google.com, pub-4886806822608283, DIRECT, f08c47fec0942fa0

tradutor com bandeiras. Google Translate

quarta-feira, 11 de novembro de 2020

BOLSONARO FALA SOBRE BIDEN "QUANDO ACABAR A SALIVA, TEM DE TER PÓLVORA"

 


"Assistimos há pouco um grande candidato à chefia de Estado dizer que se eu não apagar o fogo da Amazónia, vai levantar uma barreira comercial contra o Brasil.  Apenas diplomacia não dá. Quando acabar a saliva, tem de ter pólvora. Senão não funciona", afirmou esta terça-feira o chefe de Estado brasileiro, Jair Bolsonaro, embora sem mencionar diretamente o nome do Presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden.

Durante a campanha eleitoral norte-americana, quer Biden, quer a sua vice-presidente, Kamala Harris, fizeram duras críticas à atual política brasileira para a Amazónia, a maior floresta tropical do planeta, que sofre os maiores incêndios e desflorestação em décadas desde que Bolsonaro ascendeu ao poder, em 2019.

As críticas surgiram inclusive no primeiro debate entre Biden e o seu antecessor, Donald Trump, na reta final da campanha eleitoral, em que o candidato do Partido Democrata disse que o Brasil deveria "parar" a "destruição" da Amazónia, caso contrário enfrentaria "consequências económicas significativas".

"Mais carbono é absorvido naquela floresta do que é emitido pelos Estados Unidos. Vou garantir que vários países se juntem e digam (ao Brasil): aqui estão 20 mil milhões de dólares. Parem de destruir a floresta. E se vocês (Brasil) não pararem, então vocês sofrerão significativas consequências económicas", disse o agora Presidente eleito dos Estados Unidos, num debate no final de setembro.

No último sábado, Biden foi declarado vencedor das eleições norte-americanas, derrotando o Republicano Donald Trump, de quem Bolsonaro é aliado e um confesso admirador.

Contudo, apesar de já ter recebido cumprimentos de vários chefe de Estado pela vitória no sufrágio, Joe Biden ainda não foi congratulado pelo executivo brasileiro.

Na segunda-feira, o vice-presidente do Brasil, Hamilton Mourão, disse que Jair Bolsonaro aguarda o fim de disputas jurídicas para se pronunciar sobre as eleições nos Estados Unidos e a vitória do candidato democrata, Joe Biden.

"Eu julgo que o Presidente está aguardando terminar esse imbróglio aí de discussão se tem voto falso, se não tem voto falso, para dar o posicionamento dele. É óbvio que o Presidente na hora certa vai transmitir os cumprimentos do Brasil a quem for eleito", disse Mourão a jornalistas.

A posição de Bolsonaro em relação às eleições nos Estados Unidos é semelhante à adotada pela Rússia, China e também países latino-americanos como o México, que optaram por aguardar o resultado das ações judiciais tentadas pelo candidato republicano e Presidente cessante, Donald Trump, que denunciou alegadas fraudes no processo de votação nas presidenciais norte-americanas.

Bolsonaro expressou ao longo do processo eleitoral dos Estados Unidos a sua preferência pela reeleição de Trump e manteve um tom crítico contra Biden após algumas declarações do agora Presidente eleito sobre a Amazónia.

Entre janeiro e setembro deste ano, a Amazónia brasileira registou 76.030 queimadas, o maior número desde 2010, quando foram registados 102.409 focos de incêndio no mesmo período, indicou o Instituto de Pesquisas Espaciais brasileiro.

Já a desflorestação da maior floresta tropical do mundo atingiu mais de sete mil quilómetros quadrados de janeiro a setembro, um número alarmante, apesar de uma queda de 10% comparativamente a igual período de 2019, ano em que foram quebrados todos os recordes, de acordo com o mesmo organismo público.


Sem comentários:

FUNCIONÁRIO DE ISABEL II ADMITE ROUBO DE OBJETOS DO PALÁCIO DE BUCKINGHAM NO VALOR DE MAIS DE 100 MIL EUROS

Um funcionário da  rainha Isabel II  está em maus lençóis. Após ter sido acusado de roubo,  Adamo Canto  declarou-se culpado e admitiu ter r...