google.com, pub-4886806822608283, DIRECT, f08c47fec0942fa0

tradutor com bandeiras. Google Translate

domingo, 24 de janeiro de 2021

QUATRO JOGADORES E PRESIDENTE DO PALMAS MORREM EM ACIDENTE A√ČREO


     Piloto tamb√©m n√£o sobreviveu ap√≥s queda e explos√£o da aeronave

A queda de um avi√£o de pequeno porte, logo ap√≥s a decolagem, na manh√£ deste domingo (24/01), causou a morte de quatro jogadores e do presidente do Palmas-TO, al√©m do piloto. A aeronave foi tomada pelas chamas, ap√≥s a queda em uma pista de pouso particular no distrito de Luzimangues (TO), a cerca de oito quil√īmetros da capital Palmas. Morreram o presidente do clube, Lucas Meira, de 32 anos;  os jogadores Lucas Praxedes (23 anos), Guilherme No√© (28), Ranule (27), e Marcus Molinari (23), al√©m do piloto da aeronave, identificado apenas como Wagner.

O time da S√©rie D do Campeonato Brasileiro viajaria nesta manh√£ para Goi√Ęnia, onde jogaria nesta segunda-feira (25/01) com o Vila Nova, em partida das oitavas de final da Copa Verde. A partida foi suspensa pela Confedera√ß√£o Brasileira de Futebol (CBF). Em nota de pesar a entidade disse estar “profundamente consternada”, se solidarizou com as fam√≠lias das v√≠timas, e decretou que seja respeitado um minuto de sil√™ncio em todos os jogos deste domingo no pa√≠s.

A trag√©dia causou como√ß√£o e in√ļmeras homenagens foram publicadas nas redes sociais. O Vila Nova, que enfrentaria o Palmas amanh√£, foi um dos primeiros a postar mensagem de pesar.

SPACE X LAN√áA 143 SAT√ČLITES E CINZAS HUMANAS NUM FOGUETE


A SpaceX enviou, este domingo, um recorde de 143 sat√©lites num √ļnico foguete, como parte do novo programa de carga partilhada entre empresas a um custo mais baixo, entre as quais a funer√°ria Celestis, que mandou c√°psulas de cinzas humanas.

A denominada missão Transporter-1, a partir de Cabo Canaveral, deu hoje início ao programa de redução de custos SmallSat Rideshare, segundo o qual um pequeno satélite de uma empresa pode viajar até ao espaço em outras naves espaciais em vez de comprar um foguete completo a um preço muito mais elevado.

O pre√ßo por enviar 200 quilos de carga para uma √≥rbita helioss√≠ncrona √© de um milh√£o de d√≥lares (cerca de 821 mil euros, √† taxa de c√Ęmbio atual).

Depois da tentativa fracassada no s√°bado, devido a m√°s condi√ß√Ķes meteorol√≥gicas, a SpaceX lan√ßou hoje com √™xito o foguete Falcon 9 com 133 sat√©lites pequenos, entre eles um contentor cheio de restos humanos cremados da Celestis, e 10 mais do programa Starlink Internet da empresa.

O recorde anterior foi registado h√° quatro anos, com o foguete PSLV da √ćndia, com 104 sat√©lites.

A missão Transporter-1 acontece a quatro dias depois do lançamento de mais 60 satélites da rede Starlink da SpaceX, com os quais a empresa pretende fornecer Internet de alta velocidade em qualquer parte do mundo.

O objetivo da SpaceX √© colocar 1584 sat√©lites na √≥rbita terrestre a 549 quil√≥metros acima da Terra, uma dist√Ęncia menor que a habitual para estes dispositivos comerciais.

A SpaceX foi fundada em 2002 pelo empres√°rio Elon Musk, presidente executivo da Tesla.

VIDEO: MOMENTO DA DETENÇÃO DOS JOVENS QUE FUGIRAM À PSP NO PORTO


Um condutor que estava a chegar √† rotunda da Bonj√≥ia, no Porto, onde a PSP realizava uma opera√ß√£o de fiscaliza√ß√£o, este s√°bado, fugiu a alta velocidade.

O veiculo foi intercetado na VCI e os dois ocupantes foram detidos. 

O condutor n√£o tem carta.

SISMO DE MAGNITUDE 7,1 ATINGE ANT√ĀRTIDA. CHILE PEDE PARA PESSOAS ABANDONAREM PRAIAS


Autoridades chilenas emitiram um alerta de emergência.

Um sismo de magnitude 7,1 na escala de Richter atingiu no sábado a Antártida e as autoridades chilenas emitiram um alerta de emergência, pedindo às pessoas para abandonar zonas de praia.

A Oficina Nacional de Emerg√™ncia, um √≥rg√£o da al√ßada do Minist√©rio da Administra√ß√£o Interna do Chile, explicou que o sismo se deu a 216 quil√≥metros a noroeste da base O´Higgins, a maior que o Chile tem no continente gelado. Os militares foram prontamente retirados.

Depois do sismo, foi emitido um alerta de tsunami e até ao momento não há registo de vítimas.

PSP DE ESPINHO IDENTIFICA 12 CLIENTES EM UM CAF√Č E SEM M√ĀSCARA


A Divisão da PSP de Espinho, através da sua Esquadra de Investigação Criminal, identificou, na tarde de sexta-feira, 12 pessoas e o proprietário de um café em Anta/Guetim. Estavam a tomar café, contrariando as normas do estado de emergência.

A a√ß√£o da PSP ocorreu pelas 18.15 horas, com os agentes a confirmarem o funcionamento em pleno do caf√©, em desobedi√™ncia √†s normas em vigor para o per√≠odo de estado de emerg√™ncia pand√©mico, servindo caf√©s e outro tipo de bebidas.

Os 12 clientes foram identificados, estando a incumprir com o impedimento de permanência no interior do estabelecimento, a proibição de ajuntamento de mais de seis pessoas e ainda a não utilização de máscara.

O proprietário do café foi alvo de um auto de notícia por desobediência que será remetido a tribunal e pelo qual virá a responder pelo respetivo crime de desobediência.

