sal
Figueira da Foz
Marinha Grande
Penela

Permite-se:
Funcionamento de lojas até 200 m2 com porta para a rua;
Feiras e mercados não alimentares (por decisão municipal);
Funcionamento de esplanadas (com a limitação máxima de 4 pessoas por mesa) até às 22h30 nos dias de semana e até às 13h aos fins de semana;
Prática de modalidades desportivas consideradas de baixo risco;
Atividade física ao ar livre até 4 pessoas e ginásios sem aulas de grupo;
Funcionamento de ginásios sem aulas de grupo;
Funcionamento de equipamentos sociais na área da deficiência.

Ensino secundário e ensino superior regressam ao modo presencial.

OS CONCELHOS QUE AVANÇAM

Os concelhos que não se encontram com uma taxa de incidência superior a 120 ou 240 casos por 100 mil habitantes avançam para a terceira fase do desconfinamento. Mas há treze concelhos com 120 casos por 100 mil habitantes que têm de "estar atentos" à evolução da pandemia nos próximos 15 dias:

Aljezur
Almeirim
Meda
Barrancas
Miranda do Corvo
Miranda do Douro
Vila Franca de Xira
Paredes
Penalva
Resende
Valongo
Famalicão
Olhão

Permite-se a abertura de:
Todas as lojas e centros comerciais;
Restaurantes, cafés e pastelarias (com o máximo 4 pessoas por mesa no interior ou 6 por mesa em esplanadas), até às 22h30 nos dias de semana ou 13h nos fins de semana e feriados;
Cinemas, teatros, auditórios, salas de espetáculos;
Lojas de cidadão com atendimento presencial por marcação.

Autoriza-se a prática de:
Modalidades desportivas de médio risco;
Atividade física ao ar livre até 6 pessoas;
Realização de eventos exteriores com diminuição de lotação (5 pessoas por 100 m ²);
Casamentos e batizados com 25% de lotação.

Ensino secundário e ensino superior regressam ao modo presencial.

BOTAS DE BORRACHA SALVARAM PASTOR QUE VIU REBANHO DIZIMADO POR RAIO


Dario Lima, de Arcos de Valdevez, sobreviveu porque tinha botas de borracha. Perdeu 68 cabras e cabritos.

Maria da Graça e Dario Lima, pastores de Gondoriz, Arcos de Valdevez, fizeram 33 anos de casados a 9 de abril, data que, se até agora merecia comemoração, tornou-se motivo de desgosto: foi quando um raio lhes matou 68 cabras.

Dario andava na serra com o rebanho e falava ao telemóvel quando sentiu uma forte trovoada. Viu cair fulminadas 68 das suas cerca de 320 cabeças de gado caprino de raça bravia. Salvaram-no de morrer eletrocutado as botas de borracha. O que consola o casal de pastores, que tem três filhos, é a onda de apoio e promessas de ajuda financeira.

Após ter corrido a notícia da mortandade, já se disponibilizaram para ajudar a Ordem dos Médicos Veterinários (com angariação de fundos), a Câmara (apoio e conta solidária) e o Ministério da Agricultura. A despesa da remoção dos cadáveres foi a tutela que pagou.

"Ando triste, porque vejo o rebanho mais pequeno. Queria comprar, pelo menos, as de raça que perdi. Há um pastor de Melgaço que diz que me vende 35", conta Dario, que completa 57 anos na segunda-feira. "Toda a gente tem sido nossa amiga. Não esperava este desastre nem que ia ser apoiado", afirma, contente.

A mulher ainda está impressionada. "O Dario diz que as cabras nem borregaram (gritaram) e ele se não tem as botas de borracha era atingido e também ia. Um antigo presidente da Junta pôs-lhe a mão no ombro e disse-lhe: "tiveste sorte, meu filho. Se não tens as botas, já estavas debaixo da terra"", comenta.

