google.com, pub-4886806822608283, DIRECT, f08c47fec0942fa0

tradutor com bandeiras. Google Translate

domingo, 15 de novembro de 2020

"SÓ SENTI PRESSÕES PARA O BENFICA NÃO TENHO CONHECIMENTO DE OUTRAS"

 


Augusto Baganha, ex-presidente do IPDJ, reitera a O JOGO que o Governo terá intercedido a favor das águias.

Augusto Baganha, ex-presidente do Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ), concedeu uma curta entrevista a O JOGO, admitindo que terá sofrido "pressões" por parte do Governo para que o Benfica não fosse penalizado em algumas circunstâncias. O DIAP de Lisboa terá aberto um inquérito na sequência de uma denúncia que chegou à Procuradoria-Geral da República, no qual Baganha foi testemunha pelas notas que terá tirado durante reuniões com o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues. "Há algum tempo referi isso e volto a confirmar essas pressões - sem querer dar casos concretos, pois a questão é do foro da Justiça. Não quero pronunciar-me, mas posso adiantar que houve pressões mais públicas e outras mais privadas", revela, deixando a garantia de que a tentativa de interceder no desporto só aconteceu para os encarnados: "Pressões só para o Benfica, nunca para outros clubes. Não tenho conhecimento de outras."

A interdição do Estádio da Luz, em julho de 2017, durante alguns dias, mas que o Benfica evitou com a correção do regulamento de segurança, é um dos momentos que terá motivado tais situações, processo explicado pelo antigo líder do IPDJ. "O Benfica tem o seu regulamento acordado, mas na altura, de certo modo, exerceu um contencioso com o regulamento, que não estava de acordo com a lei. Dissemos que não e chegámos a interditar o campo. Tanto era ilegal que o Benfica foi obrigado a corrigir", recorda, sem confirmar que essa interdição tenha motivado palavras de Tiago Brandão Rodrigues a favor das águias. "O Benfica está acima da lei. Nós não podemos tratar todos os clubes de igual modo. O Benfica tem mais adeptos do que a população de alguns países", terá dito, segundo publicou o "Correio da Manhã", descrevendo uma reunião no verão de 2017 entre o ministro, o secretário de Estado do Desporto e Juventude, João Paulo Rebelo, e o IPDJ. Baganha não quer entrar em considerações que estão entregues à Justiça.

Fonte próxima do ministério da Educação diz a O JOGO que as frases publicadas não têm fundo de verdade, rejeitando qualquer tipo de interferência a favor do Benfica. "Atendendo a que nada nem ninguém está acima da lei e que os clubes têm de cumprir com as determinações legais que lhes forem atribuídas, as referidas afirmações são desprovidas de sentido, pelo que a denúncia também não tem qualquer sentido ou fundamento. O ministro e o secretário de Estado colaborarão sempre com as autoridades e instâncias superiores, não havendo conhecimento de qualquer processo em curso. Aliás, é bem patente o que a tutela demonstrou com a sua ação, no sentido do sólido cumprimento da lei, nomeadamente a chamada lei da violência no desporto, que foi alterada, garantindo melhor eficácia, maior celeridade processual e maior responsabilização dos agentes no seu cumprimento", foi expresso em nota disponibilizada pela assessoria do ministro, reforçando-se que a criação da Autoridade para a Prevenção e o Combate à Violência no Desporto "demonstra total isenção na aplicação da lei".

O ministério lamenta os "anos de mediatismo" à volta do caso, desde que mudou a equipa do IPDJ, entrando Vítor Pataco para a sua liderança, em setembro de 2018. Baganha desmente que tenha havido acordo para a sua saída: "Há um despacho a exonerar-me a mim e à Lídia Praça, que é incoerente e pouco fundamentado. Houve um concurso público e queria levar o mandato até ao fim. Não coloquei o lugar à disposição. Não houve acordo."



Sem comentários:

FUNCIONÁRIO DE ISABEL II ADMITE ROUBO DE OBJETOS DO PALÁCIO DE BUCKINGHAM NO VALOR DE MAIS DE 100 MIL EUROS

Um funcionário da  rainha Isabel II  está em maus lençóis. Após ter sido acusado de roubo,  Adamo Canto  declarou-se culpado e admitiu ter r...