google.com, pub-4886806822608283, DIRECT, f08c47fec0942fa0

tradutor com bandeiras. Google Translate

Mostrar mensagens com a etiqueta COVID-19. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta COVID-19. Mostrar todas as mensagens

domingo, 24 de janeiro de 2021

ORDEM DIZ QUE MORRERAM MAIS TR√äS M√ČDICOS NOS √öLTIMOS DIAS V√ćTIMAS DE COVID-19

 


A Ordem dos M√©dicos (OM) informou hoje que morreram mais tr√™s m√©dicos v√≠timas de covid-19, nos √ļltimos dias, e voltou a apelar ao Governo para que melhore as condi√ß√Ķes de trabalho para reduzir o risco de infe√ß√£o.

Depois de expressar uma homenagem p√ļblica aos colegas, o baston√°rio da OM, Miguel Guimar√£es, tamb√©m critica que o plano de vacina√ß√£o contra a covid-19 em Portugal "continue a deixar milhares de m√©dicos de fora desta fase, prejudicando quem est√° no terreno a salvar vidas".

"Vivemos tempos de grande pesar nacional, com muitos portugueses a perderem a vida todos os dias por causa da pandemia, sejam doentes covid ou não covid, e isso não nos pode nunca sossegar", frisa num comunicado, onde reitera a homenagem aos colegas e dirige "uma palavra especial de gratidão e de solidariedade", às famílias.

O baston√°rio explica que, no total, chegaram ao conhecimento da Ordem dos M√©dicos seis √≥bitos de m√©dicos com covid-19, mas ressalva que s√≥ a tutela tem na sua posse dados a n√≠vel nacional que permitam saber efetivamente quantos m√©dicos morreram no combate √† pandemia.

"Como temos vindo a dizer desde o in√≠cio, era muito importante que o Minist√©rio da Sa√ļde divulgasse com mais regularidade os n√ļmeros relacionados com o impacto da pandemia nos profissionais de sa√ļde, tanto em termos de infe√ß√Ķes como de √≥bitos ou doentes recuperados", refor√ßa.

Miguel Guimar√£es tamb√©m reivindica "medidas mais eficazes que permitam que os servi√ßos de sa√ļde tenham menos press√£o e que os m√©dicos e restantes profissionais trabalhem com mais seguran√ßa, mais meios e mais equipamentos de prote√ß√£o, por eles e pelos doentes".

Segundo refere, "muitos m√©dicos do SNS e do setor privado e social continuam por vacinar e sem uma explica√ß√£o".

Lembrando que a OM j√° alertou para o impacto que isto pode ter na vida dos pr√≥prios m√©dicos e dos doentes, explica que a listagem de m√©dicos que est√£o a trabalhar fora do Servi√ßo Nacional de Sa√ļde (SNS), ou no SNS atrav√©s de empresas prestadoras de servi√ßos, e que queriam ser vacinados engloba um total de 6.562 profissionais.

Desses, vinca, "nem meia centena ter√£o chegado a receber a vacina", apesar de a lista ter sido disponibilizada ao Minist√©rio da Sa√ļde, quer num primeiro levantamento que apontava 4.000 m√©dicos, quer com os n√ļmeros mais recentes.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 2.107.903 mortos resultantes de mais de 98,1 milh√Ķes de casos de infe√ß√£o em todo o mundo, segundo um balan√ßo feito pela ag√™ncia francesa AFP.

sexta-feira, 22 de janeiro de 2021

CASAL COM COVID ANDAVA A PASSEAR NA RUA E FOI DETIDO


Mulher testou positivo para a covid-19 e o companheiro devia estar em isolamento profil√°tico, por ser contacto de risco.

Uma patrulha da GNR de Vila Flor, distrito de Bragan√ßa, deteve, na quinta-feira, um casal que passeava na via p√ļblica, numa aldeia daquele concelho, por incumprimento da medida de isolamento profil√°tico determinada pelas autoridades de sa√ļde.

Em comunicado, aquela for√ßa de seguran√ßa adianta que a deten√ß√£o da mulher de 60 anos e do homem, de 59, ocorreu na sequ√™ncia de uma a√ß√£o de verifica√ß√£o das medidas de isolamento profil√°tico. "Os militares deslocaram-se √† resid√™ncia dos visados, onde verificaram que se tinham ausentado do domic√≠lio. Ap√≥s dilig√™ncias policiais, foi poss√≠vel confirmar que os suspeitos se encontravam a passear na via p√ļblica".

Ao que o JN apurou, o casal reside na aldeia de Sampaio. A mulher ainda deveria estar em isolamento pelo facto de ter testado positivo para a covid-19 e o homem tinha indica√ß√£o para estar em isolamento profil√°tico por ser considerado um contacto de risco e aguardava resultado de teste de despistagem.

Ambos "foram conduzidos √† sua resid√™ncia, constitu√≠dos arguidos, e os factos foram remetidos ao Tribunal Judicial de Vila Flor", adianta o comunicado.

Na sua forma simples, a prática de um crime de desobediência pode ser punível com pena de prisão até 1 ano, ou com pena de multa até 120 dias.

Pouco tempo depois desta ocorrência, foi conhecido o resultado do teste do homem de 59 anos que deu positivo.

quinta-feira, 21 de janeiro de 2021

VACINA: EFEITOS SECUND√ĀRIOS "INCAPACITANTES" COLOCAM DEZ ENFERMEIROS DE BAIXA


A Secção Regional do Centro da Ordem dos Enfermeiros recebeu uma dezena de relatos de enfermeiros a quem foi administrada ontem, quarta-feira, a segunda dose da vacina contra a Covid-19 e que esta quinta-feira acordaram com "efeitos secundários incapacitantes", obrigando-os a ficar em casa.

Em causa, sobretudo, dores fortes, febre, astenia, mialgias intensas e cefaleias, num conjunto de rea√ß√Ķes adversas que segundo Ricardo Correia de Matos, em declara√ß√Ķes √† TSF, s√£o mais fortes do que aquilo que se estaria √† espera e do que aconteceu depois da primeira dose.

O presidente da secção regional detalha que os casos surgiram nos centros hospitalares da Universidade de Coimbra, Figueira da Foz e Oeste.

Nenhum caso teve de recorrer aos serviços de urgência, mas os efeitos são tão fortes que os enfermeiros têm de ficar em casa, de baixa - havendo outros que ficam a trabalhar no limite.

