Translate

terça-feira, 13 de abril de 2021

JOVEM DE 21 ANOS É ATACADA A FACADAS PELO PRÓPRIO PAI


Um homem, de 42 anos, é suspeito de matar a facadas a própria filha nesta segunda-feira(12) em Rodeio, no Vale do Itajaí, em Santa Catarina. Além de esfaquear a filha, atacou a sua ex-mulher, de 39 anos, os avós, de 56 e 61 anos, e o tio de 34. A motivação do crime foi pelo fato da ex-mulher ter ido a delegacia solicitar uma medida protetiva contra o criminoso.

Atingida por ao menos 3 golpes, Géssica Dias Tiz, de 21 anos, filha do suspeito, morreu no local. Não há detalhes sobre o estado de saúde atualizado das vítimas, mas todos estão com o quadro clínico estável. 

De acordo com a Polícia Civil, o homem fugiu e foi pego pela Polícia Militar nos fundos da casa dele. Ele irá responder por dois  feminicídios, já que atacou a filha e a mãe, também por duas tentativas de homicídio qualificadas e por porte ilegal de arma.

MARCELO PEDE RENOVAÇÃO DO ESTADO DE EMERGÊNCIA ATÉ DIA 30


O presidente da República divulgou, esta terça-feira, o decreto para a renovação do estado de emergência em Portugal. Será o 15.º para vigorar entre 16 e 30 de abril.

"Em linha com o faseamento do plano de desconfinamento, impondo-se acautelar os passos a dar no futuro próximo, entende-se haver razões para manter o estado de emergência por mais 15 dias, nos mesmos termos da última renovação", pode ler-se no documento divulgado esta terça-feira na página da Presidência da República.

"A renovação do estado de emergência tem a duração de 15 dias, iniciando-se às 00h00 do dia 16 de abril de 2021 e cessando às 23h59 do dia 30 de abril de 2021, sem prejuízo de eventuais renovações, nos termos da lei", lê-se ainda.

Depois da reunião no Infarmed de manhã e de ouvir os partidos durante a tarde - Iniciativa Liberal, Chega, PEV, PCP, BE, PAN, PSD, CDS-PP e PS - Marcelo Rebelo de Sousa divulgou o decreto para a renovação do estado de emergência em Portugal, nos mesmos termos que o atual período.

O atual período de estado de emergência termina às 23.59 horas de quinta-feira, dia 15l. Uma próxima renovação por mais 15 dias irá vigorar entre 16 e 30 de abril.

A Assembleia da República tem agendado para a tarde de quarta-feira o debate e votação sobre este pedido de autorização de renovação do estado de emergência.

JAPÃO VAI DESPEJAR NO MAR ÁGUA TRATADA MAS AINDA RADIOATIVADA DE FUKUSHIMA, CHINA E COREIA ALARMADAS


Foi removida a maior parte dos elementos radioativos, mas a medida é controversa.

O Governo japonês decidiu hoje que a água processada armazenada na central nuclear de Fukushima será descarregada no Oceano Pacífico, após tratamento para remover a maior parte dos elementos radioativos.

A controversa medida visa resolver a acumulação de água radioativa na instalação nuclear, um dos problemas mais urgentes no complexo processo de desativação da central que foi danificada pelo terramoto e tsunami de março de 2011.

O primeiro-ministro japonês, Yoshihide Suga, tomou hoje a decisão após consultas com o operador da central, Tokyo Electric Power, o regulador nuclear japonês, a Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) e as autoridades locais em Fukushima, entre outras partes.

A libertação controlada de água da fábrica foi a medida que as autoridades japonesas tinham optado desde o início do ano passado, considerando-a a mais viável entre uma série de outras opções tecnicamente mais complexas.

A decisão tinha sido adiada devido à oposição do Governo de Fukushima e das associações de pescadores locais, que acreditam que o derrame poderia prejudicar ainda mais as suas atividades económicas.

As autoridades japonesas consideram que o derrame não irá gerar qualquer risco para a saúde humana porque os níveis de trítio libertados no mar ficarão abaixo das normas sanitárias nacionais - a misturar com a água do mar - e defendem que esta é uma prática comum na indústria nuclear de outros países.

A instalação de Fukushima Daiichi tem um sistema de processamento de água que remove a maioria dos materiais radioativos considerados perigosos, com exceção do trítio, um isótopo natural mas de baixa concentração.

Mais de 1,25 milhões de toneladas de água processada são armazenadas nas instalações da Daiichi, e espera-se que a capacidade para o seu armazenamento se esgote no outono do próximo ano ao ritmo atual a que está a ser gerada.

CHINA E COREIA DO SUL ALARMADAS COM DESCARGA NO MAR DE ÁGUA RADIOATIVA DE FUKUSHIMA

Antes mesmo de formalmente tomada a decisão, a China disse ter comunicado a sua "séria preocupação" ao Japão, pedindo ao governo do primeiro-ministro Yoshihide Suga que tome uma decisão que acautele o interesse público global, bem como a saúde e segurança dos cidadãos chineses.

Segundo o Ministério das Relações Exteriores da China, "o Japão não pode menosprezar ou ignorar" as críticas globais sobre a questão, e "não deve prejudicar mais o meio ambiente marinho, a segurança alimentar e a saúde humana".

Citado pela agência Kyodo, um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores sul-coreano, disse na segunda-feira que despejar água radioativa de Fukushima "afetaria direta e indiretamente a segurança das pessoas e do meio ambiente vizinho".

"Seria difícil aceitar o despejo da água no mar se o lado japonês tomar uma decisão sem consulta suficiente", disse o porta-voz, salientando que Coreia do Sul "responderá fortalecendo a cooperação" com a Agência Internacional de Energia Atómica.

O Governo japonês já tinha afirmado que não era possível adiar a decisão por mais tempo, dado que a capacidade de armazenagem dos tanques de água na central, que continuam a receber líquido usado para arrefecer combustível nuclear, deverá esgotar-se em 2022, 11 anos depois de a central ter sido gravemente afetada por um terramoto e tsunami.

segunda-feira, 12 de abril de 2021

RIO SOBRE OPERAÇÃO MARQUÊS: "JUSTIÇA É O PIOR EXEMPLO DE UM REGIME MUITO DOENTE"


Rui Rio acusou esta segunda-feira a Justiça de não estar a funcionar e de ser o pior exemplo de um regime que está "doente, muito doente". O presidente do PSD considera que se a justiça não se consegue atualizar ou credibilizar, "como já ficou demonstrado", "é óbvio que a responsabilidade passa para o poder político".

