Translate

domingo, 6 de junho de 2021

FRANÇA VOLTA A SER LIVRE PARA TODOS


A França vai abrir totalmente as suas fronteiras para residentes da União Europeia (UE) já a partir desta quarta-feira, 9 de junho.

Apenas os viajantes vacinados provenientes da Grã-Bretanha e dos Estados Unidos precisarão de um teste de covid negativo para entrar no país. Quem for cidadão da UE está dispensado de tal formalidade se tiver a vacinação completa.

As medidas fazem parte dos planos de França para começar a facilitar os controlos de fronteira e ajudar a indústria do turismo.

“Temos que conciliar a liberdade de mobilidade com a necessidade de segurança”, reforçou o ministro do Turismo, Jean-Baptiste Lemoyne, em declarações à estação de televisão BFM. “Nada seria pior do que entrar em mais uma onda de covid porque não fomos cuidadosos o suficiente”, alertou.

A notícia da reabertura das fronteiras é um alívio para o setor de turismo, que teme que os testes de coronavírus, gratuitos em França mas que podem custar 100 euros ou mais noutros países, possam dissuadir os visitantes estrangeiros.

A partir de 1 de julho, a França reconhecerá o passaporte sanitário europeu, que comprova a inoculação contra o coronavírus e permite viagens dentro da UE.

Recentemente, Paris anunciou que pretende implementar o uso do documento antes mesmo dos restantes parceiros da União Europeia.

Para pessoas não vacinadas que vêm de zonas laranja, apenas viagens essenciais, como emergências médicas ou familiares, serão permitidas, disse o Governo francês.

Os viajantes desses países precisarão fornecer testes de covid-19 negativos, vacinados ou não, e deverão ficar em quarentena de sete a dez dias à chegada a França.

XERIFE PORTUGUÊS NOS EUA CONFIA QUE LUSODESCENDENTES CHEGARÃO À CASA BRANCA


O xerife do condado de Essex, Nova Jérsia, nos Estados Unidos, o português Armando Fontoura, acredita que a Casa Branca venha a ser ocupada por pessoas de ascendência portuguesa, com a continuação do "trabalho árduo" da comunidade luso-americana.

​​​​​​ "O nosso objetivo é obter a chave da Casa Branca e um dos nossos filhos vai obtê-la. Estou completamente, totalmente confiante de que vamos conseguir", declarou Armando Fontoura, português emigrado para os EUA há mais de 60 anos e xerife há 20 do condado de Essex, integrado por 22 municípios.

"Vamos, porque o nosso povo é tido em alta estima e é muito respeitado", continuou Armando Fontoura, na tarde de sábado, em celebração do Dia de Portugal frente à Câmara Municipal da cidade de Newark.

Nascido em Vilar de Perdizes, concelho de Montalegre, o neto de imigrantes nos EUA lembrou que as gerações antigas de portugueses "não eram sempre bem-vindas" em alguns lugares, como de política, mas com o tempo mudaram opiniões com o trabalho árduo.

"Quando perceberam que éramos uma força com a qual tinham de lidar, de muitas, muitas maneiras, agora temos a chave para este lugar. Podemos entrar a qualquer hora e sair quando quisermos e até mesmo falar a nossa língua", disse o xerife, apontando para a Câmara Municipal de Newark, durante uma visita da secretária de Estado das Comunidades Portuguesas, Berta Nunes.

Armando Fontoura, dirigente de vários órgãos de autoridade e segurança, com um total de cerca de 400 funcionários, nos 22 municípios do condado, vai a eleições este mês para tentar um 11.º mandato consecutivo como xerife.

Referindo-se a Eliana Pintor Marin, deputada estadual, membro da Assembleia Geral de Nova Jérsia, Fontoura disse que os portugueses e luso-americanos já têm a "chave" para a Assembleia estadual.

No Congresso federal, em Washington, existem também representantes de origem portuguesa ou luso-eleitos a representar diversas zonas dos Estados Unidos.

"Podemos entrar no Capitólio e no Congresso sem ter que invadir, sem ter que derrubar paredes e ferir polícias, temos a chave para isso também", declarou o xerife, em referência à insurreição ao Capitólio, em 06 de janeiro, por milhares de apoiantes de Donald Trump, revoltados contra a vitória de Joe Biden nas eleições presidenciais, um ataque que provocou a morte a cinco pessoas.

Em comentários à agência Lusa na margem do evento, a secretária de Estado das Comunidades Portuguesas mostrou-se confiante de que isso aconteça: "Sim, eu acho que poderá haver portugueses (na Casa Branca), não há nada que o impeça".

"Na verdade, temos atualmente o exemplo de alguém que é americano, mas também tem antepassados irlandeses (o Presidente Joe Biden) e por isso nada impede que os portugueses possam chegar lá", declarou Berta Nunes.

A secretária de Estado declarou ter-se surpreendido com a "alma, a força, a portugalidade que emerge" da comunidade luso-americana em Newark e destacou que os portugueses radicados nos EUA "participam na construção do país e numa cultura de tolerância e da aceitação da diferença".

Os Estados Unidos têm uma população de portugueses e lusodescendentes estimada em cerca de 1,3 milhões.

A secretária de Estado iniciou a sua visita aos Estados Unidos nas cidades de Newark e Elizabeth e continua a visita às comunidades luso-americanas até 11 de junho, nos estados de Rhode Island, Massachusetts, Connecticut, Nova Iorque e Florida, celebrando o Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades, na próxima quinta-feira, nos EUA.

CIDADÃO ESPANHOL E FILHA DE 6 ANOS MORRERAM APÓS QUEDA DO 17.º ANDAR DE HOTEL EM SÃO PAULO

Um cidadão espanhol, procurado pela Interpol, e a filha de 6 anos morreram após terem caído do 17.º andar de um hotel onde estavam hospedados em São Paulo, revelaram este sábado as autoridades brasileiras. O homem terá saltado com a filha ao colo.

