Translate

domingo, 18 de julho de 2021

CARTÃO AMARELO PARA MARCELO. COSTA QUASE NO VERMELHO


Popularidade dos dois líderes políticos caiu a pique neste mês. Mas, enquanto o presidente se aguenta com um saldo positivo de 37 pontos, o primeiro-ministro fica-se por apenas seis, revela sondagem da Aximage.

É um verdadeiro cartão amarelo o que é mostrado, este mês, a Marcelo Rebelo de Sousa. Mas é ainda pior para António Costa, que se aproxima do vermelho. De acordo com o barómetro da Aximage para o JN, DN e TSF, a popularidade dos dois líderes cai a pique e o primeiro-ministro tem agora escassos seis pontos de saldo positivo (diferença entre avaliações positivas e negativas). Este mês, a queda do presidente foi mais acentuada, mas o facto de partir de um patamar muito elevado permite-lhe manter um generoso saldo positivo de 37 pontos.

O último mês e meio foi crítico na avaliação dos portugueses aos dois políticos (mas também para os que estão na Oposição). A sondagem não faz perguntas sobre as razões para a desilusão dos portugueses, mas o calendário dá pistas suficientes. Se, no início de junho, o Governo ainda mostrava surpresa com o alerta britânico para a variante delta, um mês e meio depois o país está em plena quarta vaga da pandemia.

Ao contrário de crises anteriores, faltou sintonia entre Costa e Marcelo. As divergências foram públicas, com o presidente a pedir uma abordagem menos "fundamentalista" e a recusar o regresso ao estado de emergência; e o primeiro-ministro a manter a rigidez de critérios, mas a ser atingido, mesmo assim, com os estilhaços da desconfiança que foram chegando do Reino Unido, Espanha, Alemanha e França.

SENIORES MUITO CRÍTICOS

O resultado final, para ambos, é uma queda sem precedentes, em todos os parâmetros, desde julho do ano passado (altura em que se iniciou esta série de barómetros). No caso do primeiro-ministro, a queda já se iniciara em maio, acumulando uma perda de 18 pontos nas avaliações positivas (são agora 41%) e uma subida de 16 pontos nas negativas (35%). O desgaste do seu Governo e a recorrente discussão sobre a necessidade de fazer uma remodelação (ver texto ao lado) ajudará a explicar o momento negativo.

A quebra reflete-se em todos os segmentos da amostra, mas há alguns que se destacam. Até abril, os mais velhos foram sempre uma das âncoras da popularidade do primeiro-ministro. Desde então, regista-se uma deserção em massa dos seniores, ao ponto de serem agora os mais descontentes: na população com 65 ou mais anos, o saldo de Costa é agora negativo. Em termos regionais, o primeiro-ministro já só tem o benefício da dúvida em Lisboa e no Centro. Na região Norte, no Porto e no Sul, o saldo também já é negativo. Na geografia partidária, o saldo positivo limita-se agora aos eleitores dos partidos à Esquerda.

PATAMAR ERA ELEVADO

A situação do presidente da República é diferente: caiu mais do que o primeiro-ministro este mês, mas partia de um patamar muito superior e continua, por isso, a ter uma popularidade sem paralelo. Perdeu 15 pontos de maio para julho nas avaliações positivas (tem agora 55%) e subiu oito nas negativas (18%), o que resulta num saldo positivo de 37 pontos (quase igual ao de julho do ano passado, no arranque dos barómetros).

Marcelo também foi castigado pelos mais velhos (baixa 29 pontos nas avaliações positivas), mas há uma diferença fundamental em relação a Costa: entre os inquiridos com 65 anos ou mais, o presidente ainda tem um saldo positivo de 41 pontos. A exemplo do primeiro-ministro, os piores resultados são nas regiões Norte e Sul e no Porto, mas com saldo positivo. Na geografia partidária, continuam a ser os socialistas os mais generosos (apesar da quebra), mas passa a ter saldo negativo entre quem vota CDU e Chega.

Números

73%

Cresce a percentagem dos que pedem mais exigência do presidente sobre o Governo, com mais cinco pontos do que em maio. Esta exigência é maioritária em todos os segmentos, incluindo os socialistas (51%).

51%

Sem surpresa, Marcelo continua a liderar no "jogo" da confiança, ainda que perca um ponto relativamente a maio. Costa sobe dois para 14%. A maior diferença continua a ser no eleitorado PSD, com vantagem para Marcelo (76%).

1 comentário:

" R y k @ r d o " disse...

Ainda gostava de saber - sei que é impossível - quem da oposição faria melhor nestes tempos de Pandemia. Falam muito mas ajudam pouco ... ou nada.
.
Votos de um feliz domingo
Cuide-se
.
Pensamentos e Devaneios Poéticos
.

ISABEL DOS SANTOS AFASTADA DA GALP POR UM TRIBUNAL ARBITRAL DA HOLANDA

Ações que saem da mão de Isabel dos Santos têm um valor que ronda os 700 milhões de dólares. De acordo com um comunicado da Sonangol, o trib...