Translate

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2021

QUATRO BANCOS PORTUGUESES SOMAM LUCROS SUPERIORES A MIL MILHÕES DE EUROS


Instituições reforçaram provisões em 1300 milhões para enfrentar eventuais perdas futuras.

Num ano marcado pela pandemia, quatro dos maiores bancos em Portugal lucraram mais de 1100 milhões de euros. Trata-se de uma quebra de 813 milhões de euros face aos resultados alcançados em 2019. Nesse ano, os quatro bancos - Caixa Geral de Depósitos, Millennium bcp, Banco BPI e Santander - lucraram quase 2000 milhões de euros.

Por detrás da quebra nos lucros em 2020 estão provisões totais de 1300 milhões de euros que os bancos constituíram para fazer face a eventuais perdas futuras, nomeadamente as relacionadas com créditos de clientes. "Continuamos sem ter visibilidade sobre a profundidade e duração desta crise", disse ontem Miguel Maya, presidente-executivo do BCP, na divulgação dos resultados anuais do banco.

O FIM DAS MORATÓRIAS

Os quatro bancos registam mais de 20 mil milhões de euros em moratórias ativas. Grande parte termina em setembro, mês em que acaba o prazo da moratória pública. Analistas temem que nessa altura possa disparar o nível de crédito malparado na Banca. "Estou preocupado. O mais importante vai ser o que vai acontecer a partir de março", disse Filipe Garcia, economista da IMF - Informação de Mercados Financeiros. Os clientes têm até ao fim de março para aderir a moratórias no crédito. Mas algumas moratórias de clientes começam a vencer. Os banqueiros têm defendido medidas para ajudar as empresas e famílias que não consigam retomar os pagamentos das respetivas prestações do crédito quando terminar o prazo das suas moratórias.

Uma das dúvidas é se as almofadas que os bancos estão a pôr de lado serão suficientes para cobrir eventuais perdas com incumprimento de clientes.

Menos 90 balcões e saída de 926 funcionários

No total, os quatro bancos que já apresentaram as contas anuais cortaram 926 postos de trabalho em termos líquidos, em 2020, e fecharam 90 agências bancárias. O BPI foi o que fechou mais balcões (55). Seguiu-se o BCP (27) e a Caixa (8). O banco público foi o que perdeu mais trabalhadores em 2020, com a saída de 517, em termos líquidos. O BPI perdeu 218 e o BCP 191 funcionários.

PASSOS CADA VEZ MAIS PRESSIONADO PARA REGRESSAR


Saiu da liderança do PSD por causa de um resultado das autárquicas de 2017. Quatro anos depois, poderão ser outros resultados autárquicos a pressionar o regresso de Pedro Passos Coelho.

São cada vez mais as vozes internas que consideram que só Pedro Passos Coelho poderá unir o PSD e recolocar o partido no caminho rumo ao regresso ao poder. Esta quinta-feira, em entrevista ao Público, o autarca Carlos Carreiras reafirmou-o. Para já, o antigo primeiro-ministro vai gerindo aparições públicas. A próxima será dia 25.

Pedro Passos Coelho já liderou um Governo de "salvação nacional", conforme Rui Rio admitiu ao suceder ao antigo primeiro-ministro na liderança do PSD. E é isso que os críticos internos esperam que Passos Coelho volte a fazer, caso se agudize a crise económica, criada pela pandemia.

"Passos Coelho não é passado, é presente", afirmou Carlos Carreiras, em entrevista ao Público e à Rádio Renascença. Há uma semana, o autarca de Cascais admitira que gostaria de o ver regressar à liderança do PSD. O "timing" será precisamente depois das autárquicas, cujo resultado o líder Rui Rio já chamou para si a responsabilidade. "Não são vitais para o presidente do PSD, são vitais para o partido", disse, há uma semana, ao Observador.

As três condições de Passos

Mas um cenário de regresso de Passos Coelho não será fácil de concretizar, conforme os seus apoiantes admitem. Segundo fontes próximas do antigo primeiro-ministro, Passos Coelho dificilmente aceitará candidatar-se à liderança, caso Rui Rio não se demita. É que, o antecessor do atual presidente do PSD saiu garantindo que seria sempre um fator de unidade no partido.

"Estou aqui como um soldado a contribuir para a união do nosso partido", prometeu Passos Coelho, ao passar o testemunho a Rio.

Acresce que Passos Coelho até se poderia sentir tentado a experimentar uma governação numa conjuntura diferente daquela em que geriu os destinos do país, ou seja, em crescimento económico. Mas o que se perspetiva é um agudizar da crise. Por outro lado, dificilmente o ex-líder do PSD se imaginaria a repetir uma situação como a das legislativas de 2015, em que não obteve maioria suficiente para aprovar o seu Governo.

Por isso, Passos Coelho vai gerindo com pinças as suas aparições públicas. A próxima será no dia 25, para falar sobre "os problemas que o país enfrenta na atual conjuntura", na escola de gestão INSEAD. Na última presença pública, a 18 de dezembro passado, o ex-líder do PSD defendeu o seu legado e atacou a "inação, o "passa-culpas" e os "populismos" do atual Governo socialista, galvanizando as hostes sociais-democratas.

ALFREDO QUINTANA: O FIM DA VIDA CHEGOU DEPOIS DA IMORTALIDADE


"Tenho lutado desde que era criança. Não sou um sobrevivente. Sou um guerreiro extraordinário", afirmou, no ano passado, Alfredo Quintana. Mas até o melhor dos guerreiros tem as suas fraquezas. O dono das balizas de andebol do F. C. Porto e da seleção nacional não era exceção. Defendeu muitas bolas, algumas de forma milagrosa, mas nada pôde fazer perante este ataque, silencioso e covarde, direto ao coração.

O bom gigante, Alfredo Quintana, não resistiu à paragem cardiorrespiratória que sofreu na passada segunda-feira. O guarda-redes luso-cubano faleceu, esta sexta-feira, no Hospital de S. João, no Porto. Tinha 32 anos.

