tradutor com bandeiras. Google Translate

segunda-feira, 26 de outubro de 2020

"OS CIDADÃOS MUÇULMANOS NÃO SÃO PERSEGUIDOS" EM FRANÇA

 


O principal interlocutor dos poderes p√ļblicos franceses para o Isl√£o, Mohamed Moussaoui, considerou hoje que os mu√ßulmanos em Fran√ßa "n√£o s√£o perseguidos".

A frase surge numa altura em que se multiplicam as manifesta√ß√Ķes e apelos no M√©dio Oriente ao boicote ap√≥s as observa√ß√Ķes do Presidente franc√™s, Emmanuel Macron, sobre as caricaturas de Maom√©.

"A França é um grande país e os cidadãos muçulmanos não são perseguidos. Constroem livremente as suas mesquitas e praticam livremente o seu culto", declarou à agência noticiosa France-Press (AFP) o presidente do Conselho Francês do Culto Muçulmano (CFCM).

"Sabemos que os promotores dessas campanhas dizem que defendem o Isl√£o e, aos mu√ßulmanos da Fran√ßa apelamos-lhes √† sabedoria. [...] Todas as campanhas de difama√ß√£o da Fran√ßa s√£o contraproducentes e criam divis√£o", acrescentou Moussaoui, pedindo aos "crentes" que "defendam os interesses do pa√≠s".

O discurso do Presidente franc√™s durante uma homenagem nacional ao professor decapitado num ataque isl√Ęmico em 16 de outubro por mostrar caricaturas do profeta Maom√© na sala de aulas gerou revolta no mundo mu√ßulmano.

Macron prometeu nomeadamente que a França continuar a defender a publicação das caricaturas em nome da liberdade de expressão.

Hoje, o Presidente turco, Recep Erdogan, exortou ao boicote aos produtos franceses, depois de questionar a "sa√ļde mental" do seu hom√≥logo franc√™s duas vezes neste fim de semana. 

Sobre as caricaturas, o presidente do CFCM explica que a lei "n√£o obriga a gostar dessas caricaturas, d√° at√© o direito de odi√°-las". 

Massaoui sublinhou que apoia a posi√ß√£o de Macron que, referiu, "pede que n√£o se renuncie √†s caricaturas, a todas as caricaturas, sob press√£o de terroristas".

Hoje √† tarde, Macron vai receber no Pal√°cio do Eliseu, sede da Presid√™ncia francesa, uma delega√ß√£o da CFCM.


ERDOGAN PEDE PARA OS TURCOS NÃO COMPRAREM PRODUTOS FRANCESES

 


Erdogan aconselhou Macron a fazer "terapia mental" para as medidas que tomou contra o fundamentalismo isl√Ęmico em Fran√ßa.

O Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, apelou esta segunda-feira à população do país para fazer um boicote aos produtos franceses.

O apelo acontece um dia depois do líder turco criticar as atitudes do Presidente francês, Emmanuel Macron, face aos muçulmanos.

Erdogan disse que Macron tinha um problema com a religi√£o mu√ßulmana e aconselhou-o a fazer "terapia mental" para as medidas que tomou contra o fundamentalismo isl√Ęmico em Fran√ßa, depois de um professor do ensino m√©dio ter sido decapitado por mostrar caricaturas de Maom√© em sala de aula, nos arredores de Paris.

O Presidente turco acusou Macron de agir contra milh√Ķes de mu√ßulmanos em Fran√ßa, referindo-se √† ofensiva contra o radicalismo isl√Ęmico, com o encerramento de uma mesquita e a dissolu√ß√£o de associa√ß√Ķes isl√Ęmicas em resposta ao assass√≠nio do professor Samuel Paty.

PRIMEIRO-MINISTRO AUSTR√ćACO CONDENA INSULTOS DE ERDOGAN A MACRON

O primeiro-ministro austríaco condenou os insultos do Presidente turco ao seu homólogo francês e considerou que Ancara se afasta cada vez mais dos valores da União Europeia.

"Condeno os insultos do Presidente Erdogan contra o Presidente Macron", disse esta segunda-feira Sebastian Kurz numa mensagem publicada na rede social Twitter.

As palavras de Erdogan, de acordo com Kurz, "mostram mais uma vez que a Turquia est√° a afastar-se da Uni√£o Europeia (UE)" e dos seus valores comuns.

O INCR√ćVEL TRANSPORTE DE UM PR√ČDIO DE CINCO ANDARES NA CHINA (VIDEO)

 


Um prédio de 7,6 mil toneladas foi movido de lugar em Xangai, na China.

A escola primária Lagena, de cinco andares, construída em 1935, teve que ser realocada para dar lugar à construção de um novo projeto nas proximidades.


Em vez de demolir o edifício de valor histórico, os engenheiros optaram por levantar totalmente a construção e colocá-la sobre 198 pernas robóticas especialmente projetadas, informou a imprensa estatal.

As milhares de toneladas de construção de concreto foram transportadas por 61,7 metros pela cidade da China oriental.


Leia mais em Folha de S. Paulo

CHAMA-SE PISTACHO O C√ÉO QUE NASCEU DE C√ĒR VERDE

 



A imagem de um c√£o rec√©m-nascido com o pelo verde est√° a correr o mundo, criando d√ļvidas sobre a veracidade da fotografia.

D√ļvida desfeita: a foto √© mesmo real e o pelo de cor inusitada tamb√©m. O criador de ovelhas italiano Cristian Mallocci ficou chocado quando, no in√≠cio do m√™s, a sua cadela, Spelacchia, deu √† luz uma ninhada de cinco filhos - quatro dos quais brancos como a m√£e, um deles coberto de pelos verdes.