Uma situação que leva a Ordem a pedir a todos os Conselhos de Administração dos grandes centros hospitalares que tenham "cautela e prudência na decisão de vacinar todos os enfermeiros ao mesmo tempo".

Ricardo Correia de Matos sugere um processo mais faseado para que n√£o existam mais problemas do que aqueles que j√° existem, em pleno pico da pandemia, com falta de recursos humanos.

Dores e cansaço não causam arrependimento aos vacinados

Cansa√ßo acentuado - "uma coisa mesmo exacerbada -, dores generalizadas, dores de cabe√ßa "intensas" e calafrios. Tudo isto √© o que Ana Ribeiro, enfermeira, sentiu depois de levar a segunda dose da vacina contra a Covid-19, conta √† TSF. A primeira tinha sido bastante mais pac√≠fica: "Senti dor no local da vacina e nada mais. Fiz uma vida perfeitamente normal depois da toma."

Esta quarta-feira, ao final da tarde, e depois da segunda dose, a enfermeira de 32 anos, que trabalha no Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, associou "imediatamente" o que sentia à toma da vacina, que já tinha acontecido de manhã. "Não haveria outra justificação."

Para j√°, vai apenas vigiar os sintomas em casa depois de ter falado com "um pneumologista amigo que j√° tinha conhecimento de que esta segunda dose estaria a provocar mais sintomas do que a primeira".

A reação à vacina não a preocupa nem a faz arrepender-se de a ter tomado: "Esta vacina acaba por ser a esperança que toda a gente mantém de ver uma melhoria nisto tudo."

ENFERMEIROS DENUNCIAM CASOS DE PESSOAS VACINADAS QUE NÃO TÊM CONTACTO COM DOENTES


A baston√°ria dos enfermeiros denunciou esta quinta-feira situa√ß√Ķes de pessoas que est√£o a ser vacinadas contra a covid-19 que n√£o t√™m contacto direto com doentes, classificando esta situa√ß√£o "pr√≥pria de um pa√≠s saloio" que tenta vacinar "os amigos da institui√ß√£o".

A acusação foi feita por Ana Rita Cavaco aos deputados da Comissão Eventual para o acompanhamento da aplicação das medidas de resposta à pandemia da doença covid-19 e do processo de recuperação económica e social.

A baston√°ria adiantou que t√™m chegado √† Ordem dos Enfermeiros situa√ß√Ķes que, apesar de serem pontuais, "s√£o importantes e que se est√£o a agravar com o in√≠cio da vacina√ß√£o dos lares, em que est√£o a vacinar primeiro pessoas que n√£o t√™m contacto direto com doentes ao inv√©s de enfermeiros, m√©dicos e assistentes operacionais".

"Isto é próprio de um país saloio que tenta vacinar aqueles que conhecem, os amigos da instituição, e alguém tem que ir verificar o que é que se está a passar", apelou numa audição conjunta por videoconferência com o bastonário da Ordem dos Médicos no parlamento.

Segundo a baston√°ria, esta situa√ß√£o est√° a passar-se nalgumas institui√ß√Ķes do pa√≠s, adiantando que a OE j√° enviou estes relatos para a Assembleia da Rep√ļblica e que ir√° continuar a faz√™-lo porque "entende que tem que haver culpados daquilo que acontece".

PORTUGAL NÃO COMPROU TODAS AS VACINAS A QUE TINHA DIREITO

Ainda sobre a vacina√ß√£o, disse que teve conhecimento por uma not√≠cia que h√° doses dispon√≠veis de vacinas que depois n√£o s√£o adquiridas na totalidade pelo Governo.

"Isso é que os senhores deputados devem averiguar porque todas aquelas a que nós temos direito e que estão disponíveis devem ser usadas de imediato porque são a nossa melhor esperança para podermos sair a breve prazo desta pandemia", defendeu.

Durante a audição Ana Rita Cavaco deixou críticas ao PS pelo chumbo da "justa valorização da carreira" dos enfermeiros.

"Por muito que queiram vir aqui agradecer aos enfermeiros, à exceção do Bloco de Esquerda e do PCP que votaram a favor, os senhores abstiveram-se, mas os enfermeiros não se têm abstido de dar a vida pelas pessoas e pelo país", salientou.

Portanto, sustentou, é "lamentável que se preocupem em agradecer aos enfermeiros e depois chumbem a justa valorização da sua carreira".

"√Č evidente que n√£o √© por isso que os enfermeiros v√£o deixar de fazer aquilo que est√£o a fazer e aquilo que tem de ser feito, mas os enfermeiros ter√£o mem√≥ria porque √© uma vergonha as pessoas terem-se abstido e terem votado contra, quando os enfermeiros n√£o est√£o nem contra o pa√≠s, nem se abst√™m de fazer aquilo que tem que fazer todos os dias, com p√©ssimas condi√ß√Ķes porque n√£o chegamos para todos", vincou Ana Rita Cavaco.

Lamentou ainda o país não ir buscar os mais de 20 mil enfermeiros que estão a trabalhar no estrangeiro e deixar partir 1.230 durante o ano da pandemia, em 2020.

"TORN√ĀMO-NOS NUM PA√ćS QUE COMPROU VENTILADORES, QUE IMPORTOU VENTILADORES E EXPORTOU ENFERMEIROS", SUBLINHOU.


O vice-presidente da OE, Luís Barreira, disse, por sua vez, que os profissionais estão hoje confrontados com "o sofrimento ético".

"Um enfermeiro numa urg√™ncia para 30 doentes ou um enfermeiro numa unidade de cuidados intensivos para tr√™s ou quatro quando o r√°cio preconizado √© de um para um isto leva obrigatoriamente √† falta de cuidados de qualidade que os doentes deveriam ter e que obrigatoriamente com este n√ļmero e com esta aflu√™ncia de doentes no servi√ßo de urg√™ncia √© imposs√≠vel", lamentou Lu√≠s Barreira.

Apelou ainda ao Minist√©rio da Sa√ļde para que crie uma pol√≠tica que permita fixar os enfermeiros e que permita regressar os que est√£o no estrangeiro.

A covid-19 j√° matou em Portugal 9.686 pessoas dos 595.149 casos de infe√ß√£o confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Dire√ß√£o-Geral da Sa√ļde.