Segundo a polícia militar da cidade paulista, o homem, de 53 anos, deixou uma carta escrita em espanhol no seu quarto, na qual pediu "desculpas" pelo incidente e que estendeu "ao hotel" pelos "danos" que poderiam ser causados.

"Não tenho ninguém com quem a deixar que me dê um mínimo de segurança e paz de espírito", escreveu o cidadão espanhol sobre a filha, numa carta à qual os meios de comunicação brasileiros tiveram acesso, e em que acrescentou um lamento: "Isto não teria acontecido no meu país, com a minha família ao meu lado".

De acordo com as autoridades, o quarto de hotel que ocupavam estava "em ordem" e sem quaisquer sinais de violência.

A Polícia Militar de São Paulo ainda não especificou desde quando o homem e a menina estavam no Brasil ou qual o alegado crime para o qual a sua captura tinha sido solicitada à Interpol.

PANDEMIA VAI DESTRUIR 100 MILHÕES DE EMPREGOS EM 2021


A pandemia vai destruir o equivalente a 100 milhões de empregos a tempo inteiro em 2021, número que cairá para 26 milhões em 2022, mas o crescimento do emprego não compensará as perdas sofridas até 2023, advertiu a OIT.

No relatório atualizado sobre o impacto da pandemia de covid-19 no mercado de trabalho, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) piora ligeiramente a previsão inicial do início deste ano, devido a fatores como o ritmo lento da vacinação em muitos países, que pode atrasar a recuperação económica.

O número de horas equivalentes a 100 milhões de empregos destruídos inclui não só os empregos que a OIT estima que se perderão (cerca de 14 milhões em 2021), mas também os resultantes de reduções do horário de trabalho.

Em 2020, a OIT estimou que a pandemia destruiu horas de trabalho equivalentes a 255 milhões de empregos em todo o mundo, um número que espera que se reduza para mais de metade até 2021 e cerca de um décimo até 2022, embora os números ainda negativos mostrem que "a crise do emprego está longe de ter terminado".

Segundo as novas previsões, a organização, com sede em Genebra, espera que o número de pessoas desempregadas no mundo se situe em 205 milhões em 2022, muito acima dos 187 milhões em 2019, elevando a taxa de desemprego para 5,7%,

O relatório calcula que as taxas de perda de horas de trabalho no mundo foram de 4,8% no primeiro trimestre e de 4,4% no segundo trimestre.

Contudo, na América Latina e na Europa, as regiões onde o mercado de trabalho foi mais atingido pela pandemia, a percentagem de horas de trabalho perdidas tem sido mais elevada, com 8% no primeiro trimestre, enquanto se espera que atinja 6% no segundo trimestre.

A OIT está confiante de que a recuperação do mercado de trabalho global irá acelerar no segundo semestre do ano, embora esta previsão esteja condicionada ao não agravamento da crise, com a desvantagem de um acesso desigual às vacinas e à capacidade limitada de muitas economias para apoiar medidas de estímulo orçamental.

"Os efeitos positivos permanecerão limitados no âmbito geográfico, a menos que seja acordada uma ação a nível internacional, tanto em termos de fornecimento de vacinas como de apoio financeiro, incluindo alívio da dívida", diz a OIT.

Por outro lado, a organização adverte que muitos dos novos empregos criados na esperada recuperação serão de pior qualidade, e os quase 2.000 milhões de trabalhadores que vivem na economia informal podem ser particularmente vulneráveis.

"Não pode haver uma verdadeira recuperação sem uma recuperação de empregos dignos", adverte o diretor-geral da OIT, Guy Ryder, que recomenda estratégias coordenadas entre governos para ajudar os setores mais duramente atingidos, tais como os da hotelaria e restauração, comércio, construção e indústria.

A OIT estima que existem agora mais 108 milhões de "trabalhadores pobres" (aqueles que devem subsistir com menos de 3,2 dólares por dia), um regresso aos números de 2015 e um novo desafio ao objetivo de desenvolvimento sustentável de erradicação da pobreza global até 2030.

O relatório da organização indica que as mulheres foram mais prejudicadas do que os homens no mercado de trabalho durante a pandemia, como demonstra o facto de o emprego feminino se ter contraído 5%, em comparação com 3,9% para os homens.

O mesmo se pode dizer do emprego juvenil, que caiu 8,7% em 2020, enquanto a média para os adultos era de 3,7%, consequências para as gerações que entram no mercado de trabalho que, segundo a OIT, "poderiam prolongar-se durante anos".

A OIT recomenda aos governos, para promover a recuperação do mercado de trabalho, que invistam em setores que possam ser uma fonte de empregos decentes e promovam o diálogo social.

VIDEO: MIGUEL OLIVEIRA VENCE GRANDE PRÉMIO DA CATALUNHA


O português Miguel Oliveira (KTM) venceu este domingo o Grande Prémio da Catalunha de MotoGP, depois de ter partido da quarta posição para a sétima prova da temporada, em Barcelona.

É a primeira vitória de Oliveira pela KTM e a terceira da sua carreira.

Oliveira bateu o francês Johann Zarco (Ducati) por 0,175 segundos, com o australiano Jack Miller (Ducati) a terminar na terceira posição, a 1,990s do português.

Esta é a terceira vitória do piloto de Almada no Mundial de MotoGP, depois de ter vencido os grandes prémios da Estíria e de Portugal, em 2020.



FRNÇA DEFENDE QUE IMPOSTO SOBRE EMPRESAS DEVE SER "O MAIS ALTO POSSÍVEL"


O ministro francês das Finanças, Bruno Le Maire, defendeu este domingo que o imposto mínimo a aplicar às empresas, acordado pelo G7 no sábado, deve ser "o mais alto possível".