Enquanto o resto da ninhada, nascida a 9 de outubro, na ilha italiana da Sardenha, est√° para ado√ß√£o, o pequeno Pistacho - a cor explica o nome do fruto seco - ficar√° com o pastor. "Vamos ficar com ele. Chegou num momento sombrio, mas vai trazer sorte", disse √† CNN.

A explica√ß√£o estar√° no contacto entre c√£es de cor clara e a biliverdina, um pigmento verde encontrado na b√≠lis, o mesmo que faz com que os hematomas fiquem verdes. A cor acaba por desaparecer com o tempo. Segundo Mallocci, o veterin√°rio dos c√£es disse-lhe que, "durante o per√≠odo de gesta√ß√£o, a biliverdina mistura-se com um l√≠quido amni√≥tico da placenta, manchando o filho mais fraco".

Embora raro, este n√£o √© um fen√≥meno √ļnico. Em janeiro passado, no Estado norte-americano da Carolina do Norte, um pastor-alem√£o branco tamb√©m teve um filho verde - viria a chamar-se Hulk, numa alus√£o ao super-her√≥i com a mesma cor. E anos antes, o mesmo tinha acontecido em 2017, com um Golden Retriever.


ESTUDO APONTA MIL√ćCIAS DO RIO DE JANEIRO COM PARCERIAS QUE NINGUEM DESCONFIAVA

 


As mil√≠cias do Rio de Janeiro mant√™m parcerias com as pol√≠cias, com fac√ß√Ķes criminosas e com igrejas evang√©licas pentecostais, e agora tentam se infiltrar em prefeituras e C√Ęmaras de vereadores, segundo estudo a ser apresentado nesta segunda-feira, 25, pela Rede Fluminense de Pesquisas sobre Viol√™ncia, Seguran√ßa P√ļblica e Direitos Humanos, organiza√ß√£o composta por pesquisadores de sete universidades do Rio de Janeiro, entidades da sociedade civil, centros de pesquisa de entidades jur√≠dicas e jornalistas.

O 1¬ļ Semin√°rio da Rede Fluminense de Pesquisas sobre Viol√™ncia, Seguran√ßa e Direitos, com o tema “Mil√≠cias, grupos armados e disputas territoriais no Rio de Janeiro”, come√ßa √†s 14h e ser√° transmitido pelo YouTube. Durante o evento ser√° apresentada a nota t√©cnica “Controle Territorial Armado no Rio de Janeiro”, primeiro trabalho da Rede, criada em julho de 2019.

Ao longo de quase um ano, pesquisadores, policiais, promotores, jornalistas, ativistas e especialistas em dados debateram o tema. A nota técnica resultante desse estudo alerta para os riscos que as milícias representam ao Rio de Janeiro e consequentemente ao Brasil.

A nota ressalta que as mil√≠cias surgiram oferecendo seguran√ßa a moradores de √°reas at√© ent√£o dominadas por traficantes: “Desde sua origem, os grupos milicianos procuraram se posicionar junto √†s popula√ß√Ķes dos territ√≥rios onde atuavam com um discurso de escudo em face do jugo do tr√°fico. Constru√≠ram sua identidade como antagonistas do tr√°fico, valendo-se, para tanto, do fato de que a guerra entre pol√≠cia e traficantes era uma fonte permanente de inseguran√ßa para os moradores das favelas”, afirma o texto.

Mas as atividades se expandiram e os milicianos passaram a controlar a venda de v√°rios tipos de produtos b√°sicos ou valorizados nas comunidades: “H√° registro de atua√ß√£o de mil√≠cias em servi√ßos de transporte coletivo, g√°s, eletricidade, internet, agiotagem, cestas b√°sicas, grilagem, loteamento de terrenos, constru√ß√£o e revenda irregular de habita√ß√£o, assassinatos contratados, tr√°fico de drogas e armas, contrabando, roubo de cargas, recepta√ß√£o de mercadorias e revenda de produtos de diversos tipos e proveni√™ncias. Diversamente de outros grupos armados e/ou criminais, as mil√≠cias t√™m como caracter√≠stica sua n√£o especializa√ß√£o. Essa diversifica√ß√£o parece ser um dos grandes propulsores econ√īmicos das mil√≠cias e uma vantagem em rela√ß√£o aos seus concorrentes em cada mercado espec√≠fico”, diz o texto.

A diversifica√ß√£o “garante n√£o apenas acesso a diferentes fontes de recursos econ√īmicos, mas tamb√©m a possibilidade de atua√ß√£o vari√°vel e flex√≠vel a depender de sua rentabilidade circunstancial”. O maior n√ļmero de fontes de renda permite tamb√©m maior capacidade de imposi√ß√£o frente aos outros grupos armados do Rio de Janeiro, afirmam os pesquisadores.

Embora inicialmente advers√°rios, mil√≠cias e fac√ß√Ķes criminosas se uniram em algumas √°reas do Rio: “Mais recentemente j√° se observa um processo de simbiose entre tr√°fico e mil√≠cia. At√© onde foi poss√≠vel saber, tal simbiose tanto tem acontecido pela mudan√ßa no comportamento dos traficantes, que passam a impor em suas √°reas pr√°ticas caras √† mil√≠cia; quanto com a mil√≠cia incorporando a seus neg√≥cios o mercado do varejo de drogas”, diz a nota t√©cnica.

A atua√ß√£o da mil√≠cia sobre o mercado de seguran√ßa, como ocorreu inicialmente, e os demais que passaram a ser dominados decorre da complac√™ncia das autoridades p√ļblicas respons√°veis pela regula√ß√£o e fiscaliza√ß√£o desses mercados, segundo a Nota: “A ‘prote√ß√£o’ e o provimento de ‘seguran√ßa’ s√£o bens p√ļblicos que sob nenhuma justificativa poderiam ser negociados privadamente, mas os relatos indicam haver uma delega√ß√£o ilegal desse servi√ßo p√ļblico, admitindo-se a a√ß√£o miliciana como substituta da presen√ßa policial. (...) Os servi√ßos p√ļblicos de transporte, habita√ß√£o ou assist√™ncia social, assim como seus equipamentos urbanos associados, v√™m sofrendo uma verdadeira ocupa√ß√£o pela imposi√ß√£o armada ou o consentimento das respectivas autoridades competentes”, afirma o texto.