Deixa mulher portuguesa, Raquel Ferreira, e uma filha de quase dois anos, a pequena Alicia, que eram a luz dos seus olhos. Eram também o principal motivo do sorriso aberto que sempre o caracterizou.

"Desde que fui pai, a minha vida fora do andebol mudou toda. É uma sensação indescritível. Gosto de brincar com ela, de andar com ela às cavalitas pela casa toda. Na próxima competição em que esteja muito tempo longe de casa, a minha mulher e a minha filha têm de ir lá. Nem que seja por uns dias", disse há sensivelmente um ano, em entrevista ao JN. Sintomático.

Quintana deixa também uma legião de amigos e fãs. Fãs do homem e do atleta. Foi a brilhar nas balizas de andebol, no F. C. Porto e na seleção nacional, que ganhou notoriedade neste país adotivo e permitiu que muitos conhecessem o extraordinário ser humano por detrás do equipamento do não menos brilhante guarda-redes.

Pela porta do F. C. Porto, levou o andebol português para outra dimensão. Chegou ao país em 2010, para representar os azuis e brancos, e em 2014 naturalizou-se português, passando a integrar também as opções da seleção lusa, que ajudou a atingir os melhores resultados de sempre em campeonatos Europeu (6.º lugar) e Mundial (10.º).

Ao serviço dos dragões enriqueceu o currículo com as conquistas de seis campeonatos, uma Taça de Portugal e duas Supertaças nacionais. Também na Invicta enriqueceu em termos familiares e culturais. Estudou na Faculdade de Desporto da Universidade do Porto, habitava Gaia e, apesar de tudo, ainda não se tinha adaptado totalmente ao país.

"Costumo dizer que, na minha vida, tive sempre de me adaptar. Quando vim para Portugal, custou-me muito, mas não a jogar andebol. Nisso, eu sabia que, mais tarde ou mais cedo, com trabalho iria ter sucesso. Nunca entrei em paranoias, de que tinha de fazer 20 defesas no primeiro dia, porque a vida não é assim. Só tinha de trabalhar e esperar. O que me custou foi o frio e o idioma. Já estou habituado, mas ainda me custa", afirmou, também ao JN.

Quintana nasceu em Havana, Cuba, a 30 de março de 1988. Em idade escolar, no país natal, sentiu a obrigação de praticar uma atividade desportiva e escolheu o... basquetebol, tal como o irmão gémeo. A alternativa era passar tardes inteiras a estudar, algo que na altura não gostava. Depois, ainda praticou basebol, mas foi, por fim, no andebol que encontrou o porto de abrigo.

"Jogava a lateral. Mas um dia tivemos de ir a uma competição e não tínhamos guarda-redes. Eu já era alto e disse ao treinador que podia ir para a baliza. Nunca mais saí. Tinha oito ou nove anos", contou ainda ao nosso jornal. O resto é história.

Diz a sabedoria popular que "nós só morremos quando somos simplesmente esquecidos". Portanto, Alfredo Quintana apenas partiu nesta sexta-feira, dia 26 de fevereiro de 2021, pois há muito atingiu a imortalidade.

UNIÃO EUROPEIA ADMITE CRIAÇÃO DE PASSAPORTE COVID PARA EVITAR QUARENTENA


A União Europeia admite a criação de um passaporte covid-19, um documento que evite as quarentenas para cidadãos a circular na Europa.

O primeiro-ministro, António Costa, rejeitou a expressão "passaporte sanitário" e adiantou que a União Europeia (UE) está a ponderar a criação de "um documento que ajude a dispensar a realização de quarentenas" a quem viajar pelo espaço europeu, particularmente no verão.

Pode ser um documento que prove "a vacinação das pessoas, a imunidade natural por ter tido a doença ou a realização de um teste com um resultado negativo", explicou António Costa, em declarações após o fim da reunião do Conselho Europeu, que versou duas linhas de preocupação, uma da defesa e outra do combate à covid-19.

A chanceler alemã, Angela Merkel, tinha afirmado, quinta-feira, que os parceiros europeus se preparavam para instaurar "para o verão" um passaporte de vacinação do novo coronavírus que poderia tornar "possíveis" as viagens no interior do espaço da UE.

Em conferência de imprensa que se seguiu à reunião virtual de líderes da União Europeia (UE), a chanceler explicou que todos os países da União estão de acordo com o desenvolvimento de um sistema que permita compatibilizar os diversos passaportes de vacinação que estão a ser elaborados pelos 27 Estados-membros.

Esta sexta-feira, António Costa confirmou essa intenção, de criar um chamado "documento verde" que permita a circulação de cidadãos dos estados-membros no espaço europeu.

Os líderes europeus acordaram, ainda, a criação de um mecanismo conjunto que permita detetar identificar novas variantes de covid-19. "Um esforço articulado de cooperação entre as diferentes entidades de investigação e autoridade de saúde dos diferentes estados-membros", disse António Costa.

"Um passo muito importante", segundo António Costa. "Fundamental para que todos estejam prevenidos para o aparecimento de novas variantes", acrescentou o primeiro-ministro de Portugal, o país que preside, atualmente, a União Europeia.

Não há pedidos de russos ou chineses para aprovar vacinas na Europa

Questionado pelos jornalistas, Costa disse que, até agora, não chegou à Agência Europeia do Medicamento (EMA) qualquer pedido de aprovação de vacinas russas ou chinesas.

"A Agência Europeia do Medicamento está naturalmente apta para, de forma não discriminatória, qualquer pedido de avaliação de vacina que lhe seja pedida", disse António Costa, revelando que "há processos neste momento em curso que estão em análise na EMA e que até já foram aprovadas por outras instituições".


quinta-feira, 25 de fevereiro de 2021

"O DIABO ESTÁ AQUI" VARIANTE CALIFORNIANA É MAIS TRANSMISSÍVEL E LETAL


A nova variante do coronavírus da Califórnia parece ser mais mortal, propaga-se mais facilmente e pode debilitar a eficácia da vacina, alertam especialistas.

