Translate

Mostrar mensagens com a etiqueta LISBOA. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta LISBOA. Mostrar todas as mensagens

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2021

VIOLA AMIGA INCONSCIENTE DEPOIS DA FESTA DE ANIVERSÁRIO DELA


Um jovem de 21 anos foi detido pela PJ por fortes indícios de um crime de abuso sexual de pessoa incapaz de resistência. A vítima é uma amiga do suspeito que tinha ficado inconsciente na sua festa de aniversário, este mês.

Em meados deste mês, a vítima organizou, na sua residência, em Lisboa, uma festa entre amigos para celebrar o aniversário. Ficou embriagada, perdendo a capacidade de reação e acabando por adormecer.

Os convivas acabaram por abandonar a casa da vítima. Porém, o suspeito, sabendo que a anfitriã se encontrava prostrada e sem qualquer capacidade de reação, regressou à habitação e abusou sexualmente da mesma.

Devido à agressão sexual que sofreu, a jovem necessitou de ser observada em urgência hospitalar, informa a Polícia Judiciária.

O detido, de 21 anos, foi apresentado a primeiro interrogatório judicial, tendo-lhe sido aplicada a medida de coação de prisão preventiva.

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2021

HOMEM DE 60 ANOS ACUSADO DE VIOLAÇÃO IMPORTUNAVA MENORES PERTO DE ESCOLA


Um homem de 60 anos foi acusado pelo Ministério Público de Lisboa de um crime de abuso sexual de menores, dois crimes de importunação sexual e um crime de violação, na forma tentada.

Os factos ocorreram em quatro ocasiões distintas, três delas no ano 2019 e uma já em 2020, e tiveram lugar num parque público dos Olivais, relata uma nota da Procuradoria da República da Comarca de Lisboa.

Segundo a acusação, o arguido abordava menores nas proximidades da escola que frequentavam, constrangendo-as nessas abordagens a manter consigo contacto físico sexual, contra as suas vontades.

Numa das ocasiões, o arguido procurou manter atos sexuais com uma vítima, tentando despi-la, o que apenas não conseguiu porque esta se debateu e fugiu.

O arguido encontra-se sujeito à medida de coação de prisão preventiva. A investigação foi dirigida pelo Ministério Público da 2.ª secção do DIAP de Lisboa.

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2021

CADÁVER ENSANGUENTADO ENCONTRADO EM LISBOA


O cadáver de uma pessoa, com cerca de 60 anos, foi encontrado na manhã desta segunda-feira, na via pública, junto ao bairro de Alvalade, em Lisboa. Há suspeitas de homicídio e a PJ investiga.

O cadáver foi encontrado, cerca das 10.50 horas, por uma patrulha da PSP, depois de ter sido alertada por uma pessoa que tinha visto manchas de sangue no chão. A mulher que contactou a PSP também colocou o alerta num grupo de Facebook.

Para já, existem suspeitas que a vítima tenha sido várias vezes esfaqueada e abandonada no local, onde faleceu.

No local, situado na Mata de Alvalade, junto da rua Professor Veiga Beirão, estão elementos da esquadra do Campo Grande e da Polícia Judiciária de Lisboa que estão a recolher vestígios.

A vítima já terá sido identificada pela PJ.

sexta-feira, 29 de janeiro de 2021

INCÊNDIO EM APARTAMENTO CAUSA FERIMENTOS EM OITO MORADORES


Um incêndio num apartamento no Bairro da Boavista, em Lisboa, provocou ferimentos por inalação de fumos em oito moradores, esta noite de quinta-feira.

O prédio foi evacuado enquanto os bombeiros combateram o incêndio, dado como extinto meia hora depois do alerta. Cinco cães foram resgatados nas operações de combate às chamas.

Os feridos, sete adultos e um jovem com 15 anos, foram assistidos no local e cinco foram transportados para o Hospital São Francisco Xavier. Os restantes recusaram transporte para o hospital.