Também os clientes serão alvo de autos de notícia por contra-ordenação por não utilização/uso de mascara. Incorrem numa coima mínima de 200 euros.

Outros casos

A PSP de Espinho est√° a fazer uma vigil√Ęncia ativa no concelho com v√°rios elementos na rua.

O proprietário de um café de Silvalde foi, este sábado à tarde, alvo de um auto por parte da PSP de Espinho por estar a servir cafés a clientes.

Também um condutor foi alvo de um auto por estar a circular fora do concelho de origem. O homem é residente em Ovar e encontrava-se em Espinho.

ORDEM DIZ QUE MORRERAM MAIS TR√äS M√ČDICOS NOS √öLTIMOS DIAS V√ćTIMAS DE COVID-19

 


A Ordem dos M√©dicos (OM) informou hoje que morreram mais tr√™s m√©dicos v√≠timas de covid-19, nos √ļltimos dias, e voltou a apelar ao Governo para que melhore as condi√ß√Ķes de trabalho para reduzir o risco de infe√ß√£o.

Depois de expressar uma homenagem p√ļblica aos colegas, o baston√°rio da OM, Miguel Guimar√£es, tamb√©m critica que o plano de vacina√ß√£o contra a covid-19 em Portugal "continue a deixar milhares de m√©dicos de fora desta fase, prejudicando quem est√° no terreno a salvar vidas".

"Vivemos tempos de grande pesar nacional, com muitos portugueses a perderem a vida todos os dias por causa da pandemia, sejam doentes covid ou não covid, e isso não nos pode nunca sossegar", frisa num comunicado, onde reitera a homenagem aos colegas e dirige "uma palavra especial de gratidão e de solidariedade", às famílias.

O baston√°rio explica que, no total, chegaram ao conhecimento da Ordem dos M√©dicos seis √≥bitos de m√©dicos com covid-19, mas ressalva que s√≥ a tutela tem na sua posse dados a n√≠vel nacional que permitam saber efetivamente quantos m√©dicos morreram no combate √† pandemia.

"Como temos vindo a dizer desde o in√≠cio, era muito importante que o Minist√©rio da Sa√ļde divulgasse com mais regularidade os n√ļmeros relacionados com o impacto da pandemia nos profissionais de sa√ļde, tanto em termos de infe√ß√Ķes como de √≥bitos ou doentes recuperados", refor√ßa.

Miguel Guimar√£es tamb√©m reivindica "medidas mais eficazes que permitam que os servi√ßos de sa√ļde tenham menos press√£o e que os m√©dicos e restantes profissionais trabalhem com mais seguran√ßa, mais meios e mais equipamentos de prote√ß√£o, por eles e pelos doentes".

Segundo refere, "muitos m√©dicos do SNS e do setor privado e social continuam por vacinar e sem uma explica√ß√£o".

Lembrando que a OM j√° alertou para o impacto que isto pode ter na vida dos pr√≥prios m√©dicos e dos doentes, explica que a listagem de m√©dicos que est√£o a trabalhar fora do Servi√ßo Nacional de Sa√ļde (SNS), ou no SNS atrav√©s de empresas prestadoras de servi√ßos, e que queriam ser vacinados engloba um total de 6.562 profissionais.

Desses, vinca, "nem meia centena ter√£o chegado a receber a vacina", apesar de a lista ter sido disponibilizada ao Minist√©rio da Sa√ļde, quer num primeiro levantamento que apontava 4.000 m√©dicos, quer com os n√ļmeros mais recentes.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.107.903 mortos resultantes de mais de 98,1 milh√Ķes de casos de infe√ß√£o em todo o mundo, segundo um balan√ßo feito pela ag√™ncia francesa AFP.

s√°bado, 23 de janeiro de 2021

VIDEO: PSP DET√ČM DOIS HOMENS QUE TENTARAM FUGIR A OPERA√á√ÉO STOP NO PORTO. RUI MOREIRA "APANHA" SUSTO


Dois homens foram hoje detidos ap√≥s terem fugido de uma opera√ß√£o Stop que decorre no Porto e junta a PSP e a Pol√≠cia Municipal e do carro onde seguiam se ter despistado na ponte do Freixo. O Presidente da C√Ęmara Municipal do Porto, Rui Moreira, estava a ser entrevistado no local e teve que se desviar face ao aparato do incidente.

Um carro de marca Fiat foi mandado parar pelas autoridades, mas os ocupantes decidiram furar a operação Stop vindo a despistar-se.

Os ocupantes do veículo tentaram fugir a pé, mas foram detidos pela PSP do Porto.

Rui Moreira estava a ser entrevistado no local quando o incidente aconteceu.

Em declara√ß√Ķes aos jornalistas, a comandante do Comando Metropolitano do Porto da PSP, Paula Peneda, disse que o condutor n√£o tinha habilita√ß√£o legal.

A mesma fonte apontou que a detenção também se deve a falta de seguro do veículo válido.

SURTO NO CONTINENTE DE COIMBRA OBRIGA A TESTES EM MASSA


Todos os colaboradores do Continente CoimbraShopping foram testados, seguindo indica√ß√Ķes da autoridade de sa√ļde local.

Um surto de covid-19 entre os funcion√°rios do Continente de Coimbra obrigou a que todos os funcion√°rios do estabelecimento fossem testados e os procedimentos de desinfe√ß√£o e limpeza refor√ßados, adiantou fonte da Sonae MC, ao JN.

A notícia, avançada pelo Diário As Beiras, contabiliza pelo menos uma funcionária morta devido ao vírus e outra internada em cuidados intensivos. Segundo o diário, os casos confirmados acabaram por levar também ao isolamento profilático de "dezenas de funcionários, incluindo o diretor da loja".

De acordo com esclarecimento enviado ao JN pela Sonae MC, o plano de conting√™ncia da empresa prev√™ que "em qualquer caso suspeito de covid-19 ou de colaborador confirmado procede-se ao seu distanciamento das instala√ß√Ķes e √© imediatamente contactada a autoridade de Sa√ļde, sendo esta que, a partir desse momento, orienta toda a atua√ß√£o da empresa". Al√©m disso, acrescenta, "a empresa procede √† limpeza/desinfe√ß√£o da √°rea".