Os cientistas rotularam a estirpe como "o diabo" após descobertas alarmantes, reporta o jornal The New York Times

A variante foi apelidada de B.1.427/B.1.429 e foi registada pela primeira vez na Califórnia, nos Estados Unidos, neste inverno. Tendo entretanto já sido identificada na Austrália, Dinamarca, México e em Taiwan. 

Tal como acontece com qualquer nova variante, a californinana contém novas mutações acerca das quais os cientistas estavam cientes de que poderiam dar-lhe uma vantagem significativa relativamente à estirpe 'original' do vírus.

Os dados apurados ainda estão a ser estudados por cientistas - nomeadamente, as conclusões ainda não foram divulgadas numa publicação científica e revistas pelos seus pares - e estão a causar preocupação. 

Para efeitos daquela pesquisa, os investigadores analisaram 2.172 amostras do vírus recolhidas no estado da Califórnia entre setembro de 2020 e janeiro de 2021.

Durante este intervalo de tempo, a variante tornou-se a cepa mais dominante, com casos causados pela mesma a duplicar a cada 18 dias, informou o The New York Times.

A publicação destaca que os estudos laboratoriais detetaram que a variante era "pelo menos 40% mais eficaz a infetar células humanas", comparativamente com outras cepas

Charles Chiu, líder do estudo e virologista na Universidade da Califórnia, em São Francisco, disse ao jornal LA Times: "o diabo já está aqui".

"Quem me dera que fosse diferente. Mas a ciência é a ciência."

Chiu e sua equipa de investigadores também analisaram 300 casos de B.1.427/B.1.429 de forma a determinar se mais pessoas morreram com essa estirpe em comparação com outras. E descobriram que o risco de morte era mais elevado.

Estudos laboratoriais descobriram igualmente que os anticorpos no sangue de pessoas que tinham sido previamente infetadas com Covid ou vacinadas não funcionavam tão bem quando se tratava de 'matar' a estirpe californiana do coronavírus.

Chiu diz, no entanto, que são necessárias pesquisas mais amplas para determinar com precisão a gravidade associada à B.1.427/B.1.429, sobretudo o seu grau de fatalidade.

MÁSCARAS PODEM SER DISPENSADAS NO VERÃO E VOLTAR NO OUTONO, MESMO COM VACINA


As máscaras podem vir a ser descartadas no verão, pelo menos em Inglaterra. Mas devem regressar no inverno, mesmo com uma população vacinada.

Os habitantes do Reino Unido podem não ter de usar máscaras durante os meses de verão. Uma proteção contra a covid-19 que deve voltar a ser necessário no outono e no inverno, defende Jenny Harries, médica da equipa de combate à pandemia do Reino Unido.

Os meses mais quentes do verão são "um período geralmente muito mais seguro, com menos necessidade de intervenções" na socialização, que pode dispensar o uso da máscara, argumentou Jenny Harries numa reunião em Downing Street, uma residência oficial do primeiro-ministro britânico, Boris Johnson.

"É bem possível que durante os meses de verão, como anunciar no ano passado, quando vemos o número de novos casos a cair, não precisemos de usar máscaras o tempo todo", disse Jenny Harries, ressalvando que estas não podem ser descartadas a longo prazo.

"À medida que entramos no outono, quando chega o inverno e passamos mais tempo dentro de casa, podemos estar sujeitos ao perigo", acrescentou a médica.

Já no início desta semana, o principal conselheiro científico do governo britânico, Patrick Vallance, alertou que as máscaras podem ser necessárias em certas situações no próximo inverno, mesmo depois de todos os adultos do Reino Unido terem sido vacinados.

Durante o "briefing", Harries argumentou, ainda, que as crianças devem evitar abraçar os avós, mesmo que tenham tomado a vacina da covid-19, "até que haja certezas do impacto da vacinação".

A PIOR QUINZENA DO ESTADO DE EMERGÊNCIA E A RESPONSABILIDADE DOS PORTUGUESES, SEGUNDO O MINISTRO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA


Relatório do estado de emergência da segunda quinzena de Janeiro, a pior desde o início da pandemia, é discutido nesta quinta-feira no Parlamento, antes da renovação de mais duas semanas de confinamento.

Depois do “disse mas não queria dizer” do ministro da Economia, Siza Vieira, no início de Fevereiro, quando atirou as culpas pelo descalabro no controlo da disseminação da pandemia em Janeiro para o comportamento dos portugueses na época de Natal, é o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, que volta ao assunto e aponta também o dedo à população.

Na segunda quinzena de Janeiro, apesar da adopção de medidas mais restritivas no quadro do estado de emergência e de se verificar um crescimento de novos casos diários de contágio da doença, “constatou-se, numa fase inicial, que a população em geral não interiorizou a gravidade da situação vivida e a necessidade de cumprimento estrito das novas regras em vigor, razão pela qual o Governo teve de fazer duas alterações ao decreto do estado de emergência”, escreve Eduardo Cabrita no relatório de aplicação da declaração do estado de emergência entre 16 e 30 de Janeiro.

O ministro da Administração Interna referia-se às sucessivas decisões de António Costa de aumento de restrições. No início desse estado de emergência, mandou-se fechar todo o comércio que não fosse de bens de primeira necessidade, mas mantendo a entrega de produtos ao postigo. Cinco dias depois acabaram as entregas de produtos ao postigo (havia quem bebesse café ou bebidas alcoólicas à porta dos cafés) e seis dias depois foram suspensas as aulas presenciais.

As inúmeras estatísticas do relatório de 152 páginas que será debatido esta quinta-feira no Parlamento, antes da discussão e votação de mais uma renovação do estado de emergência, comprovam a gravidade da situação epidemiológica na segunda quinzena de Janeiro, quando se atingiram valores máximos de testes, novos casos, internamentos, mortes.

