Translate

sexta-feira, 7 de maio de 2021

BANHO DE SANGUE: 200 POLÍCIAS ENTRAM NA FAVELA E EXECUTAM 24 "SUSPEITOS". UM POLÍCIA MORTO


O que correu mal na operação da Polícia Civil do Rio desta quinta-feira que deixou cadáveres espalhados pelas ruas do Jacarezinho? TV tabloide diz que devia haver mais operações assim. Ativistas clamam "massacre" e "extermínio". É a operação mais sangrenta deste século na "cidade maravilhosa".

Cadáveres de homens jovens cobertos de sangue, caídos e espalhados pelas vielas estreitas da favela; outros corpos baleados e tombados na margem do rio poluído que dá nome ao Jacarezinho; o corpo sem vida de um adolescente sentado numa cadeira de jardim de plástico roxa, a boca descaída e um dedo cortado metido dentro da boca aberta.

São imagens de horror real e estão a correr o mundo e a internet, disseminadas como um vírus ativo de raiva e repulsão pelos populares: pelo menos 25 pessoas morreram esta quinta-feira na Favela do Jacarezinho, bairro municipal da zona norte do Rio de Janeiro, Brasil, após um batalhão de 200 polícias fortemente armados , carros blindados, armamento de guerra, tiros de fuzis disparados de helicóptero, ter invadido aquela que é uma das maiores e mais violentas favelas do Brasil.

No Jacarezinho vivem mais de 60 mil pessoas concentradas em 40 hectares urbanos decadentes de terreno pejado de edifícios incompletos de tijolo cru e folhas de chapa em sobrelotação.

Apenas a 20 minutos de carro da praia do Leblon e do bilhete-postal do calçadão turístico do Rio, o Jacarezinho alberga dezenas de milhares de brasileiros da classe operária e é considerado desde os anos 80 bastião de uma das organizações criminosas mais perigosas do Brasil, o Comando Vermelho.


Um polícia e 24 suspeitos executados

Um polícia foi assassinado, as autoridades dizem ter sido executado com um tiro direto na cabeça, e os outros 24 mortos são na maioria de homens jovens, ou mesmo adolescentes. Eram considerados "suspeitos" pela Polícia Civil, que desencadeou a operação em conjunto com a Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente e que tinha por alvo "os traficantes do Comando Vermelho", que recrutam menores para o narcotráfico e o crime, segundo alegações policiais.

A autoridade não deu provas dos crimes levados a cabo pelos "suspeitos" que foram executados no local. As suas identidades não foram reveladas. Não foi formada acusação judicial.

Polícia tinha 45 anos

A Polícia Civil confirmou já que o polícia morto é André Leonardo de Mello Frias, de 45 anos, inspetor do DCOD, Delegacia de Combate às Drogas.

Segundo a Polícia Civil, as ruas estreitas do Jacarezinho estavam bloqueadas em vários pontos de acesso com grades blocos de cimento e pedaços de trilhos metálicos amontoados, que pretendiam evitar a entrada dos carros blindados. Por disso, os policiais tiveram que descer várias vezes dos veículos para retirarem à mão os obstáculos. Foi num desses momentos que o inspetor terá sido baleado na cabeça, morrendo no local.

Na operação houve ainda outras pessoas feridas. Pelo menos dois passageiros de um autocarro foram atingidos, um por uma bala perdida e outro por estilhaços de vidros, mas sobreviveram e não correrão perigo de vida.

Operação mais sangrenta em décadas

Esta operação policial é já considerada a "mais sangrenta" e "mais mortal de sempre" na história do Rio de Janeiro, superando o terror do massacre de Vigário Geral, em 1993, no qual 21 pessoas foram mortas aos tiros quando a polícia invadiu uma outra favela a norte do Jacarezinho.

Supera também a batida policial de 2007, a operação mais mortal do Rio que ocorreu em 2007, na comunidade do Complexo do Alemão, quando 19 pessoas perderam a vida durante um varrimento de polícia armada.