Por isso, defendeu uma reforma profunda para este setor, criticando a falta de coragem e hipocrisia dos restantes atores políticos, em especial do Governo, para a fazer.

Sobre as exaltadas reações à Operação Marquês, Rio diz que o escrutínio popular verificado foi provocado por uma justiça que renunciou à discrição que se lhe exigia e que optou por "uma investigação espetáculo", com sucessivas violações do segredo de justiça e à "intoxicação da opinião pública com todo o tipo de histórias falsas ou verdadeiras", "triturando na praça pública culpados e inocentes, triturando-se a justiça a si própria e descredibilizando-se de forma dramática".

"Pela primeira vez na história deste regime, foi afirmado por um juiz num processo penal a indiciação de um ex-primeiro ministro pela prática de crimes de corrupção que, no entanto, não podem ir a julgamento porque prescreveram ou porque a prova recolhida, apesar de o provar, não pode ser utilizada", frisou Rui Rio.

O problema é que o mesmo povo que "foi convocado pela Justiça" para acompanhar este processo "não entende esta decisão". "E quando as decisões da Justiça não são entendidas pelo povo é a justiça a não funcionar", criticou. Rio criticou ainda a demora inaceitável da justiça que "não é feita em tempo útil, pura e simplesmente não é justiça".

Rio criticou ainda a "hipocrisia" da repetida afirmação - várias vezes proferida por António Costa de "à justiça o que é da justiça e política o que é da política" pois é o poder político que tem de dar condições à justiça para ela funcionar, o que não está a acontecer, numa "degradação lenta e perigosa". Do mesmo modo "não é a Justiça a funcionar", como por várias vezes já disse o Presidente da República, "é a Justiça a não funcionar", atirou Rui Rio.

Daí que o líder do PSD considere que "a reforma da justiça é a primeira das reformas que Portugal tem de fazer". Pela parte do seu partido, recordou que tentou promover um pacto para a justiça mas que o resultado foi "pouco mais do que zero" fruto da falta de vontade em mexer no sistema por parte do Governo. Rio frisou que não é preciso "revolucionar ou destruir tudo" é apenas preciso reformar "com coragem, seriedade e sem os habituais tiques corporativos".

"Se a Justiça já demonstrou não ser capaz de se atualizar e credibilizar, é óbvio que a responsabilidade tem de passar para o poder político", recomendou, frisando que a justiça "não pode ser um mundo à parte" "Basta de hipocrisia e basta de falta de coragem", afirmou, garantindo que o PSD irá continuar a trabalhar nas suas propostas para uma grande reforma da justiça e disponível para a levar a cabo com todos os demais.

AFASTAMENTO E EXPULSÃO DE CIDADÃOS ESTRANGEIROS VÃO PASSAR PARA A PSP E GNR


Os processos de afastamento coercivo e de expulsão judicial de cidadãos estrangeiros vão passar para a competência da PSP e da GNR no âmbito do processo de reestruturação do SEF, segundo a resolução aprovada pelo Governo.

Com esta reestruturação, as renovações das autorizações de residência dos cidadãos estrangeiros que vivem que Portugal vão passar para o Instituto dos Registos e Notariado.

A resolução que define as orientações políticas para a criação do Serviço de Estrangeiros e Asilo (SEA), que vai suceder ao SEF (Serviço de Estrangeiros e Fronteiras), foi aprovada na passada quinta-feira em Conselho de Ministro e estabelece "as traves mestras de uma separação orgânica muito clara entre as funções policiais e as funções administrativas de autorização e documentação de imigrantes".

A resolução, a que agência Lusa teve acesso, determina quais as atribuições de natureza policial do SEF que vão transitar para a Guarda Nacional Republicana, Polícia de Segurança Pública e Polícia Judiciária, bem como as competências que vão passar para o Instituto dos Registos e Notariado, ficando o Serviço de Estrangeiros e Asilo com "atribuições de natureza técnico-administrativa".

De acordo com o documento, a GNR ficará responsável por "vigiar, fiscalizar e controlar as fronteiras marítima e terrestre", "agir no âmbito de processos de afastamento coercivo e à expulsão judicial de cidadãos estrangeiros, nas áreas da sua jurisdição" e "assegurar a realização de controlos móveis e de operações conjuntas com forças e serviços de segurança nacionais e congéneres espanhóis".

Por sua vez, a PSP integrará as competências de "vigiar, fiscalizar e controlar as fronteiras aeroportuárias e terminais de cruzeiros" e "agir no âmbito de processos de afastamento coercivo e de expulsão judicial de cidadãos estrangeiros, nas áreas da sua jurisdição".

"A investigação dos crimes de auxílio à imigração ilegal, associação de auxílio à imigração ilegal, tráfico de pessoas e de outros com estes conexos" vão passar para a "competência reservada" da Polícia Judiciária, indica resolução.

De acordo com o Governo, vai também transitar do SEF para o Instituto dos Registos e Notariado a competência para renovar as autorizações de residência, garantindo-se "mecanismos de célere tramitação e simplificação do procedimento".

Os inspetores do SEF vão passar para estas três polícias e a resolução do Governo salvaguarda "o direito à carreira dos trabalhadores do SEF, designadamente dos trabalhadores integrados na carreira de investigação e fiscalização".

O documento determina que deve ser aprovado, até ao final do primeiro semestre de 2021, "as regras sobre os mecanismos de transição" dos inspetores do SEF para os mapas de pessoal ou exercício de funções destes organismos que vão receber as competências no âmbito da reestruturação do SEF.

A resolução determina ainda que, "no quadro da política de segurança interna, o SEA deve ter atribuições de natureza técnico-administrativa na concretização de políticas em matéria migratória, como sejam as áreas documental, de gestão de bases de dados, de relacionamento e cooperação com outras instituições e de representação externa, designadamente no âmbito do Espaço Schengen e com as agências europeias de fronteiras e de asilo".