192.047 novos casos em duas semanas

Só nesse período Portugal registou 192 mil novos casos, o que representa um quarto do total de infetados durante toda a pandemia (720 mil, de Março de 2020 até 30 de Janeiro de 2021), e quase o mesmo rácio de óbitos (3939 nessas duas semanas, de um total de 12.482). Apesar de o país ter entrado em confinamento na segunda semana, a quinzena terminou com mais 42% de casos ativos (181.623) do que começara, com as regiões norte e Lisboa e Vale do Tejo a concentrarem 80% das novas infeções. O país atingiu a média recorde de 1659,6 novos casos por 100 mil habitantes em 14 dias.

76.965 testes num só dia

Foi na sexta-feira antes das eleições, dia 22 de Janeiro, que os portugueses mais acorreram aos centros de testes desde o início da pandemia, fazendo um total de 76.965 testes num só dia. Na segunda quinzena de Janeiro realizaram-se 983.457 testes e desde o início da pandemia a contagem chegou aos 7.293.654 de testes a 30 de Janeiro. Nesse dia, a taxa de positividade a 7 dias era de 19,7%, mantendo-se a tendência crescente desde o final de Dezembro.

3,33 vacinados por 100 habitantes

Até 30 de Janeiro de 2021, Portugal tinha administrado 3,33 doses de vacina por 100 habitantes, num total de 342.663 doses de vacina contra a covid-19. Destas, 272.847 correspondiam a primeiras doses e 69.816 a segundas doses, mas ainda todos da fase 1, entre os quais 75 mil profissionais de saúde e 164 mil idosos dos lares.

133.038 inquéritos pelas Forças Armadas

Até 30 de Janeiro, os voluntários das Forças Armadas tinham efetuado um total de 133.038 inquéritos epidemiológicos que permitiram identificar 244.488 contactos.

Mais 357 casos positivos nas prisões

Depois dos grandes surtos de Novembro em Tires, Lisboa, Guimarães, Izeda e Santa Cruz do Bispo, entre 15 e 30 de Janeiro foram detetados mais 357 casos positivos no sistema prisional: 124 trabalhadores (81 guardas prisionais, 25 profissionais de saúde, dois técnicos profissionais de reinserção social e 16 de outras categorias profissionais), 228 reclusos e cinco jovens internados em centros educativos. Os números acumulados mostram 964 casos de doentes recuperados – 364 trabalhadores, 600 reclusos.

475 pessoas controladas nas fronteiras com Espanha

Com a reposição das fronteiras e da proibição de circulação, foram controladas, segundo o Ministério da Administração Interna, 475 pessoas e 218 veículos ligeiros nas fronteiras terrestres, a que se somam 58.887 passageiros nas fronteiras aéreas e marítimas, com o aeroporto de Lisboa a ser a fronteira com maior afluência.

101 pessoas detidas por desobediência e 3567 coimas

As forças de segurança detiveram, pelo crime de desobediência, 110 pessoas durante a segunda quinzena de Janeiro por violarem a obrigação de confinamento (estavam sujeitas a isolamento profilático devido a infeção por covid-19 ou contacto com doentes), por violarem o recolher domiciliário e a limitação de circulação entre concelhos, por venderem ou consumirem álcool na via pública.

3567 coimas e 204 estabelecimentos encerrados

Foram aplicadas 3567 coimas por infrações como a violação do dever geral de recolhimento domiciliário (1592) ou da proibição de circulação entre concelhos (276), falta de uso de máscara ou viseira em espaços públicos (740), transportes públicos (55) e edifícios públicos (91) como escolas, incumprimento dos horários do comércio (43), encerramento de lojas (18), ou excesso de lotação (95). E foram encerrados 204 estabelecimentos por violação das regras de funcionamento.

Casamentos e divórcios continuaram...

Apesar da pandemia e das limitações, houve mudanças na vida que continuaram: entre 15 e 30 de Janeiro houve 408 divórcios, 322 casamentos (sem festa) e 2769 registos de nascimento.

... e a atividade empresarial também

Procurando contrariar a ideia de que a atividade empresarial está estagnada, o relatório contabiliza, desde o início da pandemia, a constituição online de 19.447 empresas, o licenciamento de 15.645 casas prontas. Foram também apresentados online 1.510.608 pedidos de registo automóvel e 525.352 pedidos de registo predial.

VIDEO: "OLHEM QUE MARAVILHA". MATA AMIGA "GAMER" E CONFESSA EM VÍDEO


Guilherme Costa, de 18 anos, matou Ingrid Bueno, de 19 anos, após se terem encontrado pela primeira vez. Os jovens conheciam-se há um mês no mundo online, onde costumavam jogar videojogos.

Ingrid Bueno era conhecida com "Sol" no mundo do gaming e jogava na equipa FBI E-Sports.

Guilherme, que entre os "gamers" se apresentava como lash Asmodeus, atraiu a jovem a sua casa, em Pirituba, São Paulo, na passada segunda-feira. Depois de a matar à facada, "filmou o cadáver ensanguentado, confessou o crime, riu-se e aproveitou para promover um livro".

"Vocês acham que é tinta, montagem ou algo do género, mas não é. Eu realmente matei-a", disse no vídeo, que publicou nos grupos online de eSports e da sua equipa, a Gamers Elite. "Olhem que maravilha", acrescentou, enquanto apontava a câmara para a faca no abdómen de "Sol".

De acordo com familiares, o autor do crime fugiu mas foi convencido pelo irmão de que o melhor seria entregar-se à polícia e confessar o crime. Assim fez e foi detido.

"A minha sanidade mental está completamente apta. Eu quis fazer isto", disse o jovem no momento da detenção, segundo informações da Secretaria de Segurança Pública ao jornal brasileiro "Extra".