Entre outras medidas de prevenção, o Continente sublinha que procede à verificação de temperatura e despiste de sintomas "a todos os colaboradores, prestadores de serviço e de trabalho temporário antes de darem entrada". A empresa assegura, ainda, que reforçou "a segurança, higiene e limpeza dos locais de trabalho, das zonas sociais e de todas as lojas e entrepostos, bem como a desinfeção de todos os carrinhos de compras e veículos de transporte de mercadorias", sendo esta "uma operação diária e repetida várias vezes ao dia".

MULTAS S√ÉO PARA PAGAR NA HORA E √Č PRECISO COMPROVATIVO PARA PASSEIO


O governo indicou √†s for√ßas de seguran√ßa que v√£o policiar o cumprimento das regras de confinamento para privilegiar "a cobran√ßa imediata das coimas devidas pela viola√ß√£o das regras de confinamento".

Num comunicado enviado √†s reda√ß√Ķes, o Minist√©rio da Administra√ß√£o Interna (MAI) informou que "nos casos em que n√£o haja lugar ao pagamento imediato das coimas, isso implicar√° pagar tamb√©m as custas processuais aplic√°veis e a majora√ß√£o da culpa no determinar do valor da coima".

"Outra orienta√ß√£o diz respeito √† exig√™ncia do comprovativo que justifique qualquer das situa√ß√Ķes de exce√ß√£o admitidas no Estado de Emerg√™ncia, nomeadamente as desloca√ß√Ķes para desempenho de atividades profissionais ou equiparadas, para acesso a servi√ßos p√ļblicos e participa√ß√£o em atos processuais, por motivos de sa√ļde ou assist√™ncia a terceiros e para passeios higi√©nicos", √© referido.

O MAI esclarece ainda que "sempre que essas situa√ß√Ķes n√£o estejam devidamente documentadas ou atestadas, as for√ßas de seguran√ßa devem requerer o respetivo comprovativo das raz√Ķes que justificam a desloca√ß√£o".

Al√©m disso, "as exce√ß√Ķes ao dever geral de recolhimento t√™m igualmente de ser justificadas, incluindo a pr√°tica de exerc√≠cio f√≠sico e desportivo ou o passeio de animais de companhia na zona de resid√™ncia".

Tal justifica√ß√£o dever√° ser feita "atrav√©s de documento comprovativo da morada, n√£o sendo admitidas as desloca√ß√Ķes em ve√≠culo autom√≥vel para aqueles efeitos".

Serão admitidos os comprovativos da aquisição de bens ou serviços essenciais, assim como a indicação, sob compromisso de honra, da deslocação a efetuar.

O MAI reitera que as orienta√ß√Ķes visam permitir que "a GNR e a PSP contribuam decisivamente para o decr√©scimo de movimenta√ß√£o na via p√ļblica e a invers√£o do crescimento acelerado da pandemia".

ADRIANO GANHOU O TOTOLOTO MAS MORREU NA MIS√ČRIA


Adriano Casal recebeu um prémio de 73 mil contos, aproximadamente 400 mil euros, no jogo. Pouco tempo depois, voltou a ficar sem nada.

«Tentaram-me dar a volta, dei tudo, s√≥ comprei uma mota», confessou, h√° dias no programa da manh√£ da TVI, o homem que chegou a trabalhar para a Junta de Freguesia de Esmoriz.

Vivia na mis√©ria, numa casa sem condi√ß√Ķes, com 80 euros por m√™s: «Tenho dias que n√£o como, j√° estou habituado».

Na TVI, Maria Botelho Moniz e Cl√°udio Ramos souberam da hist√≥ria e mostraram-se inconformados com a situa√ß√£o de Adriano Casal, mas esta manh√£, informaram que o homem que sensibilizou o p√ļblico e gerou uma onda de solidariedade √† sua volta, faleceu v√≠tima de paragem cardiorrespirat√≥ria.

Houve um momento na vida de Adriano Casal, 67 anos, em que o conceito de justi√ßa divina quis dar um ar da sua gra√ßa. Era 2001, agosto de 2001, um s√°bado. Mais um s√°bado em que Adriano, ent√£o com 48 anos, andava pelas redondezas do Parque Jo√£o de Deus, em Espinho, “a guardar uns carritos”. Mais um s√°bado em que deu um salto ao caf√© com o colega que todas as semanas, naquele dia, fazia quest√£o de lhe pagar o gal√£o.

Foi quando se lembrou de perguntar pelos n√ļmeros do Totoloto. “Ele foi buscar o jornal e come√ßou a dizer-me os n√ļmeros. E eu a ver o 17, o 19, o 21… eu sabia que jogava naqueles n√ļmeros. Achei que tinha para a√≠ um tr√™s ou um quatro. J√° dava para o lanchezinho e para o tabaquito, pensei.” O colega nem quis crer. “Tens agora…”, duvidou. E ele l√° foi ligeirinho, ao “quartito” onde vivia na altura, perto do tribunal, buscar o boletim que haveria de tirar a teima.

Adriano equivocou-se, sim, mas s√≥ por defeito. Porque os “tr√™s ou quatro n√ļmeros” que lhe dizia terem sa√≠do eram afinal sete. “0 17, o 19, o 21, o 23, o 24, o 26, o 27.” Nunca mais os esqueceu. Como podia, se o palpite certeiro lhe valeu 400 mil euros, 300 e muitos milhares ap√≥s impostos. “Sa√≠ram-me 73 mil contos, menina”, recorda Adriano, um sorriso t√≠mido a denunciar um misto de j√ļbilo e vergonha.

Logo a ele, que nunca antes soube o que era a sorte. Logo ele que, em 1979, quando trabalhava numa f√°brica de alum√≠nios em Grij√≥, sofreu um acidente t√£o aparatoso que pouco lhe restou do que era a vida at√© a√≠. O pai e o colega, com quem seguia para Lisboa de madrugada, numa viagem de trabalho, morreram logo ali. Ele ficou em coma, uns tr√™s meses, diz. “Quando acordei nem sabia que namorava.”

