Translate

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2021

MULHER PERDE TRÊS DEDOS APÓS REAÇÃO SEVERA À COVID-19


Uma mulher de 86 anos precisou amputar três dedos da mão após desenvolver uma reação rara à covid-19. O caso aconteceu em abril do ano passado e foi descrito na revista médica European Journal of Vascular and Endovascular Surgery.

De acordo os médicos que fizeram o relatório do caso, o segundo, quarto e quinto dedos da mão direita tiveram gangrena seca, que os deixaram necrosados.

Esse tipo de condição que deixa as extremidades do corpo pretas acontece quando há falta de suprimento de sangue na região.

A morte de tecidos é mais comum de ser ocasionada por causa do frio ou congelamento dos membros. Também pode ocorrer com o uso de gesso ou bandagens muito apertadas. A relação com a covid-19 é rara.

No caso da idosa, ela contou aos médicos que havia sofrido de síndrome coronariana aguda, que é quando o sangue fornecido ao músculo cardíaco é repentinamente bloqueado. Para tratar o problema e evitar coagulação do sangue, ela estava fazendo terapia antiplaquetária dupla.

No entanto, um exame mais aprofundado revelou que o bloqueio no fluxo de sangue para os seus dedos foi causado pela covid-19. A condição, que tem sido chamada de “dedos de covid”,já foi relatada em outros pacientes. A maioria, no entanto, apesenta apenas pequenas lesões avermelhadas nas pontas dos dedos das mãos ou dos pés.


Amputações de pacientes com covid-19

A idosa não é a primeira paciente a passar por amputação em consequência da covid-19. Também em abril do ano passado, o ator canadense Nick Cordero, conhecido por atuar espetáculos da Broadway e na TV norte-americana, teve problemas de coagulação e precisou amputar a perna enquanto estava internado.

Infelizmente, o ator não resistiu à gravidade da doença e acabou morrendo aos 41 anos, depois de 90 dias de luta contra o vírus.

Sem comentários:

PORTUGAL VAI COMPRAR 38 MILHÕES DE VACINAS

Portugal vai comprar cerca de 38 milhões de vacinas contra a covid-19, o que permitirá apoiar outros países. A ministra da Saúde admite espa...