CENTRO EUROPEU ATRIBUI AUMENTO DE INFE√á√ēES EM PORTUGAL A RELAXAMENTO NO NATAL


O Centro Europeu de Preven√ß√£o e Controlo das Doen√ßas (ECDC) atribuiu esta quinta-feira o "aumento not√°vel" no n√ļmero de casos de covid-19 em Portugal "ao relaxamento" das restri√ß√Ķes o Natal e, "em menor escala", √† variante inglesa do SARS-CoV-2.

Em causa est√° o relat√≥rio sobre o "Risco de propaga√ß√£o das novas e preocupantes variantes da SARS-CoV-2", hoje divulgado pelo ECDC e a que a Lusa teve acesso, no qual esta ag√™ncia europeia observa que "Portugal registou um aumento not√°vel no n√ļmero de todos os casos notificados de covid-19 nas √ļltimas semanas".

"Este aumento tem sido atribu√≠do principalmente ao relaxamento das interven√ß√Ķes n√£o-farmac√™uticas [restri√ß√Ķes] durante a √©poca festiva de fim de ano, mas tamb√©m, em menor escala, √† propaga√ß√£o da variante inglesa em algumas regi√Ķes do pa√≠s", justifica a ag√™ncia europeia no documento.

Num documento em que √© reiterada a "preocupa√ß√£o" sobre as novas muta√ß√Ķes SARS-CoV-2, nomeadamente as variantes detetadas no Reino Unido, Brasil e √Āfrica do Sul, dada a elevada transmissibilidade, o ECDC aponta que, at√© 12 de janeiro, apenas tinham sido comunicados 72 casos da estirpe inglesa em Portugal.

"At√© √† data, a estrat√©gia de amostragem para a sequencia√ß√£o tem sido sistem√°tica, concentrando-se em amostras de sequencia√ß√£o recolhidas durante uma semana por m√™s", explica a ag√™ncia europeia, que tem como miss√£o apoiar os pa√≠ses europeus no combate a pandemias e epidemias.

No mesmo relat√≥rio, em que apela a restri√ß√Ķes mais rigorosas e rapidez na vacina√ß√£o dos grupos de risco dada a atual situa√ß√£o epidemiol√≥gica, o ECDC indica que Portugal tem sido um dos pa√≠ses mais mortalidade por covid-19 na Uni√£o Europeia e Espa√ßo Econ√≥mico Europeu (UE/EEE), mas tamb√©m com mais internamentos e com mais casos comunicados.

AT√Č AO FINAL DE FEVEREIRO PODEM MORRER MAIS SETE MIL PESSOAS EM PORTUGAL


Especialistas dizem que esta é uma previsão otimista, que pode ser ultrapassada caso não seja decretado um confinamento geral mais apertado.

Portugal pode ultrapassar as 16.500 mortes por covid-19 no final de fevereiro. Henrique Oliveira, matem√°tico do Instituto Superior T√©cnico, admite que as previs√Ķes est√£o, neste momento, a ser excedidas.

"Ontem foi muito evidente. A nossa previs√£o era 173. Todos os dias as nossas previs√Ķes s√£o excedidas e neste momento s√≥ podemos falar de n√ļmeros m√≠nimos de √≥bitos e de casos", disse.

Ontem, Portugal registou 218 mortes, mais 45 do que o matem√°tico previa. O n√ļmero de mortes no final de fevereiro pode ser, assim, quase o dobro das registadas at√© agora, desde o in√≠cio da pandemia.

"No final de fevereiro prevemos 16 mil a 16.500 √≥bitos. Considerando que as autoridades de sa√ļde, depois das presidenciais, v√£o ter particular aten√ß√£o ao estado de calamitoso em que o pa√≠s e que decretem um confinamento geral. Um verdadeiro confinamento geral".

Ou seja, vão registar-se pelo menos mais sete mil mortes até ao final do próximo mês.

quarta-feira, 20 de janeiro de 2021

"NÃO NOS VAMOS ORGULHAR COMO PORTUGUESES" DO QUE VAI ACONTECER


O m√©dico intensivista do Hospital de S√£o Jo√£o, Roberto Roncon, admitiu, na noite desta ter√ßa-feira, na SIC Not√≠cias, que as imagens que chegaram de It√°lia, em mar√ßo, quando a pandemia come√ßava a chegar a Portugal, podem repetir-se no nosso pa√≠s nas pr√≥ximas semanas.

"√Č √≥bvio. √Č √≥bvio que n√≥s estamos a tomar decis√Ķes erradas, decis√Ķes tardias e acima de tudo, n√£o estamos a conseguir. Os agentes pol√≠ticos est√£o a falhar redondamente naquilo que √© a efic√°cia da mensagem que tem de ser passada", afirmou ao ser questionado sobre essa possibilidade.

Por exemplo, explicou o especialista, "n√£o se pode ir para a Assembleia da Rep√ļblica pedir de forma muito piedosa que todos ajudem, mas depois organizar com grande fanfarra o in√≠cio das campanhas de vacina√ß√£o que, infelizmente, todos n√≥s sabemos que vai demorar muito tempo".

"√Č √≥bvio que a vacina√ß√£o n√£o vai a tempo de evitar as piores consequ√™ncias na segunda e terceira vaga e todos n√≥s sab√≠amos isso, incluindo os decisores pol√≠ticos. N√£o podemos tentar capitalizar as boas not√≠cias e n√£o perceber que essa instrumentaliza√ß√£o podem interferir na estrat√©gia de comunica√ß√£o correta e verdadeira que √© explicar √†s pessoas que tudo isto s√£o quimeras", atirou o profissional de sa√ļde do maior hospital da cidade do Porto.

Apesar de admitir que "a vacina√ß√£o √© extremamente importante para voltarmos ao novo normal", Roberto Roncon defendeu que tem de ficar claro, para os portugueses, que "n√£o vai ser a vacina√ß√£o, em nenhum pa√≠s da Europa, que vai evitar estas mortes e este estado de s√≠tio a que n√≥s estamos a assistir e que vamos assistir nos pr√≥ximos meses".

Para o m√©dico, estas mensagens contradit√≥rias dos decisores pol√≠ticos t√™m de ter "responsabilidades" no futuro, porque agora, "estamos num tempo de a√ß√£o e de salvar vidas". Contudo, defendeu o m√©dico, √© hora de "uma vez por todas, de parar com estas contradi√ß√Ķes e assumir de uma vez por todas que estamos a falhar, que n√£o h√° milagre nenhum portugu√™s que a segunda e terceira vaga v√£o nos tocar fundo e que aquilo que vamos assistir nas pr√≥ximas semanas s√£o cenas de que n√£o nos vamos orgulhar como portugueses".