Os pesquisadores identificam a liga√ß√£o entre as mil√≠cias e o Poder P√ļblico: “O v√≠nculo original das mil√≠cias com elites pol√≠tica e econ√īmica locais se desdobra em outro tipo de conex√£o, com inst√Ęncias do Estado. Tal articula√ß√£o come√ßa pela colabora√ß√£o discreta e pontual com profissionais da Pol√≠cia Militar. Esse, contudo, √© um fen√īmeno antigo e n√£o pode ser encarado como t√≠pico das mil√≠cias. No Rio de Janeiro, s√£o conhecidas as articula√ß√Ķes do jogo do bicho e mesmo de certos segmentos do tr√°fico de drogas com setores da pol√≠cia. Sequer se pode dizer que ocorre apenas no Rio de Janeiro”, afirma o texto.

Consultada pela reportagem sobre a suposta conexão entre policiais e milicianos, a secretaria de Polícia Civil do Rio de Janeiro informou que não comenta estudos que não conhece ou que não sejam oficiais do governo, e informou ter criado uma força-tarefa para combater as milícias (leia mais ao final deste texto).

Os pesquisadores avan√ßam sobre a liga√ß√£o entre milicianos e pol√≠ticos: “As ‘rela√ß√Ķes perigosas’ entre pol√≠cia e mil√≠cia s√£o apenas a face mais vis√≠vel e difundida das conex√Ķes que amea√ßam a vig√™ncia do Estado de Direito no Rio de Janeiro. (..) (Os milicianos) parecem se infiltrar em nichos dos poderes executivos (sobretudo em algumas prefeituras) e, cada vez mais, em casas legislativas”, alertam. “Talvez essa expans√£o dos interesses milicianos a inst√Ęncias dos poderes legislativos locais guarde rela√ß√£o com o elevado n√ļmero de mortes violentas envolvendo candidatos a vereadores no √ļltimo processo eleitoral municipal, em diversos munic√≠pios da Regi√£o Metropolitana do Rio de Janeiro. √Č imperativo monitorar esse fen√īmeno e buscar medidas para revert√™-lo”, segue a nota. “As mil√≠cias passariam a atuar n√£o mais como grupos que precisam estabelecer alian√ßas com os poderes institu√≠dos e sim como parte interna e org√Ęnica ao aparelho estatal, submetendo os poderes p√ļblicos a seus interesses privados e extralegais”.

O texto descreve um caso de atua√ß√£o da mil√≠cia junto ao Poder P√ļblico para acesso a moradias do programa federal “Minha Casa Minha Vida”: “Colhemos relatos segundo os quais um grupo de milicianos funda uma associa√ß√£o de moradores e chega a mobilizar a Defensoria P√ļblica da Uni√£o para assegurar o acesso de moradores a unidades do programa. Tal articula√ß√£o impressiona, pois indica a plasticidade da a√ß√£o dos milicianos, mobilizando fam√≠lias para obter dom√≠nio sobre um empreendimento constru√≠do com verba p√ļblica. Revela habilidade em transitar entre o legal e o ilegal, colocando-se, ademais, como porta-voz do direito √† moradia”.

Em seguida s√£o relatados v√≠nculos com igrejas: “Igualmente relevante s√£o os relatos sobre conex√Ķes entre igrejas de perfil evang√©lico pentecostal e mil√≠cias. Algumas igrejas estariam servindo tanto para a lavagem de dinheiro das mil√≠cias como para azeitar sua articula√ß√£o com pol√≠ticos. Sem falar do fato de que por meio das igrejas realizam trabalho social, por exemplo, atrav√©s da distribui√ß√£o de sopa comunit√°ria. Tem-se not√≠cia de que pastores chegam a aben√ßoar as pr√°ticas milicianas, dizendo serem “sagradas” e que “Deus, de tempos em tempos, manda um grupo de pessoas para limpar o mundo do mal”.

Os pesquisadores concluem fazendo uma compara√ß√£o entre as fac√ß√Ķes criminosas, habitualmente sediadas em favelas, e as mil√≠cias: “Agora n√£o se tem mais como trabalhar com a abordagem simplificadora e falaciosa de que o ‘inimigo’ est√° nas favelas; pois ele est√° infiltrado no Estado, nas suas estruturas de poder; ao mesmo tempo em que se apresenta como protagonista no mercado pol√≠tico. √Č tamb√©m um novo tipo de empres√°rio, cujo mercado √© tudo que puder ser consumido por moradores de favelas e sub√ļrbios; um agente da mercantiliza√ß√£o da vida popular. Sem regula√ß√£o e sem limite, tende a corromper todas as estruturas. √Č sem d√ļvida o maior desafio ao estado de direito, √† rep√ļblica e √† democracia no pa√≠s”, conclui a nota t√©cnica.

Resposta da Polícia Civil do Rio

Consultada pela reportagem a respeito da suposta aliança entre milicianos e policiais, a Secretaria de Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro afirmou, em nota, que não comenta estudos e pesquisas que não conhece ou que não sejam oficiais do governo do Estado.

