google.com, pub-4886806822608283, DIRECT, f08c47fec0942fa0

tradutor com bandeiras. Google Translate

Mostrar mensagens com a etiqueta EMPRESAS-CONSTRUÇÃO. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta EMPRESAS-CONSTRUÇÃO. Mostrar todas as mensagens

sexta-feira, 27 de novembro de 2020

23% DA MOTA ENGIL É CHINESA PELO VALOR DE 169,4 MILHÕES

 


A China Communications Construction Company (CCCC), que é a quarta maior construtora do mundo, anunciou esta sexta-feira a aquisição de 23% do capital da Mota-Engil por 169,4 milhões de euros. A Mota-Engil confirmou em comunicado emitido por volta das 9h50. 

A notícia foi avançada pela Bloomberg, citando um comunicado enviado pela construtora chinesa ao regulador, onde a CCCC diz que assinou o acordo com a Mota Gestão e Participações, a holding da família Mota que vai assim baixar a sua posição de controlo na construtora portuguesa.

As ações da Mota-Engil estão a disparar 14,55% para 1,716 euros e atingiram um máximo de 31 de agosto. Ainda assim muito abaixo dos 3,08 euros por ação que o acordo com os chineses pressupõe para a aquisição de 55 milhões de ações.

Tendo em conta os termos do negócio, a Mota-Engil fica avaliada em 736,5 milhões de euros, 80% acima da atual capitalização bolsista, que se situa nos 399 milhões de euros.

A Mota-Engil, em comunicado, informa "ter concluído com a China Communications Construction Company (CCCC), - um dos maiores grupos de infraestruturas do mundo -, o acordo de parceria estratégica e de investimento cujos aspetos essenciais foram já objeto de divulgação ao mercado através do comunicado emitido em 27 de agosto de 2020".

A construtora portuguesa acrescenta que a efetividade do acordo está "dependente da verificação de várias condições precedentes, de índole legal e contratual, entre as quais se incluem a aprovação ou o consentimento por parte de diversas entidade públicas e a confirmação por parte da Comissão do Mercados de Valores Mobiliários (CMVM) de que o acordo e as operações nele previstas não impõem para a CCCC a obrigação de lançamento de uma oferta pública de aquisição".

Conforme previsto no acordo divulgado em agosto haverá, ainda, um aumento de capital da Mota-Engil, que diz que irá convocar "em breve" a assembleia-geral para "autorizar o conselho de administração a aprovar o aumento de capital, nos termos e condições a decidir por este órgão no momento oportuno".

Em agosto o presidente executivo da Mota-Engil, Gonçalo Moura Martins, apontou como prazo para a concretização desta transação, incluindo o aumento de capital, o quarto trimestre deste ano. No entanto, tendo em conta as aprovações que são ainda necessárias e os timings para a publicação do propecto, a operação só deverá ficar fechada no primeiro trimestre do próximo ano. 


Em agosto, a Mota-Engil anunciou que estava em fase final de negociação um acordo de parceria estratégica e investimento com "um dos maiores grupos de infraestruturas do mundo (top 5), com uma atividade significativa a nível mundial", que se irá tornar "um acionista relevante e um parceiro de longo prazo" do grupo hoje controlado pela família de António Mota.

Então foi anunciado que a parceria se concretizaria através da compra de uma "participação relevante" à Mota Gestão e Participações (MGP), a "holding" da família Mota, e da subscrição de um aumento de capital de até 100 milhões de ações, findo o qual a CCCC passaria a deter mais de 30% do grupo português.

O negócio avaliaria em cerca de 750 milhões de euros a Mota-Engil. No âmbito deste acordo noticiado em agosto, a CCCC iria adquirir uma posição na Mota-Engil à holding da família Mota e participar num aumento de capital, assegurando mais de 30% do grupo, enquanto a Mota Gestão e Participações reduziria para 40%, tal como está detalhado no esquema em baixo.


ATÉ AO FINAL DE FEVEREIRO PODEM MORRER MAIS SETE MIL PESSOAS EM PORTUGAL

Especialistas dizem que esta é uma previsão otimista, que pode ser ultrapassada caso não seja decretado um confinamento geral mais apertado....