Translate

terça-feira, 10 de novembro de 2020

UM EM CADA CINCO SOBREVIVENTES DA COVID-19 PODE VIR A SOFRER DE TRANSTORNO MENTAL

 


Um novo estudo da Universidade de Oxford revela que pessoas que estiveram infetadas com o novo coronavírus correm um maior risco de ser diagnosticadas com uma doença ou transtorno mental, como por exemplo ansiedade ou depressão.

A investigação é já considerada a maior do género a estudar uma relação entre o coronavírus e a saúde mental, depois de os especialistas analisarem o historial médico de 69 milhões de pessoas nos Estados Unidos entre 20 de janeiro de 1 de agosto, das quais 62 mil tinham sido infetadas pelo SARS-CoV-2.

PROBABILIDADE DE 18% DE TER DIAGNÓSTICO PSIQUIÁTRICO

Nos três meses seguintes ao contágio, cerca de um em cada cinco sobreviventes viu a sua saúde mental afetada e recebeu um diagnóstico. Duas vezes mais provável do que para pacientes com outras doenças ou condições médicas estudados no mesmo período, como por exemplo gripe ou outras infeções respiratórias.

O estudo indica que os pacientes correm mais risco de ser diagnosticados com uma doença mental, ansiedade ou depressão depois de terem tido covid-19 do que com outras doenças”, explicou o professor britânico David Curtis à CNN.

“Por exemplo, o estudo mostra que há uma probabilidade de 18% dos doentes receberem um diagnóstico psiquiátrico depois de terem covid-19, comparado com a probabilidade de 13% após uma gripe”.

A justificação, indica, pode estar relacionada com o receio que os pacientes têm de ficar gravemente doentes com covid-19, ou terem de estar isolados por longos períodos de tempo. Os especialistas explicam também que pode ser um efeito neurológico do vírus, dos medicamentos usados para o tratar, ou ansiedade relativa à pandemia.

“Precisamos de ser cautelosos nas nossas interpretações desta questão tão importante”, disse o autor do estudo, Paul Harrison, professor de Psiquiatria na Universidade de Oxford.

Sem comentários:

PORTUGUESES TERIAM DE PAGAR MAIS 22% DE IMPOSTOS PARA MANTER PENSÕES INTACTAS

No longo prazo, para manter a sustentabilidade orçamental e os mesmos benefícios ao nível de pensões,  os portugueses teriam de pagar mais 2...