tradutor com bandeiras. Google Translate

sexta-feira, 30 de outubro de 2020

FRASES RACISTAS EM MUROS DE UNIVERSIDADE EM LISBOA

 


Os muros da Universidade Católica Portuguesa (UCP) e de uma instituição de ensino secundária em Lisboa foram pichados com insultos racistas e xenofóbicos na madrugada desta sexta-feira, 29. As inscrições falam em uma “Europa branca” e pedem que os imigrantes brasileiros “voltem para as favelas”.

Uma das pichações faz referência direta aos imigrantes brasileiros. “Zucas, voltem para as favelas. Nos vos queremos aqui”, diz a inscrição, usando o apelido pelo qual os brasileiros são conhecidos em Portugal.


Outras mensagens de conteúdo racista também fora identificadas, como “Viva a raça branca” e “Fora com os pretos”. Segundo alunos da instituição, os muros da universidade amanheceram com as pichações. As paredes de uma escola secundária de Lisboa também foram vandalizadas.


Esta não é a primeira vez que alunos da Católica Portuguesa relatam casos de racismo e xenofobia entre os portugueses da instituição. Em junho, conteúdos da mesma natureza foram postados em um grupo nas redes sociais formado por estudantes do curso de Direito.

Continua após a publicidade

Na época, a universidade afirmou que abriu um processo disciplinar interno para investigar os responsáveis. “Do mesmo modo, irá apresentar uma queixa ao Ministério Público por crime de discriminação racial”, afirmou a instituição em nota.

“Desde que cheguei em Lisboa já tinha passado várias situações complicadas por ser brasileira, por exemplo, um queridíssimo professor falou para eu tomar cuidado para não passar nenhuma doença tropical para a sala”, relata a estudante de direito Ana Luisa Tinoco. Segundo a brasileira natural de São Paulo, situações como essa se tornaram recorrentes.

Em nota sobre o caso desta sexta, a reitoria da UCP afirmou que foi realizada uma queixa e que as imagens da pichação estão sendo analisadas. Uma denúncia formal foi protocolada no Ministério Público português.

A universidade rejeita este ato, que atenta contra os princípios basilares do que a universidade enquanto espaço de abertura e diálogo representa e reafirma que continuará, firmemente, a desenvolver a sua ação educativa assente no respeito pela dignidade da pessoa, nos valores da liberdade e do diálogo”, afirmou a instituição na nota enviada a VEJA.


Em abril de 2019, um caso semelhantes aconteceu na Universidade do Porto. Um caixote de madeira com pedras amanheceu em um corredor da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa (FDUL) com a seguinte frase: “Grátis se for para atirar em um ‘zuca’ (que passou na frente no mestrado)”. A inscrição foi interpretada como um convite ao apedrejamento dos brasileiros.

ANDRESSA URACH PEDE AS DOAÇÕES DE VOLTA AO AFASTAR-SE DA IGREJA

 


Andressa Urach utilizou a sua rede social na madrugada desta sexta-feira (30) para fazer um desabafo. Ela, que voltou a trabalhar como modelo e recebeu muitas críticas de evangélicos, contou a razão por ter se afastado da igreja.

“Gente eu não escondo nada de ninguém. Nos últimos meses passei por uma deceção tão grande, que literalmente rasgou meu coração, não consegui nem estudar, vou ter que trancar a faculdade de jornalismo, pois não tenho cabeça para pensar sobre isso”, começou ela.

“Dediquei meus últimos 6 anos da minha vida para Jesus como todos sabem, mas acabei me sentindo como um objeto descartável, nunca me senti assim nem no tempo da prostituição. Sei que Jesus não tem nada a ver com isso e a obra de Deus é feita por pessoas falhas. Fui excluída de grupos fazendo eu me sentir como se eu tivesse “demônios” por deixar de fazer parte da instituição. Se eu falasse tudo que aconteceu cmg nesses últimos anos vocês se escandalizariam e eu teria virado ateia. Mas graças a Deus no hospital em 2014 estive de frente com a morte e passei por uma experiência pessoal com Deus e sei que Jesus é vivo”, revelou a modelo.

