Translate

domingo, 21 de fevereiro de 2021

DEPUTADO DO PS DEFENDE DEMOLIÇÃO DO PADRÃO DOS DESCOBRIMENTOS (E QUE "DEVIA TER HAVIDO SANGUE" NO 25 DE ABRIL)


Ascenso Simões, deputado do PS, votou contra o pesar pela morte de Marcelino da Mata e considera que “a nossa História precisa de ser descolonizada”. Assim, defende que o Padrão dos Descobrimentos devia ter sido “destruído” e sugere que “devia ter havido sangue” no 25 de Abril, embora não de forma literal.

Numa altura em que as feridas da guerra colonial foram reabertas, após a morte do militar Marcelino da Mata, o deputado Ascenso Simões acrescenta achas à fogueira.

Num artigo de opinião escrito no jornal Público fala do “mamarracho do Padrão dos Descobrimentos” e considera que, “num país respeitável, devia ter sido destruído”.

Ascenso Simões também escreve que “o 25 de Abril de 1974 não foi uma revolução, foi uma festa”. “Devia ter havido sangue, devia ter havido mortos, devíamos ter determinado bem as fronteiras para se fazer um novo país”, constata ainda.

Após estas declarações, o deputado socialista explica ao Observador que “não se trata de mortos físicos nem de sangue derramado nas ruas, mas de cortes epistemológicos“.

“Cortes verdadeiros do ponto de vista da política, da transformação da sociedade”, acrescenta, salientando que o 25 de Abril não “fez os cortes suficientes para limpar da nossa memória elementos que são danosos da construção de uma democracia plena”.

“É um dos grandes monumentos do regime ditatorial”

Mas quanto ao Padrão dos Descobrimentos, Ascenso Simões defende que devia ter sido destruído enquanto “monumento do regime ditatorial”, da mesma forma que se derrubaram estátuas e se nomeou a ponte Salazar para ponte 25 de Abril.

“Quando não temos leitura da história achamos que a normalidade é passar por um qualquer momento sem nos questionarmos. Mas se nos questionássemos, enquanto sociedade, perguntaríamos porque é que não derrubamos aquele que é um dos grandes monumentos do regime ditatorial”, afiança ainda sobre o Padrão dos Descobrimentos.

No artigo no Público, Ascenso Simões refere que “o salazarismo foi muito eficaz na construção de uma história privativa, garantindo, até hoje, a perenidade dos mitos do desígnio português, dos descobrimentos, ou do império”.

Mas, em declarações ao Observador, esclarece que “falta perceber verdadeiramente que não tivemos império nenhum” e “que os tempos que vivemos desde o século XV até ao 25 de Abril foram tempos de grande instabilidade que nunca consolidaram império nenhum”.

“Esse império que está na nossa cabeça” é “uma construção simbólica do império salazarista”, conclui.

“Fomos dos piores colonizadores europeus”

Sobre o voto de pesar pela morte de Marcelino da Mata, contra o qual votou em oposição à tendência de voto da bancada socialista, Ascenso Simões justifica que as condecorações do militar que nasceu na Guiné, mas combateu ao lado das forças portuguesas na guerra colonial, eram “medalhas do fascismo” e “a elaboração máxima do exemplo de africano usado pelos senhores da guerra”.

Marcelino da Mata “era eleito como sendo o D. Afonso I do Congo do século XX, um títere ao serviço de uma ideia de império de pés de barro que o Estado Novo construiu e que se mantém presente na nossa sociedade”, nota o deputado em entrevista ao Público.

Em declarações a este jornal, Ascenso Simões refere ainda que “é uma falácia o exemplo colonial português”, pois entende que “fomos dos piores colonizadores de todos os países europeus”.

Citando António de Spínola, o deputado resume a história da seguinte forma: “os ingleses dizem para os povos colonizados: cresce, mas não te aproximes; os portugueses consagraram o: aproxima-te, mas não cresças“.

A nossa História precisa de ser descolonizada, carece de uma limpeza dos atavismos historiográficos que foram, também, marcados pela investigação positivista”, acrescenta, concluindo que “não se suportará uma história anacrónica, mas é insuportável uma história falsa”.

Sem comentários:

QUATRO BANCOS PORTUGUESES SOMAM LUCROS SUPERIORES A MIL MILHÕES DE EUROS

Instituições reforçaram provisões em 1300 milhões para enfrentar eventuais perdas futuras. Num ano marcado pela pandemia, quatro dos maiores...