Maria da Graça e Dario andam na pastorícia desde crianças. Conheceram-se na escola primária e nunca tiveram outro trabalho. Começaram a namorar em 1987, na festa da Senhora da Guia. Casaram no ano seguinte. "Quando ele não pode, vou eu. Na sexta-feira, até era para ir eu, mas estava um bocado mal da cabeça e foi ele. Se fosse, morria com o susto", recorda.

Martírio

O dia que havia de ser de festa tornou-se um martírio. "Fazíamos 33 anos de casamento. Uma vizinha queria oferecer-nos um bolo e de manhã disse-lhe para não trazer. Ainda bem, porque nem lhe íamos tocar", contou Maria da Graça.

Além das 68 cabras que morreram, quatro ficaram combalidas e várias crias ficaram sem mãe e outras sem crias. "No dia a seguir dava dó ouvi-las a borregar. Os animais sentem", conclui.

quarta-feira, 14 de abril de 2021

PORTUGUESA MORTA COM 15 FACADAS PELO MARIDO QUE SE SUICIDOU A SEGUIR


Glória Lourenço, de 46 anos, foi brutalmente assassinada em casa, em Côte D’Or, sexta-feira à noite. O marido já tinha sido condenado por violência doméstica pela ex-mulher. Glória deixa um filho de oito anos.

O alarme para tragédia foi dado pela ex-mulher de Sebastien Clouet, que era atual marido de Glória Lourenço, residente em Beire-le Châtel, Côte D’Or, pelas 21h30 de sexta-feira passada.

“Fiz uma asneira” disse Sebastien Clouet à ex-companheira anunciando que se iria “matar”. A ex-mulher telefonou imediatamente para a polícia contando que o francês poderia ter acabado de assassinar a sua atual esposa.

Os agentes deslocaram-se a casa de Glória Lourenço e confirmaram as piores suspeitas. A lusodescendente “estava morta”, tendo sido violentamente assassinada com 15 facadas “no tórax e no pescoço” desferidas por duas facas diferentes “do tipo facas de cozinha descobertas cheias de sangue no local da tragédia”, concluiu a autópsia realizada domingo. O relato do crime foi feito por Éric Mathais, procurador geral de Dijon num comunicado enviado à comunicação social e citado pela France Bleu.

A portuguesa deixa um filho de 8 anos, fruto de uma anterior relação. Na altura do crime o menino não estava em casa. 

Após a descoberta do “corpo sem vida” da lusodescendente as equipas da polícia iniciaram uma busca “muito ativa” para encontrar Sebastien Clouet, de 46 anos, e gestor da empresa de caminhos de ferro franceses.

O automóvel do francês foi encontrado parado na autoestrada A6 perto de Pouilly-en-Auxois e o seu corpo foi descoberto pouco depois por baixo de um viaduto da mesma estrada “do qual obviamente se acabara de atirar”, refere o procurador de Dijon.

Uma investigação por “flagrante delito sob a acusação de homicídio agravado” foi aberta pelo Ministério Público de Dijon para “determinar as circunstâncias exatas do crime” e está a ser realizada pelas brigadas de Dijon, Is-sur-Tille e Beaune.  

Condenado por vários crimes

O marido de Glória Lourenço era bem conhecido da polícia por vários motivos, frisou o procurador.

Embora Glória Lourenço nunca tenha apresentado queixa por violência doméstica contra o marido, a ex-mulher de Sebastien Clouet apresentou.  A 3 de julho de 2017 este francês foi “condenado pela justiça a pagar uma multa por atos de violência doméstica contra a sua ex-mulher”, referiu Éric Mathais.

Sebastien Clouet voltaria aos tribunais franceses a 13 março de 2019, desta vez acusado de “realizar escavações arqueológicas sem autorização”, pelo qual foi condenado a uma multa suspensa.

O marido de Glória Lourenço tinha sido também “intimado a comparecer no Tribunal Criminal de Dijon, a 9 de setembro de 2021 por vários roubos”. Contra este francês estava ainda a decorrer outro processo por “porte ilegal de armas de coleção”.