Em entrevista à emissora Europe 1, Le Maire afirmou que os 15% acordados são uma conquista que implicou "dias e noites" de negociação, garantindo que agora vai tentar aumentar este imposto.

"Os 15% são já um compromisso. Nas próximas semanas, vamos continuar a lutar, em especial com a Alemanha, para que o imposto seja o mais elevado possível", sublinhou.

No entanto, o governante admitiu que "será muito difícil" ir além do acordado no sábado.

O Governo francês é a favor da aplicação de uma taxa de 21% sobre o rendimento das empresas, em linha com o que defende o Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden.

Os ministros das Finanças do G7 alcançaram este sábado, em Londres, um acordo "histórico" para a aplicação de um imposto mínimo de 15% sobre as empresas.

"Estou encantado por anunciar que os ministros das Finanças do G7 alcançaram, após anos de discussão, um acordo histórico sobre o sistema global de impostos", anunciou, na altura, o ministro das Finanças britânico, Rishi Sunak.

Em causa está uma proposta que prevê a aplicação de um IRC de 15%, assegurando que "as empresas certas paguem os impostos certos, nos locais certos".

Agradecendo o trabalho dos seus homólogos, Sunak reiterou que este acordo "de significância histórica" permite adequar o sistema global de impostos ao século XXI.

sábado, 5 de junho de 2021

SINDICATO ACUSA CP DE "INTIMIDAR TRABALHADORES COM MENTIRAS"


O sindicato ferroviário acusou este sábado a CP de "intimidar os trabalhadores com mentiras", após o anúncio da greve de três dias dos trabalhadores das bilheteiras e revisores, pedindo uma resolução para os problemas que afetam o setor.

"O Sindicato Ferroviário da Revisão Comercial Itinerante (SFRCI), em representação dos trabalhadores ferroviários da carreira comercial, carreira de transportes e chefias diretas da CP, no âmbito desta jornada de luta, teve conhecimento do comunicado de imprensa emitido pelo Conselho de Administração, onde vem intimidar os trabalhadores com mentiras", lamentou, em comunicado, a estrutura sindical.

A administração da CP classificou este sábado a greve dos trabalhadores das bilheteiras e revisores, que começa no domingo, como "desproporcional, injusta e inoportuna", destacando o esforço para revitalizar o setor.

O SFRCI disse que desde 19 de maio, quando entrou o pré-aviso de greve, a administração não solicitou qualquer reunião com os representantes dos trabalhadores, continuando sem explicar e resolver os problemas que afetam os ferroviários.

"O comunicado do Conselho de Administração não responde a nenhum dos muitos problemas que afetam os trabalhadores ferroviários operacionais", vincou.

Na nota divulgada este sábado, a CP Comboios de Portugal garantiu ainda que, nos últimos dois anos, tem feito um "esforço enorme" para revitalizar o setor ferroviário, através da oferta de novos serviços e da recuperação do material circulante, lembrando ainda que a pandemia de covid-19 gerou quebras na receita superiores a 90%.

"Mesmo assim, e ao contrário do que aconteceu noutras empresas do setor dos transportes, a CP não dispensou um único trabalhador, não recorreu ao 'lay-off', nem deixou de cumprir as suas obrigações", notou.

A empresa apelou também ao "profissionalismo" dos trabalhadores e das ORT (organizações representativas dos trabalhadores) para que seja possível manter o diálogo "num ambiente de paz social".

A greve que os trabalhadores das bilheteiras e revisores da CP iniciam domingo pode causar já hoje ao final do dia perturbações na circulação de comboios, que a empresa admite que sejam "fortes" durante os três dias do protesto.

A CP já tinha alertado para que no domingo, segunda e terça-feira os três dias da greve convocada pelo SFRCI "podem ocorrer fortes perturbações na circulação de comboios, a nível nacional".

Adicionalmente, adverte ser "expectável que se verifiquem perturbações" nos dias anterior e seguinte ao protesto, designadamente "no final do dia 5 de junho (hoje) e nas primeiras horas da manhã de dia 9 de junho (quarta-feira)".

Em comunicado, o sindicato apontou a greve nacional como a "última forma de luta" face à "recusa de diálogo e a inoperância, há vários meses, na resolução dos problemas dos trabalhadores por parte do Conselho de Administração da CP".

Os trabalhadores protestam contra a proposta de regulamento de carreiras apresentada pela CP, que dizem prever "um aumento da polivalência de funções" e a "junção e extinção de categorias profissionais", considerando que tal "vai pôr em causa postos de trabalho presentes e futuros".

Reclamam ainda a "melhoria do salário base, que atualmente está no limiar do salário mínimo nacional", e a "reposição das perdas salariais sofridas pelos ferroviários operacionais que foram contagiados pela pandemia provocada pela covid-19, bem como pelos que tiveram de cumprir confinamento profilático por estarem em contacto com colegas infetados".

O SFRCI acusa a CP de "violação do acordo de empresa em vigor" e exige a "aplicação do acordo assinado com o Ministério das Infraestruturas em 2018, relativo à certificação do agente de acompanhamento".

Finalmente, a greve visa condenar o "abuso do poder disciplinar" que os trabalhadores dizem vigorar na CP.

Segundo a CP, quem já tiver bilhetes para viajar em comboios dos serviços Alfa Pendular, Intercidades, Internacional, InterRegional e Regional poderá solicitar o reembolso do valor total do bilhete adquirido ou a sua revalidação, sem custos.