Acabaria por recuperar a memória, não o trabalho. Deram-lhe a invalidez. Foi fazendo uns biscates. Passado uns tempos casou. E teve uma filha. Mas seis anos depois a mulher deixou-o. Ele cambaleou. Durante uns tempos ainda tinha o dinheiro do seguro a servir de bengala. Depois até isso perdeu. E o caminho estreitou-se perigosamente.

“Arrumei carros, passei fome, cheguei a dormir na rua. Andei por a√≠ ‘√≥ tio, √≥ tio’”, lembra, um travo de amargura na voz. Com a filha ainda ia estando, enquanto ela ficou com os av√≥s maternos (a m√£e tinha emigrado para a Alemanha com o novo companheiro). Mas depois tamb√©m ela se mudou para It√°lia. “Nunca mais a vi. Sei que j√° tenho um neto mas nunca o vi. √Č um desgosto que tenho.”

Foi por isso, pelo acidente que lhe levou o trabalho, pela mulher que o deixou, pela filha que n√£o viu mais, pela fome que passou e por tudo o resto que aquele s√°bado pareceu obra de uma justi√ßa divina. Ele garante que n√£o se perdeu em euforias ainda assim. “Se quer que lhe diga acho que fiquei normal, parecia que mesmo assim n√£o acreditava.” Mas a vida mudou num repente. “Vinha toda a gente ter comigo, falar-me no pr√©mio, pedir dinheiro. E eu dava. A tudo e a todos. Pediam-me 500 e eu dava 1000.”

Chegou a querer oferecer um carro a uma jovem que o ajudou nos tempos da pen√ļria. Ela √© que nunca aceitou. Com outros n√£o teve tanta sorte. A dada altura comprou uma casa. E um casal que se dizia amigo – era, afinal, o oposto disso, como haveria de perceber demasiado tarde – prometeu-lhe comida, dormida e companhia at√© morrer, caso Adriano aceitasse passar a casa para o nome deles. Estranhamente, ele acedeu.

“Sempre fui um gajo de cora√ß√£o aberto, mole. E na altura n√£o tive ningu√©m ao meu lado, que me ajudasse, que me aconselhasse.” S√≥ assim se explica que n√£o tenha visto o conto do vig√°rio a anunciar-se. Nem um ano depois, tinham-no posto fora de casa. Do grande pr√©mio que tinha recebido j√° nada restava. “Eu digo-lhe, se gastei uns dez mil contos comigo foi muito. Comprei a casa, uma motinha e emprestei a muita gente.”

Certo √© que ano e meio volvido desde aquele s√°bado aconchegante de agosto, l√° estava ele, de volta √† rua, a arrumar carros, por vezes a comer uma √ļnica sande em todo o dia, aquela ilus√≥ria promessa de justi√ßa divina a revelar-se s√≥ uma fal√°cia monumental, como se o universo se risse dele a bandeiras despregadas. Em janeiro de 2004, era not√≠cia no JN. “Arrumador regressa √† rua depois de ter ganho totoloto.” Na altura, supostos amigos garantiam que parte da fortuna tinha sido gasta no jogo e em mulheres. Ele nega tudo. “Nunca fui gajo de v√≠cios. Nem √°lcool, nem droga. O √ļnico v√≠cio que tenho √© o tabaquito.”

Desde ent√£o, foi resistindo como p√īde. Depois de anos na rua, a “viver com o dinheiro dos carritos”, teve a ajuda do Centro Social de Paramos (Espinho), onde chegou a pernoitar. Mais tarde, do Centro de Assist√™ncia Social de Esmoriz. Foram eles que o ajudaram a encontrar a casinha onde reside agora, um r√©s-do-ch√£o l√ļgubre e pouco acolhedor, que lhe permite viver em paz com uma cadela e duas gatas. Desde dezembro que vai recebendo a reforma. 300 e poucos euros, dos quais mais de 200 v√£o diretos para a renda da casa e despesas.

“Sobram-me 80 euritos, que mal ou bem v√£o dando para aquilo que eu preciso.” Tantos anos depois, continua a jogar, agora no Euromilh√Ķes, com cinco dos sete n√ļmeros que h√° 19 anos lhe valeram o grande pr√©mio. “Todas as semanas. Eu sei que √© um bocadinho imposs√≠vel voltar a sair, mas n√£o h√° uma sem duas, n√£o √©?” E se o imposs√≠vel acontecesse, voltava a dar a torto e a direito? “Se quer que lhe diga acho que sim. Eu sou assim. Dou at√© ao √ļltimo tost√£o. Tinha s√≥ mais cuidado com os oportunistas.”

APOIO AOS PAIS: √Č ESTA A DECLARA√á√ÉO QUE TEM DE PREENCHER


A Segurança Social já disponibilizou a declaração que os trabalhadores têm de preencher para terem acesso ao apoio que será dado por causa do encerramento de escolas. O formulário deve ser preenchido e enviado à empresa.

A Seguran√ßa Social j√° disponibilizou o requerimento que os trabalhadores com filhos menores de 12 anos t√™m de preencher para terem direito ao um apoio que compensa parcialmente o que perdem caso tenham de faltar ao trabalho, devido ao encerramento das escolas.

A declara√ß√£o est√° dispon√≠vel neste site, deve ser remetida pelo trabalhador √† entidades empregadora, e serve igualmente para justificar as faltas ao trabalho.

Em causa está um apoio equivalente a 66% da remuneração base, com o valor mínimo de 665 euros e máximo de 1.995 euros, que ainda será sujeito a impostos e a TSU.

A Seguran√ßa Social confirma que o apoio s√≥ √© dado a um dos progenitores, e que basta que um deles esteja em teletrabalho para n√£o ser dado a nenhum. 

sexta-feira, 22 de janeiro de 2021

NOVO CHIP APROXIMA ROB√ĒS DO SER HUMANO


Os investigadores de intelig√™ncia artificial do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT na sigla em ingl√™s) est√£o a desenvolver "c√©rebros" personalizados para rob√īs, com o objetivo de acelerar o tempo de resposta das m√°quinas e aproxim√°-las do ser humano.

Os novos chips v√£o permitir ao rob√ī desenvolver capacidades f√≠sicas e captar est√≠mulos da mesma forma que o ser humano, algo que n√£o √© poss√≠vel com os chips convencionais.