A gestão integrada das bases de dados, atualmente da responsabilidade do SEF, vai transitar para o SEA, em articulação com a Rede Nacional de Segurança Interna, "sendo garantido o acesso a todas as entidades legalmente habilitadas para tal", refere ainda o documento.

Esta reforma tem sido contestada pelo sindicato que representa os inspetores do SEF, PSD e CDS-PP.

No domingo, o sindicato dos inspetores do SEF rejeitou a extinção daquele organismo sem a aprovação formal da Assembleia da República e considerou que está em causa a permanência de Portugal no espaço Schengen.

OMS ALERTA: " PANDEMIA ESTÁ A CRESCER EXPONENCIALMENTE"


A Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou, esta segunda-feira, para o aumento do número de casos de covid-19 em sete semanas consecutivas e do número de mortes em quatro semanas, sublinhando que a pandemia "está a crescer exponencialmente".

O alerta foi deixado pelo diretor-geral da organização, Tedros Adhanom Ghebreyesus, e pela líder técnica de resposta à covid-19, Maria Van Kerkhove, na videoconferência de imprensa regular sobre a evolução da pandemia, transmitida da sede da OMS, em Genebra, na Suíça.

Tedros Adhanom Ghebreyesus salientou que a semana passada foi a quarta que registou o maior número de infeções com o coronavírus SARS-CoV-2 numa semana, em consequência do "grande aumento do número de casos" detetados em diversos países da Ásia e do Médio Oriente.

A líder técnica de resposta à covid-19 na OMS, Maria Van Kerkhove, advertiu que "a trajetória da pandemia está a crescer exponencialmente", realçando que na semana passada houve um aumento de 90% da transmissão de infeções.

Segundo a epidemiologista norte-americana, as medidas de contenção da pandemia "não são aplicadas consistentemente" pelos países.

O diretor-geral da OMS avisou que a pandemia da covid-19 "está longe de terminar", mas pode ser controlada "numa questão de meses" com uma "vacinação equitativa" e com um "esforço concertado" de medidas de contenção, que incluem distanciamento físico, uso de máscaras, ventilação de espaços, testagem, rastreio, isolamento e higienização das mãos.

"Depende das decisões dos governos e das pessoas, todos os dias. A escolha é nossa", afirmou Tedros Adhanom Ghebreyesus, defendendo "uma abordagem coerente" das medidas de saúde pública.

MULHER COM PROBLEMAS DE SAÚDE MENTAL MATA OS TRÊS FILHOS

 


Liliana Carrillo, de 30 anos, terá matado os três filhos, este fim de semana, na California (Estados Unidos). A mulher, segundo se concluiu, não estaria mentalmente bem.

Segundo o NY Post, o pai das crianças terá pedido à justiça para ficar com a guarda dos filhos depois de, alegadamente, ter denotado que a mulher apresentava comportamentos pouco comuns. 

Na sequência disso, a mulher apresentou uma queixa de violência doméstica contra o homem, a qual acabaria por se concluir que não tinha fundamento.

Liliana deveria entregar os filhos ao pai no domingo, um dia depois dos corpos das três crianças - Joana de 3 anos, Terry de 2 anos, e Sierra de 6 meses, terem sido encontrados pela mãe de Liliana.

A mulher terá degolado os próprios filhos e colocou-se, depois disso, em fuga, tendo sido detida a mais de 300 quilómetros de casa.

Uma fotografia das crianças foi partilhada pelo pai, no domingo.

A polícia ainda não confirmou a causa da morte das crianças, nem o que motivou o crime.

domingo, 11 de abril de 2021

SEF DETETOU 15 TESTES FALSOS À COVID-19 NA FRONTEIRA DE VILA VERDE DA RAIA


O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) apreendeu, no ponto de passagem autorizado de Vila Verde da Raia, 15 testes à covid-19 falsificados e um documento de identificação falso,

Os 15 cidadãos, portugueses e estrangeiros, com idades compreendidas entre os 19 e os 63 anos, a trabalhar em vários países europeus, foram intercetados pelos inspetores do SEF, no sábado, depois de terem efetuado uma manobra suspeita com a viatura onde seguiam.

De acordo com o SEF, "ao apresentarem os documentos de identificação, mostraram, também, comprovativos de teste à covid-19 com indícios grosseiros de falsificação, posteriormente confirmados pelo laboratório".

Foram constituídos arguidos e notificados para comparecer, na segunda-feira, no Departamento de Investigação e Ação Penal de Chaves.

Um dos homens foi detido por ter exibido um documento de identificação falso e será presente sob detenção para primeiro interrogatório no mesmo tribunal.

LINHA VERMELHA PODE SER ATINGIDA DAQUI A DOIS MESES


                           O índice de transmissão está a aumentar.

Portugal pode chegar aos 120 casos de covid-19 por 100 mil habitantes e atingir a linha vermelha daqui a dois meses, se continuar a progredir à taxa atual.

O segundo relatório de monitorização das linhas vermelhas foi publicado este sábado e, de acordo com as autoridades de saúde, o país regista por esta altura uma transmissão de moderada intensidade e uma reduzida pressão nos serviços de saúde.

O documento refere ainda que o R - o índice de transmissão - tem aumentado desde 10 de fevereiro. A região do Alentejo é a única onde este indicador apresenta valores inferiores a 1, estando nos 0,99.

Na nota é ainda deixado um alerta sobre o período pascal e o início do desconfinamento, que podem interferir na situação do país, com os reflexos a serem sentidos nas próximas semanas.

MAIS DE METADE DOS PORTUGUESES NÃO TENCIONA FAZER FÉRIAS


Entre aqueles que afirmam o contrário, a maioria vai gozá-las em Portugal numa casa alugada, hotel ou segunda residência e prevê gastar tanto como no ano passado.

Mais de 50% da população portuguesa não tenciona fazer férias este ano - é, sobretudo, no Norte e na Área Metropolitana do Porto (AMP) que essa tendência se verifica com valores acima da média nacional. A sondagem da Aximage para o JN, DN e TSF revela também que, entre aqueles que planeiam fazer férias, a grande maioria vai gozá-las dentro das fronteiras nacionais (90%) e estima realizar os mesmos gastos do que no ano passado (64%).