GUARDA-REDES ASSISTE ADEPTO DURANTE UM JOGO E VÊ CARTÃO BRANCO


O jogo desta quinta-feira, entre o AC Travanca e GD Parada, da I Distrital de Viseu, ficou marcado por um gesto de "fair-play" do guarda-redes da equipa da casa, que lhe valeu o cartão branco.

O desporto traz-nos, muitas vezes, histórias bem bonitas e esta é mais uma. Aconteceu em Viseu, num jogo da I Distrital, e teve como protagonista o guarda-redes da equipa da casa. Luís não está a dar que falar pelas defesas ou pela exibição, mas sim por algo ainda mais louvável: a ajuda prestada a um adepto.

A partida entre o AC Travanca e GD Parada, que se disputou no Estádio do Ribeiro, em Travanca de Bodiosa, estava nos 87 minutos quando um dos adeptos do GD Parada, que assistia à partida fora do recinto começou a ter um ataque de epilepsia.

O homem, com cerca de 30 anos, foi ajudado pelos outros apoiantes, que chamaram o 112. O problema agravou-se e os adeptos chamaram o guarda-redes da equipa da casa, Luís, que faz parte do corpo do INEM de Viseu.

Luís saiu do campo para socorrer o homem. A situação acabou por ficar estabilizada e, já depois da chegada do INEM, o guarda-redes voltou para o campo e a partida foi retomada.

O árbitro não hesitou e mostrou o cartão branco, que premeia o "fair-play", pela nobre atitude do atleta.

sexta-feira, 4 de junho de 2021

PORTUGAL E ESPANHA ASSINARAM ACORDO PARA ORGANIZAÇÃO CONJUNTA DO MUNDIAL 2030


A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) e a Real Federação Espanhola de Futebol (RFEF) assinaram, esta sexta-feira à tarde, um acordo para a organização conjunta do Campeonato do Mundo de 2030.

A cerimónia, que começou às 17.30 horas, contou com a presença de Marcelo Rebelo de Sousa, presidente da República, e do primeiro-ministro António Costa, bem como do rei Filipe VI de Espanha e do primeiro-ministro espanhol Pedro Sanchez, decorreu no estádio Wanda Metropolitano, do Atlético de Madrid, que a partir das 18.30 horas é palco do jogo de preparação para o Euro2020 entre Portugal e Espanha.

O documento subscrito pelos chefes dos governos de Portugal e Espanha salienta que "a candidatura assenta na solidez económica e social de ambos os países, na capacidade demonstrada para organizarem e desenvolverem com sucesso eventos internacionais, na existência de infraestruturas de primeira ordem, nos êxitos desportivos obtidos tanto pelos clubes como pelas seleções, mas, sobretudo, na relação de amizade cultivada ao longo dos anos entre Portugal e Espanha".

Segundo a organização conjunta, esta "fórmula vencedora representará um marco histórico para os dois países e conta também com o apoio entusiástico dos seus cidadãos", lê-se ainda.

Luís Rubiales, presidente da RFEF, foi o primeiro a tomar da palavra e recordou a ligação entre os dois estados. "O primeiro jogo entre Portugal e Espanha realizou-se a 18 de dezembro de 1921. Já passaram 100 anos. Mais que uma união, é uma fusão. Que países têm a história de Portugal e de Espanha? E o futebol também faz parte dessa história do ADN destas gentes. Por isso, quero manter este compromisso e reforçá-lo, com a ajuda do Ministério dos Desportos e do Conselho Superior dos Desportos e com o vosso ministro do Desporto", frisou.

E prosseguiu: "Sei que vamos fazer uma grande equipa para que todos juntos consigamos mostrar os nossos valores, que são o trabalho, a humildade, a excelência, a proximidade e a hospitalidade. Temos as melhores praias, mas também turismo de interior. Temos a gastronomia, temos um tempo magnífico, e muito mais".

Luís Rubiales dirigiu-se também aos congéneres dos outros países. "Quero mandar uma mensagem às outras federações nacionais de todo o Mundo, se nos derem a vossa confiança, quando vierem aos nossos países vão encontrar-se com uma experiência inesquecível, quer os jogadores, o staff técnico, o público, quer os jornalistas. O êxito de Espanha e Portugal será também o êxito da FIFA", finalizou.

Fernando Gomes sucedeu ao colega espanhol nos discursos. "Em dezembro deste ano passam 100 anos do primeiro jogo entre a seleção de Portugal e a do país vizinho e irmão Espanha. Que ano melhor para formalizar o compromisso entre ambas as federações para trabalhar como uma só federação pelo primeiro mundial de futebol na Península Ibérica. É isso que firmámos hoje, o nosso compromisso. Espanha e Portugal ganharam os três últimos Campeonatos da Europa. São países com uma história similar e uma tradição de bem receber e organizar eventos de dimensão enorme", enalteceu o responsável máximo pela FPF.

"Os Jogos Olímpicos de 1992 foram organizados por Espanha, não certamente por acaso, e continuam na memória coletiva dos adeptos e desportistas mundiais. Não só pelo que dignificaram, mas pelo legado de instalações desportivas e de novas conquistas que permitiram aos atletas em Espanha. O Euro2004, em Portugal, continua até ao momento a ser mencionado por todos como absolutamente exemplar e transformador da experiência de mistura de um país, de uma cultura e o resto dos povos. Há um ano, em plena pandemia, Portugal e Espanha organizaram as finais das Liga dos Campeões masculina e feminina. Há uma semana, Portugal e a cidade do Porto voltaram a dar a mão à Europa organizando a final da Liga dos Campeões pelo segundo ano seguido", realçou Fernando Gomes.

E complementou: "A nossa paixão pelo desporto e pelo futebol vem desde muito antes de nós. Poder receber um Mundial é algo, e temos de frisar bem isso, que os dois países merecem muito, algo que tentaram conseguir em 2010 e não o conseguiram por motivos tão distintos como irrepetíveis. Vamos lutar agora para corrigir esse momento para que o Mundial de 2030 possa acontecer na Península Ibérica".

