Translate

Mostrar mensagens com a etiqueta ATROPELAMENTO. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta ATROPELAMENTO. Mostrar todas as mensagens

sexta-feira, 2 de julho de 2021

CABRITA DIZ QUE NINGUÉM ESTÁ ACIMA DA LEI E REMETE SAÍDA PARA COSTA


O ministro da Administração Interna garantiu o "apuramento total" dos factos relativos ao atropelamento mortal ocorrido na A6, em Évora, envolvendo o carro onde seguia. E remeteu decisões sobre uma eventual saída do Governo para o primeiro-ministro.

Eduardo Cabrita garantiu, esta sexta-feira, em declarações aos jornalistas, que o Ministério da Administração Interna (MAI) e todas as pessoas com envolvimento no caso "não deixarão de prestar toda a colaboração que sejam necessária ao apuramento da total da caracterização do que ocorreu", revelando que serão definidas as componentes de indemnização e que "foi de imediato feita a devida e adequada participação dos factos".

Lamentando um "momento triste" que não deseja a ninguém e pelo qual nunca tinha passado no "plano pessoal", o ministro voltou a transmitir à família e amigos do trabalhador atropelado na A6 "uma viva solidariedade", lembrando que o mesmo já havia sido feito no próprio dia do acidente, pela sua chefe de gabinete. E sublinhou não existir "nenhum cidadão ou entidade que esteja acima daquilo que é o quadro legal aplicável".

Questionado sobre a possibilidade de abandonar funções no Governo, no final da cerimónia de aniversário da PSP, Cabrita remeteu eventuais decisões para Costa: "É uma matéria da estrita responsabilidade do primeiro-ministro". E notou que os quatro anos que acumula no MAI "corresponderam aos quatro anos de melhores indicadores de segurança em Portugal".

Eduardo Cabrita falou aos jornalistas duas semanas depois do acidente. "Foi o Ministério da Administração Interna a dar a devida nota do infeliz acidente e porque está aberto o devido inquérito por parte do MP, sujeito a segredo de justiça", justificou.

quinta-feira, 1 de julho de 2021

CARRO DO MAI ENVOLVIDO EM ACIDENTE MORTAL "NÃO ESTÁ REGISTADO", DIZ RIO


O presidente do PSD declarou, esta quinta-feira, que o carro em que seguia o Ministro da Administração Interna, envolvido num acidente mortal, não está registado e exigiu esclarecimentos, lamentando que a questão ande "de trapalhada em trapalhada".

Em declarações aos jornalistas na Assembleia da República, Rui Rio começou por dizer que "como tem sido público e notório", a questão do atropelamento de um trabalhador na autoestrada A6, que provocou a sua morte, pelo carro onde vinha o Ministro da Administração Interna "tem andado de trapalhada em trapalhada e cada vez se entende menos".

"Temos de saber se havia sinalização da obra ou não havia sinalização da obra, temos acima de tudo de saber a velocidade a que o carro vinha, e agora temos que saber mais uma coisa que eu não entendo: é que o carro que transportava o MAI pura e simplesmente não está registado na conservatória do registo automóvel", avançou.

Segundo o líder social-democrata, a matrícula não consta dos registos, "o carro pura e simplesmente não está registado".

Rio disse que procurou na legislação "para ver se havia alguma norma de exceção que dissesse que os automóveis do Estado, os automóveis do Governo, não carecessem de registo" e não a encontrou.

"O carro que transporta um membro do Governo e um membro do Governo que é ele próprio responsável pela segurança rodoviária. Portanto, se tínhamos estas trapalhadas todas temos mais uma e eu gostava de perguntar publicamente ao Governo a razão pela qual o carro não está registado como qualquer outro carro", questionou.

Questionado sobre se tenciona chamar ao parlamento Eduardo Cabrita, caso este continue em silêncio sobre o acidente, Rio disse que até poderia fazê-lo mas, na sua opinião, "depois de tudo o que aconteceu com o ministro Eduardo Cabrita" a responsabilidade "não é do ministro, a responsabilidade é do primeiro-ministro".

"O primeiro-ministro ao manter em funções, legitimamente, é ele que decide, mas ao manter em funções o atual MAI, passou a ser ele o responsável por tudo aquilo que o ministro tem vindo a fazer, ou a não fazer", sustentou, apontando que está em causa "uma fatalidade" que ninguém deseja e que "não deve ser politicamente explorado" mas o problema é "as condições em que as coisas acontecem", nomeadamente o porquê de o carro não estar registado ou a velocidade a que o carro seguia.

SUPREMO TRIBUNAL ESPANHOL DIZ QUE NOVO BANCO TEM DE DEVOLVER INVESTIMENTO A CLIENTE DO BES

O tribunal espanhol considera a decisão do Banco de Portugal, que passou a responsabilidade do Novo Banco para o BES, é "contrária aos ...