Sobre o encerramento das escolas, Roberto Roncon salientou que o que √© realmente preocupante √© o adiamento de cirurgias urgentes, que est√° a acontecer, desde novembro.

"Quando oi√ßo alguns decisores pol√≠ticos falarem daquilo que se perde com o ensino √† dist√Ęncia, eu quero ver o que √© que se vai perder com as cirurgias adiadas, as oncol√≥gicas. As pessoas t√™m de perceber o que est√° a acontecer no imediato. Isto √© absolutamente dram√°tico, n√≥s s√≥ vamos conseguir quantificar esta desgra√ßa daqui a uns meses o daqui a alguns anos", frisou.

Por fim, questionado sobre o facto de os hospitais portugueses j√° estarem a escolher os doentes a quem salvar, Roberto Roncon apenas disse que "as escolhas s√£o sempre feitas mediantes as circunst√Ęncias".

"Por maior empenho que possa existir, por maior organização, quando um serviço ou hospital está dimensionado para uma missão e subitamente lhe é exigido uma missão muito maior do que aquela pela qual dimensionou os seus recursos humanos não é difícil perceber que a resposta não pode ter a mesma qualidade por mais empenho, por mais profissionalismo que os seus profissionais possam ter", concluiu.

segunda-feira, 18 de janeiro de 2021

CHINA REGISTA CASO IMPORTADO DE PORTUGAL

 


A China registou no domingo dois casos importados de covid-19 de pa√≠ses lus√≥fonos, tratando-se de uma mulher vinda de Portugal e um homem vindo de Mo√ßambique, ambos cidad√£os chineses.

Segundo a Comiss√£o Provincial de Sa√ļde de Shaanxi, a prov√≠ncia do noroeste da China detetou no domingo tr√™s casos importados de covid-19.

Num comunicado, a comiss√£o revelou que um dos casos envolve uma chinesa de 42 anos que voou de Lisboa para Xi'an, capital de Shaanxi, a 3 de janeiro.

A mulher acabou por mais tarde fazer um teste positivo para o novo coronavírus, que provoca a covid-19, já durante o período de isolamento.

A chinesa desenvolveu sintomas de covid-19 e está atualmente a ser tratada num hospital da província.

Tamb√©m no domingo, a Comiss√£o de Sa√ļde de Guangdong, prov√≠ncia adjacente a Macau, anunciou a dete√ß√£o de um caso de covid-19, um cidad√£o chin√™s oriundo de Mo√ßambique.

Num comunicado, a comissão revelou que o homem de 49 anos passou pelo Maláui, de onde voou para a Quénia e finalmente para Guangzhou, a 2 de janeiro.

Apesar de ter feito um teste negativo ao novo coronavírus, ao aterrar na capital de Guangdong, o passageiro fez mais tarde, durante o período de isolamento, um teste positivo.

O homem foi, entretanto, transferido para um hospital de Guangzhou devido a problemas respiratórios.

"M√ČDICOS N√ÉO CONSEGUEM SALVAR TODAS AS VIDAS", ALERTA BASTON√ĀRIO


O bastonário dos Médicos apelou esta segunda-feira a um confinamento geral, com medidas mais robustas que surtam "resultados consistentes" daqui a duas semanas. Miguel Guimarães avisa o Governo que os médicos "não conseguem salvar todas as vidas" pois os serviços já ultrapassaram "há muito" a linha vermelha.

Num "grito de alerta pelos doentes", bastonário e gabinete de crise para a covid-19 da ordem renovaram hoje a defesa de um conjunto de propostas que consideram urgentes para o país conseguir combater a pandemia de forma mais eficaz. Entre elas, "adotar sem reservas e com a maior brevidade um confinamento geral, no mínimo semelhante ao que ocorreu em março, abril de 2020, aquando da primeira onda da pandemia, com uma situação muito menos severa".

"√Č emergente esmagar a transmiss√£o na comunidade", frisa o comunicado, que pede ao Governo para comunicar as regras de "forma transparente, coerente e objetiva, n√£o omitindo a verdade", nem tentando "esconder a gravidade da situa√ß√£o" ou procurando "bodes expiat√≥rios".

"As meias medidas nem servem a sa√ļde nem a economia. J√° perdemos demasiado tempo e continuamos a perder. √Č inaceit√°vel continuar nas meias medidas e meias verdades. Dizer que est√° tudo bem, quando n√£o est√°. Dizer que estamos a atingir a linha vermelha quando j√° a ultrapassamos h√° muito (n√£o ser√° preciso recordar os mais de 25 milh√Ķes de consultas presenciais, cirurgias e exames complementares de diagn√≥stico e terap√™utica que ficaram pelo caminho e continuam a ficar)", sublinha o baston√°rio no comunicado.

Ter de escolher que doentes cuidam

A Ordem garante que os m√©dicos j√° est√£o "neste momento, a tomar decis√Ķes complexas e muito dif√≠ceis em contexto de medicina de cat√°strofe e de estabelecimento de crit√©rios de prioridade e n√£o conseguem salvar todas as vidas". S√£o os m√©dicos, insiste o baston√°rio, "que desesperam perante os limites do sofrimento e da compaix√£o, merc√™ da incapacidade de tratar o outro, e assim s√£o v√≠timas de burnout e sofrimento √©tico. S√£o eles que, al√©m dos doentes, sofrem no terreno, e que aguentam a press√£o brutal sobre o SNS".

As equipas de sa√ļde p√ļblica, defendem, devem ser refor√ßadas para que os inqu√©ritos epidemiol√≥gicos sejam feitos em tempo √ļtil para conseguirem quebrar cadeias de transmiss√£o. A testagem tem de ser aumentada de forma "exponencial", "atrav√©s da utiliza√ß√£o massiva de testes r√°pidos" e todos os recursos de sa√ļde - p√ļblicos, privados ou social - t√™m de ser aplicados na gest√£o de camas de internamento e de cuidados intensivos.