Com base na configura√ß√£o de hardware do rob√ī e as capacidades de dete√ß√£o f√≠sica, os chips ir√£o permitir que a intera√ß√£o entre os rob√īs e os humanos seja mais natural. Al√©m disso, Sabrina Neuman, investigadora principal do Laborat√≥rio de Inform√°tica e Intelig√™ncia Artificial do MIT, salienta que desta forma poder√£o tamb√©m executar tarefas antes imposs√≠veis, como, por exemplo, prestar cuidados m√©dicos na linha da frente a pacientes contagiosos, de forma a reduzir o risco de infe√ß√£o dos profissionais de sa√ļde.

"Para que os rob√īs possam ser implantados no terreno e operar em seguran√ßa em ambientes din√Ęmicos em torno de seres humanos, precisam de ser capazes de pensar e reagir muito rapidamente, e neste momento os algoritmos atuais n√£o podem ser executados no hardware atual da CPU com a rapidez suficiente", explica Brian Plancher, coautor da investiga√ß√£o, da Universidade de Harvard.

Assim, a "robomorphic computing" √© a nova abordagem desenvolvida pela equipa de investigadores, que produziu um chip oito vezes mais r√°pido do que um CPU n√£o personalizado, mas a uma velocidade de rel√≥gio lenta. "Fiquei entusiasmada com estes resultados", explica Neuman.

Robin Deits, engenheiro de rob√≥tica da Boston Dynamics, real√ßa que o facto de os rob√īs pensarem mais r√°pido, faz com que possam vir a "desbloquear comportamentos excitantes que anteriormente seriam demasiado dif√≠ceis em termos computacionais".

Destaca ainda que o desempenho do software √© fundamental na rob√≥tica, uma vez que "o mundo real nunca espera que o rob√ī acabe de pensar".

A investiga√ß√£o ser√° apresentada em abril, na Confer√™ncia Internacional sobre Apoio Arquitet√≥nico para Linguagens de Programa√ß√£o e Sistemas Operativos.

OMS DIZ QUE HUMANIDADE VAI TER DE CONVIVER COM A COVID-19 NO FUTURO PR√ďXIMO


A humanidade vai poder ter de conviver com a covid-19 no futuro pr√≥ximo, tal como o faz com a SIDA, outra doen√ßa originada num v√≠rus de origem animal, disse esta sexta-feira o enviado especial para a pandemia na Organiza√ß√£o Mundial de Sa√ļde David Nabarro.

"Eu evito falar da vida depois da covid. Penso que este v√≠rus vai provavelmente viver com a ra√ßa humana no futuro pr√≥ximo. Penso que a humanidade deve aprender a viver com a covid como uma presen√ßa constante", afirmou, durante um webinar organizado pela consultora Global Counsel, questionado pelo antigo comiss√°rio europeu Peter Mandelson.

 Nabarro, brit√Ęnico formado em medicina e com uma larga experi√™ncia em miss√Ķes internacionais de combate √† mal√°ria, √©bola ou gripe das aves, lembrou que o VIH √© outro v√≠rus de origem animal que afeta os humanos e com cuja doen√ßa, a SIDA, t√™m de conviver.

"Mas encontr√°mos formas de adaptar as nossas vidas pessoais e cuidados de sa√ļde, para se seja poss√≠vel, gra√ßas aos cientistas, viver com os riscos colocados pelo VIH. A humanidade foi capaz de empurrar o VIH para uma situa√ß√£o em que √© uma amea√ßa com a qual podemos viver", vincou.

Identificada nos anos 1980, a SIDA é doença transmitida por via sexual ou sanguínea para a qual ainda não existe vacina ou cura definitiva, mas para a qual foram desenvolvidas terapêuticas que podem prolongar a vida do infetado.

Embora tenham sido desenvolvidas vacinas contra a covid-19 que já começaram a ser administradas, não é certo que garantam uma imunidade completa e duradoura.

Novos vírus

Durante o evento, intitulado "Sa√ļde p√ļblica global em tempos de crise", Nabarro referiu que existe um grande risco de novas pandemias e que 75% dos novos v√≠rus v√™m do mundo animal, embora muitos surtos locais acabem por n√£o se espalhar mundialmente.

Nabarro explicou que estes v√≠rus est√£o a ficar mais frequentes "porque estamos t√£o determinados em expandir para √°reas que usamos para produzir comida ou minera√ß√£o ou atividades de lazer".

Os "humanos querem entrar nos habitats onde existem animais que podem transportar este tipo de v√≠rus. Temos de reduzir a nossa press√£o sobre habitats onde pode existir pat√≥genos que podem contagiar humanos", acrescentou.

PARC√ďMETROS DE GAIA DE BORLA AT√Č FINAL DE FEVEREIRO


O pagamento dos parc√≥metros de Gaia estar√° suspenso entre este s√°bado e o final de fevereiro. A C√Ęmara vai ressarcir as empresas concession√°rias pela aus√™ncia de receita nesse per√≠odo.

"No quadro da atual pandemia relacionada com o novo coronav√≠rus - Covid 19, por raz√Ķes de sa√ļde p√ļblica e da salvaguarda de todos, a Parquegil e a Telef decidiram proceder à suspens√£o dos seus servi√ßos de concess√£o a partir do dia 23 de janeiro, e até ao final do m√™s de fevereiro", informou a C√Ęmara de Gaia, em comunicado.

"A decis√£o foi tomada pela C√Ęmara Municipal de Vila Nova de Gaia e fará com que o estacionamento de rua no concelho, nas √°reas concessionadas a estas empresas, n√£o seja taxado durante este per√≠odo, assumindo o munic√≠pio o seu pagamento √†s empresas", acrescenta o documento.

COSTA FOI APANHADO EM ESCUTAS TELEF√ďNICAS NO CASO DO HIDROG√ČNIO VERDE


Presidente do Supremo Tribunal de Justi√ßa mandou eliminar escutas, mas Minist√©rio P√ļblico recorreu.

O primeiro-ministro foi apanhado acidentalmente em escutas telefónicas no caso do hidrogénio verde.

