Translate

Mostrar mensagens com a etiqueta POLITICA-PCP. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta POLITICA-PCP. Mostrar todas as mensagens

domingo, 29 de novembro de 2020

JERÓNIMO DE SOUSA CONTINUA NO COMANDO DO PARTIDO COMUNISTA

 


Jerónimo de Sousa voltou a ser a escolha do Comité Central do PCP para secretário-geral do PCP. Aos 73 anos, avança para o seu quinto mandato, confirmando o que o próprio já havia admitido: "ficar mais um bocadinho".

Entre 129 votos do Comité Central, só houve um contra a continuidade do histórico comunista e o próprio entendeu não votar na sua própria candidatura. João Ferreira, candidato presidencial do partido, estreia-se na Comissão Política, que foi aumentada e rejuvenescida.

A intervenção do reconduzido secretário-geral é esperada pelo meio-dia.

Após ter sido eleito na noite de sábado, por 98,5% dos votos de 611 delegados ao XXI congresso, o novo Comité Central do PCP optou por confirmar os sinais que vinham a ser dados por vários dirigentes do partido: de que Jerónimo de Sousa iria manter-se na liderança do partido.

Quanto a João Ferreira, nome que tem vindo a ganhar cada vez mais visibilidade e sobre o qual recaiu a aposta do partido na corrida a Belém, estreia-se na Comissão Política Nacional, que passa de 21 membros a 24.

Além do líder, o órgão máximo do partido constituído por 129 membros elegeu ainda por unanimidade o Secretariado do Comité Central, por maioria (com uma abstenção) a Comissão Política do Comité Central e ainda por unanimidade a Comissão Central de Controlo, o órgão de disciplina e fiscalização.

Dos dez nomes que integram o Secretariado do Comité Central, órgão de apoio a Jerónimo, destaca-se a entrada de Margarida Botelho, de 44 anos. Esta funcionária do partido, que chegou a passar pelo Parlamento, transita da Comissão Política para o Secretariado.

Da anterior estrutura, sai Luísa Araújo, de 73 anos, que ruma à Comissão Central de Controlo. Mantêm-se Alexandre Araújo, Francisco Lopes, Jorge Cordeiro, Manuela Pinto Ângelo, Paulo Raimundo, Pedro Guerreiro e Rui Braga, além do próprio Jerónimo de Sousa.

Dança das cadeiras

À Comissão Política, além da entrada de João Ferreira, chegam Belmiro Magalhães, Carina Castro, Paulo Raimundo e Ricardo Costa, que pela média das idades acabam por rejuvenescer este órgão. No jogo das cadeiras, o histórico dirigente Carlos Gonçalves sai e vai também para a Comissão Central de Controlo.

Por último, o antigo deputado Agostinho Lopes sai de membro do Comité Central e vai sentar-se na Comissão Central de Controlo. Neste órgão, além da já mencionada Luísa Araújo e Carlos Gonçalves, o estreante Luís Fernandes junta-se ao elenco de mais seis nomes que se mantiveram: Albano Nunes, Armando Morais, Francisco Melo, José Augusto Esteves e Rosa Rabiais. Saíram Alice Carregosa, Maria Manuela Brandão e Raimundo Cabral.

Foram três dias de reunião magna dos comunistas, no Pavilhão Paz e Amizade, após várias semanas debaixo de fogo da Direita, principalmente do líder do PSD, por ter ocorrido durante a fase mais dura da segunda vaga pandémica de covid-19.

Jerónimo de Sousa foi eleito pela primeira vez secretário-geral do PCP em 2004, com a saída de Carlos Carvalhas da liderança.

sábado, 28 de novembro de 2020

PCP COBRA 1% DO SALÁRIO DOS MILITANTES E QUER AUMENTAR QUOTAS EM UM EURO MENSAL

 


É preciso "falar com cada membro para a importância de ter a sua quota em dia e para o aumento do seu valor mensal em pelo menos um euro, independentemente da base de 1% do rendimento", anunciou Manuela Pinto Ângelo, da comissão política do partido.

A situação financeira do PCP continua negativa e o partido está a discutir o aumento suplementar de um euro na quota mensal, anunciou hoje Manuela Pinto Ângelo, da comissão política do partido.

É preciso "falar com cada membro para a importância de ter a sua quota em dia e para o aumento do seu valor mensal em pelo menos um euro, independentemente da base de 1% do rendimento", disse, este sábado, 28 de novembro, a dirigente comunista no XXI congresso nacional em Loures, distrito de Lisboa.