FAIXA DE PROTESTO À PORTA DA CASA DE SÓCRATES NA ERICEIRA


Um grupo de jovens da Juventude Popular afixou, na tarde desta quarta-feira, uma faixa com a inscrição "A decência não prescreve" numa estrutura em frente à residência de José Sócrates, na Ericeira.

Num post publicado na sua página de Facebook, a Juventude Popular (órgão do CDS) anuncia: "Estamos à porta da casa do ex-primeiro Ministro José Sócrates, onde vamos deixar um conjunto de propostas anti-corrupção".

Durante a colocação da faixa, uma pessoa, que se presume ser do círculo de amigos de José Sócrates, terá saído do prédio e filmado o grupo de jovens a colocar a referida faixa, mas a mesma não foi removida.

A GNR terá mesmo sido chamada ao local, mas não interferiu no protesto, segundo foi possível apurar.

Os jovens centristas decidiram assim protestar contra a decisão do juiz de instrução criminal, Ivo Rosa, conhecida na última sexta-feira, que ditou a não pronúncia de José Sócrates por crimes de fraude fiscal.

O juiz considerou ainda prescrita a alegada ligação corruptiva de José Sócrates e de Ricardo Salgado relativamente à Portugal Telecom (PT)

No entanto, o antigo primeiro-ministro e o empresário Carlos Santos Silva vão a julgamento no processo Operação Marquês por branqueamento de capitais e outros crimes.

Em causa, estão verbas de 1,72 milhões de euros entregues pelo empresário e alegado testa-de-ferro a Sócrates, que, segundo a decisão instrutória não configuram o crime de corrupção, por estar prescrito, mas implicam três crimes de branqueamento de capitais.

Além do branqueamento de capitais, Sócrates e Santos Silva estão pronunciados por três crimes de falsificação de documentos.

MAIS DE 16 MIL VACINAS COM VALIDADE EXPIRADA DESTRUÍDAS NO MALÁUI


Mais de 16 mil doses da vacina da AstraZeneca atingiram a data de validade e serão destruídas no Maláui, três semanas depois de terem chegado ao país.

Das 102 mil doses de vacinas contra a covid-19 enviadas ao Maláui pela União Africana (UA), cerca de 16.400 não foram utilizadas e expiraram na terça-feira, anunciou esta quarta-feira Charles Mwansambo, ministro da Saúde do pequeno país da África Austral, vizinho de Moçambique.

De um total de 530 mil doses recebidas no país através do programa Covax, Governo indiano e UA, todas produzidas pela AstraZeneca, 46% foram administradas até agora, acrescentou o governante: "Utilizámos a maior parte das vacinas enviadas pela UA. Na terça-feira, quando expiraram, restavam apenas 16.400, que não tinham sido utilizadas e que agora serão destruídas e deitados fora."

Desde o primeiro ciclo de vacinação em março, o Maláui vacinou 300 mil pessoas de um universo potencial de 11 milhões de pessoas, cerca de 60% da população.

MILITAR DA GNR USAVA CÂMARA PARA ESPIAR COLEGAS NO DUCHE


Um militar da GNR do posto territorial de Águeda, no distrito de Aveiro, vai ser alvo de um processo disciplinar depois de ter sido apanhado a vigiar as colegas no duche, disse, esta quarta-feira, fonte daquela força militar.

"O militar colocou uma câmara no balneário feminino, que foi descoberta, e depois de algumas diligências conseguiu chegar-se à pessoa", disse à Lusa a mesma fonte.

Referiu ainda que já foi aberto um processo disciplinar e que o militar visado, que se encontra de baixa médica, foi transferido para outra subunidade.

JUIZES AVERIGUAM ATRIBUIÇÃO INICIAL DO PROCESSO A CARLOS ALEXANDRE


Juiz Ivo Rosa ordenou que fosse extraída uma certidão para apurar se foi violado o princípio do juiz natural.