“Hoje como todos sabem tenho contrato com a Record aqui no Rio Grande do Sul e dependo financeiramente do meu salário e o mesmo vai até março do próximo ano. (Se eles não me demitirem até lá), como já fizeram da outra vez que estava em São Paulo quando desobedeci a orientação que recebi e casei com o pai do meu filho. A questão em pauta é… amo a igreja, mas não consigo mais ir na igreja, peguei ranço, pois falam que uma vez afastado ficamos 7 vezes piores do que quando chegamos. Então não quero ficar ouvindo isso! Isso está me fazendo mal. Não quero e não vou voltar a ser quem eu era”, pontuou Andressa.

“Estou voltando aos meus tratamentos psiquiátricos, pois sou uma boderline controlada. Enquanto estava na igreja estava tudo sobre controle, mas agora que não estou mais indo na igreja, voltei a tomar uns remédios para me acalmar e controlar minhas crises de ansiedade que voltaram essa segunda-feira. E preciso controlar minha impulsividade e principalmente a minha raiva! Conversei amigavelmente com a igreja para eles me devolverem as doações que fiz nos últimos anos, mas infelizmente não tive retorno ainda, não queria entrar na justiça. Mas não estou bem, estava vulnerável na época e não pensei no futuro do meu filho e muito menos no meu, estava em uma fase muito frágil e ainda estou, então vou voltar aos meus tratamentos”, declarou.


4 MESES DE PRISÃO PARA PORTUGUÊS QUE RECUSOU USAR MÁSCARA EM ESPANHA

 


Homem foi condenado pelo crime de desobediência, depois de se recusar repetidamente a colocar a máscara.

Um tribunal de Pamplona, no nordeste de Espanha, condenou um português a quatro meses de prisão pelo crime de desobediência, ao ter-se recusado no passado sábado, de forma reiterada, a usar a máscara obrigatória que protege contra a covid-19.

Na sentença lida na quinta-feira e que é citada pela agência espanhola Efe, afirma-se que, por volta das 10:15, o condenado caminhava pelo bairro de Ripagaina de Pamplona, sem levar a máscara, "cuja utilização é obrigatória em virtude das medidas sanitárias impostas, uma circunstância observada por uma patrulha da Polícia Regional".

Os agentes abordaram o indivíduo, perguntaram-lhe porque não usava a máscara e pediram-lhe que a pusesse, refere o auto do juiz.

O condenado começou por afirmar que vinha de Portugal, onde a utilização da proteção contra a pandemia na rua não era obrigatória, e mais tarde alegou que tinha asma e um certificado passado no seu país.

Em seguida, revelou que não tinha máscara e, tendo em conta esta última declaração, os polícias deram-lhe uma, que o arguido colocou no seu bolso.

Tendo-lhe sido ordenado que colocasse a máscara no rosto em várias ocasiões e, devido ao facto de não o ter feito, foi preso pela sua "reiterada recusa".

Os factos declarados e provados configuram um crime de resistência ou de desobediência à autoridade.

O homem foi condenada à pena prevista reduzida em um terço, conforme previsto no Código Penal espanhol. Os quatro meses de prisão foram suspensos com a condição de o infrator não reincidir no crime no prazo de dois anos.

"ESTRANHO. MUITO ESTRANHO..." DIZ ANA GOMES SOBRE A MORTE DE SINDIKA DOKOLO

 


Pouco depois de ter vindo a público a notícia da morte de Sindika Dokolo, marido de Isabel dos Santos, Ana Gomes reagiu nas redes sociais: "Estranho. Muito estranho..."

reação foi publicada na rede social Twitter, onde a candidata à Presidência da República partilhou a publicação de João Cordeiro, que dava conta da morte de Sindika no mar.

Momentos depois, Ana Gomes destacou que, "o que realmente mais importa em Angola, é que Laura Macedo, corajosa ativista pela transparência e anticorrupção, está presa. E não devia estar. #FreeLauraMacedo!".

Recorde-se que, de acordo com a imprensa internacional, Sindika Dokolo morreu no Dubai, enquanto praticava mergulho. Outras fontes angolanas indicaram que a causa da morte foi uma embolia.


Mas o que realmente hoje mais importa em #Angola é que #LauraMacedo, corajosa activista pela transparência e #anticorrupção, está presa. E não devia estar. #FreeLauraMacedo!
Citar Tweet
Ana Gomes
@AnaMartinsGomes
·
Estranho. Muito estranho... twitter.com/ortoirlandes/s…


MARIDO DE ISABEL DOS SANTOS MORREU NO DUBAI


O marido de Isabel dos Santos, Sindika Dokolo morreu, esta quinta-feira, no mar no Dubai. A notícia do Ã³bito foi avançada por jornais internacionais, especialmente congoleses, e confirmada pela Lusa junto de fonte ligada à família. O colecionador de arte tinha 48 anos.