A pasta afirmou, no entanto, que “ap√≥s cerca de 10 anos sem uma pol√≠tica de estado efetiva de combate √†s mil√≠cias, a atual gest√£o criou uma for√ßa-tarefa para coibir este tipo de crime” e que “em menos de um m√™s j√° foram realizados diversos servi√ßos de intelig√™ncia, investiga√ß√£o e a√ß√£o, resultando em opera√ß√Ķes complexas contra as mil√≠cias”. Segundo a pasta, as a√ß√Ķes n√£o tem prazo para terminar, e “a estrat√©gia √© a uni√£o de pris√Ķes e asfixia, coibindo todas as pr√°ticas criminosas de entrada de dinheiro na organiza√ß√£o criminosa. Este planejamento resultou no fechamento de com√©rcios, areais, shopping ligados a grupos criminosos, pris√Ķes, apreens√Ķes de fuzis, pistolas e ve√≠culos, fechamento de centrais de gatonet e de distribuidoras ilegais de g√°s, interrup√ß√£o de v√°rias constru√ß√Ķes irregulares e mortes de milicianos em confronto”.

Também consultada pela reportagem, a Secretaria de Polícia Militar do Estado do Rio não havia se manifestado até a publicação desta reportagem.


domingo, 25 de outubro de 2020

PORTUGAL: ONDE AT√Č NA AUTO-ESTRADA SE ANDA DE BICICLETA

 



Três jovens que seguiam em cima de uma bicicleta na A28, no tabuleiro da ponte sobre o rio Lima, à entrada da cidade de Viana do Castelo, ficaram registados para a posteridade.

As fotos foram captadas cerca das 17:00 horas de sábado, no sentido Esposende РViana do Castelo, ao quilómetro 69.

Germano Pereira, que registou o momento, disse a  O Minho que tudo pareceu surreal, mas que j√° viu outras situa√ß√Ķes naquela ponte dignas de registo.

“Sei que n√£o √© a primeira vez que se v√™ situa√ß√Ķes como esta. Os jovens estavam em risco, para al√©m de ser proibido, basta a desloca√ß√£o do ar de cami√Ķes a alta velocidade para que possa originar um acidente”, disse o autor das fotos.

ESPANHA REGRESSA AO ESTADO DE EMERGÊNCIA

 


 
O governo de Pedro Sánchez acaba de aprovar, em Conselho de Ministros extraordinário, um novo estado de emergência em toda a Espanha, medida que se pode estender até abril.

Segundo avan√ßa o El Pa√≠s, embora "mais suave" do que o decretado em mar√ßo, o novo estado de emerg√™ncia, em vigor nos pr√≥ximos 15 dias, poder√° durar mais tempo, com o primeiro-ministro espanhol a anunciar a inten√ß√£o de prolong√°-lo por seis meses, at√© abril.

O Conselho de Ministros reuniu-se, este domingo, de forma extraordin√°ria para aprovar a medida, que decreta o recolher obrigat√≥rio entre as 23 e as 6 horas, pedido por quase todas as comunidades espanholas com o objetivo de combater a propaga√ß√£o do v√≠rus.

De recordar que Pedro S√°nchez afirmou, esta sexta-feira, que o n√ļmero real de infetados com o novo ​​​​​​​coronav√≠rus em Espanha √© de tr√™s milh√Ķes de pessoas, embora o registo oficial o coloque em um milh√£o.

Numa declaração institucional desde o Palácio da Moncloa, em Madrid, Sánchez classificou como "grave" a evolução da pandemia em Espanha.

A contagem oficial de infetados ultrapassou um milh√£o de casos na √ļltima quarta-feira, mas, segundo o primeiro-ministro, estudos de seropreval√™ncia desenvolvidos por institui√ß√Ķes publicas com especialistas cient√≠ficos indicam que "o n√ļmero real de pessoas que foram infetadas supera os tr√™s milh√Ķes".

A PASTORA QUE INCENTIVA A VIOLÊNCIA (VIDEO)

 


Para a religiosa, "jovem rebelde" que enfrenta a mãe em casa deve apanhar. "Mostra pra ele que quem manda é você", disse Adriele Silva Ota

Um v√≠deo que circula na internet e que viralizou nas redes sociais mostra uma pastora, durante um culto em S√£o Paulo, orientando os pais a como lidar com os filhos e os ensinando a mostrar autoridade. Para Adriele Silva Ota, da igreja Assembleia de Deus, jovem que enfrenta a m√£e em casa "deve apanhar".

"Jovem que enfrenta a mãe e diz que está endemoniado, mete a mão na cara, joga no chão e pisa no pescoço, mostra pra ele que quem manda é você, mostra quem é valente", disse a pastora.

De acordo com as imagens, o discurso foi aprovado pelo p√ļblico no local. Enquanto Adriele pregava, √© poss√≠vel ouvir fi√©is gritando e batendo palmas. “Filho rebelde, chega a hora que quer, ainda vai dormir at√© 15h. Aqui √≥. S√≥ faz isso na casa de pais e m√£e frouxos. Se levantar a m√£o, eu quero o bra√ßo, se levantar a m√£o, eu dou nas suas pernas”, afirmo na prega√ß√£o.

No entanto, alguns internautas desaprovaram a atitude nas redes sociais. "Que isso! Hoje pregam qualquer coisa e o povo da gl√≥ria", escreveu um deles. "Queria saber onde tem isso na b√≠blia! O povo da mais cr√©dito ao homem do que a b√≠blia", observou outro. "Miseric√≥rdia. Ser√° que ela faria isso com o filho dela?", questionou uma terceira.

A prega√ß√£o em quest√£o da pastora Adriele foi realizada em um culto de mulheres no m√™s agosto. A mission√°ria faz parte da “Fam√≠lia Ota”, em que at√© o filho mais novo, Jo√£o V√≠tor Ota, atua como pregador mirim.

Em publica√ß√£o recente nas redes sociais, a pastora refor√ßa a defesa da viol√™ncia contra crian√ßas como forma de educar. “M√£e de verdade se for preciso #peganavarinha”, escreveu no Instagram.

