google.com, pub-4886806822608283, DIRECT, f08c47fec0942fa0

tradutor com bandeiras. Google Translate

quinta-feira, 21 de janeiro de 2021

ATÉ AO FINAL DE FEVEREIRO PODEM MORRER MAIS SETE MIL PESSOAS EM PORTUGAL


Especialistas dizem que esta é uma previsão otimista, que pode ser ultrapassada caso não seja decretado um confinamento geral mais apertado.

Portugal pode ultrapassar as 16.500 mortes por covid-19 no final de fevereiro. Henrique Oliveira, matemático do Instituto Superior Técnico, admite que as previsões estão, neste momento, a ser excedidas.

"Ontem foi muito evidente. A nossa previsão era 173. Todos os dias as nossas previsões são excedidas e neste momento só podemos falar de números mínimos de óbitos e de casos", disse.

Ontem, Portugal registou 218 mortes, mais 45 do que o matemático previa. O número de mortes no final de fevereiro pode ser, assim, quase o dobro das registadas até agora, desde o início da pandemia.

"No final de fevereiro prevemos 16 mil a 16.500 óbitos. Considerando que as autoridades de saúde, depois das presidenciais, vão ter particular atenção ao estado de calamitoso em que o país e que decretem um confinamento geral. Um verdadeiro confinamento geral".

Ou seja, vão registar-se pelo menos mais sete mil mortes até ao final do próximo mês.

TOMADA DE POSSE DE JOE BIDEN

 


Joe Biden tornou-se nesta quarta-feira (20.01) o 46º Presidente da história dos Estados Unidos, ao tomar posse na cerimónia oficial diante das escadarias do Capitólio e em meio a fortes medidas de segurança. 

Faltavam alguns minutos para as 12:00 locais quando Joe Biden, de 78 anos, colocou a mão sobre uma edição da bíblia de 1893 para jurar defender a Constituição, perante o presidente do Supremo Tribunal, John Roberts, e perante o olhar de Kamala Harris, que minutos antes tinha tomado posse como sua vice-Presidente. 

No seu empossamento, Biden afirmou: "Este é o dia da América, o dia da democracia, um dia de história e de esperança".

O novo Presidente lembrou que os Estados Unidos enfrentam "um aumento do extremismo político, da supremacia branca, do terrorismo doméstico, que devemos enfrentar e iremos derrotar".

Nesta contexto, pediu que o país rebata a ideia de que "os factos são manipulados e, até mesmo, fabricados". Donald Trump, o seu antecessor, não participou do evento, tornando-se, em cerca de 150 anos, o primeiro Presidente do país a boicotar a tomada de posse de um sucessor. Já o seu ex-vice presidente, Mike Pence, marcou presença na tomada de posse, que também contou com os ex-Presidentes George W. Bush, Bill Clinton e Barack Obama.  

No discurso da cerimónia, Amy Klobuchar, a nova líder democrata no Senado, recordou o episódio do ataque ao Capitólio, a 6 de janeiro, afirmando que a democracia resiste a todas as investidas, dizendo que é também um exemplo de que a democracia não deve ser dada por garantida. 

"Celebramos um novo Presidente que vai restaurar os valores da democracia", disse Klobuchar, sem esconder alguma emoção, referindo-se ainda a Kamala Harris como a primeira sul asiática na vice-Presidência, como sinal de novos tempos de diversidade. 

Referindo-se aos eventos de 6 de janeiro, o número um dos EUA prometeu que isso não acontecerá novamente "nem hoje, nem amanhã". 

Momento de unificação

O senador republicano Roy Blunt, do Missouri, disse que é importante preservar as "liberdades conquistadas" e que as democracias "nunca estão terminadas", e que a tomada de posse de sucessivos presidentes mostra que as instituições são perecíveis. 

