Translate

Mostrar mensagens com a etiqueta PAÍS-JUSTIÇA. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta PAÍS-JUSTIÇA. Mostrar todas as mensagens

quinta-feira, 31 de dezembro de 2020

APÓS POLÉMICA, MINISTÉRIO PARTILHA NO TWITTER CURRÍCULO DO PROCURADOR


O Ministério da Justiça partilhou, removeu e voltou a retweetar um post na rede social onde justifica a escolha de José Guerra como procurador europeu com base no currículo e remetia para o documento. Entretanto, o PSD já entregou na Assembleia da República um pedido de audição urgente da ministra Francisca Van Dunem.

A Seleção do Procurador Europeu nacional teve por base os CVs. O Procurador da República, Dr. José Guerra, foi avaliado e, finalmente, nomeado pelo Conselho Europeu, como Procurador Europeu nacional. Veja aqui o CV apresentado. justica.gov.pt/Portals/0/Orga

O Ministério da Justiça justifica, esta quinta-feira, no Twitter, a escolha de José Guerra como procurador Europeu nacional, com base no currículo e partilhou o documento. Contudo, pouco tempo depois, apagou o tweet e minutos depois voltou a retweetar o mesmo post.

Além de justificar a escolha com base no currículo, o Ministério da Justiça partilha o currículo José Guerra. Na primeira publicação feita pela tutela, o documento revelava dados como número de telefone e a morada do procurador, razão pela qual terá sido apagada escassos minutos depois. Na segunda publicação, o conteúdo do currículo é o mesmo, ocultando apenas os dados pessoais. 

Entretanto, o PSD pediu a audição urgente no Parlamento da ministra Francisca Van Dunem para esclarecer as notícias que referem que o Governo terá dado informações falsas para justificar a escolha de José Guerra como procurador europeu. O pedido foi entregue horas depois de o presidente do partido, Rui Rio, ter apelado a esses esclarecimentos por parte do Governo numa publicação na rede social Twitter.

Recorde-se que a SIC e o Expresso noticiaram, esta quarta-feira que, numa carta enviada para a União Europeia, o executivo apresenta dados falsos sobre o magistrado preferido do Governo para procurador europeu, José Guerra, depois de um comité de peritos ter considerado Ana Carla Almeida a melhor candidata para o cargo.

Na carta, a que os dois órgãos tiveram acesso, José Guerra é identificado com a categoria de "procurador-geral-adjunto", que não tem, sendo apenas procurador, e como tendo tido uma participação "de liderança investigatória e acusatória" no processo UGT, o que também não é verdade, porque foi o magistrado escolhido pelo Ministério Público para fazer o julgamento, e não a acusação.

Em resposta ao Expresso, o Ministério da Justiça diz que "não se pronuncia sobre o documento", dada a "natureza reservada" do processo de seleção, sem confirmar ou desmentir o seu teor.

Os sociais-democratas recordam que em outubro, a pedido do PSD, a ministra da Justiça já foi ao parlamento explicar a escolha de José Guerra, em detrimento da candidata mais bem posicionada pelo júri internacional no concurso aberto para a seleção dos três candidatos designados por Portugal, Ana Carla Almeida.

"A instâncias do PSD, que insistiu no sentido de conhecer as razões concretas que o Governo português terá apresentado junto do Conselho Europeu para sustentar a escolha feita, a ministra da Justiça salientou que a documentação, que agora veio a público, era de caráter reservado e, por isso, não a poderia enviar ao Parlamento", referem os deputados do PSD.

Os sociais-democratas consideram que, perante estas recentes notícias, "importa agora ouvir com a maior brevidade possível o que a ministra da Justiça tem a dizer sobre esta situação inaudita e de extrema gravidade".

No seu tweet, publicado esta madrugada, Rui Rio também já questionava o Governo. "Será que a ministra da Justiça fez mesmo isto? A ser verdade é gravíssimo. Tem de ser esclarecido", apelou o presidente do PSD.

O magistrado português José Guerra foi nomeado em 27 de julho procurador europeu nacional na Procuradoria da União Europeia (UE), órgão independente de combate à fraude.

A Procuradoria Europeia é um órgão independente da UE, competente para investigar, instaurar ações penais e deduzir acusação e sustentá-la na instrução e no julgamento contra os autores das infrações penais lesivas dos interesses financeiros da União (por exemplo, fraude, corrupção, fraude transfronteiras ao IVA superior a 10 milhões de euros).

PILOTO ESPANHOL DE 14 ANOS MORRE APÓS SER ATROPELADO EM CORRIDA

Hugo Millán, de 14 anos, morreu este domingo após ter sido atropelado por um adversário na sequência de uma queda sofrida durante uma corrid...