"Estar aqui hoje nesta cerimónia, ante as mais altas individualidades dos dois países, e ante uma federação como a de Espanha e a sua vontade de transformação, é um motivo de muita responsabilidade e honra. Responsabilidade porque naturalmente vai querer ganhar, respeitando todos e contra ninguém. E de honra por antes de tudo ter conquistado a confiança dos mais altos representantes das duas nações. A viagem começa agora. Unidos e a uma única voz anunciamos ao mundo: vamos!", finalizou Fernando Gomes.

FUNDO DE RESOLUÇÃO PAGOU 317 MILHÕES DE EUROS AO NOVO BANCO


O Fundo de Resolução (FdR) pagou esta sexta-feira 317 milhões de euros ao Novo Banco, ao abrigo do Acordo de Capitalização Contingente (CCA), abaixo dos 598 milhões de euros que a instituição liderada por António Ramalho tinha pedido.

"O Fundo de Resolução realizou hoje o pagamento ao Novo Banco referente ao Acordo de Capitalização Contingente. O valor pago pelo Fundo de Resolução foi de 317.012.629,00 euros e diz respeito às contas do exercício de 2020", pode ler-se num comunicado enviado esta sexta-feira pelo FdR.

A estrutura liderada por Luís Máximo dos Santos considerou ser devido "um ajustamento no montante agregado de 169.298.939,00 euros" ao pedido do Novo Banco, devido a divergências acerca da venda da sucursal em Espanha (147,4 milhões de euros), à valorização de ativos (18 milhões) e aos prémios de gestão de 2019 e 2020 (quase quatro milhões de euros).

"Assim, o valor apurado pelo Fundo de Resolução para efeitos de pagamento ao Novo Banco é de 429.012.629,00 euros", pode ler-se no comunicado, valor ao qual são reduzidos 112 milhões de euros.

O pagamento dos 112 milhões de euros fica "dependente da conclusão de uma averiguação suplementar" sobre a não aplicação da "política de contabilidade de cobertura aos instrumentos financeiros derivados contratados para cobrir risco de taxa de juro resultante da exposição a obrigações de dívida soberana de longo prazo".

"Assim, foi realizado o pagamento ao Novo Banco do montante de 317.012.629,00 euros e prosseguirão as diligências necessárias para aferir a verificação da condição a que ficou sujeita a transferência do montante de 112.000.000,00 euros", de acordo com o Fundo de Resolução.

O fundo refere ainda que os 429 milhões considerados ficam abaixo dos 752 milhões de euros de perdas abrangidas pelos ativos incluídos no mecanismo de capitalização contingente.

No texto, a entidade presidida por Luís Máximo dos Santos reforça alguns factos entretanto conhecidos, como o facto de o pagamento ao Novo Banco ter sido "integralmente financiado com recursos provenientes de um empréstimo obtido junto de sete instituições de crédito nacionais": a Caixa Geral de Depósitos, o BCP, o Santander Totta, o BPI, o Crédito Agrícola, o Banco Montepio e o EuroBic.

"O empréstimo tem vencimento em 2046 e é remunerado a uma taxa de juro correspondente ao custo de financiamento da República para o prazo entre a data de celebração do contrato (31/05/2021) e 31/12/2026, acrescido de uma margem de 15 pontos base", que será revista a cada cinco anos.

"No momento atual significa que a taxa de juro é de -6 pontos base", detalhou na terça-feira o secretário-geral do Fundo de Resolução, João Freitas, no parlamento.

João Freitas também divulgou que o empréstimo da banca ao FdR para financiar o Novo Banco foi formalizado na segunda-feira e totaliza 475 milhões de euros, que podem ser utilizados até 2022.

HOMEM DAVA COMPRIMIDOS À ENTEADA DE SETE ANOS PARA ABUSAR DELA


Um indivíduo, de 39 anos, foi detido pela Polícia Judiciária (PJ) de Lisboa por suspeitas de ter abusado da enteada, então com sete anos, a quem dava comprimidos para a deixar sonolenta.

De acordo com informações reunidas pelo JN, os abusos aconteceram em Cascais, durante dois anos, entre 2016 e 2018. O indivíduo começou a viver com a mãe da criança quando esta era ainda bebé.

Da relação, nasceu outra criança, mas entretanto, o casal separou-se e a regulação do poder paternal ditou uma guarda partilhada da filha de ambos.

Sempre que a meia-irmã ia ver o pai, a vítima também o visitava. Tinha sido ele quem a criara e era a ele que a criança chamava pai.

A enteada começou a ser abusada quando tinha sete anos. Para não encontrar obstáculos, o padrasto administrava sedativos à menor. Ao fim de cerca de dois anos, a vítima disse à mãe que não queria mais visitar o padrasto e a mulher desconfiou. A criança acabou por denunciá-lo, mas o indivíduo negou e ninguém informou as autoridades.

A filha de ambos continuou a viver alternadamente em casa do pai. Mas, recentemente, o indivíduo começou a dar-lhe os mesmos medicamentos que administrava à enteada.

A criança denunciou esse facto na escola e à mãe. Com receio de que pudesse sofrer os mesmos abusos que a meia-irmã, o caso foi comunicado à PJ.

Foram reunidas provas suficientes para o deter e para que o tribunal o colocasse em prisão preventiva.

quinta-feira, 3 de junho de 2021

AGREDIU BOMBEIRO PORQUE FOI IMPEDIDO DE ENTRAR NA AMBULÂNCIA A FUMAR


Um homem com cerca de 40 anos agrediu um bombeiro da Feira e danificou uma ambulância, na madrugada desta quinta-feira, depois de ter sido impedido de entrar na ambulância a fumar.