Entre as dez propostas, a Ordem pede ainda que os m√©dicos de fam√≠lia sejam libertados da linha Trace-Covid e sejam contratados m√©dicos para essa tarefa de modo a que "principal porta de acesso ao SNS possa estar aberta e n√£o parcialmente encerrada". Al√©m da revis√£o "imediata" dos crit√©rios de prioridade do plano nacional de vacina√ß√£o covid-19.

domingo, 17 de janeiro de 2021

"ESTAMOS MUITO PR√ďXIMOS DO LIMITE", AVISA MINISTRA DA SA√öDE


A ministra da Sa√ļde avisou, esta tarde de domingo, que todo o sistema de sa√ļde est√° numa situa√ß√£o de "extremo sobreesfor√ßo" e pediu aos portugueses para "por favor, ficarem em casa".

Em visita ao Hospital Garcia de Orta, em Almada, que está numa situação crítica, Marta Temido deixou avisos e um forte apelo à população para que cumpra o confinamento.

"H√° um limite e estamos muito pr√≥ximos do limite. Os portugueses precisam de saber isto", disse a ministra da Sa√ļde, num tom de preocupa√ß√£o.

Marta Temido real√ßou que todo o sistema de sa√ļde - inclui o Servi√ßo Nacional de Sa√ļde, o setor social e privado, as estruturas de retaguarda e o Hospital das For√ßas Armadas - "est√° numa situa√ß√£o de extremo sobreesfor√ßo" e lembrou que n√£o podemos deixar os profissionais de sa√ļde sozinhos nesta luta.

"Precisamos de nos esforçar mais", pediu a governante, admitindo que viu com "preocupação" a adesão dos portugueses ao confinamento.

"Os hospitais estão debaixo de uma elevadíssima pressão, precisamos da ajuda dos portugueses" para conter a transmissão da doença, concluiu Marta Temido.

DENTRO DE ALGUNS ANOS, A COVID-19 PODER√Ā TORNAR-SE NUMA "CONSTIPA√á√ÉO COMUM" E AFETAR MAIS AS CRIAN√áAS


O SARS-CoV-2 é um coronavírus novo, no entanto existem outros coronavírus com cadeias de transmissão conhecidas em humanos que podem ajudar a construir cenários futuros para a atual pandemia.

Perante a questão de como o SARS-CoV-2 pode modificar a vida humana nos próximos anos, uma equipa de investigadores analisou os dados imunológicos e epidemiológicos destes outros coronavírus endémicos existentes.

Chegaram √† conclus√£o de que a imunidade que bloqueia a infe√ß√£o diminui rapidamente, por√©m a imunidade que enfraquece a doen√ßa tem durabilidade. Ou seja, o estudo publicado na revista Science sugere que o novo coronav√≠rus, quando se tornar end√©mico, poder√° ser t√£o "virulento como uma constipa√ß√£o comum".

Apesar de ser provável, segundo o estudo, o SARS-CoV-2 tornar-se endémico, pode demorar anos ou mesmo décadas, dependendo da velocidade de propagação do vírus, mas também dos planos de vacinação a nível global.

O estudo prevê que, através da vacinação, a maioria dos novos casos sejam reportados em crianças, que nunca contactaram com o vírus. E ao longo dos anos, com um contacto frequente com o SARS-CoV-2, essas crianças passem a desenvolver sintomas cada vez mais leves.

"Prev√™-se que as reinfe√ß√Ķes em pessoas mais velhas sejam comuns durante a fase end√©mica e contribuam para a transmiss√£o, mas esta popula√ß√£o, que estaria em risco mais elevado de (desenvolver) doen√ßa grave, adquiriu imunidade ap√≥s infe√ß√£o durante a inf√Ęncia", pode ler-se no estudo.

Os investigadores consideram que o "distanciamento social e uma vacina eficaz são fundamentais para o controlo de uma pandemia", no entanto quando esta entra numa fase endémica a "vacinação em massa pode já não ser necessária", tudo dependerá da taxa de mortalidade por infeção.

"Se as infe√ß√Ķes em crian√ßas forem leves, a vacina√ß√£o continuada pode deixar de ser necess√°ria √† medida que os casos prim√°rios passam a ser constipa√ß√Ķes. Se por outro lado, a infe√ß√£o prim√°ria for grave em crian√ßas (como para MERS), a vacina√ß√£o ter√° de ser continuada." 

sexta-feira, 15 de janeiro de 2021

UE ACOMPANHA "ATENTAMENTE" NOVA MUTAÇÃO ENCONTRADA NO BRASIL


A muta√ß√£o surgiu na Amaz√≥nia, onde o n√ļmero de internamentos por conta do v√≠rus explodiu nas √ļltimas semanas, principalmente em Manaus, capital do estado brasileiro do Amazonas.

A Comiss√£o Europeia disse hoje "acompanhar atentamente" as novas muta√ß√Ķes do SARS-CoV-2 na Uni√£o Europeia (UE), nomeadamente a origin√°ria do Brasil, e est√° em contacto com empresas farmac√™uticas para garantir que as vacinas contra a covid-19 asseguram prote√ß√£o.

"A Comiss√£o, e em particular a Ag√™ncia Europeia do Medicamento, est√£o a seguir atentamente as muta√ß√Ķes e as novas estirpes [do novo coronav√≠rus]", declarou o porta-voz da Comiss√£o Europeia para a √°rea da Sa√ļde, Stefan De Keersmaecker, falando na confer√™ncia de imprensa di√°ria da institui√ß√£o, em Bruxelas.

Escusando-se a responder diretamente sobre qual o nível de preocupação da Comissão Europeia sobre a estirpe brasileira, Stefan De Keersmaecker focou-se antes na questão da vacinação: "Estamos em contacto com vários produtores de vacinas para garantir que as vacinas podem também assegurar proteção".

A muta√ß√£o do novo coronav√≠rus detetada recentemente no Jap√£o e origin√°ria da Amaz√≥nia brasileira pode ser t√£o contagiosa quanto a do Reino Unido ou da √Āfrica do Sul, segundo investigadores brasileiros.

Em Portugal, ainda n√£o foi detetada a estirpe brasileira do novo coronav√≠rus, garantiu √† Lusa o Instituto Nacional de Sa√ļde Doutor Ricardo Jorge, que estuda desde mar√ßo as variantes do SARS-CoV-2.

Tamb√©m em declara√ß√Ķes √† Lusa, o virologista Pedro Simas afirmou ser necess√°rio mais tempo para estudar a variante detetada no Brasil do novo coronav√≠rus e disse entender que pa√≠ses que enfrentam situa√ß√Ķes graves da pandemia limitem as entradas e sa√≠das nos seus territ√≥rios.