Guilherme explicou à polícia que o seu objetivo era divulgar um livro onde partilhava planos para executar pessoas cristãs. "Se escolheste ser uma pessoa sem sentimentos alheios, só tens que matar várias pessoas e impedir que os remorsos te atinjam", escreveu no livro, segundo o R7, um site de notícias brasileiro.

A mãe de Guilherme diz estar "sem palavras" e que o seu filho era acarinhado por "toda a gente". "O filho que eu criei não foi este", disse em entrevista ao canal televisivo Record.

Lola Aronovich, professora e ativista feminista, confessou no Twitter ter recebido um email de Guilherme com o título "um ato louvável". "Ganhei um ódio forte pelas mulheres. Quero ser um homem seguro e esperto, não sei se isso será possível, porém deixo-lhe o meu livro. Nele eu falo de tudo sobre mim e do motivo que me levou a fazer o que fiz. Sinceramente, não foi em vão", escreveu o jovem no email, posteriormente publicado no blogue da ativista.

A Justiça decretou a prisão preventiva do jovem e, de acordo com o site R7, deverão ser feitos exames psiquiátricos para avaliar em que condições poderá ser julgado.


STCP REDUZ OFERTA AOS FINS DE SEMANA


Aos sábados e domingos, e a partir das 17 horas, a STCP vai diminuir a oferta da maioria das suas 58 linhas, antecipando o "Horário Noturno". O ajuste da operação vai manter-se enquanto vigorarem as restrições de circulação. A alteração entra em vigor este sábado.

À semelhança do que já foi feito à operação da STCP durante a semana, a operadora arranca este sábado com o "Horário de Contingência", reduzindo a operação da maioria das suas 58 linhas aos fins de semana partir das 17 horas.

Devido à alteração da operação, oito das linhas (Linhas 207, 208, 209, 304, 403, 503, 900 e ZC) que, desde dezembro, se encontravam suprimidas após as 13 horas aos sábados, domingos e feriados, vão estender o horário e vão realizar os seus percursos habituais até perto das 17 horas. As Linhas 206, 302, 303, 601, 603, 604, 700, 703, 705, 706, 803, 804, 805, 806 mantêm o serviço atual, tal como as que fazem parte da Rede de Madrugada.

A empresa informa que aos sábados, o número médio atual de passageiros na STCP é de 30 mil, quando a média diária de outubro rondava os 90 mil. Fevereiro teve, aos domingos, uma média na ordem dos 20 mil clientes transportados pela STCP, quando, em outubro, viajavam nos autocarros da empresa quase 60 mil pessoas/dia.

AUTORIDADE DE SEGURANÇA RODOVIÁRIA ALERTA PARA EMAILS FALSOS


A Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária detetou emails fraudulentos sobre supostos autos de contraordenação enviados em nome do serviço.

"A Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária (ANSR) tem vindo a identificar, desde final do ano passado, a existência de vários emails fraudulentos enviados em seu nome, que notificam os cidadãos de um suposto auto de contraordenação, indicando um link onde devem carregar", explica a ANSR em comunicado de imprensa enviado esta quinta-feira às redações.

Em causa está o método de "phishing", que é uma "tentativa fraudulenta de obter informações confidenciais", como dados pessoais e financeiros das vítimas, por meio de disfarce de uma entidade conhecida.

Sempre que deteta um caso, a Autoridade de Segurança Rodoviária alerta as autoridades competentes e comunica aos cidadãos que estes não devem clicar em qualquer link, "devendo ignorar o email em questão". (cuja formulação pode ver na imagem).

"A ANSR não efetua notificações dos autos de contraordenação por via eletrónica sem consentimento prévio. Essas notificações cumprem um conjunto de critérios de acordo com os modelos previstos na lei. A informação sobre a autenticidade das notificações pode ser consultada aqui", explica a autoridade.

                              Exemplo de e-mail falso

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2021

VIOLA AMIGA INCONSCIENTE DEPOIS DA FESTA DE ANIVERSÁRIO DELA


Um jovem de 21 anos foi detido pela PJ por fortes indícios de um crime de abuso sexual de pessoa incapaz de resistência. A vítima é uma amiga do suspeito que tinha ficado inconsciente na sua festa de aniversário, este mês.

Em meados deste mês, a vítima organizou, na sua residência, em Lisboa, uma festa entre amigos para celebrar o aniversário. Ficou embriagada, perdendo a capacidade de reação e acabando por adormecer.

Os convivas acabaram por abandonar a casa da vítima. Porém, o suspeito, sabendo que a anfitriã se encontrava prostrada e sem qualquer capacidade de reação, regressou à habitação e abusou sexualmente da mesma.

Devido à agressão sexual que sofreu, a jovem necessitou de ser observada em urgência hospitalar, informa a Polícia Judiciária.

O detido, de 21 anos, foi apresentado a primeiro interrogatório judicial, tendo-lhe sido aplicada a medida de coação de prisão preventiva.

INFARMED ALERTA QUE CHAMPÔS FRUCTIS PODEM SER CONFUNDIDOS COM GÉNEROS ALIMENTÍCIOS


O Infarmed alertou, esta quarta-feira, que os champôs e amaciadores da marca Fructis de Garnier, pertencentes à gama Hair Food (Aloe Vera, Banana, Macadâmia, Melancia, Papaia), podem, devido à sua embalagem, ser confundidos com produtos alimentares.

Estes produtos cosméticos, que têm vindo a ser distribuídos no mercado europeu desde janeiro de 2020, não causaram nenhuma ingestão acidental ou intencional. Contudo, foram "sujeitos a medidas corretivas que visam diminuir o risco de confusão com géneros alimentícios, para os consumidores, em especial, as crianças".

Segundo a nota partilhada esta terça-feira, o Infarmed revelou que foram acordadas medidas com autoridades europeias, entre as quais se destacam: "alterações no sistema de fecho e selagem das embalagens, que pretendem dificultar a sua abertura, e as advertências e outras informações ao consumidor incluídas na rotulagem de cada um dos produtos, sob a forma de texto, imagens ou outros sinais figurativos".