Cerca das 2.30 horas, os bombeiros foram chamados a uma residência para transportar uma mulher com um ferimento ao hospital.

No local, o filho da mulher tentou entrar na ambulância para acompanhar a mãe, estando a fumar.

Ao ser advertido que não poderia estar no interior da ambulância a fumar, agrediu um dos bombeiros com um murro.

Depois, ameaçou de morte os bombeiros e foi buscar um taco de basebol com o qual partiu os vidros e provocou outros prejuízos na viatura de socorro.

Os bombeiros conseguiram arrancar com a ambulância e levar a mulher ao hospital da Feira.

A PSP foi contactada e tomou conta da ocorrência.

PORTUGAL SAI DA LISTA "VERDE" DO REINO UNIDO. INGLESES OBRIGADOS A QUARENTENA NO REGRESSO A PARTIR DE TERÇA-FEIRA


Portugal foi retirado da "lista verde" de países seguros do Reino Unido, que dispensava quarentena no regresso a solo britânico, anunciou esta quinta-feira o secretário dos Transportes, Grant Shapps. A medida aplica-se a partir da próxima terça-feira, 8 de junho.

O ministro disse numa entrevista transmitida na Sky News que foi uma "decisão difícil de tomar”, invocando duas principais razões que estão a causar preocupação nas autoridades britânicas.

"Uma é que a taxa de positividade quase duplicou desde a última revisão em Portugal e a outra é que há uma espécie de mutação do Nepal da chamada variante indiana que foi detetada e simplesmente não sabemos o potencial que pode ter para resistir à vacina”, explicou.

Shapps disse que o Governo quer garantir que o país não importa mais variantes que ponham em causa o plano de desconfinamento, nomeadamente a quarta etapa prevista para 21 de junho, quando se espera que sejam levantadas todas as restrições.

Portugal baixa para a lista "âmbar", que exige a quarentena durante 10 dias após a chegada.

As pessoas que chegam ao Reino Unido provenientes de países da lista "âmbar" têm também de fazer dois testes após a chegada um no segundo dia e outro no oitavo dia e cumprir o respetivo isolamento, que pode eventualmente ser reduzido em caso de apresentação de um teste negativo adicional ao quinto dia.

Nenhum outro país terá sido transferido de "âmbar" para "verde", na revisão do sistema de semáforos de viagem do governo britânico.

Atualmente, está em vigor um sistema de "semáforos", com três cores diferentes verde, âmbar e vermelha que varia em função do grau de risco do país de origem. Cada cor implica regras específicas diferentes em relação ao número de testes PCR necessários aquando do regresso ao Reino Unido, bem como a necessidade de quarentena.

Ações das companhias aéreas britânicas caem após alterações

Pelas 15:50 (hora de Lisboa), as ações da EasyJet desciam 6,07%, enquanto as do International Airlines Group (IAG) recuavam 5,67%. Por sua vez, os títulos da Ryanair estavam a perder 4,26% e os da TUI 3,87%.

“O Governo voltou a ignorar o setor do Turismo ao recusar-se a acrescentar novos destinos à já estreita lista verde”, afirmou a vice-presidente sénior do Conselho Mundial de Viagens e do Turismo, Virgínia Messina, citada pela Bloomberg.

Virgínia Messina vincou ainda que a exclusão de Portugal vai “destruir a confiança necessária para viajar, diminuir as reservas futuras e dissuadir os turistas”.

Portugal era até agora o único país da União Europeia (UE) na "lista verde”, que isenta os viajantes de quarentena no regresso a território britânico, em vigor desde 17 de maio.

A lista de destinos seguros é assim reduzida a 11 países e territórios, mas a maioria é bastante longínqua ou não deixa entrar turistas, como Austrália, Nova Zelândia, Singapura, Brunei e Ilhas Malvinas, restando a Islândia como o destino mais acessível.

Segundo a comunicação social britânica, o Governo britânico não vai adicionar mais nenhum país à “lista verde”, nomeadamente Espanha, que eliminou os requisitos de entrada dos britânicos com esperança de estimular o setor do turismo.
Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte ainda não confirmaram, mas deverão seguir as orientações.

Na "lista vermelha” estão países para os quais o Governo proíbe viagens devido ao nível de risco, impondo à chegada ao Reino Unido quarentena de 10 dias num hotel designado e às suas custas, além de dois testes PCR, no segundo e oitavo dias da quarentena.

Afeganistão, Sudão, Egito, Costa Rica, Sri Lanka, Bahrain, Trinidade e Tobago vão ser adicionadas a esta lista, adiantou o Daily Telegraph, lista na qual já se encontram o Brasil, África do Sul e Índia, mas também Angola, Moçambique e Cabo Verde.

Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe, Timor-Leste e Guiné Equatorial estão na “lista amarela”, para onde não é ilegal viajar por motivos não essenciais, como férias, mas é fortemente desaconselhado.

quarta-feira, 2 de junho de 2021

JUÍZ DÁ CINCO DIAS A BOLSONARO PARA EXPLICAR DESRESPEITO DAS MEDIDAS SANITÁRIAS


Um juiz do Supremo Tribunal Federal (STF) brasileiro deu cinco dias para que o Presidente, Jair Bolsonaro, explique porque não cumpre medidas sanitárias em vigor no país devido à pandemia da covid-19.

O pedido do juiz Edson Fachin surgiu na terça-feira, na sequência de uma ação entregue pelo Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), que pediu ao STF para obrigar Bolsonaro a cumprir as medidas de prevenção, como o uso de máscara e o distanciamento social, contra a covid-19, sob pena de multa.

