Translate

Mostrar mensagens com a etiqueta POLÍTICA-PCP. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta POLÍTICA-PCP. Mostrar todas as mensagens

domingo, 29 de novembro de 2020

"ALTERNATIVA POLÍTICA NÃO É POSSÍVEL SÓ COM O PCP, MAS TAMBÉM NÃO SERÁ POSSÍVEL SEM O PCP"


A alternativa política não é possível sem o PCP, afirmou este domingo Jerónimo de Sousa, secretário-geral do PCP, no encerramento do XXI congresso, no qual reclamou para a o partido "os avanços" positivos no Orçamento do Estado de 2021, que ajudou a viabilizar.

A alternativa política, de esquerda, precisa da "convergência de democratas e patriotas, da luta dos trabalhadores e do povo" e do "reforço do partido, afirmou Jerónimo de Sousa no discurso com que encerrou o congresso, no pavilhão Paz e Amizade, em Loures, Lisboa.

"Alternativa política que não é possível só com o PCP, mas também não será possível sem o PCP", disse Jerónimo, eleito pela quinta vez.

No discurso, de pouco mais de 15 minutos, o secretário-geral comunista reclamou ainda "os avanços" que disse terem sido conseguidos pelo partido e que levaram a bancada comunista a abster-se e a viabilizar o Orçamento.

E sem nunca o citar, criticou o Bloco de Esquerda por ter ficado de fora do entendimento para viabilizar o Orçamento do Estado, esta semana.

É certo que, admitiu, foi um "caminho de ficou curto porque o PS não se liberta das suas escolhas e opções", que o PCP associa às "políticas de direita".

"Mas enquanto alguns desistiam, se há avanços, medidas consagradas dirigidas aos trabalhadores, aos reformados, às pequenas empresas, à cultura, ao Serviço nacional de Saúde e aos seus profissionais, todas têm a marca, a contribuição, a proposta do PCP", afirmou.

Numa frase improvisada do seu discurso, Jerónimo de Sousa garantiu que "não estamos aqui a prazo datado, nem em período experimental, mas sim disponíveis para fazer o que temos de fazer, o que o congresso decidiu", disse, na única referência a questões internas do partido e do congresso.
 
À saída do XXI Congresso Nacional do PCP, o secretário-geral comunista reafirmou não estar "a prazo" no cargo. Questionado insistentemente sobre se irá cumprir integralmente os próximos quatro anos à frente dos comunistas, Jerónimo de Sousa assegurou estar "com força".

"Não estou a prazo", resumiu, antes de entrar para a viatura do PCP que o costuma transportar, com os seguranças a apressarem o abandono do recinto.

PILOTO ESPANHOL DE 14 ANOS MORRE APÓS SER ATROPELADO EM CORRIDA

Hugo Millán, de 14 anos, morreu este domingo após ter sido atropelado por um adversário na sequência de uma queda sofrida durante uma corrid...