tradutor com bandeiras. Google Translate

Mostrar mensagens com a etiqueta OE2021. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta OE2021. Mostrar todas as mensagens

terça-feira, 13 de outubro de 2020

FOI ERRO OU NÃO? GOVERNO ENGANOU-SE: 468 MILHÕES AFINAL SÃO PARA A CP E NÃO NOVO BANCO

 


"Em 2021, e ao contrĂĄrio de Orçamentos do Estado aprovados em anos anteriores, o Orçamento do Estado nĂŁo prevĂȘ qualquer emprĂ©stimo ao Fundo de Resolução. Por lapso, o relatĂłrio do OE2021, hoje entregue Ă  Assembleia da RepĂșblica, identifica, erradamente, um emprĂ©stimo de 468,6 milhĂ”es de euros ao Fundo de Resolução. Trata-se sim de um emprĂ©stimo de 468,6 milhĂ”es de euros Ă  CP-Comboios de Portugal", lĂȘ-se no breve comunicado divulgado pelo gabinete liderado por JoĂŁo LeĂŁo.

O Ministério das Finanças acrescenta que "vai de imediato proceder à correção do documento".

O relatĂłrio que acompanha a proposta orçamental, entregue na segunda-feira Ă  noite na Assembleia da RepĂșblica, prevĂȘ um "emprĂ©stimo de mĂ©dio/longo prazo" ao Fundo de Resolução de 468,6 milhĂ”es de euros.

O Governo teria destinado cerca de 468 milhÔes de euros para o Fundo de Resolução, que seria depois injetado no Novo Banco. Esta decisão seria contråria ao que vinha sendo noticiado, segundo o qual o Governo não poria nem mais um tostão no Fundo de Resolução enquanto não fosse feita uma auditoria às contas do Novo Banco. Mas, afinal, os 468 milhÔes de euros estão destinados à CP.

O contrato entre o Estado e o Novo Banco, negociado em 2017 quando foi vendido ao fundo americano Lone Star, prevĂȘ emprĂ©stimos pĂșblicos atĂ© 850 milhĂ”es de euros por ano ao Fundo de Resolução.

AtĂ© agora, dos 3 mil milhĂ”es de euros a que o Novo Banco tem direito por via do contrato, mais de 2 mil milhĂ”es vieram dos cofres pĂșblicos sob a forma de emprĂ©stimos ao Fundo de Resolução e atravĂ©s de transferĂȘncias do Orçamento do Estado.

sĂĄbado, 29 de agosto de 2020

COSTA AVISA QUE SE NÃO HOUVER ACORDO PARA O OE2021 HAVERÁ CRISE POLÍTICA

 



António Costa diz que se não houver acordo para a aprovação do Orçamento de Estado,de 2021 haverå uma crise política.

"Se nĂŁo houver acordo, Ă© simples: nĂŁo hĂĄ Orçamento e hĂĄ uma crise polĂ­tica. Ai estaremos a discutir qual Ă© a data em que o Presidente (da RepĂșblica) terĂĄ de fazer o inevitĂĄvel".

"Quem não quer assumir responsabilidades deve dedicar-se a outra atividade" a atividade política requer "Assunção de responsabilidades".

"Os outros partidos não querem ter responsabilidades pelo desemprego de Janeiro de 2022? Quem foge das responsabilidades relativamente aos problemas foge da responsabilidade de definir as soluçÔes. Se queremos que haja menos desemprego em 2022, temos de atempadamente definir as políticas".

"O que quero deixar muito claro, e jĂĄ o deixei ao PCP e ao BE, Ă© que, se sonham que vĂŁo colocar o PS na condição de ir negociar com o PSD a continuação do Governo, podem tirar o cavalinho da chuva, pois nĂŁo negociaremos Ă  direita a subsistĂȘncia deste Governo".

"O PCP tem sido muito claro em sublinhar que o voto que deu no suplementar teve a ver com a anålise que não corresponde a nenhuma alteração da sua linha política nem a uma indisponibilidade para dialogar no futuro. Aliås, jå tive reuniÔes com Catarina Martins e com Jerónimo de Sousa. Não dou por adquirido que o PCP tenha abandonado a vontade de continuar a ser parceiro ativo na procura de soluçÔes".

"Nenhum portuguĂȘs percebe que perante a enorme gravidade desta crise nĂŁo haja um esforço para responder de forma positiva".

"Seria um erro enorme para a esquerda portuguesa não compreender que esta é a oportunidade histórica que tem de não só responder à crise como de o fazer com uma visão de ambição, de requalificação estratégica".

"Toda a agenda de resposta a esta crise Ă© uma resposta de convergĂȘncia Ă  esquerda".

"Se as forças polĂ­ticas para quem o robustecimento do Estado social Ă© imprescindĂ­vel nĂŁo se consegue entender, tenho dificuldade em compreender a racionalidade polĂ­tica do distanciamento num momento em que tudo o que exige Ă© aproximação". disse o primeiro-ministro.

ATRASE O RELÓGIO ESTE FIM DE SEMANA

                               JĂĄ notamos que os dias estĂŁo a ficar mais curtos e com menos horas de luz solar. A tempestade BĂĄrbara que est...