"APENAS SÃO PERMITIDOS LUGARES SENTADOS" DIZ GNR SOBRE O GP

 


A Guarda Nacional Republicana (GNR) está no Grande Prémio de Portugal de Fórmula 1, que decorre no Autódromo Internacional do Algarve, em Portimão, para garantir que este decorre em segurança.

De acordo com uma publica√ß√£o partilhada na p√°gina de Facebook da GNR, os militares v√£o fiscalizar um conjunto de regras.

Por isso, tenha aten√ß√£o ao seguinte:

  • Apenas s√£o permitidos lugares sentados;
  • √Č proibida a circula√ß√£o entre bancadas, bem como entre sectores da mesma bancada;
  • A entrada e a sa√≠da do p√ļblico de cada bancada √© efetuada por acessos distintos;
  • √Č proibido o consumo de bebidas alco√≥licas no recinto desportivo e respetivos acessos, com a exce√ß√£o dos estabelecimentos de restaura√ß√£o durante o servi√ßo de refei√ß√Ķes;
  • O estacionamento de viaturas no recinto do aut√≥dromo e zonas envolventes deve fazer-se, exclusivamente, nos locais assinalados para o efeito;
  • A desloca√ß√£o para o aut√≥dromo em transporte coletivo est√° limitada a 50 pessoas por autocarro e deve ser feira a partir de quatro parques de estacionamento: dois em Portim√£o-Praia da Rocha (capacidade para 2.600 viaturas), junto ao antigo ‘retail park’ (at√© 2.000 viaturas) e junto ao BurroVille (at√© 2.400 viaturas).

GNR apela ainda a todos os espetadores que adotem “um comportamento respons√°vel, para que, a prova rainha do desporto autom√≥vel decorra em seguran√ßa”.

Recorde-se que, v√°rias imagens do evento, registadas este s√°bado, mostram as bancadas com espectadores a desrespeitarem o distanciamento social e alguns at√© sem m√°scaras. Esta atitude est√° a gerar pol√©mica e j√° levou at√© Rui Moreira a criticar a DGS.

"√Č UMA FALTA DE RESPEITO" DIZ RUI MOREIRA SOBRE O GP DE PORTUGAL

 


O presidente da C√Ęmara Municipal do Porto, Rui Moreira, criticou, este s√°bado, nas redes sociais, a Dire√ß√£o-Geral da Sa√ļde (DGS) pelo n√ļmero de espetadores autorizados no Grande Pr√©mio de Portugal da F√≥rmula 1 e os portugueses que foram assistir ao evento, sem cumprir a dist√Ęncia social recomendada e sem usar m√°scaras faciais de prote√ß√£o contra a Covid-19.

De acordo com o autarca, estas atitudes mostram um desrespeito para com os profissionais de sa√ļde e uma incoer√™ncia face √†s medidas aplicadas a outras atividades sociais e desportivas.

Perante isso, diz Rui Moreira, n√£o se pode calar, se n√£o seria c√ļmplice.

Esta imagem [fotografia que mostra espetadores do evento sem dist√Ęncia e sem m√°scara] √© uma falta de respeito para todos os que est√£o a salvar vidas, nos hospitais e fora deles. Mas, o pior e o mais cr√≠tico √© que muitas das pessoas que ali est√£o v√£o ser elas pr√≥prias a agravar a sobrecarga [do SNS]. A DGS, devia, por isso, ter cuidado. N√£o deixa mais de 1.500 pessoas estarem num est√°dio, ao ar livre, a ver futebol, n√£o permite pequenos eventos organizados pelas autarquias, mas deixa que 27.500 pessoas estejam em cima uma das outras a ver a F1”, atira o presidente da Invicta.

“Estes paradoxos”, real√ßa Rui Moreira no Facebook, “fazem com que os portugueses percam a confian√ßa nas institui√ß√Ķes. Numa altura em que essa confian√ßa √© crucial para que todos se sintam motivados e se empenhem”.

“Se a DGS j√° andava em crise de credibilidade – desde as m√°scaras, desde ‘o milagre portugu√™s’, desde a quest√£o do patriotismo estat√≠stico, com a escalada sem controlo dos n√ļmeros e a falta de coordena√ß√£o na sa√ļde p√ļblica – agora, com esta decis√£o e esta evid√™ncia, s√≥ ajuda o pa√≠s a suspeitar que estamos mal entregues e com pouca sorte”, sublinha o autarca.

Antes de terminar, Rui Moreira admite que “n√£o √© f√°cil decidir perante o desconhecido” e garante que n√£o questiona “o empenho e as boas inten√ß√Ķes”, mas n√£o concorda com este tipo de op√ß√Ķes e medidas.

“Resta-nos ter bom senso, cumpre-nos a todos, individual e coletivamente, agir com prud√™ncia. Entender as fragilidades, conviver com as d√ļvidas e ang√ļstias, mas n√£o calar o que nos vai na consci√™ncia”, conclui.

Rui Moreira
h√° 14 horas

N√£o me posso calar, nem ser c√ļmplice

Porque
1. H√° pessoas a morrer, muitas a sofrer.
2. H√° milhares de profissionais na linha da frente, h√° meses sem descanso....

Ver mais
A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, multid√£o e ar livre
A imagem pode conter: texto que diz "1,600 1,400 COVID-19 Em Portugal Internados (esquerda) UCI (direita) 1,200 Internados UCI by @INFO Covid-19 700 ForecastUCI 1,000 mU 800 600 600 500 400 400 200 300 200 06-Mar 13-Mar 20-Mar 27-Mar 03-Apr -Apr 1-May May 17 01 08 15 May 29- 100 24-Jul 31-Jul 14-ALg 21-ALB 2 Sep 07-Aug das- das. das- P0Z0 DO PO 18 C0 60 23 0-Oct 06-Nov RON-ET"

DEPOIS DAS PRIMEIRAS IMAGENS SAIREM PARA FORA

 


O Grande Prémio de Portugal teve, este sábado, o primeiro ponto alto, com a sessão de qualificação que culminou numa nova 'pole position' para Lewis Hamilton, assim como também a primeira grande polémica.