De acordo com o jornal Expresso, Ant√≥nio Costa foi ouvido em conversas telef√≥nicas com o ministro do Ambiente Matos Fernandes que era o alvo do Minist√©rio P√ļblico.

As duas escutas, segundo fonte judicial citada pelo seman√°rio, foram mandadas destruir pelo presidente do Supremo Tribunal de Justi√ßa. Ant√≥nio Pi√ßarra considerou que n√£o tinham ind√≠cio criminal relevante, mas o Minist√©rio P√ļblico recorreu da decis√£o.

Agora será um juiz conselheiro a decidir se serão destruídas ou se se juntam ao processo em que estão a ser investigados João Galamba e Siza Vieira.

O secretário de Estado-adjunto e da Energia e o ministro da Economia ainda não foram constituídos arguidos. Serão suspeitos de favorecer um consórcio que pretende criar em Sines um projeto industrial de hidrogénio verde.

CASAL COM COVID ANDAVA A PASSEAR NA RUA E FOI DETIDO


Mulher testou positivo para a covid-19 e o companheiro devia estar em isolamento profil√°tico, por ser contacto de risco.

Uma patrulha da GNR de Vila Flor, distrito de Bragan√ßa, deteve, na quinta-feira, um casal que passeava na via p√ļblica, numa aldeia daquele concelho, por incumprimento da medida de isolamento profil√°tico determinada pelas autoridades de sa√ļde.

Em comunicado, aquela for√ßa de seguran√ßa adianta que a deten√ß√£o da mulher de 60 anos e do homem, de 59, ocorreu na sequ√™ncia de uma a√ß√£o de verifica√ß√£o das medidas de isolamento profil√°tico. "Os militares deslocaram-se √† resid√™ncia dos visados, onde verificaram que se tinham ausentado do domic√≠lio. Ap√≥s dilig√™ncias policiais, foi poss√≠vel confirmar que os suspeitos se encontravam a passear na via p√ļblica".

Ao que o JN apurou, o casal reside na aldeia de Sampaio. A mulher ainda deveria estar em isolamento pelo facto de ter testado positivo para a covid-19 e o homem tinha indica√ß√£o para estar em isolamento profil√°tico por ser considerado um contacto de risco e aguardava resultado de teste de despistagem.

Ambos "foram conduzidos √† sua resid√™ncia, constitu√≠dos arguidos, e os factos foram remetidos ao Tribunal Judicial de Vila Flor", adianta o comunicado.

Na sua forma simples, a prática de um crime de desobediência pode ser punível com pena de prisão até 1 ano, ou com pena de multa até 120 dias.

Pouco tempo depois desta ocorrência, foi conhecido o resultado do teste do homem de 59 anos que deu positivo.

H√Ā 30 VENTILADORES AVARIADOS NO ALGARVE E NINGU√ČM PEDE O REEMBOLSO


A administração do Centro Hospitalar Universitário do Algarve (CHUA) disse à Lusa que cabe ao Algarve Biomedical Center (ABC) pedir o reembolso dos 30 ventiladores avariados, mas esta entidade descarta responsabilidades e remete o processo para o CHUA.

Os aparelhos foram comprados pelo ABC em abril de 2020, com dinheiro doado pela Comunidade Intermunicipal do Algarve (AMAL), mas n√£o passaram nos testes efetuados pelos Servi√ßos de Utiliza√ß√£o Comum dos Hospitais (SUCH) tendo os autarcas reclamado o reembolso de 1,3 milh√Ķes de euros.

"O ABC √© um 50% do CHUA e 50% da Universidade do Algarve, duas entidades p√ļblicas respeitadas e sabendo que houve um dano, em que ele interferiu nesse dano, s√≥ tem que resolver o assunto e r√°pido" afirmou √† Lusa Paulo Neves, vogal executivo do conselho de administra√ß√£o do CHUA.

O respons√°vel defende que "quem negociou, conhece o fabricante, o intermedi√°rio e lhes pagou", deve "executar as garantias se aquilo que comprou, estiver deficiente".

"Não estou a ver como é que nós, que não temos a fatura, que não conhecemos o fabricante e nem o intermediário, vamos perseguir a quem não pagámos, não tem sentido", sustentou.

O presidente do ABC, Nuno Marques, tem outra posição, afirmando que deverá ser o CHUA a solicitar o reembolso já que é "o legitimo dono dos equipamentos", sustentando que "não pode ser outra entidade a pedir reembolso" de aparelhos da qual não é dona.

"Nós não somos o proprietário, não temos qualquer legitimidade legal para interferir no processo", defendeu.

O responsável revelou desconhecer qualquer deliberação sobre um pedido de reembolso e adiantou que a fatura foi emitida em nome do ABC mas "está no CHUA" desde a doação e "assim que é doado qualquer equipamento, passa o outro a ser o dono".

Nuno Marques frisou que após o ABC se ter "disponibilizado para dar apoio" e enviar ao CHUA os contactos do fornecedor e apenas tomou conhecimento que os técnicos da empresa vieram a Portugal e trabalharam nos ventiladores, mas a partir dai desconhece "qual a evolução do processo".

Como entidade financiadora a AMAL revelou à Lusa que, em análise com o CHUA e o ABC "entenderam que se se deve pedir a devolução do dinheiro" adiantando o seu presidente que "vai ser criada um comissão com um membro de cada entidade". "Já conversei com eles e eles sabem dessa nossa posição", afirmou António Pina.

O autarca revelou que se pretende apurar "qual √© a entidade que est√° em melhores condi√ß√Ķes para pedir a devolu√ß√£o", sendo que AMAL "n√£o ser√°", j√° que "os munic√≠pios doaram o dinheiro".

"Será uma das duas. Trata-se de uma questão jurídica e é preciso ter a certeza".

Quanto ao destino da verba a ser devolvida, o autarca apontou que a intenção dos municípios é que venham a ser usada para "suprir outras necessidades do CHUA".

A AMAL doou ao ABC 2 milh√Ķes de euros para aquisi√ß√£o de material m√©dico diverso e Equipamentos de Prote√ß√£o Individual (EPIs), sendo 1300 mil euros destinado aos 30 ventiladores dos ventiladores.