"Este não é um momento de divisão, é um momento de unificação", disse Blunt, admitindo que, na tomada de posse do democrata Joe Biden, "há um partido mais satisfeito do que outro", mas que não é isso que deve diminuir o esforço de todos os legisladores.

O novo Presidente dos EUA apelou a que seja encerrada o que classificou como "guerra civil" entre democratas e republicanos e pediu que seja assumida no país a responsabilidade de defender a verdade e derrotar as mentiras.

Biden, católico praticante, ouviu ainda uma oração proferida pelo padre Leo O'Donovan, um amigo de longa data, que abençoou a nova equipa governamental, sublinhando a necessidade da "fé necessária" para ultrapassar os grandes desafios. 

E a Covid-19...

O sucessor de Trump disse que este é o momento "para baixar a temperatura", para acalmar ânimos políticos desavindos, perante graves desafios. 

"Vamos derrotar a pandemia. Mas vamos fazê-lo juntos. Temos de o fazer juntos", prometeu Biden, recordando que a crise sanitária que se vive já matou tantos norte-americanos como a Segunda Guerra Mundial. 

O estadista pediu mesmo uns segundos de silêncio pelas vítimas mortais da pandemia, colocando o problema como prioridade da sua agenda política. 

Alias, a cerimónia decorreu diante de um público reduzido devido aos protocolos para evitar contágios do coronavírus.

Política externa 

Ainda no seu discurso, Joe Biden prometeu reparar "as alianças" tradicionais do país, que se voltará a relacionar "uma vez mais com o mundo", depois da política de isolamento do antecessor, Donald Trump.

Mas Biden também deixou uma mensagem para o exterior, dirigindo-se aos inimigos e aliados: "Seremos aliados de confiança. Seguros e fortes".

O novo estadista disse acreditar que os Estados Unidos podem "voltar a ser um aliado em que se pode confiar".

Depois da cerimónia de empossamento do novo homem forte da Casa Branca, Joe Biden efetuará a entrada inaugural na Casa Branca. 

As outras estrelas da festa...

A cantora Lady Gaga interpretou o hino nacional, num espampanante vestido vermelho, com uma imagem dourada da pomba, símbolo de paz, antes de Biden prometer defender os Estados Unidos dos seus inimigos, internos e externos. 

Também Jennifer Lopez cantou nesta cerimónia, que antecede uma série de eventos festivos que se prolongam ao longo do dia e noite de quarta-feira (20.01). 

E uma estrela africana abrilhantou a festa com uma das suas músicas nesta esperada festa, Burna Boy.

A canção "Destiny" da mega estrela nigeriana, estava na "playlist" da cerimónia. O "afrobeat" do cantor nigeriano constou de uma lista com outros artistas internacionais como Beyoncé, Kendrick Lamar e Stevie Wonder.

Burna Boy, compositor, cantor e rapper, é um dos músicos mais conhecidos de África a nível internacional.

GOVERNO DECIDE FECHAR ESCOLAS A PARTIR DE SEXTA-FEIRA


O Governo vai decidir esta quinta-feira, em Conselho de Ministros, o encerramento de todos os estabelecimentos de ensino, do Básico ao Superior, com efeitos a partir de sexta-feira, disse à agência fonte do executivo.

"A informação que o Governo recebeu na quarta-feira, após reunião com epidemiologistas, foi considerada muito relevante e determinante para a decisão, tendo em conta o crescimento da variante britânica do novo coronavírus em Portugal", salientou a mesma fonte.

Com esta medida, o objetivo principal do Governo, "é isolar todo o sistema escolar", já que, "não havendo aulas, evita-se que as pessoas sejam forçadas a sair de casa". Os pormenores das medidas de agravamento do confinamento geral serão comunicados esta quinta-feira no final da reunião do Conselho de Ministros.

Também esta quarta-feira, António Costa reuniu-se, por videoconferência, com a ministra da Saúde, Marta Temido, a ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva e o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, para discutir o assunto do encerramento das escolas.