Nas redes sociais, rapidamente se tornaram virais imagens que davam conta da alegada falta de distanciamento social nas bancadas do circuito de Portim√£o, assim como de uso de m√°scaras entre os espectadores.

Paulo Pinheiro, administrador do Aut√≥dromo Internacional do Algarve, veio, no entanto, de imediato a p√ļblico garantir, em declara√ß√Ķes prestadas ao Jornal de Not√≠cias, que ir√° refor√ßar o policiamento durante a corrida deste domingo.

"Quem n√£o cumprir o que est√° assinalado nas bancadas e sair do seu lugar vai imediatamente para a rua", afirmou o respons√°vel, que sublinhou, no entanto, que "o aut√≥dromo tem 11 bancadas e em nove correu tudo bem e nas outras duas mal".

s√°bado, 24 de outubro de 2020

PAPA CRITICA QUEM VAI À MISSA "PARA DAR UMA BOA IMAGEM SOCIAL"

 


O papa Francisco criticou esta quarta-feira os que v√£o √† missa "para mostrar que s√£o cat√≥licos" ou "para mostrar o √ļltimo modelo que compraram" e "para dar uma boa imagem social".

Francisco falava durante a audiência geral realizada na sala Paulo VI, tendo evitado aproximar-se dos fiéis por causa de medidas de contenção da pandemia. de covid-19.

Na sua catequese dedicada √† ora√ß√£o, o papa criticou as "ora√ß√Ķes falsas", que "s√£o feitas apenas para serem admiradas pelos outros".

"O pior serviço que se pode prestar, a Deus e também ao homem, é orar com cansaço, é orar como papagaios, como se fosse um hábito. Não. A oração é o centro da vida. Se há oração, também o irmão, irmã, passa a ser importante", acrescentou Francisco.

Francisco assegurou que "a oração não é um analgésico para aliviar as ansiedades da vida" e que "uma oração desse tipo certamente não é cristã".

O papa adiantou que as escrituras admitem "o caso de uma pessoa que, mesmo buscando a Deus com sinceridade, nunca consegue encontrá-lo", mas o que "Deus não defende é o ateísmo de quem nega a imagem divina que está impressa em todo ser humano".

O papa, que apareceu na terça-feira com uma máscara seguindo as normas em vigor em Itália durante sua participação na Praça do Capitólio da oração pela paz, esta quarta-feira não a usou novamente.

Durante as sauda√ß√Ķes, os bispos e cardeais presentes tamb√©m n√£o usaram m√°scara.

PROTESTO EM LISBOA CONTRA O USO DE M√ĀSCARA

 


Dezenas de pessoas juntaram-se, na tarde deste s√°bado, no Rossio, em Lisboa, num protesto contra o uso obrigat√≥rio de m√°scara na rua, depois de o Parlamento ter aprovado ontem o projeto-lei do PSD que imp√Ķe a sua utiliza√ß√£o em espa√ßos p√ļblicos durante 70 dias, numa medida que trar√° coimas previstas entre 100 e 500 euros para os incumpridores.

Sem distanciamento, com v√°rios cartazes e sem m√°scara, os manifestantes pediram o fim do uso obrigat√≥rio deste equipamento de prote√ß√£o individual nos locais onde √© exigido por ser uma das formas de impedir a transmiss√£o de got√≠culas que podem transportar o v√≠rus.

Em declara√ß√Ķes na antena da SIC Not√≠cias, Gon√ßalo Martins, um dos organizadores do protesto, explicou que um dos motivos para o protesto √© considerarem que "as m√°scaras utilizadas n√£o t√™m efic√°cia contra a conten√ß√£o de v√≠rus". "S√£o m√°scaras de cirurgia, essas m√°scaras n√£o permitem prote√ß√£o contra v√≠rus", disse.

O manifestante chamou ainda a aten√ß√£o para a abertura lateral que estes equipamentos t√™m ou para o momento em que os √≥culos ficam embaciados, significando isso, "que o vapor de √°gua est√° a sair por cima da m√°scara".

O homem, que se apresentou como T√©cnico de Higiene e Seguran√ßa no Trabalho, questionado sobre os estudos que indicam que as m√°scaras podem salvar vidas, respondeu que "n√£o temos a certeza disso". "Estamos a tratar as coisas de forma tecnicamente pouco coerente", atirou.

J√° sobre o ajuntamento de pessoas sem m√°scara e um poss√≠vel cont√°gio, o membro da organiza√ß√£o do protesto referiu n√£o se sentir respons√°vel, aludindo a que "tendo em conta os dados que est√£o dispon√≠veis, s√≥ uma pequena percentagem poder√° eventualmente precisar de tratamento hospitalar e ainda uma mais pequena de tratamento em Unidades de Cuidados Intensivos, logo, a probabilidade de algu√©m aqui contrair a doen√ßa √© muito baixa".

Recorde-se que este s√°bado, Portugal registou o maior n√ļmero de infetados por Covid-19 desde o in√≠cio da pandemia - 3.669 novos casos de coronav√≠rus no espa√ßo de 24 horas. Em termos globais, o nosso pa√≠s soma 116.109 casos de cont√°gio e 2.297 v√≠timas mortais.

BANCADAS DO AUT√ďDROMO CHEIAS

 


Noticia JN

A qualifica√ß√£o para o Grande Pr√©mio de Portugal, que decorreu na tarde deste s√°bado, proporcionou imagens de v√°rios ajuntamentos nas bancadas do Aut√≥dromo Internacional do Algarve, deixando algumas d√ļvidas sobre o cumprimento do distanciamento recomendado pelas autoridades de sa√ļde.