ALEMANHA ULTRAPASSA 50 MIL MORTES POR COVID-19


O n√ļmero total de mortes causadas pelo novo coronav√≠rus na Alemanha ultrapassou os 50 mil esta sexta-feira, de acordo com os dados do Instituto Robert Koch (RKI).

O instituto registou um total de 50642 mortes desde o in√≠cio da pandemia. S√≥ nas √ļltimas 24 horas, morreram 859 pessoas. Estes n√ļmeros incluem pessoas que morreram diretamente da doen√ßa causada pelo v√≠rus como pessoas com doen√ßas anteriores que foram infetadas com covid-19 e para as quais a causa exata da morte n√£o p√īde ser comprovada de forma conclusiva.

O Instituto RKI registou 17862 novas infe√ß√Ķes de covid-19 nas √ļltimas 24 horas. O n√ļmero total de infe√ß√Ķes comprovadas na Alemanha aumentou assim para mais de 2,1 milh√Ķes desde o in√≠cio da pandemia (2106262).

O n√ļmero de pessoas infetadas que recuperaram da doen√ßa √© de aproximadamente 1780200.

A chanceler alem√£, Angela Merkel, e os chefes de governo regionais, decidiram na ter√ßa-feira prolongar at√© ao dia 14 de fevereiro as atuais restri√ß√Ķes na atividade p√ļblica, incluindo a suspens√£o de aulas presenciais, devido √† propaga√ß√£o das novas muta√ß√Ķes do novo coronav√≠rus.

Na Alemanha foi decidido o uso obrigat√≥rio de m√°scaras de prote√ß√£o sanit√°ria FFP2 nos transportes p√ļblicos e estabelecimentos comerciais e a extens√£o do teletrabalho sempre que seja poss√≠vel.

Desde o passado m√™s de novembro que est√° suspensa na Alemanha a atividade nos locais de divertimento, desporto, cultura e de restaura√ß√£o, e as escolas permanecem encerradas desde meados de dezembro, assim como o com√©rcio n√£o essencial.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2075.698 mortos resultantes de mais de 96,8 milh√Ķes de casos de infe√ß√£o em todo o mundo, segundo um balan√ßo feito pela ag√™ncia francesa AFP.

Em Portugal, morreram 9686 pessoas dos 595149 casos de infe√ß√£o confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Dire√ß√£o-Geral da Sa√ļde.

quinta-feira, 21 de janeiro de 2021

VACINA: EFEITOS SECUND√ĀRIOS "INCAPACITANTES" COLOCAM DEZ ENFERMEIROS DE BAIXA


A Secção Regional do Centro da Ordem dos Enfermeiros recebeu uma dezena de relatos de enfermeiros a quem foi administrada ontem, quarta-feira, a segunda dose da vacina contra a Covid-19 e que esta quinta-feira acordaram com "efeitos secundários incapacitantes", obrigando-os a ficar em casa.

Em causa, sobretudo, dores fortes, febre, astenia, mialgias intensas e cefaleias, num conjunto de rea√ß√Ķes adversas que segundo Ricardo Correia de Matos, em declara√ß√Ķes √† TSF, s√£o mais fortes do que aquilo que se estaria √† espera e do que aconteceu depois da primeira dose.

O presidente da secção regional detalha que os casos surgiram nos centros hospitalares da Universidade de Coimbra, Figueira da Foz e Oeste.

Nenhum caso teve de recorrer aos serviços de urgência, mas os efeitos são tão fortes que os enfermeiros têm de ficar em casa, de baixa - havendo outros que ficam a trabalhar no limite.

Uma situação que leva a Ordem a pedir a todos os Conselhos de Administração dos grandes centros hospitalares que tenham "cautela e prudência na decisão de vacinar todos os enfermeiros ao mesmo tempo".

Ricardo Correia de Matos sugere um processo mais faseado para que n√£o existam mais problemas do que aqueles que j√° existem, em pleno pico da pandemia, com falta de recursos humanos.

Dores e cansaço não causam arrependimento aos vacinados

Cansa√ßo acentuado - "uma coisa mesmo exacerbada -, dores generalizadas, dores de cabe√ßa "intensas" e calafrios. Tudo isto √© o que Ana Ribeiro, enfermeira, sentiu depois de levar a segunda dose da vacina contra a Covid-19, conta √† TSF. A primeira tinha sido bastante mais pac√≠fica: "Senti dor no local da vacina e nada mais. Fiz uma vida perfeitamente normal depois da toma."

Esta quarta-feira, ao final da tarde, e depois da segunda dose, a enfermeira de 32 anos, que trabalha no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, associou "imediatamente" o que sentia à toma da vacina, que já tinha acontecido de manhã. "Não haveria outra justificação."

Para j√°, vai apenas vigiar os sintomas em casa depois de ter falado com "um pneumologista amigo que j√° tinha conhecimento de que esta segunda dose estaria a provocar mais sintomas do que a primeira".

A reação à vacina não a preocupa nem a faz arrepender-se de a ter tomado: "Esta vacina acaba por ser a esperança que toda a gente mantém de ver uma melhoria nisto tudo."

ENFERMEIROS DENUNCIAM CASOS DE PESSOAS VACINADAS QUE NÃO TÊM CONTACTO COM DOENTES


A baston√°ria dos enfermeiros denunciou esta quinta-feira situa√ß√Ķes de pessoas que est√£o a ser vacinadas contra a covid-19 que n√£o t√™m contacto direto com doentes, classificando esta situa√ß√£o "pr√≥pria de um pa√≠s saloio" que tenta vacinar "os amigos da institui√ß√£o".

A acusação foi feita por Ana Rita Cavaco aos deputados da Comissão Eventual para o acompanhamento da aplicação das medidas de resposta à pandemia da doença covid-19 e do processo de recuperação económica e social.

A baston√°ria adiantou que t√™m chegado √† Ordem dos Enfermeiros situa√ß√Ķes que, apesar de serem pontuais, "s√£o importantes e que se est√£o a agravar com o in√≠cio da vacina√ß√£o dos lares, em que est√£o a vacinar primeiro pessoas que n√£o t√™m contacto direto com doentes ao inv√©s de enfermeiros, m√©dicos e assistentes operacionais".

