tradutor com bandeiras. Google Translate

Mostrar mensagens com a etiqueta COVID-CRISE. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta COVID-CRISE. Mostrar todas as mensagens

terça-feira, 4 de agosto de 2020

OS ALOJAMENTOS TURÍSTICOS ESTE ANOS ESTÃO ENCERRADOS OU QUASE VAZIOS



O Instituto Nacional de EstatĂ­sticas diz que por causa da pandemia.

"De acordo com os resultados de um questionĂĄrio especifico adicional que o INE promoveu durante os meses de Junho e Julho, 62,6% dos estabelecimentos de alojamento turĂ­stico respondentes (representando 78,6% da capacidade de oferta) assinalaram que a pandemia covid-19 motivou o cancelamento de reservas agendadas para os meses de Junho e Outubro de 2020, maioritariamente dos mercados nacional e espanhol".

Os estabelecimentos contavam registar,"taxas de ocupação inferiores a 50% em cada um dos meses ", de Junho a Outubro.

Uma parte dos estabelecimentos turĂ­sticos prevĂȘ alterar os preços face ao ano anterior, a outra admite reduzir os preços, "encontrando-se maioritariamente localizados na Área Metropolitana de Lisboa e no Algarve (58,8% e 54,5% dos estabelecimentos, respetivamente",uma  previsĂŁo do INE.







sexta-feira, 3 de julho de 2020

EMIGRANTES PEDEM AJUDA PARA COMER E SAEM DE PORTUGAL AOS MILHARES




Entre Março e maio foram repatriados mais de dois mil cidadãos brasileiros.

O JN adianta que:

"NĂŁo se sabe ao certo quantos sĂŁo. A pandemia tirou-lhes o emprego, atirou-os para a pobreza, deixou-lhes a vida Ă  mercĂȘ da sorte e dos movimentos de solidariedade que se multiplicaram nestes tempos de crise. Passaram a depender das associaçÔes para comer, pagar a renda da casa ou, simplesmente, para ter onde dormir. Sem meios de subsistĂȘncia, milhares de imigrantes desistiram e regressam (ou tentam voltar) ao seu pais de origem.


Entre Março e Maio, foram mais de dois mil cidadĂŁos brasileiros - a mais representativa comunidade imigrante em Portugal -, "em situação de extrema vulnerabilidade", sem dinheiro para sobreviver. "Recebemos um nĂșmero muito expressivo de pedidos de ajuda durante o surto. A população que ainda estava em fase de legalização foi afetada de forma muito violenta", afirma ao JN Eduardo Hosannah, cĂŽnsul-geral-adjunto do Brasil".


"ATENÇÃO QUE QUEM PERDE TUDO, PERDE TAMBÉM O MEDO" DIZ FERNANDO ROCHA

  Fernando Rocha  refletiu  sobre um dos maiores flagelos da  atualidade : a corrupção. Partilhando uma frase de reflexĂŁo acerca do assunto,...