tradutor com bandeiras. Google Translate

Mostrar mensagens com a etiqueta CARROS. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta CARROS. Mostrar todas as mensagens

terça-feira, 13 de outubro de 2020

UNIÃO EUROPEIA PROÍBE "SPIRIT OF ECSTASY" ILUMINADO NO ROLLS-ROYCE

 



A Rolls-Royce vai ter de retirar o sĂ­mbolo do "Spirit of Ecstasy" de todos os seus modelos na sequĂȘncia de uma proibição da UniĂŁo Europeia, que visa combater a poluição visual.

MĂĄs notĂ­cias para os proprietĂĄrios europeus de automĂłveis Rolls-Royce, bem como de potenciais compradores: a UniĂŁo Europeia confirmou que o sĂ­mbolo iluminado “Spirit of Ecstasy” no topo do capot jĂĄ nĂŁo Ă© permitido nas vias pĂșblicas.

A Rolls-Royce apresentou, pela primeira vez, o “Spirit of Ecstasy” iluminado no protĂłtipo do veĂ­culo elĂ©trico 102EX em 2011. A opção estaria disponĂ­vel, pouco depois, no Phantom, na geração anterior do Ghost, no Dawn, no Wraith e no Cullinan.

ApĂłs contactos de vĂĄrios proprietĂĄrios de veĂ­culos da marca, a Rolls-Royce confirmou que esta opção teve de ser retirada em 2019 devido a alteraçÔes na legislação comunitĂĄria relativa Ă  iluminação dos automĂłveis, integrando um pacote de medidas de combate Ă  poluição visual.

Em fevereiro de 2019, a Rolls-Royce enviou uma nota aos concessionĂĄrios, referindo que a iluminação do “Spirit of Ecstasy”, que custava 4570 euros, deixava de estar disponĂ­vel,

LEIA TAMBÉM

Crise? Qual crise?! Rolls-Royce nunca vendeu tanto!…

Além disso, os proprietårios dos veículos equipados com este símbolo também necessitavam de o retirar e substituir.

A marca sublinha que teve de abandonar essa opção por questÔes legais e que irå contactar os clientes para restituir o valor dessa opção.

Em alternativa propĂ”e a substituir do sĂ­mbolo do “Spirit of Ecstasy” por uma unidade prateada ou por qualquer outra opção da lista de equipamento. A marca considera que essa Ă© a sua obrigação moral.

"OS CIDADÃOS MUÇULMANOS NÃO SÃO PERSEGUIDOS" EM FRANÇA

  O principal interlocutor dos poderes pĂșblicos franceses para o IslĂŁo, Mohamed Moussaoui, considerou hoje que os muçulmanos em França "...