Foi um extermínio, gritam os ativistas

"É inacreditável, é desprezível, é verdadeiramente horrível", disse Pablo Nunes, investigador do Centro de Estudos de Segurança Pública e Cidadania do Rio, citado pelo jornal "Globo".

"Isto foi um extermínio, não há outra forma de o dizer", comentou Pedro Paulo Silva. "Foi um massacre".

"Nunca vi tanto derramamento de sangue. Foi uma carnificina completa", disse por seu lado Joel Costa, advogado e ativista de direitos humanos natural do Jacarezinho, que está a partilhar imagens perturbadoras do ataque.

"Hoje [ontem, 6 de maio] foi assustador até para nós que trabalhamos com segurança pública", disse ainda. "Perante isto, a única conclusão que você pode tirar é que nas favelas não há democracia. Os suspeitos de crimes devem ser presos e julgados e não executados pela polícia nas ruas".

TV tabloide quer mais sangue

Por outro lado, a Imprensa tabloide está a dar voz a certos comentadores populares que defendem ações mais musculadas da autoridade.

"Seria ótimo se a polícia pudesse lançar duas operações como essa todos os dias para libertar o Rio de Janeiro dos traficantes, ou pelo menos reduzir seu poder", disse taxativamente o apresentador do programa de TV "Balanço Geral", que considerou ainda a morte de 24 "suspeitos" como "um ataque "cirúrgico".

"Isto não é tolerado em lado nenhum"

Para o cientista político Pablo Nunes, coordenador do Centro de Estudos de Segurança e Cidadania, ações violentas como esta, empreendidas pelas forças policiais, não seriam toleradas em nenhum lugar do mundo democrático.

"Só no Brasil é que o cumprimento de mandados de prisão termina com 25 mortos e ainda é chamado de 'operação policial'", diz. "Estas operações não ocorrem sequer noutros Estados do Brasil. Mas, no Rio, acontecem com toda a frequência e passam em branco: a Justiça não pune ninguém. A impunidade é uma certeza e alimenta o comportamento violento da polícia", afirmou o especialista à BBC Brasil.


Polícia justifica-se

Perante a pressão da opinião pública, a Polícia Civil já foi obrigada a dar mais explicações, afirmando ter entrado no Jacarezinho após receber denúncias de que os traficantes locais estariam a aliciar crianças e adolescentes para a prática de ações criminosas.

Segundo um comunicado, a polícia identificou, através de trabalho de investigação e de vigilância autorizadas pela Justiça, 21 integrantes da quadrilha do Comando Vermelho que controla todo o território da famosa favela.

"Foi possível caracterizar a associação dessas pessoas com a organização criminosa que domina a região, onde foi montada uma estrutura típica de guerra provida de centenas de 'soldados' munidos com fuzis, pistolas, granadas, coletes balísticos, roupas camufladas e todo tipo de acessórios militares", disse a corporação do Rio.

Polícia matou 797 pessoas em 9 meses

A polémica e trágica operação desta quinta-feira, que a polícia diz ter tido como objetivo "evitar que crianças e adolescentes sejam atraídos para o mundo do crime", ocorreu apesar de uma ordem do Supremo Tribunal brasileiro de junho de 2020 que impedia incursões policiais durante a pandemia do coronavírus.

O número de operações policiais nas favelas foi desde então reduzido, mas voltou a aumentar desde outubro, relata o correspondente do jornal inglês "The Guardian".

Números divulgados recentemente mostram que a polícia brasileira matou 797 pessoas no estado do Rio no espaço de nove meses, entre junho de 2020 e março de 2021, a grande maioria no centro urbano ou nos arredores metropolitanos.

Sem comentários:

RICARDO SALGADO PROPÕE PAGAR 11 MILHÕES DE EUROS PARA ARQUIVAR O PROCESSO

Ricardo Salgado está disposto a pagar para que seja arquivado o processo que teve origem na Operação Marquês e que o vai levar a julgamento ...