"São graves as alegações trazidas pelo Partido requerente. Sem descurar da urgência que as questões afetas à saúde pública reclamam, a oitiva (audição) da Presidência da República no curto prazo fixado em lei pode contribuir para delimitar o quadro descrito pelo partido", indicou o magistrado.

Nesse sentido, o juiz pediu que a Procuradoria-Geral da República (PGR) e da Advocacia-Geral da União (AGU), órgão que defende o Executivo brasileiro em processos judiciais, se manifestem também no prazo de cinco dias.

Na ação, o PSDB afirma que as recomendações da própria administração pública federal, como o Ministério da Saúde e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), são claras quanto à necessidade de a população utilizar máscaras e álcool gel e não participar em aglomerações.

No entanto, para o partido, "em flagrante desvio de finalidade", o Presidente brasileiro tem desrespeitado essas orientações e incentivado à desobediência nos atos e nas ações do Governo em que participa.

Bolsonaro, um dos chefes de Estado mais negacionistas em relação à gravidade da pandemia em todo e que chegou a classificar a covid-19 de "gripezinha", é frequentemente visto em público e em eventos oficiais sem máscara e em aglomerações com apoiantes.

O Brasil, um dos países mais afetados pela pandemia em todo o mundo, totaliza 465.199 óbitos e 16.624.480 infeções pelo novo coronavírus e especialistas preveem uma terceira vaga da doença no país, nas próximas semanas.

MULHER CORTA PÉNIS A CHEFE QUE A TENTOU VIOLAR


Uma mulher, empregada de um bar em Sant Andreu de la Barca, em Barcelona, cortou o pénis do chefe, para se defender de uma agressão sexual que estaria prestes a ser vítima.

Segundo noticia o El País, a mulher, natural do Bangladesh, entrou na esquadra da polícia cerca das 00:00 desta segunda-feira e confessou o crime. 

A mulher, que acabou por ser detida pelas autoridades, alertou que o gerente do bar onde trabalhava a obrigou, em várias ocasiões, a manter relações sexuais não consentidas. Na noite de segunda-feira, o homem terá tentado novamente, mas a vítima defendeu-se com uma faca e amputou uma parte do pénis do agressor.

As autoridades foram chamadas ao local e o ferido transportado de urgência para o Hospital Bellvitge, onde permanece internado. A polícia aguarda pelo depoimento do agressor para o acusar do crime de agressão sexual.

Já a empregada, continua detida nas instalações da polícia em Martorell e está acusada de um crime doloso.

BARES, RESTAURANTES, CULTURA E DESPORTO: O QUE MUDA E O QUE FICA NA MESMA


A abertura do país vai continuar, com regras mais apertadas nos concelhos que ultrapassem as linhas vermelhas, já alteradas nos casos dos territórios menos povoados.

Tendo em conta a baixa taxa de mortalidade associada à covid-19 e o facto de atualmente não haver pressão sobre o Serviço Nacional da Saúde, o processo de desconfinamento segue em duas fases, com arranque a 14 e 28 de junho.

Na primeira fase, na generalidade do território, o teletrabalho passará de obrigatório a recomendado sempre que seja possível.

No setor da restauração, restaurantes, cafés e pastelarias mantêm as atuais regras de lotação mas com horário alargado até à meia-noite para admissão de clientes e 1 hora para encerramento.

comércio livra-se também das atuais restrições de horas, voltando a adotar o horário normal.

No que diz respeito aos transportes públicos, há dois casos: nos veículos onde só existam lugares sentados pode ser ocupada a lotação completa, e nos veículos onde há lugares sentados e de pé a lotação passa a ser de dois terços.

Na atividade desportiva, os escalões de formação e modalidades amadoras passam a ter lugares marcados e regras de distanciamento, os recintos desportivos adotam 33% da lotação e nos espaços exteriores aplicam-se regras a definir pela Direção-Geral da Saúde.

Os espetáculos culturais terão horário alargado até à meia-noite: dentro de sala com lotação de 50% e no exterior com lugares marcados e regras de distanciamento serão estas as normas aplicadas, por exemplo, no São João do Porto, que será comemorado em três eventos ao ar livre devidamente limitados, como avançou esta semana a Câmara Municipal.

Na segunda fase do desconfinamento, duas semanas depois do arranque da primeira, os transportes públicos deixam de ter restrições de lotação, as Lojas do Cidadão passam a atender sem marcação prévia e, no Desporto, os escalões profissionais adotam novas regras. Fechados pelo menos até fim de agosto vão continuar os bares e as discotecas "Não há condições", justificou Costa.

Festas, romarias populares e casamentos com lotação superior a 50% também continuam proibidos. Mas, para os adeptos do desporto-rei, uma boa notícia: em agosto, os jogos de futebol devem retomar o público, com os estádios e restantes recintos a poderem ter 33% da capacidade ocupada.

Mola apertada para concelhos que passem linhas

Nos concelhos que registarem, por duas vezes consecutivas, mais de 120 casos de covid-19 por 100 mil habitantes a 14 dias (ou 240 em concelhos de baixa densidade populacional ver explicação abaixo), restaurantes, cafés e pastelarias continuam a ter de fechar às 22.30 horas, tal como os espetáculos culturais, com o comércio a retalho a bater a porta às 21 horas.

Já nos concelhos que tenham duas vezes seguidas 240 casos por 100 mil habitantes (480 nos menos populosos), restaurantes, cafés e pastelarias têm de encerrar às 15.30 horas aos fins de semana e feriados (22.30 durante a semana), à semelhança do que acontece com espetáculos culturais. Casamentos, batizados e afins só poderão ter 25% da lotação.