Para além do encerramento das escolas, o Governo vai ainda analisar em Conselho de Ministros a “alarmante progressão” da epidemia em Portugal, com particularidade para a variante britânica do novo coronavírus.

"Esta quinta-feira reuniremos o Conselho de Ministros, analisaremos todas estas informações e decidiremos em conformidade, com a certeza de que a nossa prioridade é salvar vidas e controlar a pandemia", escreveu António Costa na sua conta de Instagram.

 

Marta Temido tinha admitido essa possibilidade

Marta Temido admitiu, esta quarta-feira, que existe a possibilidade de fechar todas escolas de imediato devido ao aumento de novos casos covid-19. A decisão será tomada no Conselho de Ministros, agendado para esta quinta-feira, disse ainda a ministra da Saúde em entrevista à RTP3.

"A situação mudou, agravou-se", disse a ministra da Saúde. Quando questionada se o encerramento das escolas estava em cima da mesa do Conselho de Ministros, Marta Temido respondeu "sim". Marcelo Rebelo de Sousa reagiu entretanto à resposta da ministra, considerando ser "uma boa solução". "Como imagina eu já calculava", disse ainda o Presidente da República em entrevista ao Porto Canal.

A ministra da Saúde disse ainda que foi que a ponderação sobre deixar as escolas abertas está relacionada com "a sua imprescindibilidade para a vida das gerações futuras".

"Sob o ponto de vista mais cómodo, a opção do encerramento poderia ser até, eventualmente, mais fácil de ser tomada. Mas a questão é que tem um peso e impacto enorme", reforçou.

Durante o dia, Marta Temido e Mariana Vieira da Silva, ministra da Presidência, participaram numa reunião com epidemiologistas para avaliar o impacto do fechar as escolas no controlo da pandemia. Nessa reunião, os especialistas mostraram que houve "alterações ao que eram as estimativas anteriores o que obriga a novas reflexões sobre medidas a tomar".

"Essas medidas que foram hoje [quarta-feira] acertadas entre alguns ministros como possíveis, amanhã serão discutidas em Conselho de Ministros e depois serão transmitidas pelo primeiro-ministro aos portugueses", disse a ministra.

Marcelo disse que a decisão iria ser conhecida "entre hoje e amanhã"

Também Marcelo Rebelo de Sousa tinha dito, durante uma ação de campanha, que a decisão sobre a interrupção do ensino presencial seria conhecida “entre hoje e amanhã”.

O Presidente da República falava perante cerca de 50 alunos no auditório da Escola Secundária Pedro Nunes, em Lisboa, numa ação de campanha como candidato às eleições presidenciais do próximo domingo.

Segundo o chefe de Estado, o Governo irá ponderar "se se deve esperar até à sessão com os epidemiologistas marcada para terça-feira" para tomar uma decisão sobre a manutenção ou não da abertura de escolas.

Testes rápidos nas escolas dos concelhos mais afetados pela covid-19 já começaram

O Governo marcou presença no arranque de uma campanha anunciada em Novembro pela Direção-Geral da Saúde e que avança agora numa altura em que o executivo mantém as escolas abertas, apesar do aumento número de casos.

Por agora são só os alunos do secundário a ser testados e em caso de surto os testes são alargados aos restantes graus de ensino.

Os testes antigénio permitem detetar em minutos a infeção pelo coronavírus.

Governo estava a ser pressionado para encerrar as escolas

A pressão para que o Governo encerre as escolas, perante os números crescentes da pandemia de covid-19, é cada vez maior.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, revelou esta terça-feira que o cenário será analisado na reunião de terça-feira com o Infarmed.

O primeiro-ministro, António Costa, já admitiu implementar a medida que, para alguns especialistas, é de recurso inevitável.

quarta-feira, 20 de janeiro de 2021

"TEMOS OS NÚMEROS MAIS NEGROS E OS CULPADOS ASSOBIAM PARA O LADO"


Desde março que o enfermeiro do Curry Cabral Nuno Moreira relata, na sua página de Facebook, a luta contra a pandemia da Covid-19 dos profissionais de saúde portugueses.