O incêndio deflagrou às 20.15 horas no terceiro andar do lote B da Rua das Acácias, naquele bairro lisboeta. Ao local acorreram os bombeiros Sapadores de Lisboa, INEM e PSP com 27 operacionais e 12 viaturas. O incêndio foi dado como extinto cerca de meia hora depois do alerta.

domingo, 3 de janeiro de 2021

SINDICATO DENUNCIA "GRAVES IRREGULARIDADES" COM CADÁVERES DE VÍTIMAS DE COVID-19

 


Os corpos de doentes que morreram de covid-19 estão a permanecer várias horas nas enfermarias do Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central, um atentado à dignidade de doentes e familiares, denuncia um sindicato, que pede respostas ao Governo.

"Graves irregularidades na manipulação de cadáveres de doentes COVID-19 falecidos no Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central (CHULC) atentam contra a dignidade dos doentes com infeção por SARS-CoV-2 e seus familiares. Além das deficientes condições de trabalho já amplamente denunciadas, também esta situação mostra a falta de competência do Conselho de Administração (CA) do CHULC em assegurar resposta à pandemia em todas as suas vertentes", denuncia o Sindicato dos Médicos da Zona Sul (SMZS), em comunicado hoje divulgado.

O sindicato acusa o CA do centro hospitalar de não ter preparado devidamente a segunda vaga da pandemia, o que culminou no "tratamento desumano dos seus utentes, além do desprezo pelas condições de trabalho de médicos e profissionais de saúde", uma situação que o sindicato entende merecer "a maior atenção e uma pronta resposta por parte do Ministério da Saúde, que tem ignorado a situação".

De acordo com a estrutura sindical, "tem sido frequente o atraso na recolha do corpo, muito além do tolerável" e "não raramente, os cadáveres permanecem largas horas na enfermaria onde faleceram, muitas vezes ao lado de doentes internados", acrescentando ter conhecimento de que esta não é uma situação recente, a qual é do conhecimento do CA, e agravada pela "a suspensão da recolha de cadáveres durante o período noturno".

"Esta situação constitui uma violação inaceitável das boas práticas em caso de falecimento. Dela resulta uma compreensível perturbação significativa para os doentes que permanecem internados com um cadáver no quarto e uma gravíssima ausência total de dignidade na manipulação dos corpos dos doentes falecidos, mostrando uma atitude desumana para com doentes e os seus familiares", criticou o sindicato.

Acrescenta ainda que à sobrecarga que se começa a sentir nos hospitais devido ao período de festividades junta-se a falta de camas para internamento provocada pelo atraso na libertação das camas ocupadas por cadáveres, permanecendo os utentes nas urgências por um "tempo excessivo".

"O SMZS tem vindo a denunciar um conjunto de más práticas por parte do CA do CHULC, que tem mantido a assistência covid-19 e não-covid-19 dependente do recurso a trabalho extraordinário dos médicos, sem garantir o respeito pelo descanso compensatório e a contratação dos recursos humanos adequados à situação", refere ainda o comunicado.

Portugal contabiliza pelo menos 7.118 mortos associados à covid-19 em 427.254 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

O estado de emergência decretado em 09 de novembro para combater a pandemia foi renovado até 07 de janeiro, com recolher obrigatório nos concelhos de risco de contágio mais elevado.

O Governo decidiu manter as medidas previstas para o Natal, mas agravou as do período do Ano Novo, com recolher obrigatório a partir das 23:00 de 31 de dezembro, e a partir das 13:00 nos dias 01, 02 e 03 de janeiro.

É também proibido circular entre concelhos entre as 00:00 de 31 de dezembro e as 05:00 de 04 de janeiro.

JOVEM DE 21 ANOS É ATACADA A FACADAS PELO PRÓPRIO PAI

Um homem, de 42 anos, é suspeito de matar a facadas a própria filha nesta segunda-feira(12) em Rodeio, no Vale do Itajaí, em  Santa Catarina...