Translate

Mostrar mensagens com a etiqueta TERRORISMO. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta TERRORISMO. Mostrar todas as mensagens

terça-feira, 16 de março de 2021

CRIANÇAS ESTÃO A SER DECAPITADAS POR TERRORISTAS EM MOÇAMBIQUE


A organização humanitária "Save the Children" revelou que radicais islâmicos, responsáveis pelo conflito armado na região de Cabo Delgado, em Moçambique, estão a decapitar crianças. A organização não-governamental descreve cenário de terror.

Desde 2017 que radicais islâmicos, com ligação ao autoproclamado Estado Islâmico, estão a atacar as comunidades no norte de Moçambique com o intuito de dominar aquela zona do país. A situação deteriorou-se severamente durante os últimos 12 meses, com novos ataques extremamente violentos a várias aldeias.

A organização "Save the Children", que está em Moçambique, falou com algumas famílias deslocadas, que revelaram como os militantes islâmicos assassinaram brutalmente adultos, mas também crianças.

"Naquela noite a nossa aldeia foi atacada e as casas foram queimadas. Quando tudo começou, eu estava em casa com os meus quatro filhos. Tentámos fugir para a floresta, mas eles levaram o meu filho mais velho e decapitaram-no. Não podíamos fazer nada porque também seríamos mortos", descreveu uma mãe de 28 anos.

Também o filho de Amélia, nome fictício, morreu às mãos dos radicais com apenas 11 anos. "Depois de o meu filho de 11 anos ter sido morto, compreendemos que já não era seguro ficar na minha aldeia. Fugimos para a casa do meu pai noutra aldeia, mas alguns dias depois os ataques começaram lá também. Eu, o meu pai e as crianças passámos cinco dias a comer bananas verdes e a beber água de bananeira até termos o transporte que nos trouxe até aqui", contou a mulher de 29 anos.

A escalada de violência que se vive na região atirou milhares de famílias para a pobreza, ficaram sem casas e sem alimentos para sobreviver. Segundo os dados da organização "Save the Children", quase um milhão de pessoas enfrentam fome severa como resultado direto deste conflito, incluindo as pessoas deslocadas e as comunidades de acolhimento. A crise humanitária em Cabo Delgado já provocou mais de 2500 mortes e 670 mil pessoas deslocadas.

O diretor da associação em Moçambique, Chance Briggs, admitiu estar "enojado" com os relatos de ataques a crianças e pediu o fim do conflito armado.

"Esta violência tem de acabar, e as famílias deslocadas precisam de ser apoiadas à medida que encontram o seu rumo e recuperam do trauma", afirmou Briggs. O diretor apelou, ainda, à solidariedade. "A ajuda humanitária é desesperadamente necessária, mas não há doadores suficientes que tenham dado prioridade à assistência àqueles que perderam tudo, mesmo os seus filhos", rematou.

A "Save the Children" já conseguiu ajudar mais de 70 mil pessoas, incluindo 50 mil crianças, através de educação, proteção infantil, saúde e fornecimento de água e saneamento.

O conflito armado de Cabo Delgado

A violência que assombra a província de Cabo Delgado começou em outubro de 2017 e parece não ter fim vista. A organização "Projeto de Localização de Conflitos Armados e Dados de Eventos" (ACLED, sigla em inglês) registou em 2020 "1600 fatalidades na província (Cabo Delgado), três vezes mais do que em 2019", uma tendência que agrava a insegurança sentida na região.

A ONG norte-americana que se dedica a recolher e a analisar dados sobre violência em grande parte do mundo considerou a insurgência em Cabo Delgado um dos dez conflitos mais preocupantes de 2021.

Acredita-se que por trás destes ataques esteja a conjugação de vários interesses: económicos, étnicos e religiosos. De acordo com a BBC, um líder terrorista admitiu, num vídeo, que estavam a ocupar as cidades para mostrar as injustiças cometidas pelo governo, que segundo ele beneficia os patrões e humilha os pobres. O radical falou ainda do Islão e do seu desejo de um "governo islâmico, não um governo de descrentes", mas também citou alegados abusos por parte dos militares de Moçambique.

O facto de Cabo Delgado ser uma região rica em pedras preciosas e o local onde avança o maior investimento privado de África para extração de gás natural também pode estar na origem destes ataques terroristas. Além de que, segundo diversos relatórios internacionais, a costa da província faz parte de uma das principais rotas de tráfico de droga mundiais.