Hoje, dia em que Portugal bateu mais uma vez dois trágicos recordes, com quase 15 mil novos casos de Covid-19 e 219 mortes relacionadas com a doença, o profissional de saúde decidiu publicar mais um emocionante testemunho onde, além de descrever o que está a acontecer, pede que sejam apuradas responsabilidades, depois de o Governo ter aliviado as medidas no Natal.

"E parece que se entrou num estágio letárgico e já não se reage a tamanha barbaridade. Ninguém questiona porque se abriu o país na semana de Natal, para se contagiarem e morrerem milhares de pessoas. E, mesmo agora, com números tão elevados, vamos esperar mais uns dias para se voltar a confinar de forma total. Que desilusão e perda irreparável", começa por escrever Nuno Moreira numa nota intitulada “Tragédia, horror e morte”.

No mesmo testemunho, o enfermeiro reitera que os trabalhadores de saúde estão “exaustos, desesperados e impotentes” e, admite, já escolhem “entre quem vive e quem morre”. Perante esta “tragédia”, Nuno questiona como é que ninguém assume as responsabilidades.

“Temos os números mais negros do mundo e não acontece nada? Quem se acusa? Ninguém! É a normalidade no país onde os culpados assobiam para o lado. O Presidente da República e o primeiro-ministro concordam que o pacto social do período de Natal falhou, mas as escolas não precisam de encerrar, vai haver eleições e vamos falhar de novo, para quê?!”, questiona o profissional de saúde, acrescentando que “o amanhã será pior se continuarmos a colocar em causa o trabalho levado à exaustação de todos quantos deram o melhor de si, até muito para além do dever”.

Em jeito de conclusão e já em desespero, Nuno Moreira apela aos portugueses que cumpram as medidas sanitárias decretadas pelas autoridades de saúde, para evitar uma ainda maior propagação do novo coronavírus.

“Peço-vos mais do que nunca que sejam tidas em consideração as normas sanitárias que continuam a ser sistematicamente ignoradas como nos mostram estes números assustadores. Por todos nós e, especialmente, por aqueles que são vítimas desta pandemia, por todos os que perderam esta batalha e pelo país exangue que queremos ver renascer”, rematou.

HOTEL EM MESÃO FRIO PODE LEVAR O DOURO A PERDER ESTATUTO DE PATRIMÓNIO DA HUMANIDADE


Parecer técnico da Unesco abre caminho a uma futura exclusão do Douro vinhateiro do património mundial, devido a um hotel de cinco estrelas que Mário Ferreira quer construir. O projeto conta com o “apoio inequívoco” da autarquia socialista. Artigo de Interior do Avesso.

O jornal Público noticiou neste domingo que este projeto antigo, para construir um hotel no lugar da Rede no concelho de Mesão Frio, que foi retomado pelo empresário Mário Ferreira, irá colocar em perigo a inclusão da paisagem do Douro vinhateiro na lista dos bens classificados.

O projeto está em consulta pública até dia 29 de janeiro e conta com o apoio Câmara Municipal, que tem maioria do PS.

Em ofício enviado pelo embaixador José Moraes Cabral, presidente da Comissão Nacional da Unesco (CNU), para a comissão de avaliação e que acompanha o parecer técnico do Conselho Internacional de Monumentos e Sítios (ICOMOS) refere-se que o projeto abrirá “caminho para uma futura exclusão da lista de património mundial”.

O ICOMOS considera que a construção terá impactos “negativos, diretos, indiretos, certos, permanentes, irreversíveis, de magnitude elevada e não minimizáveis”, segundo a notícia do Público. José Moraes Cabral recomenda assim que o Estado não licencie o empreendimento e que siga as recomendações técnicas da ICOMOS em projetos futuros.