Para Manuela Pinto Ângelo, é necessário "ter mais camaradas a receber quotas, usar outros meios nomeadamente a transferência bancária".


"Tudo isto permitirá assegurar o mais importante meio de financiamento do partido", que, vincou a dirigente, se orgulha de não depender "de apoios públicos nem de terceiros nem quer depender".

Desde 2016, data do último congresso, 85% das receitas do PCP foram resultado do "pagamento de quotizações, contribuições e donativos de simpatizantes e democratas", concluiu.

A má situação financeira do partido exige, afirmou, exige "promover o crescimento das receitas com origem na atividade e na militância".


Os comunistas também se preparam, segundo afirmou, para "reduzir despesas", mas "aquelas que não criem dificuldades à intervenção" do partido, de que não deu exemplos.

Sem dar valores, Manuela Pinto Ângelo afirmou ainda que o partido já conseguiu recolher 60% dos fundos a que se propunha para a campanha nacional de recolha de fundos para o centenário do PCP, que se assinala em 2021.

sexta-feira, 20 de novembro de 2020

JERÓNIMO: RIO ESCOLHEU PAPEL SECUNDÁRIO NO CASAMENTO COM CHEGA

 


Jerónimo de Sousa acusou Rui Rio de tentar desviar as atenções do acordo do PSD com o Chega nos Açores, ao apostar na inviabilização do congresso do PCP dentro de uma semana. Para o líder do PCP, o social-democrata acha que ainda está no tempo da Ditadura.

"Não percebo o dr. Rui Rio, o seu foco. Tendo em conta o seu posicionamento de colocar no Centro da Direita a Extrema Direita, reservando a um papel supletivo, secundário, para Rui Rio. Como tem sido criticado por isso, acha que encontrou aqui [no evento comunista] a descoberta da pólvora, atacando o PCP e o seu congresso", disse Jerónimo de Sousa, à saída de uma reunião com a Associação da Hotelaria, Restauração, reagindo assim às críticas de Rio à reunião magna dos comunistas.

Segundo o secretário-geral do PCP, os sociais-democrata "fizeram pressões que pessoalmente inquietam". "Quando [Rio] diz que, se governasse, proibiria o congresso do partido, nem sequer invoco a lei, nem sequer invoco a Constituição da República, que proíbe qualquer proibição", atirou, lembrando a perseguição que sentiu na pele antes do 25 de Abril quando se bateu pelo direito à expressão e manifestação política. "Não gostaria de voltar a esse tempo", frisou.

Jerónimo salientou que o evento comunista, que se realizará a 27, 28 e 29 de novembro em Loures, "já está tratado com as autoridades de saúde".

"Estão criadas as condições. Com grande esforço, como tenho dito: reduzir de 1200 para 600 delegados, reduzindo centenas e centenas de convidados, que iriam participar, e dezenas de delegações estrangeiras, aplicando as medidas sanitárias de proteção absoluta, distanciamento social, máscaras - estão garantidas essas condições", anunciou. "Como se imagina, dá muito trabalho, é exigente, mas somos assim: assumimos a responsabilidade, cumprimo-la", concluiu, admitindo que o horário da reunião magna do PCP, que pode ou não eleger o seu sucessor, irá decorrer entre as 10.30 horas e 20 horas na sexta-feira e sábado, e entre as 10.30 horas e as 13 horas, no domingo.

sábado, 3 de outubro de 2020

GERONIMO DE SOUSA DIZ QUE FESTA DO AVANTE FOI UM "EXITO"

 



Em um encontro do partido, no Porto, Jerónimo de Sousa afirmou que a Festa do Avante foi "O alvo preferencial era a Festa do Avante!, melhor dizendo, o PCP. Juntaram-se todos num arrepiante discurso terrorista, argumentando de que isto ia ser o fim do mundo, de que íamos alegremente para o suicídio coletivo, eu sei lá as barbaridades que não disseram, desde o Presidente da República até a este ou aquele pequeno partido".

O comunista considerou que o partido demonstrou "sentido de responsabilidade, coragem e determinação" e, foram estas características, que fizeram com que o Avante! fosse em condições "tão difíceis" um "grande êxito político que serviu de exemplo para muitos partidos comunistas na Europa".

Se o PCP não realizasse a festa, neste momento, estaria a discutir-se uma "coisa bem pior", designadamente o congresso do partido, entendeu.

RICARDO SALGADO PROPÕE PAGAR 11 MILHÕES DE EUROS PARA ARQUIVAR O PROCESSO

Ricardo Salgado está disposto a pagar para que seja arquivado o processo que teve origem na Operação Marquês e que o vai levar a julgamento ...