Chance Briggs, da "Save the Children", afirmou à BBC que é difícil perceber quais são as motivações exatas dos rebeldes. "O que vemos é que os insurgentes estão a tentar expulsar as pessoas. Eles capturam os jovens para se juntarem a eles como recrutas e, se recusarem, são mortos e por vezes decapitados", relatou Briggs.

Os ataques cada vez mais sofisticados, o número crescente de deslocados internos e também a pandemia de covid-19 expuseram as limitações de capacidade do governo moçambicano, que tem dado uma fraca resposta governamental no combate aos insurgentes.

Moçambique é um dos países mais pobres do continente africano, por isso a ação das organizações humanitárias têm sido determinante no auxílio da população. Em novembro de 2020, a chefe da Organização Internacional para as Migrações (OIM) no país, Laura Tomm-Bonde, afirmou que os deslocamentos estavam a aumentar à medida que os ataques continuavam. Admitiu ainda a fragilidade dos recursos disponíveis, que "não cobrem as extensas necessidades humanitárias das famílias que chegam sem nada".

Laura Tomm-Bonde pediu ainda "mais assistência para atender as necessidades" das populações, que sobrecarregam as organizações humanitárias no país.

As autoridades de Maputo têm recorrido a empresas privadas de segurança para combater os terroristas. Entretanto, países da África Austral, da União Europeia e os Estados Unidos já disponibilizaram ajuda. Na segunda-feira, funcionários da embaixada dos EUA disseram que os militares americanos passariam dois meses a treinar soldados em Moçambique, bem como a fornecer "equipamento médico e de comunicações".

quarta-feira, 3 de março de 2021

OITO PESSOAS FERIDAS EM ESFAQUEAMENTO NA SUÉCIA


Um homem esfaqueou e feriu oito pessoas, duas estão em estado grave, esta quarta-feira à tarde, na cidade de Vetlanda, na Suécia. A polícia suspeita de ataque terrorista.

A agência de notícias AFP avança que o homem com cerca de 20 anos de idade usou uma "arma afiada", enquanto os media locais relatam que usou uma faca para ferir oito pessoas.

Inicialmente, o incidente foi descrito como "tentativa de homicídio", mas a polícia mudou a designação para "suspeita de crime terrorista", sem adiantar mais detalhes.

"Estes acontecimentos são terríveis e os meus pensamentos estão com as vítimas e familiares. Neste momento, não sabemos exatamente o que aconteceu e qual foi o motivo", indicou em comunicado o ministro do Interior, Mikael Damberg.

Na Suécia, os serviços de inteligência consideram a ameaça terrorista como elevado, sendo que o país foi alvo de dois ataques terroristas nos últimos anos.

O último, em 2017, um requerente de asilo uzbeque que viu o pedido negado atropelou vários peões em Estocolmo num camião roubado, matando cinco pessoas e foi condenado a prisão perpétua, em 2018.

Em dezembro de 2010, um homem realizou um ataque suicida à bomba no centro de Estocolmo, mas ficou apenas com ferimentos ligeiros.

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2021

PASTOR BRASILEIRO É PRESO ACUSADO DE TERRORISMO NOS EUA


Um pastor brasileiro está enfrentando uma acusação de terrorismo e fraude de identidade nos EUADouglas Gonçalves foi detido no dia 5 de fevereiro em Massachusetts. De acordo com informações do jornal local Metro West Daily News, ele foi detido uma semana após ser demitido de um aplicativo de entregas para o qual prestava serviço.

Durante o período entre ser afastado do serviço e a prisão, o suspeito teria enviado e-mails ameaçando funcionários de uma loja que, segundo ele, teriam causado sua demissão.

“Gonçalves atribuiu a demissão a vários funcionários de uma loja, ele fez ameaças por e-mail dizendo que ia atirara neles”, a declaração é do tenente da Polícia de Medford, David Bueno, para o site local.

As ameaças foram relatadas no início da semana passada e a polícia de Medford iniciou uma investigação. Inicialmente, eles tiveram problemas para localizar Gonçalves, porque ele estava usando uma identidade roubada para trabalhar. Por fim, a polícia conseguiu identificá-lo e obter um mandado de prisão.