"Isto é próprio de um país saloio que tenta vacinar aqueles que conhecem, os amigos da instituição, e alguém tem que ir verificar o que é que se está a passar", apelou numa audição conjunta por videoconferência com o bastonário da Ordem dos Médicos no parlamento.

Segundo a baston√°ria, esta situa√ß√£o est√° a passar-se nalgumas institui√ß√Ķes do pa√≠s, adiantando que a OE j√° enviou estes relatos para a Assembleia da Rep√ļblica e que ir√° continuar a faz√™-lo porque "entende que tem que haver culpados daquilo que acontece".

PORTUGAL NÃO COMPROU TODAS AS VACINAS A QUE TINHA DIREITO

Ainda sobre a vacina√ß√£o, disse que teve conhecimento por uma not√≠cia que h√° doses dispon√≠veis de vacinas que depois n√£o s√£o adquiridas na totalidade pelo Governo.

"Isso é que os senhores deputados devem averiguar porque todas aquelas a que nós temos direito e que estão disponíveis devem ser usadas de imediato porque são a nossa melhor esperança para podermos sair a breve prazo desta pandemia", defendeu.

Durante a audição Ana Rita Cavaco deixou críticas ao PS pelo chumbo da "justa valorização da carreira" dos enfermeiros.

"Por muito que queiram vir aqui agradecer aos enfermeiros, à exceção do Bloco de Esquerda e do PCP que votaram a favor, os senhores abstiveram-se, mas os enfermeiros não se têm abstido de dar a vida pelas pessoas e pelo país", salientou.

Portanto, sustentou, é "lamentável que se preocupem em agradecer aos enfermeiros e depois chumbem a justa valorização da sua carreira".

"√Č evidente que n√£o √© por isso que os enfermeiros v√£o deixar de fazer aquilo que est√£o a fazer e aquilo que tem de ser feito, mas os enfermeiros ter√£o mem√≥ria porque √© uma vergonha as pessoas terem-se abstido e terem votado contra, quando os enfermeiros n√£o est√£o nem contra o pa√≠s, nem se abst√™m de fazer aquilo que tem que fazer todos os dias, com p√©ssimas condi√ß√Ķes porque n√£o chegamos para todos", vincou Ana Rita Cavaco.

Lamentou ainda o país não ir buscar os mais de 20 mil enfermeiros que estão a trabalhar no estrangeiro e deixar partir 1.230 durante o ano da pandemia, em 2020.

"TORN√ĀMO-NOS NUM PA√ćS QUE COMPROU VENTILADORES, QUE IMPORTOU VENTILADORES E EXPORTOU ENFERMEIROS", SUBLINHOU.


O vice-presidente da OE, Luís Barreira, disse, por sua vez, que os profissionais estão hoje confrontados com "o sofrimento ético".

"Um enfermeiro numa urg√™ncia para 30 doentes ou um enfermeiro numa unidade de cuidados intensivos para tr√™s ou quatro quando o r√°cio preconizado √© de um para um isto leva obrigatoriamente √† falta de cuidados de qualidade que os doentes deveriam ter e que obrigatoriamente com este n√ļmero e com esta aflu√™ncia de doentes no servi√ßo de urg√™ncia √© imposs√≠vel", lamentou Lu√≠s Barreira.

Apelou ainda ao Minist√©rio da Sa√ļde para que crie uma pol√≠tica que permita fixar os enfermeiros e que permita regressar os que est√£o no estrangeiro.

A covid-19 j√° matou em Portugal 9.686 pessoas dos 595.149 casos de infe√ß√£o confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Dire√ß√£o-Geral da Sa√ļde.

VIDEO: GOLO MARCADO PELO GUARDA-REDES TOM KING ENTRA PARA O GUINESS BOOK


O guarda-redes Tom King, do modesto Newport County, da quarta divis√£o inglesa de futebol, fixou em 96,01 metros o novo recorde do mundo para o golo mais distante, agora celebrado pelo Guiness Book of Records.

"King bateu oficialmente o recorde do golo marcado de maior dist√Ęncia em uma partida oficial de futebol, percorrendo a incr√≠vel dist√Ęncia de 96,01 metros", refere o livro que regista todo o tipo de recordes, dos mais s√©rios aos mais ins√≥litos.

Decorria o 12.¬ļ minuto do encontro contra o Cheltenham, na ter√ßa-feira, quando o guarda-redes cobrou um pontap√© de baliza em que a bola subiu muito e caiu perto da meia-lua √† entrada da √°rea, passado posteriormente por cima do seu hom√≥logo Joshua Griffith, abrindo o ativo de um jogo que terminaria 1-1.

"Estou absolutamente encantado por ter estabelecido o recorde. √Č algo que eu nunca sonhei em fazer, mas tenho certeza de que vai deixar a minha fam√≠lia e a minha futura fam√≠lia muito orgulhosas", disse o guarda-redes de 25 anos.

No fim do jogo, antes de ver confirmado o recorde do mundo, King brincou dizendo que iria regressar ao est√°dio Jonny-Rocks para medir o seu feito.

"Espero que alguém possa verificar isso por mim, economizaria a viagem de voltar lá, mas seria uma grande conquista", gracejou, quando as imagens já eram virais na internet.

O anterior recorde datava de 2013 e também estava em solo inglês, quando o bósnio Asmir Begovic, do Stoke City, fez um golo a 91,9 metros, contra o Southampton, em desafio da Premier League.

Aconteceu logo ao 13.¬ļ segundo de jogo, num al√≠vio do guarda-redes que contou com a dupla de centrais advers√°rios a afastar-se da bola, o que surpreendeu o guardi√£o contr√°rio.


                                          Veja o v√≠deo:


QUATRO JOGADORES E PRESIDENTE DO PALMAS MORREM EM ACIDENTE A√ČREO

      Piloto tamb√©m n√£o sobreviveu ap√≥s queda e explos√£o da aeronave A queda de um avi√£o de pequeno porte, logo ap√≥s a decolagem, na manh√£ d...