A proximidade de espectadores, sobretudo na bancada central do Aut√≥dromo Internacional do Algarve, em Portim√£o, deixou em alguns dos presentes d√ļvidas quanto ao cumprimento das normas sanit√°rias. O JN registou opini√Ķes distintas a este prop√≥sito, mas as imagens n√£o deixam d√ļvidas quanto aos ajuntamentos que se verificaram.

À saída do autódromo, Alberto Fonseca, que viajou da zona de Leiria confessou que reparou, em alguns momentos, que "as pessoas estavam próximas", mas, ainda assim, como estavam a usar máscara, não se sentiu inseguro. "Os lugares, tal como foram planeados pela organização, estavam razoavelmente separados, mas, com o decorrer da prova, houve alguns que se foram aproximando", contou.

Já os jovens Gonçalo Koch, de 23 anos, e Gonçalo Nunes, de 18, ambos de Gondomar, asseguram que se sentiram "seguros". "Ao nosso lado não tínhamos ninguém. Pelo menos na nossa bancada, as pessoas estavam divididas consoante o grupo em que se inseriam e sempre com cadeiras de intervalo", disseram ao JN.

A par dos ajuntamentos na bancada, a sa√≠da do p√ļblico das bancadas proporcionou tamb√©m a forma√ß√£o de grupos numerosos, apesar dos corredores de sa√≠da estabelecidos, impedirem que os espetadores se cruzassem de frente.

Recorde-se que, na √ļltima quarta-feira, a lota√ß√£o do Grande Pr√©mio de Portugal foi reduzida para 27500 espetadores. Na altura, Gra√ßa Freitas, diretora-geral de Sa√ļde, afirmou que "h√° um conjunto de regras que permitir√° com seguran√ßa a realiza√ß√£o deste Grande Pr√©mio com p√ļblico".

"Estar√° mantida a dist√Ęncia, n√£o est√£o permitidos os cruzamentos entre pessoas, as aglomera√ß√Ķes entre pessoas, a higiene est√° garantida, a ventila√ß√£o existe porque √© ao ar livre, a utiliza√ß√£o de m√°scaras √© obrigat√≥ria", justificou Gra√ßa Freitas.

As imagens deste s√°bado deixam, no entanto, razo√°vel d√ļvida.

CRISTINA FERREIRA EM "ISOLAMENTO" PORQUE CONVIDADA DO PROGRAMA TESTOU POSITIVO

 


Depois de ter convidado B√°rbara Bandeira, que est√° infetada com Covid-19, para o seu programa esta quinta-feira, a apresentadora da TVI entrou em isolamento.

“Bárbara Bandeira foi convidada do @diadecristinatvi na passada quarta-feira e hoje anunciou que tinha testado positivo. Ainda ontem, e quando soubemos da possibilidade, tomamos todas as medidas indicadas como essenciais nestes casos”, come√ßa por esclarecer Cristina Ferreira no Instagram.

“Avisamos todas as pessoas que tiveram contacto com ela para ficarem atentos, eu fiquei imediatamente em isolamento e aguardamos agora os dias recomendados para fazer o teste uma vez que não tenho sintomas”.

“Fiz ontem um teste serológico que deu negativo. Mas a recomendação é que se repita tr√™s dias depois do contacto”, acrescentou a apresentadora da TVI.

“Já falei com a Bárbara que está bem, com sintomas ligeiros. O meu beijinho para ela. Estejam todos atentos. Este, como dizem as autoridades de saúde, é um período de picos de infeção, e devemos estar resguardados. Se a minha situação se alterar voltarei para vos dar notícias”, rematou.

"SINTO-ME FANT√ĀSTICO" DIZ ARNOLD SCHWARZENEGGER DEPOIS DE SER OPERADO AO CORA√á√ÉO

 



Aos 73 anos, Arnold Schwarzenegger foi submetido a uma cirurgia ao cora√ß√£o para substituir a v√°lvula a√≥rtica, como o pr√≥prio ator explicou numa publica√ß√£o que fez na sua p√°gina de Instagram, esta sexta-feira. 

"Gra√ßas √† equipa da Cleveland Clinic, tenho uma nova v√°lvula a√≥rtica para acompanhar a minha nova v√°lvula pulmonar da √ļltima cirurgia que fiz", come√ßou por dizer aos f√£s.

"Sinto-me fant√°stico e j√° tenho andado pelas ruas de Cleveland a curtir as incr√≠veis est√°tuas", acrescentou de seguida na legenda das imagens que publicou na rede social e que pode ver na galeria. 

Antes de terminar, Schwarzenegger fez ainda quest√£o de deixar um agradecimento √† equipa m√©dica que tomou conta do seu caso. 

sexta-feira, 23 de outubro de 2020

√Č OBRIGAT√ďRIO O USO DE M√ĀSCARA NAS RUAS

 


O Parlamento aprovou esta sexta-feira, em vota√ß√£o final global, um projeto-lei do PSD que imp√Ķe o uso obrigat√≥rio de m√°scara em espa√ßos p√ļblicos e que prev√™ coimas entre 100 e 500 euros para os incumpridores.

O diploma do PSD foi votado na generalidade, especialidade e final global e, na √ļltima vota√ß√£o, teve votos contra da Iniciativa Liberal, absten√ß√Ķes do Bloco de Esquerda, PCP, Verdes e da deputada Joacine Katar Moreira, contando com voto favor√°vel das restantes bancadas. O deputado √ļnico do Chega esteve ausente da vota√ß√£o.