O processo de tentativa de licenciamento deste projeto da sociedade Douro Marina Hotel, propriedade de Mário Ferreira, começou há 22 anos, tendo já sido recusado por duas vezes, a última em abril de 2018, quando foi chumbado devido à Avaliação de Impacto Ambiental. Neste momento encontra-se, novamente, em consulta pública, no portal Participa.pt, até dia 29 de janeiro.

A insistência no projeto demonstra a fragilidade do processo burocrático em que podem cair as questões de ordenamento de território. Desta vez, Mário Ferreira submeteu à avaliação ambiental um estudo prévio, em vez de um projeto de execução, fintando uma declaração de desconformidade à semelhança da de 2018. Tenta ainda agora responder a todas as questões levantadas e ao cumprimento do Plano de Pormenor da Rede, um documento aprovado em 2010, onde está contemplado o empreendimento hoteleiro.

No Estudo de Impacto Ambiental em consulta, o promotor minimiza os riscos de cheia e, apesar de admitir que o empreendimento constituiria o elemento de maior expressão volumétrica da zona, descarta a importância de tal facto, considerando-o não “necessariamente negativo” e, segundo o Público, que até poderá tornar-se um novo ícone na paisagem.

O parecer da Unesco não concorda com esta posição, sustentando que “o bem do Património Mundial é icónico em si mesmo e acarretará uma competição desnecessária entre a paisagem e a arquitetura. A paisagem patrimonial deve ter precedência aqui, pois esta não é uma paisagem sem personalidade que precisa de elementos icónicos”. Também as medidas sugeridas de mitigação do impacto visual não são bem aceites pelo ICOMOS.

Câmara de Mesão Frio tem sido das principais defensoras do Hotel

Os possíveis benefícios socioeconómicos do projeto, como a criação de emprego, são minimizados pelo ICOMOS, que considera que o futuro do turismo numa realidade pós-pandémica é incerto e ainda não foi avaliado. A criação de novos postos de trabalho e a fixação de novos residentes têm sido os principais argumentos da autarquia de Mesão Frio para defender o projeto.

A Câmara socialista tem, de resto, segundo o Público, sido uma das principais defensoras do empreendimento, desde o seu início em 2009. A expectativa terá sido tal que se criaram inclusivamente cursos de formação para preparar a população local e se aprovou em 2010 o Plano de Pormenor da Rede que previa o hotel.

O presidente Alberto Pereira, em declarações ao Público, diz que além de defender o hotel irá levar à próxima reunião “uma proposta no sentido do apoio inequívoco a este projeto”. Apesar de no local não faltar oferta hoteleira, nomeadamente segundo o Plano Intermunicipal de Ordenamento de Território do Alto Douro Vinhateiro.

O império do empresário que inicialmente apresentou o projeto, Carlos Saraiva, sucumbiu às dívidas superiores a 800 milhões de euros, agravadas pela crise económica mundial. Os hotéis ficaram ao encargo dos bancos, regressando depois a Mário Ferreira. O Público tentou contactar Mário Ferreira, que disse não se pronunciar enquanto não existir uma decisão da Comissão de Avaliação que está a analisar o Estudo de Impacto Ambiental. “Quem esperou 22 anos, também espera mais uns dias”, disse.

GOVERNO MEXEU COM HONRA DA CHINA E ISSO NÃO SAI DE GRAÇA, DIZ PROFESSOR SOBRE INSUMO DE VACINAS


Após dar o pontapé na campanha de vacinação no domingo passado, o Brasil agora se vê envolvido em dificuldades para conseguir manter o ritmo de imunização inicialmente planejado. Isso porque insumos necessários para a continuidade da produção pelo Instituto Butantan estão parados na China e sem eles a programação de quem receberá as doses poderá ser alterada. O Estadão conversou sobre o assunto com o professor e diplomata Fausto Martha Godoy, coordenador do Núcleo de Estudos e Negócios Asiáticos na ESPM. 