Nesta quarta-feira (17/2), ele será ouvido pela Justiça dos EUA. A polícia acusou Gonçalves de fazer ameaças terroristas, fraude de identidade e posse de documentos falsos do Registro de Veículos Automotores.

No Facebook, a mulher do pastor fez uma live em que afirma que ele é “um homem de deus” e jamais cometeria os crimes dos quais é acusado. Daiana Alves também pediu ajuda financeira para custear o advogado de Gonçalves.

“Nós temos fé que os mesmos jornais que estamparam a foto do Douglas com as acusações vão estampar novamente a sua foto, em breve, noticiando que ele é um homem de caráter, um inocente”, disse a mulher.

quarta-feira, 20 de janeiro de 2021

MILITAR DOS EUA DETIDO POR TENTAR AJUDAR O ESTADO ISLÂMICO A REALIZAR ATAQUES


Um militar norte-americano foi detido acusado de tentar conspirar com o Estado Islâmico (EI) na realização de um ataque a Nova Iorque e na ajuda ao grupo terrorista para matar tropas dos EUA no Médio Oriente.

Segundo divulgaram na terça-feira as autoridades dos Estados Unidos, Coles James Bridges, de 20 anos, nascido no Estado do Ohio, estava destacado na base de Fort Stewart, na Geórgia, como membro da terceira divisão de infantaria do exército norte-americano e foi detido após uma investigação do FBI.

Bridges começou a comunicar em outubro de 2020 com uma pessoa que supostamente estava em contato com combatentes do EI, mas que na verdade era um agente do FBI, revelou a acusação, citada pela agência EFE.

Nessas conversas, o soldado manifestou a sua frustração com o exército dos EUA e o seu desejo em auxiliar o grupo terrorista, oferecendo ajuda direta para facilitar possíveis ataques em locais emblemáticos de Nova Iorque, como o memorial dos ataques do 11 de setembro, acrescenta.

O detido forneceu ainda ao agente federal um manual de treino do exército e informações sobre táticas de combate, discutindo ainda formas de atacar as tropas norte-americanas no Médio Oriente.

Entre outras informações, forneceu diagramas de manobras militares para ajudar o EI a maximizar os danos nos seus ataques, e conselhos sobre como fortalecer um acampamento militar para repelir ataques das forças especiais dos EUA.

Em janeiro, Bridges enviou ao agente do FBI, que acreditava ser um simpatizante do grupo terrorista, um vídeo no qual ele aparece ao lado de uma bandeira usada por membros do grupo terrorista e mostra o seu apoio à organização.

Uma semana depois, continua a acusação, enviou um outro vídeo onde, com a voz manipulada, narrava uma mensagem de propaganda em apoio a uma possível emboscada contra as tropas norte-americanas.

"Bridges é acusado de dar conselhos militares e instruções sobre como matar outros soldados a indivíduos que ele acreditava fazerem parte do EI. Esta suposta traição pessoal e profissional aos seus camaradas e ao seu país é terrível de ver, mas felizmente o FBI foi capaz de identificar a ameaça que representava", destacou o procurador-geral do distrito sul de Nova Iorque, em comunicado.

O jovem agora detido começou a consumir propaganda jihadista através da Internet em 2019, expressando apoio ao EI nas redes sociais, antes de começar a comunicar com o agente disfarçado do FBI.

Atualmente recaem sobre ele duas acusações, com pena máxima de 20 anos de prisão cada uma, segundo a acusação.

domingo, 3 de janeiro de 2021

ATAQUE CONJUNTO A DUAS ALDEIAS NO NÍGER FAZ 100 MORTOS


Um ataque terrorista simultâneo a duas aldeias vizinhas deixou um rasto de 100 mortos no Níger, anunciou o presidente da câmara, considerando este o pior massacre de civis por grupos armados neste país africano.

"Acabamos de regressar do local dos ataques, em Tchoma Bangou houve cerca de 70 mortos e em Zaroumadareye 30 vítimas mortais", disse o autarca de Tondikiwindi, a cidade que agrega as duas aldeias separadas por sete quilómetros, em declarações à agência de notícias francesa, a AFP.

"Os terroristas entraram nas aldeias conduzindo uma centena de motas, e houve também 25 feridos, alguns dos quais evacuados para Niamey e Ouallam", acrescentou, notando que este foi o pior massacre de civis no país.