"√Č bom ter alguma cautela e tempo para estudar essa variante do Brasil para ver se o impacto que esta muta√ß√£o tem melhora a dissemina√ß√£o", salientou Pedro Simas, para quem est√° provado que os "confinamentos funcionam, independentemente das variantes" do v√≠rus.

Na quinta-feira, o Governo brit√Ęnico anunciou que vai suspender liga√ß√Ķes a√©reas de Portugal e Cabo Verde para Inglaterra para tentar impedir a entrada da estirpe brasileira do SARS-CoV-2, e proibiu tamb√©m chegadas do Brasil e de outros pa√≠ses sul-americanos.

"Tomei a decis√£o urgente de proibir chegadas da Argentina, Brasil, Bol√≠via, Cabo Verde, Chile, Col√īmbia, Equador, Guiana Francesa, Guiana, Panam√°, Paraguai, Peru, Suriname, Uruguai e Venezuela a partir de sexta-feira ap√≥s informa√ß√£o sobre uma nova variante no Brasil", anunciou o ministro dos Transportes, Grant Shapps, atrav√©s da rede social Twitter.

As viagens de Portugal para o Reino Unido tamb√©m ser√£o suspensas "devido aos seus la√ßos fortes com o Brasil, funcionando como mais uma forma de reduzir o risco de importa√ß√£o de infe√ß√Ķes", acrescentou.

No entanto, o Governo brit√Ęnico vai isentar deste bloqueio os camionistas que viajem a partir de Portugal para permitir a circula√ß√£o de bens essenciais e tamb√©m aos cidad√£os brit√Ęnicos e irlandeses e nacionais de pa√≠ses terceiros com direito de resid√™ncia, que poder√£o entrar no pa√≠s, mas cumprir quarentena de 10 dias.

Os voos diretos entre o Brasil e o Reino Unido j√° haviam sido proibidos no m√™s passado, quando o governo brasileiro tentou impedir que a estirpe brit√Ęnica do v√≠rus, altamente transmiss√≠vel, chegasse ao pa√≠s.

quinta-feira, 14 de janeiro de 2021

CONFINAMENTO PODE OBRIGAR A LIMITAR OU SUSPENDER NETFLIX OU YOUTUBE


As empresas de comunica√ß√Ķes eletr√≥nicas poder√£o limitar ou mesmo inibir durante o per√≠odo de estado de emerg√™ncia e confinamento - que se deve prolongar durante pelo menos um m√™s - funcionalidades dos servi√ßos audiovisuais n√£o lineares, "caso tal se revele necess√°rio". Por exemplo, os chamados servi√ßos de videoclube, as plataformas de v√≠deo, bem como o acesso a servi√ßos de videojogos pela Internet.

O Executivo detalha que as empresas de comunica√ß√Ķes eletr√≥nicas devem dar prioridade a clientes considerados priorit√°rios como, entre outros, os servi√ßos e organismos do Minist√©rio da Sa√ļde e as entidades prestadoras de cuidados de sa√ļde integradas na rede do Servi√ßo Nacional de Sa√ļde, mas tamb√©m ao Sistema Integrado de Redes de Emerg√™ncia e Seguran√ßa de Portugal (SIRESP), Minist√©rio da Administra√ß√£o Interna, Autoridade Nacional de Emerg√™ncia e Prote√ß√£o Civil (ANEPC), For√ßas Armadas, pol√≠cias, servi√ßos de apoio ao funcionamento da Presid√™ncia da Rep√ļblica, da Assembleia da Rep√ļblica e do Governo.

V√°rios outros servi√ßos do Estado, como a Seguran√ßa Social, registos, servi√ßos do cart√£o de cidad√£o ou Di√°rio da Rep√ļblica Eletr√≥nico tamb√©m devem ser priorit√°rios, tal como as escolas.
Perante tantas prioridades e tantas pessoas em casa, confinadas, as empresas de comunica√ß√Ķes t√™m a hip√≥tese de, "quando necess√°rio, implementar" v√°rias "medidas excecionais".

O Governo est√° preocupado com "a integridade e seguran√ßa das redes de comunica√ß√Ķes eletr√≥nicas, dos servi√ßos prestados atrav√©s delas e a preven√ß√£o dos efeitos de congestionamento das redes", prejudicando o "interesse p√ļblico".

√Č neste contexto que surge a hip√≥tese de "limitar ou inibir determinadas funcionalidades, nomeadamente servi√ßos audiovisuais n√£o lineares", como, por exemplo, a Netflix, a HBO ou o YouTube.

segunda-feira, 11 de janeiro de 2021

RIO EM ISOLAMENTO AP√ďS CONTACTO COM MALHEIRO


Presidente e secret√°rio-geral do PSD ficar√£o 14 dias em isolamento profil√°tico, depois de terem reunido com Salvador Malheiro, autarca de Ovar, no final de uma reuni√£o da comiss√£o permanente do PSD.

Na quinta-feira passada, o PSD reuniu em comiss√£o permanente. No final do encontro, o presidente, Rui Rio, o secret√°rio-geral, Jos√© Silvano, e o vice e autarca de Ovar, Salvador Malheiro, encontraram-se, numa outra reuni√£o. Foi este segundo encontro que levou o delegado de sa√ļde a considerar que houve um contacto de alto risco de Rio e Silvano com Salvador Malheiro, que testou positivo para covid-19 este domingo.

Rui Rio e Jos√© Silvano ser√£o testados, mas ir√£o cumprir os 14 dias de isolamento profil√°tico ditados pela sa√ļde p√ļblica. Ou seja, n√£o far√° parte presencial de qualquer evento de campanha que Marcelo Rebelo de Sousa organize, tendo em vista as elei√ß√Ķes presidenciais de 24 de janeiro.

s√°bado, 9 de janeiro de 2021

CONFINAMENTO GERAL DEVER√Ā VOLTAR TAL COMO EM ABRIL, AVAN√áA SIZA VIEIRA


O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, avançou esta sexta-feira que o confinamento geral deverá voltar em Portugal, tal como em abril.

O Governo comunicou, de urg√™ncia, aos parceiros sociais, o regresso de medidas mais restritivas, no √Ęmbito da pandemia de covid-19. Em causa est√° tamb√©m o "poss√≠vel" encerramento da restaura√ß√£o e com√©rcio.

"N√£o entr√°mos em detalhe sobre o tipo de restri√ß√Ķes, mas acho que aquilo que devemos ponderar como plaus√≠vel √© o quadro que vigorou durante o m√™s de abril, ou o quadro que vigorou durante a primeira quinzena do m√™s de maio", afirmou o ministro.