Matriz de risco passa a ter em conta a densidade populacional

O processo de desconfinamento vai prosseguir "tendo por base a matriz de gestão de risco já conhecida" concelhos com mais de 120 novos casos por 100 mil habitantes nos últimos 14 dias não avançam e concelhos com mais de 240 novos recuam. No entanto, ressalvou António Costa, passará a ser tida em conta "a clara distinção que existe entre os territórios de baixa densidade e as restantes áreas do território continental".

Isto porque, além de o risco ser "menor" em territórios menos povoados, o atual critério da incidência é "fortemente penalizador" nesses concelhos, tendo em conta que um pequeno número de novos casos pode levar a retrocessos no desconfinamento. Para contrariar o cenário, as restrições só serão aplicadas quando esses municípios excederem "o dobro dos limiares" previamente definidos. Ou seja, nos concelhos com baixa densidade populacional, as linhas vermelhas passam dos 120 para os 240 novos casos por 100 mil habitantes (desconfinamento não avança) e dos 240 para os 480 casos (desconfinamento recua).

Máscaras são para continuar

"É cedo para aliviar" a restrição das máscaras, tendo em conta "o nível muito elevado de transmissão que ainda existe", justificou o chefe de Governo, acrescentando que ainda não há dados que sustentem que quem já está vacinado deixa de ser transmissor do vírus. "É bom mantermos esta prática desagradável" no futuro próximo, de modo a que ela se mantenha "no menor número possível" de meses.

O primeiro-ministro apelou ainda aos portugueses que façam testes contra a covid-19 sempre que considerem necessário, lembrando que já existem testes disponíveis nas farmácias.

BOTAS DE OURO DE JARDEL ROUBADAS DA SUA CASA DURANTE A MADRUGADA


As Botas de Ouro e de prata conquistadas pelo ex-atacante de F. C. Porto e Sporting Mário Jardel foram roubadas na madrugada desta quarta-feira, da sua casa.

De acordo com o antigo jogador brasileiro, dois assaltantes invadiram a sua casa e levaram os troféus conquistados pelos dragões (Bota de Ouro e chuteira de prata) e outro pelo Sporting (Bota de Ouro).

Jardel mostrou-se devastado com a situação: "Nem é pela questão financeira, é mais pelo valor sentimental. É o meu legado, a minha história", afirmou o antigo atleta, citado pelo Globoesporte.

Já foi apresentada uma queixa na polícia de Fortaleza, no Brasil.

terça-feira, 1 de junho de 2021

AURRIGO, O PRIMEIRO AUTOCARRO AUTÓNOMO DO REINO UNIDO


O Aurrigo Driverless Shuttle, como o próprio nome indica é um veículo de transporte de passageiros sem condutor.

Em comunicado a empresa inglesa assume que este é o primeiro passo de um projeto que pretende testar em condições reais a funcionalidade de um transporte de passageiros, completamente autónomo, em estrada aberta.

Em teste estão três unidades, com capacidade para 10 pessoas. Esta configuração obedece no entanto ao atual e necessário contexto de distanciamento social devido à pandemia, pois o veículo poderá transportar até 30 pessoas.


O projeto junta a Aurrigo, a GCP (Parceria para a mobilidade da zona de Cambridge), a Smart Cambridge (empresa tecnológica) e a CCAV (Centro para os Veículos conectados e autónomos).

Os utilizadores poderão instalar uma aplicação no smartphone (há uma limitação de utilizadores para usarem a app) e, através da mesma poderão indicar que pretendem utilizar o serviço ao longo dos cerca de três quilómetros de rota (que dura 20 minutos) em redor do Campus Universitário de Cambridge.


Todo o sistema é completamente automatizado, digital, sem interação humana e o veículo sem condutor está em permanente monitorização por responsáveis do consórcio.

A tecnologia junta radares, lidar, sensores de aproximação, cartografia avançada e conta com informação em tempo real do estado do trânsito.

VIDEO: MULHER ENFRENTA URSO PARA SALVAR OS CÃES NA CALIFORNIA


O vídeo captado por uma câmara de vigilância mostra o animal a tentar atravessar o muro com as crias. Após partilha do momento nas redes sociais, o registo tornou-se viral.

PROFESSORES VÃO DAR AULAS DE SAIA EM SOLIDARIEDADE COM ALUNO EXPULSO


Movimento começou quando um professor de Matemática decidiu vestir uma saia em nome da igualdade de género.

Em Espanha, há professores e alunos que estão a ir para a escola de saia, em solidariedade com um rapaz que foi expulso, em novembro do ano passado, por usar precisamente uma saia, conta o NY Post.

O movimento começou, ainda em novembro, quando o professor de Matemática Jose Piñas decidiu vestir uma saia em nome da igualdade de género, depois de um dos seus alunos ter sido expulso e aconselhado a ir a um psicólogo.

"Roupas Não Têm Género" é o mote usado pelos protagonistas desta manifestação de apoio.

Nas redes sociais, este professor deixou ainda uma mensagem onde conta que, quando era aluno, naquela mesma instituição, também sofreu perseguições por causa da orientação sexual.

Outros professores também se juntaram à causa. Numa escola em Valladolid, foi decretado que o mês de maio era o mês para se usar saia todos os dias.

"Uma escola que educa com respeito, diversidade, coeducação e tolerância. Vistam-se como quiserem! Nós juntamo-nos à campanha 'Roupas Não Têm Género'", disse um dos professores da escola de Valladolid em abril.

Através desta corrente, foi criado um movimento nacional em Espanha com o foco principal na tolerância. Desde aí, a escola que expulsou o aluno já implementou uma disciplina sobre a igualdade de género.

RICARDO SALGADO PROPÕE PAGAR 11 MILHÕES DE EUROS PARA ARQUIVAR O PROCESSO

Ricardo Salgado está disposto a pagar para que seja arquivado o processo que teve origem na Operação Marquês e que o vai levar a julgamento ...