O Conselho Superior da Magistratura ordenou esta quarta-feira uma averiguação interna às suspeitas de irregularidades na atribuição inicial da Operação Marquês ao juiz Carlos Alexandre.

A diligência tem o objetivo de apurar se há, ou não, novos elementos que não sejam do conhecimento do Conselho Superior, que já tinha averiguado e arquivado esta mesma questão.

Na sexta-feira, o juiz Ivo Rosa ordenou que fosse extraída uma certidão para apurar se foi violado o princípio do juiz natural, por não ter havido um sorteio eletrónico, mas sim uma atribuição manual do processo, em setembro de 2014.

O órgão que tutela os juízes garantiu, nesse mesmo dia, que as regras de transparência são as mesmas para todos os tribunais do país.

Operação Marquês. Quem vai a julgamento e por que crimes

O antigo primeiro-ministro José Sócrates e o empresário Carlos Santos Silva vão a julgamento no processo Operação Marquês por branqueamento de capitais e outros crimes.

Em causa, estão verbas de 1,72 milhões de euros entregues pelo empresário e alegado testa-de-ferro a Sócrates, que, segundo a decisão instrutória hoje lida pelo juiz Ivo Rosa no Campus da Justiça, em Lisboa, não configuram o crime de corrupção, por estar prescrito, mas implicam três crimes de branqueamento de capitais.

Além do branqueamento de capitais, Sócrates e Santos Silva estão pronunciados por três crimes de falsificação de documentos.

O juiz Ivo Rosa decidiu, no entanto, não pronunciar José Sócrates por crimes de fraude fiscal.

O ex-banqueiro Ricardo Salgado vai a julgamento por três crimes de abuso de confiança e o antigo administrador da Caixa Geral de Depósitos e ex-ministro Armando Vara foi pronunciado por um crime de branqueamento de capitais.

A decisão instrutória iliba porém os restantes crimes de Salgado e Vara, bem como a maioria dos 189 crimes imputados aos restantes arguidos.

Quem também vai a julgamento é o ex-motorista de José Sócrates, João Perna, por detenção de arma proibida.

terça-feira, 13 de abril de 2021

JOVEM DE 21 ANOS É ATACADA A FACADAS PELO PRÓPRIO PAI


Um homem, de 42 anos, é suspeito de matar a facadas a própria filha nesta segunda-feira(12) em Rodeio, no Vale do Itajaí, em Santa Catarina. Além de esfaquear a filha, atacou a sua ex-mulher, de 39 anos, os avós, de 56 e 61 anos, e o tio de 34. A motivação do crime foi pelo fato da ex-mulher ter ido a delegacia solicitar uma medida protetiva contra o criminoso.

Atingida por ao menos 3 golpes, Géssica Dias Tiz, de 21 anos, filha do suspeito, morreu no local. Não há detalhes sobre o estado de saúde atualizado das vítimas, mas todos estão com o quadro clínico estável. 

De acordo com a Polícia Civil, o homem fugiu e foi pego pela Polícia Militar nos fundos da casa dele. Ele irá responder por dois  feminicídios, já que atacou a filha e a mãe, também por duas tentativas de homicídio qualificadas e por porte ilegal de arma.

MARCELO PEDE RENOVAÇÃO DO ESTADO DE EMERGÊNCIA ATÉ DIA 30


O presidente da República divulgou, esta terça-feira, o decreto para a renovação do estado de emergência em Portugal. Será o 15.º para vigorar entre 16 e 30 de abril.

"Em linha com o faseamento do plano de desconfinamento, impondo-se acautelar os passos a dar no futuro próximo, entende-se haver razões para manter o estado de emergência por mais 15 dias, nos mesmos termos da última renovação", pode ler-se no documento divulgado esta terça-feira na página da Presidência da República.

