Translate

Mostrar mensagens com a etiqueta COVID-19-FESTA DO AVANTE. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta COVID-19-FESTA DO AVANTE. Mostrar todas as mensagens

segunda-feira, 31 de agosto de 2020

CDS QUER NA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA TODOS OS DOCUMENTOS DO AVANTE

 


A bancada parlamentar do CDS-PP solicitou esta segunda-feira ao Governo toda a documentação das autoridades relativa à Festa do Avante.

"Solicita-se que o Governo remeta para a Assembleia da República, para além das orientações técnicas da Direção-Geral de Saúde (DGS), todos os documentos, designadamente, estudos, análises, avaliações de impacto, de risco e de segurança, e relativamente a cada setor, que tenham sido realizados e que serviram de fundamento para as regras da Festa do Avante, bem como a indicação de todos os especialistas e técnicos que elaboraram tais documentos".

Os democratas-cristãos querem saber ainda "qual vai ser o acompanhamento posterior ao evento, que tipo de rastreio, controlo, ou monitorização do ponto de vista de saúde pública vai ser feito, quer para o público, quer para a entidade organizadora, quer para os artistas e equipas de trabalho, por que entidade(s) e de que forma".




TEM AVANTE NÃO TEM COMERCIANTE

 


Dezenas de comerciantes da zona envolvente a quinta da Atalaia, na freguesia de Amora , Seixal vão fechar portas nos dias em que estiver a decorrer a Festa do Avante.

Maria Carvalho, responsável pela cozinha do Restaurante Rota dos Petiscos Terra e Mar, estabelecimento que deu inicio ao "movimento", diz ter apelado ao "bom senso dos comerciantes para que encerrassem portas ", entre 4 e 6 de Setembro.

"Prefiro fechar três dias, ainda que com sacrifício, do que fechar três semanas, a movimentação de pessoas durante "o Avante" envolve toda a freguesia de Amora, e não apenas a Quinta da Atalaia".

Maria Carvalho avançou que são já mais de 40, os estabelecimentos que vão encerrar, entre eles estão: agências imobiliárias, oficinas de automóveis, cabeleireiros, ginásios, restaurantes e pastelarias.

"Esta decisão não tem nenhuma conotação político-partidária. Não tenho nada contra a Festa do Avante, opto apenas por salvaguardar a minha família".

domingo, 30 de agosto de 2020

PARTIDO COMUNISTA PODE ENFRENTAR QUEIXA CRIME SE HOUVER SURTO

 


Ex-candidato do PSD no Seixal, Paulo Edson Cunha, ameaça com queixa crime a Festa do Avante, caso haja um surto por Covid-19.

Depois de o PCP ter divulgado este sábado o programa do festival, que conta com música africana, fado e fecha com os Xutos & Pontapés.

Paulo Edson Cunha escreveu uma carta aberta dirigida ao partido Comunista.

Leia a carta aqui👇👇

Exmos. Senhores Responsáveis pela Festa do Avante! (quer seja o próprio partido, quer seja quem autorizou a festa),


Como advogado, defensor de causas, ex-autarca durante mais de vinte anos e profundo conhecedor deste concelho, sendo que oito deles como vereador e quatro como vereador da Protecção Civil, portanto com um contacto próximo com a realidade da Festa do Avante!, para onde a Protecção Civil executava e aplicava o Plano de Segurança dessa festa, mas sobretudo como cidadão, trabalhador (tenho um escritório) e morador no Seixal, venho dirigir a presente Carta Aberta aos Responsáveis apelando a que desistam enquanto é tempo e simultaneamente avisá-los que se nada fizerem e os resultados forem os infelizmente esperados (agravamento dos casos) tomarei a iniciativa de apresentar no Ministério Público do Seixal (e sim, aí não há sede do PCP que os valha, porque nesse caso o crime seria cometido no Seixal) uma queixa-crime contra os responsáveis por esta festa pelo crime de Propagação de Doença, pois não é possível que as autoridades sanitárias e os responsáveis directos pela festa não consigam antecipar os perigos, prever o resultado e mesmo assim arriscarem. Se querem brincar com a saúde, aluguem uma ilha privada e vão todos para lá, mas não nos metam a nós em perigo.


Nada me move contra a Festa nas suas diferentes dimensões. Nem a politica, nem a cultural e associativa, nem qualquer um dos restantes propósitos que a festa alcança, mas compreendam, também nada me move contra os festivais de Verão, contra os Jogos Olímpicos, contra o Campeonato da Europa ou contra as cerimónias dos Óscares, bem pelo contrário e a verdade é que todos esses eventos foram cancelados ou alteraram os seus modelos, sendo este o único que não o fez. Essa é a questão. Não se façam de vítimas, não politizem uma questão que não é política.

