Translate

sábado, 31 de outubro de 2020

INGLATERRA: CONFINAMENTO DE UM MÊS ANUNCIADO POR BORIS JOHNSON

 


No dia em que o Reino Unido ultrapassou o milhão de casos de covid-19, o primeiro-ministro deu uma conferência de imprensa na qual confirmou que as restrições rigorosas à economia e à vida quotidiana começam na quinta-feira e durarão até 02 de dezembro.

Boris Johnson disse que "nenhum primeiro-ministro responsável" poderia ignorar os números negros da pandemia.

"Sem agirmos, poderemos ver as mortes neste país chegarem a vários milhares por dia", afirmou o primeiro-ministro, que foi ele próprio hospitalizado no início da pandemia com um caso grave de covid-19.

Com as novas restrições, os bares e restaurantes só podem estar abertos para 'take-away', comércio não essencial deve encerrar e as pessoas só podem sair de casa por razões contidas numa pequena lista, na qual se inclui o exercício físico. Atividades que vão desde ir cortar o cabelo ou ir de férias para o estrangeiro ficam de novo canceladas.

Ao contrário do primeiro confinamento de três meses no Reino Unido, no início do ano, as escolas, universidades, empresas de construção e indústria continuarão a funcionar.

Boris Johnson tinha decretado um conjunto de restrições regionais no início de outubro, mas não foram suficientes. Consultores do Governo preveem que na atual trajetória do surto a procura de camas hospitalares excederá a capacidade até à primeira semana de dezembro, mesmo que os hospitais temporários criados no primeiro pico da pandemia sejam reabertos.

O Governo britânico anunciou hoje que foi ultrapassado o milhão de casos de covid-19, chegando-se a 1.1011.660 de pessoas contaminadas com o novo coronavírus desde o início da pandemia. Nas últimas 24 horas foram registados 21.915 novos casos.

O número total de óbitos com covid-19 é agora de 46.555 (326 nas últimas 24 horas), fazendo do Reino Unido o país mais enlutado da Europa, por causa da pandemia.


Sem comentários:

COSTA ACEITA PEDIDO DE DEMISSÃO DE CABRITA: "RESPEITOU O TEMPO DA JUSTIÇA"

António Costa aceitou a demissão de Eduardo Cabrita e aponta para os próximos dias a indicação de um substituto. O primeiro-ministro aceitou...