Tendo em conta a situação em questão, as novas apresentações dos produtos serão disponibilizadas pela L'ORÉAL Portugal no mercado nacional a partir de maio.

MARCELO MANTÉM RESTRIÇÕES E QUER QUE DESCONFINAMENTO SEJA POR FASES


O Presidente da República divulgou, esta quarta-feira, o decreto para a renovação do estado de emergência em Portugal, mantendo o desconfinamento e pedindo que o alívio futuro das restrições seja faseado.

O diploma, que foi publicado depois dos habituais encontros com os partidos com assento parlamentar e de uma reunião com o primeiro-ministro, mantém, no essencial, os termos que definiram as balizas do atual estado de emergência. E insiste na necessidade de que o "futuro desconfinamento" deverá "ser planeado por fases, com base nas recomendações dos peritos e em dados objetivos, como a matriz de risco, com mais testes e mais rastreio, para ser bem-sucedido", salienta o presidente da República.

Numa mensagem publicada no site da presidência, Marcelo Rebelo de Sousa afirma que "as medidas tomadas no quadro do estado de emergência estão a ter os efeitos sanitários positivos desejados, com alargado cumprimento das restrições em vigor, que se traduziu numa redução significativa de novos casos, bem como da taxa de transmissão, embora a incidência média continue a ser bastante elevada, bem como o número dos internamentos e de mortes".

É por isso que, acrescenta o presidente da República, "não é recomendado pelos peritos reduzir ou suspender, de imediato, as medidas de restrição dos contactos, sem que os números desçam abaixo de patamares mais geríveis pelo SNS, que sejam aumentadas as taxas de testagem e a vigilância de novas variantes, que a vacinação possa cobrir uma parte significativa da população mais vulnerável para a Covid-19, contribuindo para uma crescente imunidade de grupo."

O decreto estabelece que o novo estado de emergência será para durar, como tem sido norma, 15 dias e está previsto iniciar-se às 00 horas do dia 2 de março e terminar às 23.59 horas do dia 16, "sem prejuízo de eventuais renovações, nos termos da lei.

VENEZUELA ACUSA UNIÃO EUROPEIA DE PENSAR QUE É "DONA DO MUNDO"


Em causa estão as sanções aplicadas a Caracas, depois de ter sido expulsa a diplomata portuguesa Isabel Brilhante Pedrosa.

Caracas acusou esta quarta-feira a União Europeia (EU) de acreditar que é "dona do mundo" ao aplicar sanções contra venezuelanos, depois de notificar a embaixadora da UE, a diplomata portuguesa Isabel Brilhante Pedrosa, de que deverá abandonar a Venezuela.

"A UE respeita o Direito Internacional e os direitos humanos? Eles acreditam que são o centro do mundo e nada mais são do que a velha Europa, onde aconteceram os piores conflitos, guerras, de onde surgiram os que cometeram os piores genocídios na África e aqui na América Latina", disse o ministro das Relações Exteriores venezuelano.

Jorge Arreaza falava na Casa Amarilla em Caracas numa intervenção transmitida pela televisão estatal venezuelana.

"Com que autoridade acham (na UE) que podem avaliar, sancionar, reconhecer e não reconhecer as instituições de outros países?", questionou.

Arreaza atribui as sanções da Europa à "ingerência, arrogância e prepotência" e perguntou, aos ministros dos Negócios Estrangeiros da UE, onde estão as sanções na Carta das Nações Unidas.

O governante venezuelano acrescentou que as únicas medidas coercitivas permitidas são autorizadas pelo Conselho de Segurança e não em virtude de acordos regionais ou por organismos regionais.

"Fazemos um apelo à reflexão, Oxalá haja uma avaliação sossegada, para que (na UE) agarrem os manuais de Direito Internacional, as leis, a Carta das Nações Unidas, e a Constituição dos países onde interferem permanentemente, e realizem uma análise reflexiva, que possam deitar abaixo essas atitudes de ingerência e prepotentes. Que a Europa cumpra um papel de aproximação, de ponte, de respeito", disse.

Arreaza frisou que "há um par de dias" Caracas "conseguiu estabelecer uma comunicação estável" com o Alto Representante da UE para os Assuntos Exteriores, Josep Borrell, e que a Venezuela fez "todos os esforços" para "estabilizar a convivência democrática no país".

"Fomos a eleições para a Assembleia Nacional, para reinstitucionalizar um poder tão decisivo na democracia venezuelana, e aplicam sanções contra magistrados, contra o poder eleitoral, reitores, deputados, até mesmo a oposição venezuelana e contra os chefes da polícia. E, dizem eles que devido à deterioração dos Direitos Humanos na Venezuela", justificou.

Segundo Arreaza, "o Presidente (venezuelano Nicolás) Maduro foi generoso quando permitiu que os chefes de missão e mesmo as missões dos países da UE permanecessem na Venezuela" depois de "em fevereiro de 2019 deixarem de o reconhecer" apesar de terem sido acreditados perante ele.

ISABEL BRILHANTE PEDROSA É "PERSONA NON GRATA"


O Governo venezuelano notificou esta quarta-feira a embaixadora da União Europeia, a portuguesa Isabel Brilhante Pedrosa, de que foi declarada "persona non grata" e deverá abandonar o país nas próximas 72 horas, anunciou o executivo.

A notificação foi feita pelo ministro Jorge Arreaza durante uma reunião em Caracas, em que referiu ter sido uma medida que "não gostaria de protagonizar, mas que as circunstâncias de agressão não deixam outra opção".

"A República da Venezuela é irrevogavelmente livre e independente e fundamenta o seu património moral nos seus valores de liberdade, igualdade, justiça e paz internacional, na doutrina do Libertador Simón Bolívar", disse à televisão estatal venezuelana.