"A renovação do estado de emergência tem a duração de 15 dias, iniciando-se às 00h00 do dia 16 de abril de 2021 e cessando às 23h59 do dia 30 de abril de 2021, sem prejuízo de eventuais renovações, nos termos da lei", lê-se ainda.

Depois da reunião no Infarmed de manhã e de ouvir os partidos durante a tarde - Iniciativa Liberal, Chega, PEV, PCP, BE, PAN, PSD, CDS-PP e PS - Marcelo Rebelo de Sousa divulgou o decreto para a renovação do estado de emergência em Portugal, nos mesmos termos que o atual período.

O atual período de estado de emergência termina às 23.59 horas de quinta-feira, dia 15l. Uma próxima renovação por mais 15 dias irá vigorar entre 16 e 30 de abril.

A Assembleia da República tem agendado para a tarde de quarta-feira o debate e votação sobre este pedido de autorização de renovação do estado de emergência.

JAPÃO VAI DESPEJAR NO MAR ÁGUA TRATADA MAS AINDA RADIOATIVADA DE FUKUSHIMA, CHINA E COREIA ALARMADAS


Foi removida a maior parte dos elementos radioativos, mas a medida é controversa.

O Governo japonês decidiu hoje que a água processada armazenada na central nuclear de Fukushima será descarregada no Oceano Pacífico, após tratamento para remover a maior parte dos elementos radioativos.

A controversa medida visa resolver a acumulação de água radioativa na instalação nuclear, um dos problemas mais urgentes no complexo processo de desativação da central que foi danificada pelo terramoto e tsunami de março de 2011.

O primeiro-ministro japonês, Yoshihide Suga, tomou hoje a decisão após consultas com o operador da central, Tokyo Electric Power, o regulador nuclear japonês, a Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) e as autoridades locais em Fukushima, entre outras partes.

A libertação controlada de água da fábrica foi a medida que as autoridades japonesas tinham optado desde o início do ano passado, considerando-a a mais viável entre uma série de outras opções tecnicamente mais complexas.

A decisão tinha sido adiada devido à oposição do Governo de Fukushima e das associações de pescadores locais, que acreditam que o derrame poderia prejudicar ainda mais as suas atividades económicas.

As autoridades japonesas consideram que o derrame não irá gerar qualquer risco para a saúde humana porque os níveis de trítio libertados no mar ficarão abaixo das normas sanitárias nacionais - a misturar com a água do mar - e defendem que esta é uma prática comum na indústria nuclear de outros países.

A instalação de Fukushima Daiichi tem um sistema de processamento de água que remove a maioria dos materiais radioativos considerados perigosos, com exceção do trítio, um isótopo natural mas de baixa concentração.

Mais de 1,25 milhões de toneladas de água processada são armazenadas nas instalações da Daiichi, e espera-se que a capacidade para o seu armazenamento se esgote no outono do próximo ano ao ritmo atual a que está a ser gerada.

CHINA E COREIA DO SUL ALARMADAS COM DESCARGA NO MAR DE ÁGUA RADIOATIVA DE FUKUSHIMA

Antes mesmo de formalmente tomada a decisão, a China disse ter comunicado a sua "séria preocupação" ao Japão, pedindo ao governo do primeiro-ministro Yoshihide Suga que tome uma decisão que acautele o interesse público global, bem como a saúde e segurança dos cidadãos chineses.

Segundo o Ministério das Relações Exteriores da China, "o Japão não pode menosprezar ou ignorar" as críticas globais sobre a questão, e "não deve prejudicar mais o meio ambiente marinho, a segurança alimentar e a saúde humana".

Citado pela agência Kyodo, um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores sul-coreano, disse na segunda-feira que despejar água radioativa de Fukushima "afetaria direta e indiretamente a segurança das pessoas e do meio ambiente vizinho".

"Seria difícil aceitar o despejo da água no mar se o lado japonês tomar uma decisão sem consulta suficiente", disse o porta-voz, salientando que Coreia do Sul "responderá fortalecendo a cooperação" com a Agência Internacional de Energia Atómica.