Relembrou ainda que s√£o situa√ß√Ķes em que o Governo manteve a ind√ļstria, a constru√ß√£o civil a funcionar e todo o retalho alimentar a funcionar, mas manteve o pequeno com√©rcio n√£o-alimentar encerrado.

Desta forma, Siza Vieira avan√ßou que o Governo est√° a ponderar a hip√≥tese de "medidas mais restritivas da mobilidade da popula√ß√£o", com vista a travar a evolu√ß√£o da pandemia nos √ļltimos dias.

Esta é uma situação de preocupação", considerou Siza Vieira.

O ministro justifica esta op√ß√£o com o aumento do n√ļmero de casos di√°rios e a tens√£o que a pandemia est√° a exercer sob o Servi√ßo Nacional de Sa√ļde.

"Parece-nos evidente a necessidade de encontrarmos um modelo de conten√ß√£o maior da mobilidade dos portugueses e, com isso, da probabilidade de contactos e de redu√ß√£o de cont√°gios. Neste momento, por isso, parece ao Governo que a simples manuten√ß√£o das medidas que est√£o em vigor n√£o ser√° suficiente para assegurar a conten√ß√£o do ritmo de crescimento de novos casos que temos pela frente", afirmou o Siza Vieira.

O governante disse ainda que um novo confinamento não deverá implicar o encerramento das escolas, cenário que o primeiro-ministro, António Costa, já tinha afastado na quinta-feira, no final da reunião do Conselho de Ministros.

GOVERNO VAI REFOR√áAR OS APOIOS A TRABALHADORES INDEPENDENTES E S√ďCIOS-GERENTES

As empresas que tiverem de encerrar no √Ęmbito das novas restri√ß√Ķes poder√£o aceder ao regime do ‘lay-off’ simplificado que neste momento permite o sal√°rio a 100% pagando o empregador “apenas 19% desse sal√°rio” e estando isento da Taxa Socia √önica (TSU), disse Siza Vieira.

Por sua vez, o programa Apoiar prev√™ um apoio a fundo perdido “que agora vai ser majorado”, disse o ministro, acrescentando esperar que, para as empresas que j√° receberam o primeiro pagamento e para as que venham a apresentar candidaturas o valor dos apoios possa ser refor√ßado.

"Durante a pr√≥xima semana aprovaremos e publicaremos a portaria de altera√ß√£o ao programa Apoiar para contemplar estas altera√ß√Ķes”, assegurou o ministro da Economia, lembrando que as empresas podem ainda aceder ao apoio √† retoma progressiva da atividade.

Siza Vieira acrescentou que o Governo vai “refor√ßar os apoios a trabalhadores independentes e s√≥cios-gerentes” afetados pelas novas medidas.

Também presente na conferência de imprensa, a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, explicou que, no caso dos "trabalhadores independentes, sócios-gerentes e trabalhadores do serviço doméstico" que fiquem com a atividade suspensa, será retomado o apoio que esteve em vigor em abril ou maio, uma medida excecional que vigorará "apenas enquanto durarem estas medidas mais restritivas".

Por sua vez, a regulamentação do novo apoio extraordinário previsto no Orçamento do Estado que "é transversal a quem perder rendimentos em 2021" estará operacional "no final de janeiro", disse a ministra, lembrando que este apoio é sujeito a condição de recursos.

Quanto √† evolu√ß√£o da pandemia de covid-19, o ministro da Economia considerou que este √© um momento “de preocupa√ß√£o”, sendo preciso reduzir o n√ļmero de cont√°gios que est√° “muito elevado”.

"Aquilo que pretendemos é um momento de travagem", sublinhou Siza Vieira, acrescentando que tudo aponta para uma "duração mais curta" das novas medidas restritivas face às que foram tomadas em março, abril ou maio.

Questionado sobre se as medidas serão diferenciadas tendo em conta os níveis de contágio, o ministro disse que essa questão ainda não está fechada, mas afirmou que "muito provavelmente será feito um apelo a todos os cidadãos do país" para que reduzam os contactos e a mobilidade "ao mínimo indispensável".

sexta-feira, 8 de janeiro de 2021

SEF INTERCETA SEIS PASSAGEIROS COM TESTES FALSOS NO AEROPORTO DO PORTO


O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) anunciou hoje que intercetou, no Aeroporto do Porto, seis passageiros portugueses, provenientes do Rio de Janeiro, com testes falsos à covid-19.

"O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) intercetou, no passado dia 6 [quarta-feira], no Aeroporto Francisco Sá Carneiro, no Porto, seis cidadãos nacionais na posse de comprovativos de teste à covid-19, com indícios de falsificação grosseira", referiu a força de segurança, em comunicado. A deteção, acrescenta o SEF, "verificou-se no controlo documental efetuado a um voo proveniente do Rio de Janeiro", no Brasil.

Os seis cidad√£os, com idades entre os 28 e os 32 anos, "fizeram novos testes √† covid-19, a expensas pr√≥prias, no laborat√≥rio instalado no Aeroporto do Porto". "Entraram em territ√≥rio nacional informados da obrigatoriedade de confinamento enquanto aguardam os resultados laboratoriais, de acordo com a legisla√ß√£o em vigor. O SEF comunicou os factos apurados ao Minist√©rio P√ļblico do Tribunal da Maia", refere ainda a nota do SEF.

Portugal registou hoje o maior n√ļmero de doentes internados devido √† covid-19, 3451, no dia em que tamb√©m foram atingidos novos m√°ximos de mortes e infe√ß√Ķes pelo novo coronav√≠rus.

Segundo o boletim epidemiol√≥gico di√°rio da Dire√ß√£o-Geral da Sa√ļde (DGS), a centena de √≥bitos foi hoje ultrapassada, com 118 mortos relacionados com a covid-19, doen√ßa que levou ao internamento de 3451 pessoas, tendo sido tamb√©m registados mais 10.176 novos casos de infe√ß√£o, os valores di√°rios mais elevados desde o in√≠cio da pandemia, em mar√ßo de 2020.

O n√ļmero m√°ximo de √≥bitos situava-se nos 98 mortos, notificados a 13 de dezembro, e em 10.027 novos casos di√°rios de infe√ß√£o pelo novo coronav√≠rus, na √ļltima quarta-feira.

