google.com, pub-4886806822608283, DIRECT, f08c47fec0942fa0

tradutor com bandeiras. Google Translate

sábado, 7 de novembro de 2020

BIDEN REFORÇA VANTAGEM ENQUANTO EUROPA DORME

 


Enquanto a Europa dormia, a América continuou a contar votos, quatro noites após o fecho das urnas. Agora que a manhã avança no Velho Continente, e ainda há penumbra no Novo Mundo, fazem-se, por cá, as contas ao que se passou enquanto dormíamos.

A manhã, na Europa, trouxe um pouco mais de luz à situação eleitoral nos EUA. Enquanto dormíamos, Joe Biden reforçou a vantagem que conquistou sexta-feira na Pensilvânia, o estado pai da Constituição norte-americana, cujos 20 votos do colégio eleitoral são suficientes para discursar vitória, independentemente de Trump manter a posição de não conceder o resultado ao adversário democrata.

Durante a noite, a contagem de votos aumentou a vantagem e Biden na Pensilvânia passou de 19 mil para 29 mil votos, quando estão contados 96% dos boletins naquele que pode ser o estado a decidir o presidente dos EUA. É uma margem de 0,4%, quando estão contados 96% dos sobescritos, que, para o autarca de Filadélfia, deveria ser suficiente para Trump se portar como um cavalheiro e fazer o discurso da derrota.

Mas não é, até porque o presidente em exercício - e que o será por mais 11 semanas - ainda acredita na vitória, mais nos tribunais do que nas mesas eleitorais, numa altura em que Trump ganha terreno no Arizona, apesar de Biden achar que a vantagem é suficiente para reclamar os 11 votos eleitorais daquele feudo "trumpista".

A última contagem mostra uma recuperação de Trump, que terminou o dia com menos 29 mil votos do que Biden, tendo iniciado a sexta-feira cerca de 47 mil boletins atrás. Uma recuperação 18 mil votos que não preocupa os democratas, que dão o Arizona como garantido, quando estão contados 97% dos votos.

No Nevada a contagem está um pouco mais atrasada, e pode prolongar-se até domingo, mas Biden acredita que os seis votos daquele estado desértico iluminado pelos néones de Las Vegas não lhe vão fugir. Iniciou sexta-feira com 11 mil votos de avanço e terminou o dia 22 mil à frente de Trump, quando estão contados 93% dos votos.

Em termos percentuais, porque o Nevada apesar de vasto é pouco povoado, Biden tem 1,8 pontos de vantagem sobre Trump.

No quarto dos estados decisivos, a Geórgia, Biden terminou o dia com sete mil votos de vantagem - tendo começado alguns milhares atrás de Trump, mas aqui ninguém reclama vitória, uma vez que o colégio eleitoral anunciou que vai ser feita uma contagem de votos, como estipulam as leis estaduais quando a diferença dos candidatos é inferior a 0,5%. Estão contabilizados cerca de 99% dos boletins.

Há ainda dois outros estados a contar votos, mas nestes a vitória não parece estar em causa. No Alasca, Trump lidera com 62,9% dos votos, quando estão contados pouco mais de metade dos boletins.

Na Carolina do Norte, a vantagem do incumbente republicano é curta, 1,4% quando estão contados 98% dos votos, mas parece suficiente para garantir a Trump os 11 votos do colégio eleitoral atribuídos por aquele estado do sul dos EUA. A decisão final só deverá ser conhecida na próxima semana, uma vez que as leis estaduais permitem aceitar boletins que cheguem pelo correio até à próxima quinta-feira, dia 12.

Sem comentários:

FUNCIONÁRIO DE ISABEL II ADMITE ROUBO DE OBJETOS DO PALÁCIO DE BUCKINGHAM NO VALOR DE MAIS DE 100 MIL EUROS

Um funcionário da  rainha Isabel II  está em maus lençóis. Após ter sido acusado de roubo,  Adamo Canto  declarou-se culpado e admitiu ter r...