A imprensa do país adianta que Sindika Dokolo morreu no Dubai, enquanto praticava mergulho. Outras fontes angolanas indicaram que a causa da morte foi uma embolia.

Dokolo nasceu em Kinshasa, na República Democrática do Congo, em 1972. Casou com Isabel dos Santos em 2002.

O marido da mulher mais rica de Ãfrica, filha de José Eduardo dos Santos, tinha uma das mais importantes coleções de arte contemporânea africana, com mais de 3 mil peças. 

Isabel dos Santos não confirmou a morte do marido mas publicou, esta quinta-feira, uma fotografia com Sindika Dokolo e o filho na rede social Twitter. O post não contém qualquer legenda.

Já Michée Mulumba, assessor do Presidente da República Democrática do Congo, Felix Tshisekedi, confirmou a notícia no Twitter, onde prestou a sua homenagem a Sindika Dokolo"Foi durante um mergulho que partiu para a eternidade, uma atividade habitual que o afastou da sua luta e dos seus entes queridos. Descansa em paz, caro Sindika Dokolo", lê-se no tweet.

Tal como Isabel dos Santos, os negócios de Sindika Dokolo estavam a ser investigados pela justiça angolana, na sequência das revelações do Consórcio Internacional de Jornalistas que ficaram conhecidas como 'Luanda Leaks'.

Sindika Dokolo e a mulher são suspeitos de terem lesado o Estado angolano em milhões de dólares e foram alvo de arresto de bens e participações sociais em empresas, em dezembro do ano passado, por determinação do Tribunal Provincial de Luanda.

Dokolo era filho do banqueiro Augustin Dokolo Sanu, e da sua segunda mulher, a dinamarquesa Hanne Taabbel. Frequentou o liceu Saint Louis de Gonzague, em Paris, e prosseguiu os estudos na Universidade Paris Vi Pierre et Marie Curie.

Inspirado pelo pai, amante de arte, começou a sua coleção de arte quando tinha 15 anos e criou mais tarde a Fundação Sindika Dokolo, a fim de promover as artes e festivais de cultura em Angola e noutros países.

Em outubro do ano passado, a sua Fundação comprou e repatriou para Angola 20 peças de arte que tinham sido levadas de museus angolanos para coleções estrangeiras e preparou-se para entregar ao museu de Kinshasa a primeira peça congolesa recuperada, segundo uma entrevista concedida na altura à agência Lusa.

Crítico dos quase 20 anos do regime do Presidente Joseph Kabila na República Democrática do Congo, Sindika Dokolo esteve cerca de cinco anos no exílio, devido aos processos movidos contra si em Kinshasa, tendo regressado apenas em maio de 2019, já depois da chegada ao poder de Félix Tshisekedi, que tomou posse como chefe de Estado congolês em janeiro.

Em fevereiro de 2016, ainda com José Eduardo dos Santos nas funções de Presidente em Angola, a Fundação Sindika Dokolo entregou ao chefe de Estado, no Palácio Presidencial, em Luanda, duas máscaras e uma estatueta do povo Tchokwe (leste de Angola), que tinham sido saqueadas durante o conflito armado, recuperadas após vários anos de negociação com colecionadores europeus.


 

RECOLHER OBRIGATÓRIO É UMA DAS MEDIDAS DO GOVERNO

 


O primeiro-ministro está a receber esta sexta-feira, em São Bento, os partidos com representação parlamentar para procurar um consenso para a adoção de medidas imediatas de combate à pandemia de Covid-19, que tem registado um continuado aumento em Portugal.

Perante isso, de acordo com a SIC Notícias, entre as medidas apresentadas aos líderes partidários, para evitar a propagação do novo coronavírus, está o recolher obrigatório, restrições específicas para cada concelho e dependendo do grau de risco, e o teletrabalho obrigatório.

O que também será discutido é se é necessário voltar a decretar o Estado de Emergência, não para impor o confinamento geral verificado na primeira vaga da pandemia, mas para dar ao Executivo o enquadramento legal que lhe permita pôr em prática medidas mais restritivas, como as apresentadas.