O PSD pediu a dispensa de reda√ß√£o final do diploma, pelo que o texto dever√° seguir ainda hoje para an√°lise do Presidente da Rep√ļblica.

MEDIDA EM VIGOR NOS PR√ďXIMOS 70 DIAS

Na vota√ß√£o na especialidade foram aprovadas algumas altera√ß√Ķes ao texto do PSD: por proposta do PS, a medida vigorar√° por 70 dias (e n√£o por 90, como se previa na √ļltima vers√£o do projeto) e ser√° objeto de avalia√ß√£o quanto √† necessidade da sua renova√ß√£o no final desse per√≠odo.

O BE e PAN pretendiam incluir no diploma que a distribuição de máscaras fosse gratuita, mas as propostas foram chumbadas com voto contra do PS e abstenção pelo menos da bancada do PSD.

Estes partidos conseguiram, no entanto, incluir no projeto que seja feita uma campanha de sensibilização da população para o uso de máscara.

O BE conseguiu também introduzir, no capítulo da fiscalização, que o papel das forças de segurança e polícias municipais seja "prioritariamente" de sensibilização e pedagogia.

O QUE EST√Ā PREVISTO NO PROJETO-LEI

O diploma determina que √© obrigat√≥rio o uso de m√°scara - que n√£o pode ser substitu√≠da por viseira - aos maiores de dez anos para o acesso, circula√ß√£o ou perman√™ncia nos espa√ßos e vias p√ļblicas "sempre que o distanciamento f√≠sico recomendado pelas autoridades de sa√ļde se mostre impratic√°vel".

Pode haver dispensa desta obrigatoriedade "em relação a pessoas que integrem o mesmo agregado familiar, quando não se encontrem na proximidade de terceiros" ou mediante a apresentação de um atestado médico de incapacidade multiusos ou declaração médica que ateste que a condição clínica ou deficiência cognitiva não permitem o uso de máscaras.

Também não é obrigatório o uso de máscara quando tal "seja incompatível com a natureza das atividades que as pessoas se encontrem a realizar".

A fiscalização "compete às forças de segurança e às polícias municipais" e o incumprimento do uso de máscara constitui contraordenação, sancionada com coima entre os 100 e os 500 euros.

A iniciativa do PSD surgiu na sequ√™ncia da proposta de lei apresentada pelo Governo na semana passada, que pretendia tornar obrigat√≥rio quer o uso de m√°scara quer da aplica√ß√£o inform√°tica StayAway Covid.

Depois das críticas generalizadas dos partidos - incluindo do PS - à obrigatoriedade de usar a 'app' que foi anunciada há meses como voluntária, o presidente do PSD, Rui Rio, anunciou a intenção dos sociais-democratas apresentarem um projeto idêntico ao do Governo, mas apenas na parte relativa às máscaras, o que foi concretizado na passada sexta-feira.

Em entrevista à TVI na segunda-feira, o primeiro-ministro, António Costa, anunciou que o Governo iria "desagendar" a apreciação do seu diploma, ficando apenas a proposta "consensual" do PSD sobre a imposição do uso da máscara.

MAIS 31 MORTES E 2.899 CASOS DE COVID-19 EM PORTUGAL NAS √öLTIMAS 24 HORAS

A Dire√ß√£o-Geral da Sa√ļde (DGS) anunciou no boletim di√°rio desta sexta-feira que h√° mais 31 mortes e 2.899 novos casos de Covid-19 em Portugal.

O n√ļmero de mortes subiu de 2.245 para 2.276, mais 31 do que na quinta-feira, o n√ļmero mais elevado de √≥bitos num s√≥ dia desde 24 de abril, quando foram anunciadas pela DGS 34 mortes.

O n√ļmero de infetados subiu de 109.541 para 112.440, mais 2.899 em 24 horas.

Dos 31 óbitos, 14 aconteceram na região Norte, 9 em Lisboa e Vale do Tejo, 5 na região Centro, 2 no Alentejo e 1 no Algarve.

No que diz respeito a novos casos, 1.516 são na região Norte, 918 em Lisboa e Vale do Tejo, 364 na região Centro, 53 no Alentejo, 38 no Algarve, 8 na Madeira e dois nos Açores.

Em vigil√Ęncia, permanecem 57.455 contactos, mais 1.646 do que na quinta-feira.

Os dados divulgados esta sexta-feira revelam ainda mais 1.349 casos recuperados, perfazendo 65.880.

Já os casos ativos são agora 44.284, mais 1.519 em comparação com o dia anterior.

Em internamento est√£o 1.418 pessoas, mais 53 do que na quinta-feira. Nas unidades de cuidados intensivos est√£o internados 198 doentes, menos dois do que no dia anterior.

TEM DE DESLOCAR-SE ENTRE CONCELHOS DE 30 DE OUTUBRO A 3 DE NOVEMBRO? VAI PRECISAR DE UMA DECLARAÇÃO

O Governo esclareceu esta quinta-feira que quem precisar de se deslocar entre 30 de outubro e 3 de novembro, quando estar√° proibida a circula√ß√£o entre concelhos, necessita de uma declara√ß√£o, sendo as exce√ß√Ķes as mesmas que foram aplicadas na P√°scoa.

O Conselho de Ministros aprovou esta quinta-feira uma a resolu√ß√£o que determina a proibi√ß√£o de circula√ß√£o entre diferentes concelhos do territ√≥rio continental no per√≠odo entre as 00:00 de 30 de outubro e as 00:30 de dia 3 de novembro, o fim de semana que corresponde ao Dia de Finados.


"OS CIDADÃOS MUÇULMANOS NÃO SÃO PERSEGUIDOS" EM FRANÇA

  O principal interlocutor dos poderes p√ļblicos franceses para o Isl√£o, Mohamed Moussaoui, considerou hoje que os mu√ßulmanos em Fran√ßa "...