"Para atacar as duas aldeias, os terroristas dividiram-se em duas colunas, uma atacando Zaroumadareye, e a outra dirigindo-se para Tchoma Bangou", explicou Almou Hassane.

Os números agora divulgados atualizam as informações dadas no sábado, que apontavam para 50 mortos e cerca de 20 feridos.

As duas aldeias situam-se a 120 quilómetros a norte da capital, Niamey, na região de Tillabéri, na fronteira entre o Mali e o Burkina Faso, uma região que tem sido alvo frequente de ataques de grupos jihadistas há vários anos.

O ataque de sábado aconteceu no mesmo dia da proclamação dos resultados das eleições presidenciais, que deram a vitória ao candidato do partido no poder, o antigo ministro do Interior Mohamed Bazoum, que prometeu durante a campanha reforçar o combate aos grupos jihadistas que operam na região.

Há vários anos que o Níger -- tal como os vizinhos Mali e Burkina Faso - é atormentado por ataques 'jihadistas' nas zonas oeste e sudeste, tendo já morrido centenas de pessoas no processo.

A região de Tillabéri está localizada na zona das "três fronteiras" Níger-Mali-Burkina, frequentemente atacada por grupos 'jihadistas'.

Em maio passado, 20 pessoas, incluindo crianças, foram mortas em duas aldeias em Anzourou (região de Tillabéri) e há cerca de duas semanas, pelo menos 34 pessoas foram mortas e 100 outras ficaram feridas em Toumour, na região de Diffa (sudeste), perto da Nigéria, por membros do grupo 'jihadista' Boko Haram, de acordo com as autoridades.

segunda-feira, 2 de novembro de 2020

UM MORTO E VÁRIOS FERIDOS NO CENTRO DE VIENA (VIDEOS)



Várias pessoas terão ficado feridas num tiroteio esta segunda-feira ao final da tarde no centro da cidade de Viena, na Áustria. A polícia pede às pessoas para evitar as praças públicas da cidade.


De acordo com a "Associated Press", vários tiros terão sido disparados no centro de Viena. As autoridades estão no local a averiguar as causas do incidente. Em alguns vídeos publicados nas redes sociais é possível ouvir o som de disparos e algumas pessoas a tentarem proteger-se.

A imprensa austríaca adianta que pelo menos um agente da polícia foi baleado, uma pessoa foi detida e há pelo menos um morto. Neste momento, está criada uma megaoperação policial no centro de Viena.

Inicialmente, alguns órgãos de comunicação social austríacos avançavam que o tiroteio tinha sido na sinagoga de Viena, mas tal ainda não se confirmou. O mesmo periódico diz que a comunidade israelita na Áustria pediu a todos os judeus no país para não saírem de casa.

PRESIDENTE FRANCÊS AMEAÇADO PELO AL-QAEDA

 


Declarações de Macron têm vindo a desencadear fortes críticas de vários governos de países muçulmanos

O grupo jihadista Al-Qaeda no Magrebe Islâmico (Aqmi) pediu esta segunda-feira aos seus seguidores para matarem qualquer pessoa que insulte Maomé, ameaçando vingar-se do Presidente francês, que defendeu a publicação de caricaturas do profeta em nome da liberdade de expressão.

"Matar aquele que insulta o profeta é o direito de todo o muçulmano capaz de o fazer", escreveu o grupo 'jihadista' num comunicado, em reação às declarações proferidas pelo chefe de Estado francês, Emmanuel Macron, durante uma cerimónia de homenagem ao professor Samuel Paty, degolado no passado dia 16 de outubro por um extremista por ter mostrado caricaturas de Maomé aos alunos numa aula sobre liberdade de expressão.

Na ocasião, Macron afirmou que França, em nome da liberdade de expressão, não iria renunciar das caricaturas.

"Defenderemos a liberdade [...] e a laicidade. Não renunciaremos às caricaturas, aos desenhos, mesmo que outros recuem", declarou então o Presidente francês.

CRÍTICAS ÀS PALAVRAS DE MACRON

Ao longo dos últimos dias, as palavras de Macron têm vindo a desencadear fortes críticas de vários governos de países muçulmanos, apelos ao boicote de produtos franceses e manifestações de milhares de pessoas, nomeadamente no Bangladesh, Paquistão e, em menor escala, no Médio Oriente, Magrebe e Mali.