O Governo japonês já tinha afirmado que não era possível adiar a decisão por mais tempo, dado que a capacidade de armazenagem dos tanques de água na central, que continuam a receber líquido usado para arrefecer combustível nuclear, deverá esgotar-se em 2022, 11 anos depois de a central ter sido gravemente afetada por um terramoto e tsunami.

segunda-feira, 12 de abril de 2021

RIO SOBRE OPERAÇÃO MARQUÊS: "JUSTIÇA É O PIOR EXEMPLO DE UM REGIME MUITO DOENTE"


Rui Rio acusou esta segunda-feira a Justiça de não estar a funcionar e de ser o pior exemplo de um regime que está "doente, muito doente". O presidente do PSD considera que se a justiça não se consegue atualizar ou credibilizar, "como já ficou demonstrado", "é óbvio que a responsabilidade passa para o poder político".

Por isso, defendeu uma reforma profunda para este setor, criticando a falta de coragem e hipocrisia dos restantes atores políticos, em especial do Governo, para a fazer.

Sobre as exaltadas reações à Operação Marquês, Rio diz que o escrutínio popular verificado foi provocado por uma justiça que renunciou à discrição que se lhe exigia e que optou por "uma investigação espetáculo", com sucessivas violações do segredo de justiça e à "intoxicação da opinião pública com todo o tipo de histórias falsas ou verdadeiras", "triturando na praça pública culpados e inocentes, triturando-se a justiça a si própria e descredibilizando-se de forma dramática".

"Pela primeira vez na história deste regime, foi afirmado por um juiz num processo penal a indiciação de um ex-primeiro ministro pela prática de crimes de corrupção que, no entanto, não podem ir a julgamento porque prescreveram ou porque a prova recolhida, apesar de o provar, não pode ser utilizada", frisou Rui Rio.

O problema é que o mesmo povo que "foi convocado pela Justiça" para acompanhar este processo "não entende esta decisão". "E quando as decisões da Justiça não são entendidas pelo povo é a justiça a não funcionar", criticou. Rio criticou ainda a demora inaceitável da justiça que "não é feita em tempo útil, pura e simplesmente não é justiça".

Rio criticou ainda a "hipocrisia" da repetida afirmação - várias vezes proferida por António Costa de "à justiça o que é da justiça e política o que é da política" pois é o poder político que tem de dar condições à justiça para ela funcionar, o que não está a acontecer, numa "degradação lenta e perigosa". Do mesmo modo "não é a Justiça a funcionar", como por várias vezes já disse o Presidente da República, "é a Justiça a não funcionar", atirou Rui Rio.

Daí que o líder do PSD considere que "a reforma da justiça é a primeira das reformas que Portugal tem de fazer". Pela parte do seu partido, recordou que tentou promover um pacto para a justiça mas que o resultado foi "pouco mais do que zero" fruto da falta de vontade em mexer no sistema por parte do Governo. Rio frisou que não é preciso "revolucionar ou destruir tudo" é apenas preciso reformar "com coragem, seriedade e sem os habituais tiques corporativos".

"Se a Justiça já demonstrou não ser capaz de se atualizar e credibilizar, é óbvio que a responsabilidade tem de passar para o poder político", recomendou, frisando que a justiça "não pode ser um mundo à parte" "Basta de hipocrisia e basta de falta de coragem", afirmou, garantindo que o PSD irá continuar a trabalhar nas suas propostas para uma grande reforma da justiça e disponível para a levar a cabo com todos os demais.

EXTRADITADO PARA CABO VERDE HOMEM QUE MATOU AGENTE DA PSP EM 2005 NA AMADORA

O cidadão cabo-verdiano cumpriu em Portugal 17 dos 23 anos de prisão a que tinha sido condenado pelo homicídio de Irineu Diniz. O homem que ...