Ainda segundo a SIC Notícias, nas reuniões de hoje, o Governo tem deixado a ideia de que a intenção destas medidas é conseguir recuperar do impacto da pandemia em novembro, para que as famílias possam ter um Natal mais descansado.

Estas serão algumas das decisões que serão fechadas no Conselho de Ministros extraordinário marcado para este sábado.


(VIDEO) TURQUIA E GRECIA ABALADAS POR FORTE SISMO SEGUIDO DE "PEQUENO TSUNAMI"

 


Um forte sismo, de magnitude 7 na escala de Richter, abalou a Grécia e a Turquia esta sexta-feira. Segundo as autoridades, o abalo causou um "pequeno tsunami" ao largo da ilha de Samos. Há registo de pelo menos seis mortos e mais de 200 feridos.

O serviço geológico dos Estados Unidos informou no Twitter que o abalo foi registado pelas 11:51, hora local.

Vários edifícios colapsaram em Izmir, na Turquia. Pelo menos seis pessoas morreram, uma afogada, e mais de 200 ficaram feridas, segundo o departamento de gestão de desastres e emergências da Turquia, citado pela agência Reuters.

O autarca de Izmir, Tunc Soyer, afirmou que pelo menos 20 edifícios desabaram. Cerca de 70 pessoas foram resgatadas dos escombros.

Na ilha grega de Samos há registo de grandes inundações.

Nas redes sociais foram partilhadas várias imagens impressionantes.

O sismo ocorreu no arquipélago do Dodecaneso, no sudeste do Mar Egeu, segundo o Centro Sismológico Euro-Mediterrânico.

Segundo o organismo de Gestão de Emergências e Desastres da Turquia, o sismo ocorreu a uma profundidade de 16,5 quilómetros.

Os meios de comunicação turcos relataram que o terramoto foi sentido nas regiões do Egeu e Mármara, onde Istambul está localizada.

quinta-feira, 29 de outubro de 2020

O CUSTO ESTIMADO PELAS MEDIDAS DE CONTENCÃO EM FRANÇA É DE 15 MIL MILHÕES POR MÊS

 



Vamos reforçar todos os dispositivos de ajuda", afirmou o governante, especificando que seis mil milhões respeitam a fundos de solidariedade, sete mil milhões para desemprego parcial (o designado 'lay-off'), mais de mil milhões para exonerações de contribuições sociais e outro tanto para assumir custos de empresas com alugueres.

Le Maire afirmou que, "por precaução" e para considerar o conjunto de custos relacionados com a crise sanitária até ao final do ano, vai haver uma retificação do orçamento de 2020, para acrescentar 20 mil milhões de euros.

O governo francês detalhou hoje, em conferência de imprensa, as condições do novo confinamento, com duração prevista até 01 de dezembro, se bem que vá haver uma reapreciação da situação dentro de 15 dias, para ver se os comércios considerados não essenciais podem abrir.

"O objetivo central do confinamento Ã© proteger os franceses e preservar o sistema sanitário", disse o primeiro-ministro, Jean Castex, que avançou as exceções do confinamento.

Os franceses só podem sair de casa para fazer compras de primeira necessidade ou atividade física individual dentro de um perímetro de um quilómetro em torno das suas casas.

As novas exceções permitem saídas para acompanhar as crianças às escolas, que vão permanecer abertas, mas o governo reduziu a idade mínima para o uso obrigatório de máscaras, passando-a para seis anos.

Também se pode sair de casa para ir trabalhar, mas só se não se puder recorrer ao teletrabalho, que volta a ser de uso generalizado até ao fim do confinamento.

Hoje, foram anunciados em França 36.437 novas infeções.

pandemia de covid-19 já provocou mais de 1,1 milhões de mortos e mais de 44,5 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

MADURO ACUSA EUA E EUROPA DE ATACAR A PRINCIPAL REFINARIA VENEZUELANA

 


O Presidente da Venezuela diz que há gasolina para 20 dias.

O Presidente Nicolás Maduro acusou esta quarta-feira os EUA e a Europa de terem atacado "com uma arma poderosa" a refinaria venezuelana de Amuay e anunciou que a Venezuela conta apenas com reservas de gasolina para 20 dias.

"Amuay foi atacada com uma arma longa e poderosa e estamos investigando. [Amuay é] uma das mais importantes refinarias da Venezuela. Queriam causar uma explosão e derrubaram uma torre com um nível mais espesso do que um tanque de guerra", disse.