Num tempo em que a pandemia condiciona fortemente a mobilidade, não espanta que apenas 5% dos inquiridos pretendam viajar para o estrangeiro durante o descanso anual.

O mesmo princípio de prudência observa-se nas despesas previstas para o verão. Dos 48% que tencionam fazer férias, só 11% admitem gastar mais do que no ano passado, valor que sobe para 21% quando se consideram aqueles que admitem despender uma quantia menor. É no Centro, na Área Metropolitana de Lisboa (AML) e no Sul e ilhas que cerca de um quarto das pessoas pretende poupar face a 2020, enquanto no Norte 21% pensam gastar mais, quase o dobro ou mesmo o triplo em relação às outras regiões.

O estudo conclui que, dos 43% que farão férias no país, a maior parte vai fazê-lo em casa alugada (24%), num hotel (23%) ou em segunda residência (19%). É interessante verificar que é sobretudo no Norte (43%) e na AMP (23%) que vive quem escolhe uma unidade hoteleira para o descanso.

44% a perder rendimento

Nestas circunstâncias tão incertas, 52% dos habitantes da Grande Lisboa pensam tirar férias, percentagem igual ao do total nacional. Já o Norte (59%) e a AMP (55%) encontram-se acima da tendência nacional dos que não tencionam fazê-lo, tal como as pessoas com 65 ou mais anos (59%).

A sondagem debruça-se, também, sobre o impacto da crise sanitária nos rendimentos, que se cruza com os planos dos portugueses para este verão. Os dados apurados indicam que 44% dos inquiridos declararam ter tido quebra nos seus rendimentos, sendo que a AML está claramente acima da média (50%). São mais os homens (47%) do que as mulheres (42%) que afirmaram ter visto os rendimentos afetados e provêm, sobretudo, do grupo etário entre os 35 e 49 anos.

Em relação ao nível de poupança, manteve-se para 70% daqueles que não perderam dinheiro. Dos 30% que afirmaram o contrário, o Grande Porto apresenta um desempenho assinalável (43%) e a AML também se destacou (32%). Ou seja, foi nos dois maiores centros urbanos onde se pôs mais dinheiro de lado.

As outras regiões ficaram abaixo da média nacional, sendo de sublinhar que a população mais jovem, entre os 18 e os 34 anos, foi a que mais se empenhou em poupar (49%).

A sondagem da Aximage avalia, ainda, o comportamento face a uma despesa ou compra de valor importante: 56% responderam que não a adiaram. Dos 44% que tomaram decisão contrária, esses deixaram de adquirir equipamentos para o lar e a viagem de férias.

Ainda assim, uma percentagem significativa (40%) espera concretizar essa despesa importante até ao final deste ano.

Classes baixas adiaram menos compras avultadas

A decisão de adiar uma despesa avultada afetou menos a classe D (63%), a mais vulnerável, e as pessoas com 65 ou mais anos (86%). Foi na Área Metropolitana de Lisboa que a maior percentagem de inquiridos declarou ter tido quebras nos rendimentos (50%) e afirmou ter adiado esse gasto (51%). Foi também nesta zona do país que menos pessoas disseram ter condições para fazer, ainda em 2021, esse gasto importante (39%).

sábado, 10 de abril de 2021

MAIS DE 96 MIL PORTUGUESES ASSINARAM A PETIÇÃO PARA "AFASTAMENTO DO JUIZ IVO ROSA DE TODA A MAGISTRATURA"


A petição para o “Afastamento do Juiz Ivo Rosa de Toda a Magistratura” já reuniu, até ao momento, um total de 97.592 assinaturas.

Os portugueses não estão de acordo com as decisões levadas a cabo pelo juiz no passado e não se inibem de mostrar o seu descontentamento face à decisão instrutória do caso Marquês dada ontem a conhecer .

A  petição pública em questão refere que ” a conduta de Ivo Rosas já foi várias vezes posta em causa por parte do MP, por este sistematicamente violar as Leis, e criticado por Juízes desembargadores sobre decisões tomadas” e inúmera, inclusive, vários casos em que as suas decisões foram contestadas.

“Esta petição reflete também o descontentamento dos Cidadãos referente aos sucessivos erros do sistema informático para atribuição de Juiz à Operação Marquês, tendo esta precedido de vícios e a qual merece um sorteio claro sem erros informáticos. Subscrevemos que o mesmo não têm condições para ficar à frente do Processo “Operação Marquês””, pode ainda ler-se no mesmo documento.

Recorde-se que, esta quinta-feira, a decisão instrutória de Ivo Rosa fez cair 25 crimes de que Sócrates estava acusado, resultando com que este vá a julgamento acusado de seis crimes, em vez dos 31 iniciais.

MULHER QUE MORREU NO PORTO APÓS VACINAÇÃO RECEBEU VACINA DA PFIZER


A mulher de 61 anos, doente cardíaca, que morreu, no Porto, após ser vacinada contra a covid-1, recebeu a vacina da Pfizer.

A vítima, que recebeu a primeira dose da vacina da Pfizer, teve uma reação quase imediata. O INEM transportou a mulher para o Hospital de S. João, mas nada evitou o óbito.

A causa da morte é, ainda, desconhecida e só depois da autópsia se saberá se há alguma relação de causa-efeito com a vacinação anticovid.

Segundo revelou a Administração Regional de Saúde do Norte, a senhora era uma doente dependente, portadora de doença cardíaca em estado muito avançado.

Apesar da situação clínica grave foi indicada para vacinação e, depois de todos os esclarecimentos, aceitou ser inoculada com a primeira dose da Pfizer.

O agrupamentos de centros de saúde onde a mulher estava inscrita está a averiguar o cumprimento de todos os procedimentos clínicos definidos.

PELO MENOS 14 POLÍCIAS MORTOS EM ATAQUE DE GUERRILHAS NO MYANMAR


Pelo menos 14 polícias perderam a vida este sábado no noroeste do Myanmar (antiga Birmânia) durante um ataque coordenado por várias guerrilhas étnicas, noticiaram meios de comunicação locais.