O estado de emergência decretado em 9 de novembro para combater a pandemia foi renovado com efeitos desde a meia-noite de 8 de janeiro, até dia 15.

terça-feira, 5 de janeiro de 2021

OMS RECOMENDA ATRASAR "ALGUMAS SEMANAS" SEGUNDA DOSE DA VACINA DA PFIZER


A Organiza√ß√£o Mundial da Sa√ļde (OMS) recomendou esta ter√ßa-feira que a administra√ß√£o da segunda dose da vacina da Pfizer-BioNTech seja “atrasada algumas semanas” em situa√ß√Ķes excecionais, para permitir que mais pessoas possam ter acesso √† primeira dose.

Esta recomenda√ß√£o resulta da reuni√£o desta ter√ßa-feira do Grupo Consultivo Estrat√©gico de Peritos em Imuniza√ß√£o (SAGE), que re√ļne 26 especialistas de v√°rias √°reas e diversos pa√≠ses e que, nos √ļltimos meses, tem analisado a informa√ß√£o sobre as vacinas contra a covid-19.

Em confer√™ncia de imprensa, o respons√°vel do SAGE, o mexicano Alejandro Cravioto, adiantou que os especialistas recomendaram que, em circunst√Ęncias excecionais de fornecimento, a vacina da Pfizer-BioNTech seja administrada “entre 21 e 28 dias”.

A recomenda√ß√£o de atrasar a segunda dose “em algumas semanas” permitiria “maximizar o n√ļmero de pessoas que podem beneficiar da primeira dose” desta vacina, referiu Alejandro Cravioto.

Também esta terça-feira a Agência Europeia de Medicamentos desaconselhou adiar a segunda dose da vacina Pfizer-BioNTech além dos 42 dias, numa altura em que Alemanha e Bélgica admitem administrar a primeira dose a mais pessoas e adiar a segunda além dos 21 dias prescritos.

Aquele organismo, que trata da avaliação técnica das vacinas na União Europeia (UE), destaca que "os vacinados podem não estar totalmente protegidos até sete dias após a segunda dose", como indicou a Pfizer após os ensaios clínicos, disse à agência espanhola EFE a porta-voz da Agência Europeia de Medicamentos (EMA), Sophie Labbe.

No entanto, a EMA não proíbe estender a administração da segunda dose da vacina da Pfizer contra a covid-19 até aos 42 dias.

Em 31 dezembro, a OMS concedeu a sua primeira aprovação de emergência desde o início da pandemia de Covid-19 à vacina Pfizer-BioNTech, tornando mais fácil, aos países que o desejarem, usar a vacina rapidamente.

Este procedimento, que a OMS pode usar em caso de emerg√™ncia de sa√ļde, permite que pa√≠ses que n√£o t√™m meios para determinar rapidamente e por conta pr√≥pria a efic√°cia e seguran√ßa de um medicamento, possam ter acesso r√°pido √† terapia.

Na reuni√£o desta ter√ßa-feira, os especialistas da OMS reconheceram ainda a import√Ęncia da vacina√ß√£o de gr√°vidas contra a covid-19, tendo em conta que uma larga percentagem de profissionais de sa√ļde s√£o mulheres, adiantou o respons√°vel do SAGE.

“Ainda assim, √† luz da informa√ß√£o limitada existente, o SAGE n√£o est√° em condi√ß√Ķes de recomendar a vacina√ß√£o durante a gravidez, at√© que dados mais seguros estejam dispon√≠veis”, referiu Alejandro Cravioto.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.854.305 mortos resultantes de mais de 85 milh√Ķes de casos de infe√ß√£o em todo o mundo, segundo um balan√ßo feito pela ag√™ncia francesa AFP.

MEDICAMENTO PARA PIOLHOS PODE REDUZIR EM 80% MORTES POR COVID-19


O medicamento √© um antiparasit√°rio e √© usado para tratar piolhos e sarna, podendo ser tomado por via oral ou aplicado diretamente na zona da pele infetada

O professor Andrew Hill, docente e investigador na Universidade de Liverpool, no Reino Unido, foi incumbido pela Organiza√ß√£o Mundial de Sa√ļde (OMS) de avaliar o f√°rmaco, reporta o jornal The Times. 

Num ensaio cl√≠nico, foi aleatoriamente administrado a volunt√°rios um placebo ou Ivermectina.  

De acordo com os cientistas, os pacientes envolvidos no ensaio recuperaram da Covid-19 em metade do tempo habitual, que para a maioria dos indiv√≠duos √© aproximadamente duas semanas. 

Dos doentes que tomaram Ivermectina, oito morreram, enquanto 44 que tomaram o placebo tamb√©m morreram. 

Os investigadores analisaram no total 11 ensaios clínicos com mais de mil pacientes, experiências essas que foram realizadas sobretudo em países desenvolvidos.

Os dados apurados tamb√©m revelaram que a droga farmacol√≥gica reduziu as mortes por SARS-CoV-2 at√© 80% em pessoas internadas em hospitais. 

"Tratamento transformador"

Os resultados dos ensaios cl√≠nicos ser√£o publicados no final do m√™s de janeiro e para Hill a Ivermectina pode definitivamente ser uma "arma importante" para travar a propaga√ß√£o da Covid-19. 

O professor afirma que os dados apurados podem ser cruciais num momento em que muitos pa√≠ses enfrentam uma segunda vaga do v√≠rus. 

"√Č bastante promissor e uma ideia atrativa, porque um curso de tratamento custa menos de dois euros", diz Hill. 

"Os dados recolhidos nos v√°rios ensaios cl√≠nicos podem ser suficientes para que a Organiza√ß√£o Mundial de Sa√ļde recomende o uso do tratamento (com Ivermectina) no mundo inteiro". 

"Se virmos essas mesmas tend√™ncias consistentemente em mais estudos, ent√£o estaremos mesmo perante um tratamento transformador", acrescentou. 

Os investigadores sugerem que o medicamento para tratar os piolhos funciona ao interferir no ciclo de vida do novo coronav√≠rus e acreditam que pode ser utilizado como um anti-inflamat√≥rio.

QUATRO JOGADORES E PRESIDENTE DO PALMAS MORREM EM ACIDENTE A√ČREO

      Piloto tamb√©m n√£o sobreviveu ap√≥s queda e explos√£o da aeronave A queda de um avi√£o de pequeno porte, logo ap√≥s a decolagem, na manh√£ d...