NÃO PRECISOU O TIPO DE ARMAMENTO

O Presidente Nicolás Maduro falava no palácio presidencial de Miraflores, em Caracas, durante uma conferência com jornalistas internacionais em que não precisou o tipo de armamento que foi usado e remeteu mais pormenores para o procurador-geral designado pela Assembleia Constituinte (composta unicamente por simpatizantes do regime), Tarek William Saab.

"Queriam provocar um incêndio na refinaria, derrubaram uma torre. A Venezuela enfrenta situações de conspirações permanentes. Não temos uma oposição, temos uma conspiração permanente avalada, financiada, promovida pelo Governo dos Estados Unidos com a cumplicidade de vários governos da Europa", disse.

GOLPE DURO DEIXOU RESERVA PARA 20 DIAS, DIZ MADURO

Por outro lado, explicou que a Venezuela aumentou 30% de produção local de gasolina, mas que o Governo venezuelano "está regulando" o consumo, porque sofreu "um golpe muito duro".

"A Venezuela tem reservas de gasolina para vinte dias. Trabalhamos para estendê-las a trinta dias. Estamos voltando a produzir novamente e uma outra percentagem tem chegado de diferentes partes do mundo", disse.

Segundo Nicolás Maduro "os EUA se empenharam durante um ano em perseguir a gasolina que estávamos importando e em agosto roubaram-nos três milhões de barris", frisou, acusando o líder opositor Juan Guaidó de ter promovido esse roubo.

Por outro lado, voltou a acusar o seu homólogo colombiano, Iván Duque, de estar a treinar mercenários para invadir a Venezuela.

"Temos apresentado provas de como em [Colômbia] Norte de Santander, Antioquia, La Guajira e em Cali existem quatro acampamentos com uns mil mercenários, entre paramilitares colombianos, mercenários desertores de origem venezuelana e outros criminosos capturados", disse.

MADURO TEM VONTADE DE DIALOGAR COM O PRÓXIMO PRESIDENTE DOS EUA

Nicolás Maduro negou afirmações de políticos norte-americanos de que a Venezuela teria comprado armamento ao Irão, admitindo, no entanto, que seria uma "boa ideia".

"Parece-me muito boa ideia. O Irão pode vender e nós podemos comprar. Em seu momento veremos a oferta iraniana, tomarei a decisão e virá essa equipa militar reforçar a capacidade de defesa da Venezuela", disse.

Durante a conferência de imprensa Nicolás Maduro reiterou a sua vontade de dialogar com o próximo presidente dos EUA.

"Ganhe Trump ou Biden, os latino-americanos teremos que lutar com o nosso próprio esforço para avançar", frisou.

Esta quarta-feira, antes da conferência de imprensa, o deputado opositor Luís Stefanelli denunciou que na tarde de terça-feira ocorreu uma fuga na refinaria de Amuay, precisando que os trabalhadores estão "em alerta máximo".

Na Venezuela são frequentes as queixas da população sobre dificuldades para conseguir combustível, uma situação que o Governo venezuelano atribui a sabotagem e a oposição diz ser o resultado de políticas incorretas, de falta de investimento e manutenção.


POR NÃO TER O BANCO DO CARRO ESTOFADO PAGOU MULTA DE 7,48 EUROS

 


Um condutor do Marco de Canaveses foi multado pela GNR, em Vila Boa do Bispo, em 7,48 euros, por infração ao Regulamento do Código da Estrada. Tinha o banco do condutor "não estofado".

De acordo com o auto de contraordenação, passado pela GNR de Alpendorada faz esta quinta-feira uma semana, em causa está o artigo 23 do Regulamento do Código da Estrada (RCE), segundo o qual "o banco do condutor será estofado e regulável longitudinalmente".

A coima podia ir até os 37,41 euros, mas o condutor optou por pagar na hora e assim ficou-se pelo mínimo de 7,48 euros.

O caso está ser partilhado nas redes sociais até porque poucos são os condutores que sabem nesta norma do RCE.


FRASES RACISTAS EM MUROS DE UNIVERSIDADE EM LISBOA

  Os muros da Universidade Católica Portuguesa (UCP) e de uma instituição de ensino secundária em  Lisboa  foram pichados com insultos racis...