O ataque, que deixou pelo menos cinco oficiais feridos e dois desaparecidos, aconteceu às primeiras horas do dia no estado de Shan, disse uma testemunha ao portal de notícias Irrawaddy.

Segunda esta fonte, o ataque foi lançado pelos grupos rebeldes Exército Arakan, Exército de Libertação Ta'ang e Exército Nacional da Aliança Democrática, guerrilhas étnicas que em finais de março lançaram um ultimato à junta militar pela repressão das manifestações em rejeição do golpe de Estado de 01 de fevereiro. Até ao momento, nenhum dos grupos reivindicou a ofensiva.

Estes três grupos armados emitiram previamente um comunicado conjunto, no qual advertiam o Exército birmanês de que se não cessasse as ações violentas e não satisfizesse as exigências da população colaborariam com os dissidentes nos protestos da chamada "Revolução da Primavera".

Os rebeldes ameaçaram anular o acordo de cessar-fogo se continuar a matança indiscriminada de manifestantes.

Pelo menos 618 pessoas perderam a vida durante a repressão dos protestos exercida pelas forças de segurança, segundo dados obtidos pela Associação para a Assistência de Presos Políticos (AAPP), que adverte que o número pode ser significativamente maior, devido à dificuldade de corroborar os dados.

Na cidade de Bago, a cerca de 70 quilómetros a noroeste de Rangun, as forças de segurança lançaram na sexta-feira artefactos explosivos e causaram um número indeterminado de mortos e feridos, apontam meios de comunicação locais.

O Irrawaddy também informa que hoje grupos armados do Exército para a Independência de Kachin e a União Nacional Karen lançaram uma série de ataques contra o regime, em resposta à alegada matança perpetrada pelas autoridades de Bago.

A violência das autoridades, no entanto, não chega para intimidar o lado do movimento de dissidência civil e hoje registaram-se protestos em várias cidades ao longo do país.

Os militares birmaneses justificaram o golpe de Estado com uma alegada fraude nas eleições de novembro, nas quais venceu e revalidou o poder o partido liderado por Aung San Suu Kyi, detida desde o início do motim, com o aval dos observadores internacionais, escreve a agência EFE.

CHUVA E GRANIZO DESTRUÍRAM CULTURAS AGRÍCOLAS NO FUNDÃO


Uma enorme quantidade de granizo que caiu na sexta-feira em algumas freguesias da zona sul do concelho do Fundão danificou equipamentos e causou prejuízos elevados nas culturas agrícolas, designadamente de produção de cereja, disse hoje à agência Lusa o presidente da Câmara.

"Foi uma tempestade de granizo muitíssimo forte e de grande violência, que apanhou um corredor na zona sul do concelho e que provocou prejuízos, quer ao nível de infraestruturas públicas e privadas, quer na agricultura", afirmou Paulo Fernandes.

O autarca deste concelho do distrito de Castelo Branco, que é considerado a principal zona de produção de cereja nacional, especificou que a tempestade afetou sobretudo as localidades de Póvoa de Atalaia, Atalaia do Campo, Castelo Novo e Soalheira.

Segundo apontou, em algumas zonas o granizo acumulado chegou a atingir mais de um metro de altura.

"Foi uma situação muito localizada, mas também muito rápida, extraordinariamente intensa, de uma enorme violência", afirmou.

Paulo Fernandes especificou que o levantamento dos prejuízos ainda está a ser realizado, mas adiantou que os danos na agricultura são elevados.

"Estamos com equipas no terreno, junto aos agricultores, e temos já conhecimento concreto de que há uma parte da produção agrícola nesse corredor que foi muito afetada, nomeadamente na produção frutícola de cereja e pêssego", disse.

Lembrando que aquela zona tem vários pomares de cereja, destacou a "enorme preocupação" com os efeitos causados, dado que já se está "na fase crítica" do início da frutificação.

Noutra componente, há ainda registo de vários equipamentos danificados, nomeadamente muros, vias e caminhos, bem como estruturas da rede de águas pluviais.

A autarquia está a realizar um relatório de toda a situação para apresentar ao Governo, de modo que possam ser acionadas linhas que ajudem agricultores e proprietários a minimizarem os prejuízos.

Frisando que, devido às alterações climáticas, os fenómenos meteorológicos extremos são cada vez mais frequentes, Paulo Fernandes reitera a importância de os seguros se poderem adequar às necessidades, bem como a necessidade de se apostar numa agricultura mais diversificada e sustentável.

sexta-feira, 9 de abril de 2021

COMBATE AO TRÁFICO DE SERES HUMANOS MOBILIZOU CEM INSPETORES DO SEF


Operação internacional permitiu, em seis dias, resgatar quase 500 vítimas e efetuar 195 detenções. Portugal continua a ser usado por redes criminosas

Uma operação coordenada pela Interpol permitiu, entre 28 de março e 2 de abril, resgatar perto de 500 vítimas de tráficos de seres humanos, incluindo crianças, e identificar 760 migrantes ilegais. Foram ainda detidas 195 pessoas, 88 das quais por tráfico de seres humanos e 63 por imigração ilegal. Outras detenções foram justificadas com crimes relacionados com furto, tráfico de droga e falsificação de documentos.

Foi precisamente este último crime que levou a que um homem fosse detido no Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa. O indivíduo estava a tentar usar um cartão de cidadão dado como roubado em França, em agosto do ano passado, e que constava do sistema de alertas da Interpol. O documento roubado foi sinalizado pelo Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), que participou na operação Weka com cem inspetores, no controlo dos postos de fronteiras portugueses. Em apenas seis dias, os inspetores do SEF fiscalizaram cerca de 130 mil passageiros, detetaram 78 medidas cautelares e deram cumprimento a seis mandados de captura.

Casamentos de conveniência com portugueses

Além de Portugal, a operação internacional envolveu outros 23 países, alguns de língua oficial portuguesa, como Angola, Brasil, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe. Segundo a Interpol, a troca de informações entre as autoridades de todos os países possibilitou a identificação de locais de origem, trânsito e destino do tráfico de pessoas e da imigração ilegal. Permitiu ainda, em alguns casos, avançar com investigações e desmantelar grupos que se dedicam à criminalidade organizada.