                                      Leia a entrevista:

Por que a demora na negociação de insumos entre Brasil e China?

O governo chinês tem atualmente tremenda má vontade em relação ao Brasil. A China se recuperou do que passou, mas eles têm um conceito de honra muito importante, é um dos pilares de sua estrutura. O governo brasileiro cutucou a honra desse país e isso não vai sair de graça.

A demora tem relação com a crise diplomática provocada por Eduardo Bolsonaro no ano passado?

Quando começaram as primeiras manifestações do Bolsonaro e do filho, a embaixada reagiu de maneira contundente para os padrões chineses. Sei por experiência própria que nenhum diplomata se manifesta daquela maneira sem autorização do governo e principais autoridades do país. Desde então existe essa má vontade com relação ao governo atual.

A boa relação do governo de São Paulo com o laboratório chinês Sinovac pode ajudar nesse acordo?

Acontece que quando aconteceu essa crise, o governador de São Paulo já foi logo tratar com a Sinovac e garantiu a remessa para o Estado. O governo chinês sempre honrou com suas parcerias estratégicas. Existe uma relação do governo chinês com São Paulo e outra com o Brasil. Não digo que a China vai boicotar o Brasil porque iriam contra humanidade. Mas vão priorizar quem têm boa relação com eles inicialmente. São Paulo não é Brasil e quem sabe pode conseguir melhorar essa relação.

VIDEOS: FORTE EXPLOSÃO NO CENTRO DE MADRID CAUSA PELO MENOS 2 MORTOS


Terá sido causada por uma fuga de gás. Há também oito feridos, um em estado grave. Três andares ficaram destruídos.

Pelo menos duas pessoas morreram e oito ficaram feridas - uma em estado grave - na sequência de uma forte explosão, por volta das 15:00 (14:00 em Lisboa) desta quarta-feira, que provocou o desmoronamento de parte de um edifício do centro de Madrid.

A explosão atingiu a fachada e destruiu três andares de um edifício localizada na Rua de Toledo, no bairro de La Latina, muito perto da Porta de Toledo, ao lado da igreja de La Paloma.

Neste momento, muitos polícias e pessoal das forças de proteção civil estão na área, que foi completamente isolada, estando em curso a evacuação de transeuntes, segundo imagens das televisões.

Segundo o El Pais, que cita o autarca de Madrid, José Luis Martínez Almeida, ter-se-á tratado de um acidente causado por uma fuga de gás.

O edifício fica junto a um lar de idosos, cujos utentes estão a ser levados para um hotel próximo do local.



DONO DE PIZZARIA REAGE A ASSALTO E MATA DOIS HOMENS


O dono de uma pizzaria em São Paulo reagiu a um assalto e matou dois suspeitos na terça-feira (19). De acordo com a Polícia Militar, os dois homens estavam praticando roubos na região. As informações são do 1º Jornal, da Band TV.

Antes de chegar na pizzaria, a dupla havia assaltado uma hamburgueria. Na ação, eles chegaram a apontar uma arma para a cabeça do filho do dono do lugar, de 6 anos. Na sequência, foram à pizzaria, onde também anunciaram um roubo.

No entanto, o dono do local, que possui porte de arma, reagiu sacando um revólver. Os assaltantes se assustaram e correram, mas foram perseguidos pela vítima, que atirou na direção dos suspeitos e baleou os dois.

Um dos homens morreu no local. Já o outro, de 16 anos, chegou a ser socorrido, mas não resistiu aos ferimentos. O proprietário da pizzaria não se feriu. A Polícia Militar foi acionada e descobriu que os dois bandidos usavam simulacros de revólver e pistola.

A arma do dono do estabelecimento foi confiscada para perícia. O comerciante foi levado, acompanhado de um advogado, para prestar depoimento. O caso foi registrado no 33º DP, que ficará responsável pelas investigações.