O parlamento venezuelano, de maioria "chavista", aprovou na terça-feira, por unanimidade, uma resolução pedindo ao Governo do Presidente Nicolás Maduro que declarasse 'persona non grata' a embaixadora da União Europeia (UE) em Caracas.

A aprovação teve lugar depois de a UE adicionar 19 pessoas à lista de sanções contra personalidades do Governo venezuelano, uma decisão que Caracas diz ser "errática" e atribui ao "fracasso dos planos intervencionistas" europeus.

A decisão prende-se com as eleições legislativas que tiveram lugar em dezembro de 2020 na Venezuela e que os ministros dos Negócios Estrangeiros da UE se recusaram a reconhecer como "credíveis, inclusivas e transparentes".

Com o acrescento destes 19 indivíduos, o pacote de sanções contra a Venezuela visa agora um total de 55 personalidades, que estão proibidas de viajar para a Europa e têm os seus bens congelados no espaço europeu.

Esta é a segunda vez que a Venezuela declara a representante da União Europeia na Venezuela, a diplomata portuguesa Isabel Brilhante Pedrosa, como 'persona non grata'.

Em 29 de maio de 2020, o Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, ordenou a sua expulsão, dando-lhe 72 horas para abandonar o país.

A decisão de Nicolás Maduro foi tomada poucas horas depois de Bruxelas ter sancionado mais 11 funcionários de Caracas.

A 2 de julho, Nicolás Maduro saudou um acordo entre Bruxelas e Caracas para suspender a expulsão da diplomata e instou a UE a mudar a relação com o país sul-americano.

CENTENAS DE CAIXÕES CAÍRAM AO MAR APÓS DESLIZAMENTO DE TERRAS NUM CEMITÉRIO EM ITÁLIA


Um deslizamento de terras na zona costeira da comuna italiana de Camogli provocou o colapso de um cemitério na segunda-feira, conduzindo à queda de centenas de caixões para o mar. Até ao momento foram recuperadas apenas 10 urnas.

O cemitério de Camogli, construído há mais de 100 anos, situa-se numa falésia à beira-mar. No sábado, alguns trabalhadores que faziam a manutenção do espaço alertaram para fissuras detetadas nas rochas.

“Estávamos a trabalhar numa parte rochosa da costa, junto à zona que colapsou. Alguns sinais de fissuras foram observados, pelo que decidimos encerrar o cemitério”, contou à CNN o autarca da comuna, Francesco Olivari.

Estima-se que cerca de 200 caixões tenham caído ao mar, tendo sido recuperados até agora apenas 10. De acordo com Giacomo Giampedrone, porta-voz da Proteção Civil, os trabalhos para recuperar as restantes urnas “vão depender do estado mar” nos próximos dias.

Entretanto, uma equipe de geólogos está no local com um drone para avaliar os danos e determinar se há perigo de outro deslizamento de terras.

“Este tipo de colapso é muito difícil de detetar ou prever. Esta área está sujeita a este tipo de acontecimento, dada a sua fragilidade”, concluiu o porta-voz da Proteção Civil.

VENEZUELA EXPULSA EMBAIXADORA DA UE, A PORTUGUESA ISABEL PEDROSA


O Governo venezuelano expulsou do país a embaixadora da União Europeia em Caracas, a portuguesa Isabel Brilhante Pedrosa, que declarou "persona non grata".

A embaixadora tem 72 horas para abandonar o país, anunciou, esta quarta-feira, o ministro venezuelano de Relações Externas, Jorge Arreaza, durante um encontro na capital do país.

"Hoje, por decisão do presidente da República", Nicolás Maduro, o Governo entregou "à senhora Isabel Brilhante, que nos últimos anos foi chefe da delegação da União Europeia na Venezuela, a declaração como 'persona non grata'", disse Jorge Arreaza à televisão estatal venezuelana, argumentando que "as circunstâncias não deixam opção" e que "a Venezuela é irrevogavelmente livre e independente".

O parlamento venezuelano, de maioria chavista, aprovou na terça-feira, por unanimidade, uma resolução pedindo ao Governo de Maduro que declarasse Isabel Brilhante Pedrosa como "persona non grata".

UE pede passo atrás

A União Europeia "lamenta profundamente" a decisão do Governo venezuelano, que "apenas conduzirá a um maior isolamento internacional da Venezuela". À Lusa, um porta-voz comunitário disse que a UE exorta as autoridades venezuelanas a "reverter esta decisão", que prejudica "diretamente" os esforços no sentido de, através do diálogo, ser encontrada uma saída para a crise atual.

"A Venezuela só ultrapassará a sua crise atual através da negociação e do diálogo, com o qual a UE está plenamente comprometida, mas que esta decisão prejudica diretamente", complementou o mesmo porta-voz.

terça-feira, 23 de fevereiro de 2021

PORTUGAL PRETENDE ENVIAR 5% DE VACINAS PARA OS PALOP E TIMOR


O primeiro-ministro afirma que África será prioritária na disponibilização de doses adicionais de vacinas contra a covid-19 e que Portugal procurará "redirecionar" para Timor-Leste e países africanos de expressão portuguesa (PALOP) 5% das vacinas adquiridas.

Estas posições foram assumidas por António Costa numa intervenção pré-gravada para um evento promovido pela Global Citizens, uma organização não governamental (ONG) que está a lançar uma campanha para a mobilização de mais fundos para a luta global contra a covid-19 - uma iniciativa que conta com o apoio da Comissão Europeia.

No seu breve discurso, o líder do executivo português considerou que "o apoio à vacinação internacional é essencial para a erradicação da pandemia de covid-19" e defendeu a tese de que "nenhum país do mundo estará seguro até que todos estejam seguros".

"Para além de financiar a Iniciativa Covax, que tem como objetivo fornecer vacinas a 20% da população de 92 países, no âmbito da União Europeia estamos a trabalhar num mecanismo de partilha de vacinas que poderá disponibilizar doses adicionais de vacinas, sendo África naturalmente uma prioridade", apontou o primeiro-ministro de Portugal, país que preside até junho ao Conselho da União Europeia.