A última edição do Relatório Anual de Segurança Interna (RASI) já destacava o facto da "exploração laboral continuar a ser um fenómeno presente em Portugal". "Trabalhadores, maioritariamente nacionais da Roménia, Moldávia, Paquistão, Nepal e Índia, foram recrutados para o trabalho em campanhas sazonais, como a apanha da azeitona, castanha, frutos ou produtos hortícolas, sendo transportados para as explorações onde passam a trabalhar e a residir", descrevia o documento.

O RASI sinalizava também uma "rede organizada que angariava cidadãos portugueses para celebrarem casamentos de conveniência com indivíduos de nacionalidade nigeriana e uma rede transnacional de auxílio à imigração ilegal e falsificação/contrafação de documentos, com ramificações no Brasil, Portugal, Canadá, EUA, Reino Unido, Holanda e Luxemburgo". "Nesta investigação verificou-se uma evolução e modificação do modus operandi. A documentação fraudulenta era emitida com base em certidões de nascimento ou de casamento de alegados netos/bisnetos. Permitiu sinalizar casos de falsa identidade e de usurpação de identidade e identificar o envolvimento de 12 cidadãos brasileiros e de uma cidadã nacional", lia-se.

Fugiu a casamento forçado e foi alvo de abusos sexuais

Para a Interpol, a "operação Weka demonstrou, mais uma vez, a estreita ligação entre a imigração ilegal e o tráfico de seres humanos, particularmente numa crise de saúde global, quando os mais vulneráveis estão desesperados para escapar às dificuldades e as redes criminosas estão apenas desejosas de dar lucro". "Estas vítimas não podiam simplesmente afastar-se da situação horrível em que se encontravam e o sofrimento que suportaram. É por isso que o trabalho da Interpol não pára aqui. Continuaremos a ajudar os países a desemaranhar os problemas sensíveis e casos complexos, que, sem dúvida, irão gerar mais detenções nos meses vindouros", referiu o secretário-geral da Interpol, Jürgen Stock.

Um desses casos complexos envolveu uma rapariga congolesa, de 15 anos, que fugiu de um casamento forçado com a 'ajuda' de contrabandistas. Contudo, durante a viagem, a adolescente sofreu abusos sexuais até ser identificada e resgatada na Tunísia. As autoridades tentam ainda apurar se também foi explorada sexualmente.

MORREU O PRÍNCIPE FILIPE, MARIDO DE ISABEL II


A Família Real britânica anunciou, esta sexta-feira de manhã, a morte do Príncipe Filipe, Duque de Edimburgo e marido de Isabel II, a rainha de Inglaterra.

"Morreu pacificamente esta manhã no Castelo de Windsor", refere o comunicado da Coroa britânica. Tinha 99 anos.

O príncipe foi internado no dia 16 de fevereiro no hospital privado de Londres Rei Eduardo VII, tendo, entretanto, sido transferido para outro hospital da capital britânica, onde foi submetido "com sucesso" a uma cirurgia cardíaca. Teve alta no dia 16 de março.

O príncipe teve vários problemas cardíacos no passado, tendo sido levado, em 2011, de urgência para um hospital com dores no peito e recebido tratamento para uma artéria coronária bloqueada. Filipe retirou-se das funções públicas em 2017 e raramente aparecia em público.

Antes de sua hospitalização, Filipe encontrava-se isolado no Castelo de Windsor, a oeste de Londres, com a Rainha, que continua a exercer funções.

O príncipe casou-se com a então princesa Isabel em 1947, ambos tiveram quatro filhos, oito netos e nove bisnetos.

quinta-feira, 8 de abril de 2021

REINO UNIDO ALCANÇARÁ IMUNIDADE DE GRUPO NA PRÓXIMA SEMANA


O Reino Unido, que vacinou mais de metade de sua população adulta contra a covid-19, alcançará a chamada imunidade de grupo em 12 de abril, segundo dados publicados pela University College London (UCL).

De acordo com esses dados, a proteção da população contra o novo coronavírus, seja pela vacinação ou pela superação da doença, chegará a 73,4% da população no dia 12 de abril, data da segunda fase da flexibilização das restrições impostas para combater o SARS-CoV-2.

Essa percentagem, segundo especialistas daquela universidade, é suficiente para dizer que há imunidade de grupo, que ocorre quando um número suficiente de indivíduos está protegido contra uma determinada infeção e age como um escudo, evitando que o vírus atinja os desprotegidos.

De acordo com os últimos dados oficiais, mais de 31 milhões de pessoas receberam a primeira dose de uma vacina contra a covid-19 e mais de cinco milhões a segunda dose.

O especialista Karl Friston, da UCL, destacou o nível de imunidade da população visto que "mais de 50% dos adultos já foram vacinados" e um alto percentual "foi exposto ao vírus".

O jornal britânico "The Daily Telegraph", que teve acesso a este estudo da UCL, destacou a eficácia do modelo utilizado por esta universidade porque regista em tempo real óbitos, infeções, vacinações e hospitalizações.

Na próxima segunda-feira começa a segunda fase da flexibilização das medidas de restrição na Inglaterra, com a reabertura do comércio não essencial, cabeleireiros, salões de beleza ou ginásios.

A primeira fase da flexibilização das restrições teve início em 29 de março, quando terminou a recomendação de não sair de casa, enquanto a terceira fase está prevista para 17 de maio, com a retomada dos voos internacionais.

O Reino Unido está a vacinar com os medicamentos da BioNTech/Pfizer e da Oxford/AstraZeneca, enquanto o País de Gales começou a imunizar esta semana com a vacina da Moderna.

No entanto, reguladores britânicos recomendaram na quarta-feira não usar a vacina da AstraZeneca para pessoas com menos de 30 anos devido à possível ligação entre o medicamento e casos raros de coágulos sanguíneos.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.874.984 mortos no mundo, resultantes de mais de 132,3 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

DOENTE TERÁ MORTO OUTRO NA GRÉCIA DEVIDO AO BARULHO DO VENTILADOR

 


Um doente com covid-19 foi supostamente assassinado esta quinta-feira num hospital de Atenas pelo companheiro de quarto numa unidade de cuidados intensivos, depois de este, aparentemente, ter desligado o ventilador que assegurava as funções respiratórias para acabar com o ruído.