Têm direito de fazer uma reunião política? Têm. Mas como os responsáveis pela Festa sempre apregoaram e sempre defenderam, esta não é unicamente uma Festa política – é muito mais do que isso. E todos o sabemos. O vosso Slogan – Não há Festa como esta – feliz, aliás, quer dizer mesmo isso. Mas o argumento que tem levado milhares de pessoas à Atalaia - Seixal (mais de 100 mil nos anos anteriores) é o melhor argumento para que este ano não haja festa – precisamente o ajuntamento previsto de pessoas e o tipo e estilo desta festa.

Nada me move contra o partido, nem contra o Governo, mas já não posso ficar indiferente e calado perante o perigo a que todos vamos estar sujeitos. O Seixal tem uma população de cerca de 160.000 habitantes, o que já a torna, de per si, uma zona permeável ao vírus, face à elevada densidade populacional. O Seixal integra a AML e é, em termos populacionais, o segundo concelho do distrito o que nos leva a pensar se não estarão criadas as condições para a tempestade perfeita, até porque os casos estão a subir de forma assustadora. Não posso por isso deixar de perguntar:

Aos 160.000 habitantes do Seixal querem juntar, em três dias, mais 30 a 40 mil pessoas? É que estas pessoas circulam pelo concelho. Colocando-se a si próprios e a todos a nós em risco. No caso dos “festivaleiros”, o risco é consciente, assumido e por isso é da sua responsabilidade, mas e a população do concelho? Quais as defesas que a população tem para fazer face a esta ameaça?

A população do Seixal vive há anos a reivindicar um hospital, servindo-se de um Hospital Garcia de Orta, já de si sobrelotado, pelo que é mais um argumento para que não se arrisque.

O Governo, antevendo o que aí vem de perigo, até já decretou o Estado de Contingência a partir de 15 de Setembro. Se o Governo prevê este aumento de casos, pactua com uma iniciativa que é potencialmente geradora de mais casos? E permite-o precisamente 10 dias antes do início da época escolar? Quanta irresponsabilidade…

Os comerciantes do concelho, sobretudo na zona da Amora, apesar das muitas dificuldades e das pressões que têm sido feitas, decidiram quase maioritariamente fechar os seus estabelecimentos nos dias da Festa. Porque será? Por medo, mais uma vez não se trata de ser contra a Festa, trata-se de ter medo das consequências de uma iniciativa que decorre indiferente à pandemia.

Nós, cidadãos do Seixal, temos medo de ver o nosso concelho invadido por milhares de pessoas, que atendendo ao histórico de frequentadores do Avante!, muitas delas jovens, com poucos cuidados, pouca consciência social (analisem-se os números da urgência do HGO dos anos anteriores e perceberão o que queremos dizer) e que vão em apenas três dias acrescentar pelo menos mais um terço à nossa já elevada densidade populacional, com a agravante de se fixar praticamente numa ou duas únicas freguesias (Amora e Seixal) pelo que exortamos aos responsáveis que repensem esta autorização: ainda vão a tempo de evitar males maiores e ganhar o nosso respeito e aplauso. O risco de realizar uma iniciativa complexa como a “Festa” neste contexto não compensa. O preço social e político a pagar por possíveis focos de contágio que venham a ser identificados é demasiado alto.

Advogado

quarta-feira, 19 de agosto de 2020

A DGS (GRAÇA FREITAS) APOIA A REALIZAÇÃO DA FESTA DO AVANTE


"Os trabalhos de preparação da Festa do Avante são trabalhos de rigor e de minúcia, que implicam ampla conversação, elencou uma série de parâmetros que precisa de conhecer para se pronunciar e para que a entidade organizadora faça chegar documentos técnicos que permitam apreciar com rigor como está previsto que o evento decorra".

"O que acontece é que quem promove um evento, e se este evento tem legitimidade para ser realizado, faz-nos chegar uma série de documentos técnicos, um plano de contingência, um plano de utilização do espaço, um plano de circuitos, uma série de coisas que nós analisamos. E depois aplicam-se àquela circunstância especial os normativos em vigor", disse Graça Freitas.

"Estamos nesta fase de trabalho, trabalho, trabalho. Pedimos informação, pronunciamo-nos, pedimos nova informação e voltamo-nos a pronunciar".






EXTRADITADO PARA CABO VERDE HOMEM QUE MATOU AGENTE DA PSP EM 2005 NA AMADORA

O cidadão cabo-verdiano cumpriu em Portugal 17 dos 23 anos de prisão a que tinha sido condenado pelo homicídio de Irineu Diniz. O homem que ...