Mundo muçulmano em protesto contra França e Macron

Esta segunda-feira, no Bangladesh, mais de 50 mil pessoas concentraram-se em Daca e alguns manifestantes queimaram figuras representativas de Emmanuel Macron e bandeiras francesas.

"O boicote é um dever, mas não é suficiente", disse ainda o Aqmi na mesma nota, apelando à "vingança" e classificando como um "mártir" o jovem radicalizado de origem russa chechena que matou o professor Samuel Paty.

"Não esqueceremos as suas ações atrozes", concluiu o grupo terrorista, dirigindo-se diretamente ao Presidente francês.

Duas semanas depois da morte de Samuel Paty, França testemunhou outro ataque terrorista perpetrado na basílica da cidade de Nice (sudeste), que causou três mortos e cujo alegado autor é um tunisino de 21 anos, que tinha chegado pouco antes a França.

França elevou para o máximo o nível de alerta terrorista após o atentado de Nice, o que se traduz num aumento de 3.000 a 7.000 militares a patrulharem as ruas ou guardarem locais estratégicos em todo o país.

O ministro do Interior francês, Gérald Darmanin, disse esta segunda-feira que 16 pessoas suspeitas de radicalização foram expulsas no último mês do país.

domingo, 1 de novembro de 2020

DOIS MORTOS E CINCO FERIDOS EM ATAQUE COM FACA NO CANADÁ

 


O atacante estava vestido com trajes medievais.

Um homem com cerca de 20 anos causou a morte de duas pessoas e feriu outras cinco na noite deste sábado, perto do Parlamento regional do Quebeque, no Canadá.

O indivíduo que tinha uma faca e estava vestido com trajes medievais foi detido pela polícia.

As autoridades pediram que os moradores da cidade permanecessem em casa, na noite em que decorriam os festejos de Halloween.

As causas dos ataques estão a ser investigadas.

Este ataque acontece depois de uma série de atentados com faca em França, esta semana, que se seguiram à decapitação do professor Samuel Paty, morto por mostrar uma caricatura de Maomé numa aula sobre liberdade de expressão.

O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, reagiu aos ataque em França e afirmou que "estes terroristas, estes assassinos não representam o Islão de forma alguma, não definem os muçulmanos na Europa, nem no Canadá, nem em qualquer outro lugar do Mundo".


sábado, 31 de outubro de 2020

PADRE BALEADO NA CIDADE FRANCESA DE LYON

 



Um padre foi baleado na tarde deste sábado à porta de uma igreja no centro de Lyon, França. Segundo os meios de comunicação locais, o atacante conseguiu fugir.

O padre foi atingido por dois tiros no momento em que se preparava para fechar a igreja. Estará em estado grave.

Segundo testemunhas no local, citadas pela Reuters, a igreja em causa é grega ortodoxa. 

O incidente ocorre dois dias depois do ataque em Nice, onde três pessoas foram mortas - uma delas decapitada -, e duas semanas após a decapitação de um professor em Paris, assassinado depois de ter mostrado caricaturas de Maomé numa aula. 

   

quinta-feira, 29 de outubro de 2020

ATAQUE COM FACA FAZ 3 MORTES EM FRANÇA

 


Um homem atacou várias pessoas com uma faca na Basílica de Nice, em França, e matou pelo menos duas mulheres e um homem, causando ainda vários feridos.

Pelo menos três pessoas morreram na sequência de um ataque com uma faca, cerca das 9 horas da manhã (oito horas em Portugal continental), na basílica de Nice, em França.

Segundo o jornal francês "Le Monde", as vítimas mortais são duas mulheres e um homem. O ataque provocou, ainda, vários feridos, que foram transportados para o hospital local.

A primeira mulher terá sido degolada no interior da basílica de Notre-Dame de L'Assomption. A segunda, um homem, foi esfaqueado no peito, também dentro do templo. A terceira vítima mortal, outra mulher, foi morta numa café em frente à igreja, onde se havia refugiado do agressor.

O presidente da Câmara de Nice, Christian Estrosi, considerou o incidente como "um ataque terrorista" e anunciou que o atacante já foi detido pela polícia.

PORTUGUESES TERIAM DE PAGAR MAIS 22% DE IMPOSTOS PARA MANTER PENSÕES INTACTAS

No longo prazo, para manter a sustentabilidade orçamental e os mesmos benefícios ao nível de pensões,  os portugueses teriam de pagar mais 2...