De acordo com o líder do executivo português, desde o início da pandemia já foram investidos "mais de 3,5 milhões de euros em meios de prevenção e combate, enviando material médico, de proteção, diagnóstico e terapêutica para os principais países parceiros da cooperação - os países africanos de língua oficial portuguesa (PALOP) e Timor-Leste".

"Continuaremos empenhados neste caminho, e envidaremos esforços no sentido de redirecionar para os nossos tradicionais parceiros de cooperação 5% das vacinas adquiridas por Portugal, dando seguimento às ações de formação e capacitação local. Neste caso, dependemos mesmo uns dos outros e, por isso, temos mesmo de contar uns com os outros", acrescentou António Costa.

Na segunda-feira, a Organização das Nações Unidas (ONU) anunciou que Cabo Verde será um dos primeiros países africanos a receber vacinas contra a covid-19 através da plataforma internacional Covax, que visa para a imunização de 35% da população.

A Covax é uma iniciativa conjunta da OMS e da Aliança para o Acesso às Vacinas (GAVI) para fornecer vacinas contra a covid-19 a países de médio e baixo rendimento.

De acordo com o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC), sediado em Adis Abeba, Etiópia, o continente africano registou até agora 3.830.631 casos de infeção pelo novo coronavírus, incluindo 101.350 mortos.

TAP "NÃO QUER E NÃO VAI DESINVESTIR NO PORTO E NO NORTE", GARANTE FRASQUILHO


O presidente do Conselho de Administração (CA) da TAP, Miguel Frasquilho, garantiu esta terça-feira que a companhia aérea "não quer e não vai desinvestir no Porto e no Norte do país", mas é preciso garantir condições que permitam maior presença.

"A TAP não quer e não vai desinvestir no Porto e no Norte do país, mas, para isso, é preciso termos as opções em termos de aeronaves e de condições de competitividade que sejam acertadas e que nos permitam ter uma presença maior", afirmou o presidente do CA, perante os deputados da comissão parlamentar de Economia, Inovação, Obras Públicas e Habitação.

Miguel Frasquilho sublinhou que há condições para que a TAP seja mais competitiva no Aeroporto Francisco Sá Carneiro, no Porto, que serve "a zona mais industrial do país" e um "polo exportador de relevância".

No entanto, apontou, é necessário "ter as aeronaves certas", de forma a concorrer com algumas companhias aéreas que têm atualmente uma presença significativa naquele naquela região e que é uma concorrência diferente da que acontece em Lisboa, onde a TAP tem o seu 'hub' (aeroporto que serve como centro de distribuição e transferência de voos).

"Vamos dar o nosso melhor para que a TAP possa ter no aeroporto Sá Carneiro uma dimensão igual, ou até superior, à que existia antes da pandemia, mas nunca perdendo de vista que o nosso 'hub' é Lisboa", afirmou o responsável.

Frasquilho admitiu que é possível a TAP ter uma operação "mais robusta" nos outros aeroportos do país, nomeadamente na Madeira e nos Açores.

"Tenham a certeza de que a TAP não esquece também a Madeira, como não esquece nenhum aeroporto do país", assegurou.

Em relação aos Açores, o presidente do CA apontou que se mantém o compromisso de passar a fazer a ligação aérea entre Ponta Delgada e Boston, nos Estados Unidos da América.

Segundo Miguel Frasquilho, nos cinco anos anteriores a 2019, a TAP passou de disponibilizar 278 mil assentos entre os Açores e o continente, para 650 mil assentos.

No mesmo período, prosseguiu, passou de 896 mil assentos disponíveis na rota Funchal-Lisboa, para 1,2 milhões, um aumento de 31%.

"Isto é a prova provada de que, de facto, nós estamos sempre muito atentos e queremos continuar a crescer a operação na Madeira e nos Açores", sublinhou. "Também teremos de olhar para a questão do Algarve, e olharemos", acrescentou.

VIDEO: FORÇA DA ERUPÇÃO DO ETNA SURPREENDE VULCANÓLOGOS


O vulcão mais ativo da Europa exibiu fontes de lava com mais de 1.500 metros de altura.

As noites sicilianas, a maior ilha de Itália, tem sido iluminadas por um espetáculo de lava. O Etna, o vulcão mais ativo da Europa, foi o protagonista deste cenário que chegou a surpreender os vulcanologistas.

Durante mais de uma semana, o Etna tem vindo a expelir lava, cinzas e rochas vulcânicas. A cidade de Pedara ficou coberta de cinzas e os moradores relatam ter visto o que parecia ser uma chuva de pedras.

Devido à erupção do vulcão, o aeroporto de Catânia, localizado no lado este da ilha, foi encerrado temporariamente. Até ao momento não houve relato de danos ou feridos.

Boris Behncke, vulcanólogo do Instituto Nacional de Observação do Etna, escreveu no site do instituto que, depois de “nos presentear com momentos de suspense”, na noite de segunda para terça-feira o vulcão explodiu de uma forma que os investigadores “que trabalham nisto há dedadas raramente viram”, cita a AP.

O vulcanólogo partilhou o entusiasmo nas redes sociais: “Eu chamei paroxismo ao Etna de 20-21 de fevereiro de ‘incrivelmente poderoso’? Bem, o seu sucessor, na noite de 22 para 23 de fevereiro foi MUITO mais poderoso”. Nesta noite, as fontes de lava ultrapassaram os 1.500 metros, publicou ainda Boris Behncke.












QUATRO BANCOS PORTUGUESES SOMAM LUCROS SUPERIORES A MIL MILHÕES DE EUROS

Instituições reforçaram provisões em 1300 milhões para enfrentar eventuais perdas futuras. Num ano marcado pela pandemia, quatro dos maiores...