A vítima mortal, de 76 anos, foi encontrada morta de manhã por enfermeiros do Hospital da Cruz Vermelha de Atenas, dedicado exclusivamente a pacientes infetados com o novo coronavírus.

Os enfermeiros, depois de confirmarem o óbito, chamaram a polícia por se terem apercebido de sinais de sabotagem nos cabos do ventilador que assegurava a respiração da vítima.

A polícia acabou por deter o homem, um cidadão albanês de 60 anos, que estava internado no mesmo quarto e cujas impressões digitais foram encontradas nos equipamentos de ventilação.

Embora o suspeito não tenha confessado o crime, a polícia admite que a razão principal passe pelo facto de o ruído produzido pelas máquinas o ter incomodado, levando-o a desligar o equipamento.

Segundo a imprensa grega, o suspeito, que continua hospitalizado para tratamento apesar de detido, tem antecedentes criminais por agressões físicas e esteve envolvido num caso de assédio sexual a menores em 2019.

Na Grécia, existem atualmente 776 pacientes em unidades de cuidados intensivos, o maior número desde o início da pandemia.

No último mês, a pressão sobre os hospitais gregos tem vindo a aumentar, sobretudo nas unidades de cuidados intensivos de Atenas, onde a situação pandémica está mais gravosa.

Desde o início da pandemia, a Grécia acumulou 288.230 casos de covid-19 e 8680 mortes.

ESPLANADAS QUE NÃO CUMPRAM NORMAS PODERÃO SER ENCERRADAS


O Ministério da Administração Interna defende um reforço da fiscalização às esplanadas pelas forças de segurança, admitindo que estes espaços possam ser encerrados e os infratores responsabilizados em caso de incumprimento das regras em vigor.

O reforça da fiscalização nas esplanadas, que reabriram na segunda-feira no âmbito da segunda fase do desconfinamento, foi um dos assuntos da reunião da Estrutura de Monitorização do Estado de Emergência, que decorreu na quarta-feira, sob a coordenação do ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita,

Entre os vários temas abordados na reunião, que serviu para fazer um balanço da implementação das medidas em vigor no âmbito do combate à pandemia, o MAI destaca a atenção dada "ao reforço da fiscalização das esplanadas por parte das forças e serviços de segurança".

As entidades que fazem parte da Estrutura de Monitorização do Estado de Emergência admitem, em comunicado enviado esta quinta-feira às redações, que "o incumprimento das medidas de contenção da pandemia justifique o fecho antecipado desses espaços e a correspondente responsabilização dos infratores".

Os empresários dos estabelecimentos da restauração já se manifestaram preocupados com o incumprimento por parte de muitos clientes do uso da máscara nas esplanadas.

Outra das regras impostas para o funcionamento destes espaços tem a ver com a lotação.
Esta estrutura faz o acompanhamento e produz informação regular sobre as medidas em vigor no território do continente e no âmbito da pandemia, tendo reunido na quarta-feira pela 24.ª vez desde março de 2020.

Nesta reunião, por videoconferência, participaram os secretários de Estado das várias áreas governativas e de coordenação regional, além dos responsáveis pela GNR, PSP, SEF, Autoridade de Segurança Alimentar e Economia (ASAE), Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil e das Forças Armadas.

"A necessidade de uma maior fiscalização em setores de atividade onde têm surgido surtos de SARS-CoV-2 foi igualmente equacionada, tanto pelo atraso no controlo da pandemia como pelo efeito negativo nos riscos de incidência em concelhos com pouca população", refere o MAI, em comunicado.

VEREADOR DETIDO NO RIO DE JANEIRO SUSPEITO DE MATAR MENINO DE QUATRO ANOS

 


A Polícia Civil do Rio de Janeiro deteve, esta quinta-feira, o médico e vereador Jairo Souza Santos Júnior e a namorada, Monique Medeiros, por suposta participação na morte de um menino de quatro anos, num caso que chocou o Brasil.

O casal foi detido numa casa em Bangu, na zona oeste do Rio de Janeiro, depois de a Justiça decretar a prisão temporária por 30 dias na sequência de uma investigação sobre a morte do menino, que era filho de Monique Medeiros.

Após a detenção, os investigadores revelaram que Henry Borel Medeiros pode ter morrido após ser agredido pelo vereador, uma vez que, segundo as investigações, Jairo Júnior teria praticado pelo menos uma sessão de tortura contra o enteado semanas antes da sua morte.

A polícia brasileira também afirmou que o casal tentou interferir nas investigações, intimidou testemunhas e combinou versões sobre os acontecimentos da noite em que a criança morreu.

O caso ocorreu em 8 de março, quando o menino chegou morto a um hospital da Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro, com vários hematomas espalhados pelo corpo.

Em seguida, a mãe e o padrasto relataram que encontraram o menino inconsciente no seu quarto após ouvir um barulho e que tentaram socorrê-lo.

No entanto, um exame de medicina legal divulgado pelos meios de comunicação locais concluiu que as causas da morte foram "hemorragia interna" e "laceração hepática" produzidas por uma "ação forçada" (violenta), o que levantou suspeita sobre a versão contada pelo casal.

Durante as investigações, a polícia do Rio de Janeiro ouviu quase 20 testemunhas, entre parentes, vizinhos, trabalhadores, familiares e ex-namoradas do vereador, que relataram ter sofrido agressões praticadas pelo médico.

A morte de Henry Borel Medeiros gerou forte comoção no Brasil e, após a detenção, o casal foi recebido com gritos de "assassinos" na porta de uma delegacia, onde várias pessoas aguardavam a sua chegada.

PSP E GNR DETIVERAM 55 PESSOAS E MULTARAM QUASE 12 MIL EM 20 DIAS


A PSP e a GNR detiveram 55 pessoas por desobediência e registaram quase 12 mil contraordenações durante as ações de fiscalização realizadas entre 15 de março e 6 de abril no âmbito do estado de emergência.