CARRINHA DE TRANSPORTE DE VACINAS DA COVID-19 DESPISTA-SE NA A2


O acidente que ocorreu no sentido Norte/Sul, ao quilómetro 60, causou um ferido.

Uma carrinha com vacinas despista-se na A2. O acidente provocou um ferido ligeiro, confirmou ao DN fonte oficial da GNR. A viatura que transportava as vacinas contra a covid-19 tinha como destino Ourique, no distrito de Beja.

O ferido ligeiro é o condutor da carrinha, que foi embater no separador da autoestrada.

O acidente ocorreu no sentido Norte/Sul, ao quilómetro 60 da A2. A viatura que transportava as vacinas contra a covid-19 vinha de Coimbra e tinha como destino Ourique, no distrito de Beja.

MILITAR DOS EUA DETIDO POR TENTAR AJUDAR O ESTADO ISLÂMICO A REALIZAR ATAQUES


Um militar norte-americano foi detido acusado de tentar conspirar com o Estado Islâmico (EI) na realização de um ataque a Nova Iorque e na ajuda ao grupo terrorista para matar tropas dos EUA no Médio Oriente.

Segundo divulgaram na terça-feira as autoridades dos Estados Unidos, Coles James Bridges, de 20 anos, nascido no Estado do Ohio, estava destacado na base de Fort Stewart, na Geórgia, como membro da terceira divisão de infantaria do exército norte-americano e foi detido após uma investigação do FBI.

Bridges começou a comunicar em outubro de 2020 com uma pessoa que supostamente estava em contato com combatentes do EI, mas que na verdade era um agente do FBI, revelou a acusação, citada pela agência EFE.

Nessas conversas, o soldado manifestou a sua frustração com o exército dos EUA e o seu desejo em auxiliar o grupo terrorista, oferecendo ajuda direta para facilitar possíveis ataques em locais emblemáticos de Nova Iorque, como o memorial dos ataques do 11 de setembro, acrescenta.

O detido forneceu ainda ao agente federal um manual de treino do exército e informações sobre táticas de combate, discutindo ainda formas de atacar as tropas norte-americanas no Médio Oriente.

Entre outras informações, forneceu diagramas de manobras militares para ajudar o EI a maximizar os danos nos seus ataques, e conselhos sobre como fortalecer um acampamento militar para repelir ataques das forças especiais dos EUA.

Em janeiro, Bridges enviou ao agente do FBI, que acreditava ser um simpatizante do grupo terrorista, um vídeo no qual ele aparece ao lado de uma bandeira usada por membros do grupo terrorista e mostra o seu apoio à organização.

Uma semana depois, continua a acusação, enviou um outro vídeo onde, com a voz manipulada, narrava uma mensagem de propaganda em apoio a uma possível emboscada contra as tropas norte-americanas.

"Bridges Ã© acusado de dar conselhos militares e instruções sobre como matar outros soldados a indivíduos que ele acreditava fazerem parte do EI. Esta suposta traição pessoal e profissional aos seus camaradas e ao seu país é terrível de ver, mas felizmente o FBI foi capaz de identificar a ameaça que representava", destacou o procurador-geral do distrito sul de Nova Iorque, em comunicado.

O jovem agora detido começou a consumir propaganda jihadista através da Internet em 2019, expressando apoio ao EI nas redes sociais, antes de começar a comunicar com o agente disfarçado do FBI.

Atualmente recaem sobre ele duas acusações, com pena máxima de 20 anos de prisão cada uma, segundo a acusação.

ATÉ AO FINAL DE FEVEREIRO PODEM MORRER MAIS SETE MIL PESSOAS EM PORTUGAL

Especialistas dizem que esta é uma previsão otimista, que pode ser ultrapassada caso não seja decretado um confinamento geral mais apertado....