Num comunicado divulgado esta quinta-feira após a reunião da Estrutura de Monitorização do Estado de Emergência, o Ministério da Administração Interna (MAI) faz um balanço das ações de fiscalização realizadas pela Guarda Nacional Republicana e Polícia de Segurança Pública, entre 15 de março e 6 de abril, no âmbito das medidas de combate à pandemia de covid-19.

Segundo o Ministério tutelado por Eduardo Cabrita, que coordena a Estrutura de Monitorização do Estado de Emergência, a PSP e GNR detiveram, durante aquele período, 55 pessoas pelo crime de desobediência, 12 das quais por violação da obrigação de confinamento obrigatório.

As duas forças de segurança encerraram também, entre 15 de março e 6 de abril, 81 estabelecimentos por incumprimento das normas estabelecidas.

"Dando cumprimento às determinações do decreto que regulamenta o estado de emergência, a GNR e a PSP têm desenvolvido uma intensa atividade de sensibilização, vigilância e fiscalização junto da população", precisa a nota do MAI.

No total, a GNR e a PSP instauraram, naquele período, 11.787 autos de contraordenação, sendo a maioria por incumprimento do dever geral de recolhimento domiciliário (5.817) e por circulação entre concelhos (2.710).

As duas forças de segurança registaram também 1.521 autos por consumo de bebidas alcoólicas na rua e 529 por incumprimento do uso de máscara nas vias e espaços públicos.

A Estrutura de Monitorização do Estado de Emergência faz o acompanhamento e produz informação regular sobre as medidas em vigor no território do continente e no âmbito da pandemia, tendo reunido na quarta-feira pela 24.ª vez desde março de 2020.

Nesta reunião, por videoconferência, participaram os secretários de Estado das várias áreas governativas e de coordenação regional, além dos responsáveis pela GNR, PSP, SEF, Autoridade de Segurança Alimentar e Economia (ASAE), Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil e das Forças Armadas.

Desde o início da pandemia, em março de 2020, foram diagnosticados em Portugal 825.633 casos de infeção pelo novo coronavírus e morreram 16.899 pessoas com covid-19, segundo os dados mais recentes da Direção-Geral da Saúde (DGS).

quarta-feira, 7 de abril de 2021

MORREU O PAI DE QUIM BARREIROS


Joaquim de Matos Fernandes Barreiros, faleceu hoje, aos 102 anos de idade. É pai de Quim Barreiros, o mítico padrinho da Queima das Fitas de Coimbra.

Quim Barreiros deu a notícia no Facebook: Meus amigos, quero vos comunicar que Deus chamou a Joia mais velhinha que eu tinha, o meu Pai.O meu heroi faleceu hoje, dia 7 de abril. Agradeço em meu nome e da minha Família os pêsames. Neste momento tão triste, não tenho mais palavras. Muito obrigado.

REINO UNIDO SUSPENDE VACINA DA ASTRAZENECA A MENORES DE 30 ANOS


Na sequência dos casos de formação de coágulos sanguíneos após administração da vacina da AstraZeneca, o Reino Unido decidiu suspender a inoculação deste composto a menores de 30 anos e dar outra vacina como alternativa.

Às pessoas entre os 18 e 29 anos será dada uma alternativa à vacina da AstraZeneca, anunciou, esta quarta-feira, o comité de apoio ao governo britânico no processo de vacinação.

"É preferível para adultos com menos de 30 anos sem condições de saúde subjacentes que os coloquem em maior risco de doença covid-19 grave receber uma vacina alternativa" à AstraZeneca, refere o Comité Conjunto de Vacinação e Imunização (Joint Committee on Vaccination and Immunisation, JCVI) em comunicado.

O regulador britânico do medicamento (MHRA) atualizou para 19 mortes entre 79 casos que desenvolveram tromboembolismos após receberem a vacina da AstraZeneca - dos quais 51 mulheres e 28 homens - com idades entre 18 e 79 anos.

A possível relação entre esta vacina e a formação de coágulos sanguíneos foi divulgada no final de março, quando já tinham sido administradas 18 milhões de doses da AstraZeneca no Reino Unido. Atualmente este valor já ascende a 21 milhões.

O regulador recomenda que quem já recebeu a primeira dose da vacina da AstraZeneca deve tomar a segunda dose. Só quem sofreu algum dos casos raros de coágulos sanguíneos que foram reportados é que não deve ser vacinado.

Esta quarta-feira, em conferência de imprensa, Jonathan Van-Tam, responsável pela pasta da Saúde no governo britânico, reiterou que os benefícios continuam a ser muito superiores para uma grande maioria, que os efeitos adversos são muito raros e que a eficácia da vacina está provada.

Também a Agência Europeia do Medicamento (EMA, na sigla em inglês) concluiu que os coágulos no sangue devem ser incluídos como efeitos secundários muitos raros na vacina da AstraZeneca. "Enquanto os testes clínicos permitem avaliar efeitos normais, efeitos mais raros só são detetados quando vacina é usada em grande escala", disse a diretora da MHRA, June Raine, numa conferência de imprensa.

A possível ligação da vacina da AstraZeneca e problemas de formação de coágulos sanguíneos levou a ministra da Saúde, Marta Temido, a convocar para esta quarta-feira uma reunião de urgência dos ministros da Saúde da UE, por videoconferência, no âmbito da presidência portuguesa do Conselho da UE.

Na terça-feira, a Universidade de Oxford anunciou a suspensão dos testes em crianças da vacina que desenvolveu com o laboratório anglo-sueco.

Esta quarta-feira começaram a ser administradas vacinas do laboratório Moderna. Até agora as vacinas da AstraZeneca/Oxford e da Pfizer/BioNtech eram as únicas vacinas incluídas no programa de inoculação que começou em dezembro no Reino Unido.

A limitação do uso da vacina AstraZeneca pode afetar a campanha de vacinação no país com mais mortes atribuídas a covid-19 na Europa, quase 127 mil desde o início da pandemia.

JOVEM DE 21 ANOS É ATACADA A FACADAS PELO PRÓPRIO PAI

Um homem, de 42 anos, é suspeito de matar a facadas a própria filha nesta segunda-feira(12) em Rodeio, no Vale do Itajaí, em  Santa Catarina...